Pesquisar este blog

Retiro

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

O QUE VALE UMA MISSA

O QUE VALE UMA MISSA


Achava-se um missionário muito esgotado por seus trabalhos apostólicos. Seus companheiros, para induzi-lo ao descanso, diziam-lhe: "Se o médico conhecesse o vosso estado de saúde, não vos permitiria a celebração da Missa". Mas o enfermo replicou: "Pelo contrário, se o médico soubesse o que vale uma Missa, ele me animaria a dizê-la diariamente".

(Tesouros de Exemplos, Padre Francisco Alves, 1958)

Louvado seja N.S. Jesus Cristo!





Mons. Marcel  Lefebvre
The Mass of All Time:
priestly ordinations at Ridgefield, CT, USA - 1984
+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Inocência na mira - A Infância assediada

Em 1953, nos EUA, a Maçonaria concebeu um plano para corromper em larga escala toda a juventude americana. Lemos:
"Começamos a realizá-lo e o aperfeiçoaremos com os seguintes meios: cinema, publicações pornográficas a baixo custo, livros cômicos com histórias de sexo e violência; ultimo meio, mas não menor, a televisão; não ousamos ir mais longe com a televisão, por enquanto. Mas ela nos reserva um auditório imenso e será o melhor meio de pegar as crianças. Nosso plano é de promover primeiro algumas representações amorosas, se não já imorais, e graduando progressivamente a maldade, toda calculada, teremos a posse de toda a juventude. Será mantida ocupada o dia todo, sem deixar espaço para a religião. Assim, os jovens, quando acordarem e ao dormirem, terão a cabeça cheia de cowboys, de homicidas, de terrores, de desenhos animados inofensivos. Tudo isso para afastar de suas almas as imagens religiosas. Assim, as crianças serão desorientada por anos a fio. Depois, quase que ocasionalmente introduziremos costumes indecentes e cenas licenciosas com o fim de destruir o sentido da modéstia" (do livro “A Maçonaria, Sociedade Secreta Iniciática” – vários autores).

Pag. 91-91 Do livro “Educação Sexual: Etapa Maçônica para a Destruição do Homem” do dr. Carlo Alberto Agnoli (magistrado) – Ed. Civiltà. Brescia:


31 de Janeiro: São João Bosco

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

LA RESISTENCIA ES UNA CUESTIÓN DE PRINCIPIOS!

Um texto de fácil compreensão e bem preciso. Aproveitem. 


PADRE JEAN DE MORGON: LA RESISTENCIA ES UNA CUESTIÓN DE PRINCIPIOS.

.
El pasado domingo 26 de enero, durante la Misa, el Padre Jean de Morgon (Francia) explicó a los fieles el por qué de la separación de los sacerdotes y los Dominicos de Avrillé de la FSSPX. 

Les ofrecemos un extracto del sermón.



.

San Pablo nos dice, en la Epístola a los Gálatas, que  Si alguno os predica diferente evangelio del que habéis recibido, sea anatema. Por lo tanto, no es posible estar en paz con alguien que tiene otra doctrina, otro Evangelio. Permítanme entonces partir de esta palabra de Dios para tratar de aplicarla a la situación actual, de hoy.

Debemos tener la preocupación de predicar la palabra de Dios, la Verdad, y aplicarla al tiempo presente.  Creo que ustedes están al corriente de los acontecimientos que sacuden al mundo de la Tradición. Si no lo están, se los comunico rápidamente. Algunos sacerdotes han dejado la Fraternidad y también comunidades amigas, las cuales han tomado sus distancias de las autoridades de la Fraternidad.

Tengo el permiso de mi superior de predicar hoy sobre este tema, de explicarles por qué esta división. Es muy importante comprender, pues esta división visible, sensible, es resultado de una división mucho más profunda, más grave, sobre la cual quiero hablar.  Es una división de los principios.  Es muy importante comprenderlo, no es una división de personas,  es una cuestión de principios.

A la salida de Misa, ustedes encontrarán fotocopias de un texto que escribí hace algún tiempo. No está firmado pero fui yo quien lo redactó y asumo la responsabilidad.

En la primera parte les quiero demostrar que nosotros debemos ser personas de principios. En la segunda parte, quiero demostrarles que si después de cincuenta años nosotros estamos en la Resistencia, en el combate por la Fe y la Tradición, es porque somos hombres de principios; y en tercer lugar quiero aplicar esto a lo que sucede actualmente,  hay un problema de principios en la Tradición.
.
.

Primer punto: Debemos ser personas de principios.
.

VINHAM NADANDO

VINHAM NADANDO


Conta um missionário que, quando chegava a alguma ilha da Oceania, para anunciar a sua presença levantava um mastro bem grande. Os negros acudiam de tôda a parte e vinham até de muito longe. Um domingo, pela manhã, viu chegar uma turma de negros que vinham nadando de outra ilha, para terem o consolo de ouvir a Santa Missa.

(Tesouros de Exemplos, Padre Francisco Alves, 1958)
 
Louvado seja N.S. Jesus Cristo!






+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

História de Conversão X: Uma menina católica converte protestantes com sua fé no Terço

Gloria Marie Elizabeth Rose Strauss
Seattle, 10 Ago. 2009 / 09:02 am (ACI)

A breve vida de uma menina devota católica em Seattle, Washington, permitiu o retorno à Igreja de muitos católicos e a conversão de pelo menos dez americanos. O testemunho de fé que deu ao lutar contra um doloroso câncer deu numerosos frutos e inclusive permitiu a fundação de uma organização dedicada a apoiar a famílias com membros doentes.

Gloria Marie Elizabeth Rose Strauss nasceu em 1996, tinha seis irmãos e levou uma vida completamente normal até cumprir os 7 anos de idade. Era amável, alegre, carinhosa e muito piedosa. Gostava muito da oração do Terço.

Em uma entrevista à CatholicNewsAgency.com, seu pai Doug Strauss, recordou que, no ano de 2003, Glória recebeu um acidental golpe de bola no rosto e quando a lesão desapareceu ficou um vulto suspeito.

Os médicos lhe diagnosticaram um câncer avançado conhecido como neuroblastoma e lhe deram entre três meses e três anos de vida. Glória foi submetida a uma cirurgia e recebeu tratamentos de quimioterapia.

Condenado por "abortofobia"

Esta noite, lembrem-se de rezar pelos Mártires da atualidade, que nem sempre sofrem violência física, mas injustiças, calúnias e perseguição... sempre! Este homem, Xavier Dor, cometeu na França o crime de obstruir o aborto apenas porque presenteou a uma mulher grávida com um par de sapatinhos de bebê para dissuadi-la de fazer um aborto. A que ponto chegamos! 

A sentença chegou no mesmo dia em que Francisco Bergoglio recebia no Vaticano o Presidente da França, um pecador público, um adúltero renitente, que não esconde os "casos amorosos" nem mesmo a relação adúltera que vive com a Primeira Dama da França. Aliás, casamento nunca fez parte de seus planos de vida. A mídia ressaltou a "cara feia" que Francisco fez ao recebê-lo e apertar a sua mão, com pose para fotos. Ok, mas "cara feia" não basta, Santidade! Eu sei que por algum motivo bizarro crê mesmo que não tem poderes para julgar ninguém... mas "cara feia" pode? Onde fica sua (falsa) caridade modernista? 

Enfim, ainda por cima houve troca de presentes (protocolar, dizem), onde a "cara feia" deixou lugar a um sorriso de satisfação. Qual é o preço de nossa alma? Um livro?... Enquanto isso, na França, um bom homem católico que luta em favor da vida e vai além das palavras fáceis pondo em risco sua vida, sua liberdade e sua própria honra, vai ter que cumprir a sentença da Justiça Revolucionária Francesa.




* * *

FRANÇA: DÁ DE PRESENTE DOIS SAPATINHOS DE RECÉM-NASCIDO A UMA MULHER GRÁVIDA E É CONDENADO POR “ABORTOFOBIA”

(em italiano)
 .
Dr. Xavier  Dor,  84  anni,  dovrà  pagare  una  multa  di  10.000  euro,  rischiava  anche  un  mese  di galera.

Proprio nelle ore in cui il Santo  Padre  Francesco riceveva in Vaticano il  Presidente  François Hollande, dalla Francia giungeva la notizia della condanna penale di Xavier Dor, noto combattente pro life transalpino che si era reso “colpevole” di regalare a una donna incinta un paio di scarpette per dissuaderla dall’aborto..

Lo stato francese ha introdotto nella legge Weil del 1975 la nuova figura del “reato di intralcio all’aborto”, “le délit d’entrave”. Chi lo commette dimostra di essere “abortofobo”, evidente traslazione concettuale delle leggi sull’omofobia, che possono essere estese teoricamente a qualsiasi condotta “deviante” di pro life e di cattolici intransigenti.

Con le modifiche alla legge Weil – che in Francia ogni anno miete 220.000 vittime prima della nascita – l’aborto viene dichiarato esplicitamente “un diritto di tutte le donne che non desiderano portare a termine la gravidanza”.

In base al “reato di intralcio all’aborto”, ora i pro life francesi possono essere processati e condannati anche solo per le attività di informazione e dissuasione in ospedale, per aver indicato alla donna un numero di telefono oppure averle indotte a riflettere su che cos’è l’aborto.

Non solo: in base a questa legge vengono criminalizzati anche coloro che organizzano e partecipano a Marce per la Vita, oppure hanno siti web antiabortisti. La pena massima prevista dalla legge è di 2 anni di prigione e 30 mila euro di sanzione.

Rabino H. Waton: "Judaísmo é comunismo"

Judaísmo e Marxismo

“Não é por acaso que o Judaísmo deu à luz o Marxismo, e não é por acaso que os judeus prontamente assumiram o Marxismo; tudo isso estava em perfeito acordo com o progresso do Judaísmo e dos judeus. Os judeus deveriam perceber que Jeová não mora mais nos céus, mas em nós mesmos aqui na terra; não devemos procurar por Jeová como se ele estivesse acima e fora de nós, mas vê-lo exatamente dentro de nós. (...) Como os judeus são o melhor e o mais culto povo sobre a terra, eles têm o direito de subordinar a si mesmos o restante da humanidade e de se fazerem senhores da terra inteira. Ora, de fato, esse é o destino histórico dos judeus. (...) Judaísmo é comunismo, internacionalismo, a irmandade universal dos homens, a emancipação das classes trabalhadoras e da sociedade humana. É com essas armas espirituais que os judeus vão conquistar o mundo e a raça humana.”


+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

FELLAY: CARTA SOBRE LA PROHIBICIÓN DEL LIBRO DEL P. PIVERT

OPERAÇÃO MEMÓRIA: DOM Fellay disse ou não disse? Disse! E aqui guardamos os textos. Nem se abalem em tentar bloquear ou retirar o Pale Ideas do ar! Temos cópia de tudo e estamos disposto a criar quantos blogs forem necessários para que a candeia não fique debaixo do alqueire!

PASO ATRÁS DE MONS. FELLAY: CARTA SOBRE LA PROHIBICIÓN DEL LIBRO DEL P. PIVERT


Menzingen da un paso atrás en cuanto al documento de 16 páginas ("reseña") que sirvió para fundamentar la prohibición del libro del P. Pivert. 

Mons. Fellay desautoriza en parte dicha reseña y trata de aclarar algunas de sus habituales ambigüedades...


FRATERNIDAD SACERDOTAL SAN PIO X
CARTA INTERNA.




+ Menzingen, 16 de enero de 2014



Estimados Miembros de la Fraternidad Sacerdotal San Pio X:

Nosotros creímos útil, para ilustrar nuestra decisión de prohibir la difusión del libro del Padre Pivert titulado Su Excelencia Monseñor Lefebvre: Nuestras relaciones con Roma, de adjuntar una reseña de dicho libro.

Si bien la mayoría de los miembros comprendió bien nuestra decisión, algunos otros se preocuparon. Con el fin de evitar cualquier confusión, deseo aportar las precisiones y comentarios siguientes:

Conversas sobre batina: À Minha Veste Negra.

Padre Ernesto Cardozo e Monsenhor Marcel Lefebvre - 1988
Uma homenagem aos heróis de batina, os mártires da Fé de hoje, que "insistem" em vergar essa veste santa e santificante, sem se preocupar com o clima, o falatório e principalmente a "opinião alheia", essa presença onipresente na internet e no mundo real. 
.
Infelizmente, a vemos vestida nos "padres modernistas" apenas em eventos sociais, muitas vezes em ocasiões nada edificantes. O mundo a usa para atacar a Igreja sempre que pode! Falam de pedofilia? Publicam a notícia junto com a foto de um padre de batina, mesmo que tal padre não seja o sujeito da notícia. Querem debochar das instituições cristãs? Põe um padre de batina para fazer papel de tolo em uma propaganda de bebida ou de sapato, que seja! 
.
Mons. Olgiati morreu e não deve saber que hoje a Igreja não "obriga" nenhum padre a usar a batina. Aquela dispensa "em casos particulares" se tornou regra e rotina. É quase um pecado usá-la. Que o digam os seminaristas que volta e meia confidenciam na internet que foram desencorajados a usá-la nos próprios Seminários que deveriam ensinar a amá-la! E que o digam os padres que deixam de usá-la para "obedecer" a ordens superiores. Deve ser um símbolo fortíssimo, para ser tão odiado pelo mundo, e até mesmo por aqueles que deveriam sentir orgulho por vergá-la! 
.
Enfim, cada um sabe de si. Eu sei desses heroicos Sacerdotes que a vestem e a honram, todos os dias. A eles, este texto, que é também minha pessoal homenagem: 
.
.
* * *
.
.

À Minha Veste Negra

(Mons. Francesco Olgiati, 1959)

.
Mons. Olgiati
Ó cara veste negra,

Há algumas semanas, todo mundo está falando de ti. No livro sobre as atividades da Santa Sé, em 1958, foi dito: “atendendo às várias solicitações recebidas acerca da batina, foi iniciada uma ampla pesquisa sobre a questão da forma do hábito eclesiástico, e foi concedido aos ordinários diocesanos (ou seja, os Bispos) certo poder de dispensa, em casos particulares, mantendo-se a regra de sempre usar a batina no exercício do poder de ordem e jurisdição”.

Estas poucas linhas deram origem a muita discussão, até mesmo na nossa imprensa. E as fantasias galoparam.

Alguns apelaram para a história, do século V ao Concílio de Latrão IV (213) e de Viena (1312), que impuseram aos eclesiásticos um hábito diferente do comum; de Sisto V a Pio IX.
.

Outros recorreram à moda dos países alemães e anglo-saxões, que concedem aos Sacerdotes o hábito assim chamado à “clergyman”, mesmo impondo a “batina” nas funções sacerdotais, conforme exigido pelo Código de Direito Canônico.

Outros evocaram os tempos da Revolução Francesa, quando até mesmo nos Países latinos - como hoje nas terras comunistas - o clero, por causa da perseguição, não se distinguia em nada, por suas vestimentas, dos leigos.
.

Outros, enfim, observaram que “a batina, além de ser fastienta no verão e sempre incômoda, torna-se um ridículo entrave e também um perigo real quando, justamente por razões de seu ministério, o sacerdote deve usar a bicicleta e a moto”, meios que se tornaram definitivamente indispensáveis para quem está no cuidado das almas. Nem se deve omitir, acrescentaram, “a tendência do clero não de se isolar em uma torre de marfim, mas de se aproximar, tanto quanto possível, à vida do povo cristão confiado aos seus cuidados, para dividir os sofrimentos e adversidades”.

Cara minha veste negra, mesmo sabendo que não se trata de uma questão substancial, mas de uma matéria disciplinar de competência exclusiva da autoridade eclesiástica, eu não pude deixar de te olhar e de te meditar.

Estou velho e te quero bem.

Tu me perdoarás se eu não estou interessado nos argumentos mencionados. Não vou discuti-los. Só quero te dizer umas palavras. Visto-te há tantas décadas. Quando eu era uma criança, e antes da idade de onze anos, entrei para o Seminário, era costume vestir-te desde o primeiro ginásio e continuar te vestindo até mesmo nas férias. Te lembras, minha cara veste negra, do dia de minha vestição? Preparou-te a minha santa mãe, pobre e inexperiente, auxiliada por uma velha esforçada costureira. Assistiu [minha mãe] ao rito e chorou quando o velho Pároco me revestiu e aspergiu. Com a bênção do Pároco e as lágrimas maternas sai da igreja. Como eu era feliz, ó minha querida veste negra! Poderia eu conceber um tesouro maior e mais valioso de ti? O foste [um tesouro] sempre durante os meus 12 anos de Seminário e, depois, por toda a minha vida.

No Seminário, imediatamente me ensinaram a beijar-te ao despir-me à noite para ir descansar. Quantos beijos, e de quanto ardor!

Ó veste negra de minha primeira Missa e de tantas Missas celebradas e de tantas ações sacerdotais realizadas! Ó veste negra, que ao lado do leito dos moribundos tinhas um significado e uma linguagem singular! Ó veste negra que nunca me obrigaste a me isolar em uma torre de marfim, mesmo me lembrando em todas as ocasiões o meu Sacerdócio, inclusive no calor de disputas acirradas e nas batalhas pela defesa da verdade, em congressos, em associações, nas escolas!
.

Tu conheceste, talvez, sobretudo em alguns tempos, o insulto vilão do vândalo; mas quanto naqueles momentos eu tive orgulho de ti e te amei!

Sempre te considerei como uma bandeira... bandeira negra, sim. Símbolo de morte. Mas não podia me envergonhar, porque tu simbolizavas o Crucifixo, o qual, precisamente porque tal, é ressurreição e vida.

Agora que estou no entardecer de minha vida, ouvindo falar de ti, eu percebo sempre mais e melhor que te amo muito.

Eu não sei te modificarão, se te substituirão, se te mudarão. Terão suas razões. De fato, se estourasse uma perseguição, te arrancariam de mim. Não importa. Mesmo neste caso, tu estarias em meu coração. E lá permanecerás para sempre.

Quando, em breve, fecharei meus olhos, quero que tu desças comigo para o túmulo. Revestido de ti, envolto em tuas pregas, dormirei mais tranquilo o sono da morte. Nunca mais poderei dar-te o beijo de minha afeição. Meu coração nunca mais vai bater. Mas se alguém pudesse ler em suas fibras mais profundas, encontraria esculpida uma palavra de amor e de orgulho por ti, ó cara e diletíssima veste negra...

Maio de 1959

_______________________________________________
Visto em: http://www.missagregoriana.it/?p=1497.

Tradução: Giulia d'Amore.

ALGUMAS IMAGENS AUTOEXPLICATIVAS


Padre Giuseppe Sarto - futuro Papa São Pio X
andando tranquilamente a cavalo
 .
ROLANDO RIVI
Crime: recusar-se a tirar a batina
clique para ler
 .

.

Biografia de Mons. Francesco Olgiati: 

Francesco Olgiati (Busto Arsizio, 1º de janeiro de 1886 – Milão, 21 de maio de 1962) foi um religioso italiano. Foi ordenado sacerdote, em 13 de junho de 1908, pelo Cardeal Andrea Ferrari. Arquivista da Cúria arqui-episcopal em 1913, dez anos depois é nomeado canônico honorário do Duomo de Milão. Pio XI conferiu-lhe o título de Camareiro Secreto e Pio XII de Protonotário Apostólico. Em 1960, foi nomeado Consultor da Pontifícia Comissão dos Seminários e das Universidades dos Estudos para a preparação do Concilio Ecumênico Vaticano II. Junto com o padre Agostino Gemelli, funda a Universidade Católica do Sagrado Coração, onde, após obter a livre docência em 1924, foi professor da Faculdade de Letras e Filosofia e, a partir de 1930, professor da cátedra de História da Filosofia moderna. Em 1959, depois da morte de padre Gemelli, assumiu a presidência do Instituto Toniolo de Estudos Superiores, ente fundador da Universidade Católica. Era um filósofo neoescolástico, desde sua passagem pela Escola de Lovanio, com o qual compartilhava os pressupostos anti-positivistas, aos quais deu um novo impulso e vigor ao introduzir a categoria da historicidade, o que valei à Neoescolástica a capacidade de comparar-se às novas correntes do historicismo idealista. Contra as doutrinas de derivação kantiana que colocavam o primato da gnoseologia, Olgiati sustenta o primato da metafisica como "ciência da realidade enquanto realidade” (I fondamenti della filosofia classica, 1950). Algumas de suas obras: Il Sillabario del Cristianesimo (1924), Il Sillabario della morale cristiana (1929), Il Sillabario della Teologia (1952). Outras obras notáveis: L'anima di s. Tommaso (1923); L'anima dell'Umanesimo e del Rinascimento (1924); Il significato storico di Leibniz (1930); La riduzione del concetto filosofico del diritto al concetto di giustizia (1932); Cartesio (1933); Neoscolastica, idealismo, spiritualismo (1933; in polemica con A. Carlini); Il realismo (1937; in polemica con F. Orestano); La filosofia di Descartes (1937); Il concetto di giuridicità nella scienza moderna del diritto (1943); Il concetto di giuridicità in s. Tommaso d'Aquino (1943).

Fontes:
http://www.biografiasyvidas.com/biografia/o/olgiati.htm
http://it.wikipedia.org/wiki/Francesco_Olgiati
http://www.donatoriolgiati.org/chi_chi.asp
http://www.treccani.it/enciclopedia/francesco-olgiati/ 
.
+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

NOTÍCIAS DO FRONT: MAIS UM PADRE SE JUNTA À RESISTÊNCIA: REV. PE. STEVEN ABRAHAM, DA INGLATERRA.

NOTÍCIAS DO FRONT: MAIS UM PADRE SE JUNTA À RESISTÊNCIA: REV. PE. STEVEN ABRAHAM, DA INGLATERRA. 


Recebi por email esta boa notícia: 

Pour ceux qui ne l'auraient pas su (ça n'a pas été bcp annoncé)
Monsieur l'abbé ​Steven ​Abraham rejoint la Résistance.
Deo gratias

http://cristiadatradicinalista.blogspot.fr/2014/01/labbe-abraham-fsspx-angleterre-rejoint.html
http://www.therecusant.com/apps/blog/show/41096623-fr-abraham-first-mass-for-the-resistance

​Para aqueles que não sabiam (não foi muito divulgado)
O sr. Padre Steven Abraham (Inglaterra) se juntou à Resistência.
Deo Gratias​

​Para aquellos que no sabían (no fue mucho divulgado)
El Sr. Pe. Steven Abraham (Inglaterra) se unió a la Resistencia.
Deo Gratias

--
l'équipe de Reconquista
the writing staff of Reconquista

Editado dia 30/01/2014, para incluir uma foto do Pe. Abraham.

 

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

DA GAIVOTA AO CORVO - A POMBA NO VATICANO



No quarto domingo de janeiro, de 2013, O Papa Bento XVI tinha soltado duas pombas pela paz. Uma das pombas foi atacada por uma gaivota. As imagens correram mundo, principalmente as que foram registradas pelo fotógrafo Gregorio Brogia. Disto, foi dada notícia aqui no blogue ASCENDENS.


No quarto domingo de janeiro de 2014, o Papa Francisco soltou duas pombas pela paz. Uma das pombas foi atacada por uma gaivota, e depois por um corvo (dois ataques). Deste fato, Gregório Borgia e Alessandro Bianchi fizeram registros que têm ilustrado a notícia.


Os que então chamei de "gaivoteanos", que diziam que "a gaivota era a boa e a pomba a má", ponham agora a mão na consciência de tão retorcidas interpretações. Os modernistas-conservadores tinham então feito um malabarismo oposto: disseram que a pomba, depois de atacada, ficou livre. Enfim...!

O santo dos que se orgulham de não serem católicos!

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. 


Deparei-me com este artigo sobre as proezas de Francisco que encantam o mundo: http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/O-exemplo-de-Francisco/6/30027

De dizer que a "limpeza" na corrupção que assola o Vaticano, Roma e a estrutura da Igreja (não a Igreja!) não deveria ser alçada a algo extraordinário, uma vez que deveria ser básico, sobretudo em ambientes cristãos, onde a corrupção é pecado, e pode ser pecado mortal. 

Francisco não merece uma medalha em particular por isso, porque não se premia o que é obrigação, mas o que é heroísmo

E sempre resta a pergunta: mas, os antecessores dele que permitiam ou toleravam isso tudo... não eram da "turma dele"? Não são os herdeiros da Revolução do Vaticano II? 

E mais: esses criminosos (porque quem pratica um crime é um criminoso) que estão sendo expurgados nasceram no cargo, foram nomeados por Papa Pio XII, ou são mais um fruto do famigerado pseudo-Concílio? Pergunto porque quem ouve Francisco pode entender que a culpa é dos tradicionalistas, visto que ele é um ultra-progressista, o implementador final do Vaticano II!!! E se ele os condena... Ops! Essa palavra é proibida! Afinal, quem é ele para julgar? ...

Francisco usa o arsenal completo dos transformadores e inovadores da história. Ele une a retórica à prática, em todos os momentos.

Esse artigo mostra bem o afeto do mundo por Francisco. E mostra como o mundo sabe usar habilmente um fato certo (a corrupção material e espiritual dos homens de Igreja) para atingir um objetivo errado (mudar a Igreja). 

Uma coisa é corrigir um erro histórico, nascido da tolerância das autoridades com os desvios morais dos que são nomeados para cargos onde se exigem virtudes até heroicas, outra coisa é avalizar o desmantelamento da Igreja e a modificação completa da Doutrina Católica para que passe a servir ao mundo, ao invés de corrigi-lo!

Você já deve ter ouvido gente dizer que não dá para mudar uma empresa, uma cidade, um país. Francisco mudou uma coisa muito mais complexa que tudo isso.

Sim, Francisco não está mudando a Igreja, ele já MUDOU a Igreja. Não devemos mais falar de se e de quando. O que Judas devia fazer já o fez. O resto... é perfumaria. 

E resta sempre a acusação de praxe:
Francisco fez, primeiramente, um trabalho de inclusão. Incluiu os pobres – esquecidos, miseravelmente esquecidos pela Igreja.

Esse senhor que se faz passar por articulista vende a imagem de que a Igreja virou as costas aos pobres. Sabemos que a Igreja cuida de pobres e de doentes (sobretudo de aidéticos) por todo o mundo, até mais do que devia. Eu tenho para mim que, se pago impostos para o Estado cuidar de todos, inclusive dos que não podem pagar impostos (essa a finalidade do imposto), não deveria me preocupar com os pobres porque o Estado tem dinheiro de sobra para isso. Fato é que, apesar disso, o Estado pouco o nada faz, e a Igreja, há séculos e séculos, vem cuidando disso também. E certamente mais do que esse senhor que duvido que ajude um pobre sequer!

Mas, se ele não sabe, sabe Deus. E isso é suficiente. 

O problema é que essas frases, no melhor estilo tweeter de ser (curtas e objetivas), criam raízes na mente humana e se tornam dogmas que nada e ninguém consegue desarraigar. Nem mesmo a voz da razão! O homem moderno rejeita facilmente os Dogmas de Fé Católica, mas aceita muito facilmente os dogmas, ou melhor falsos dogmas que o Modernismo espalhou por aí, simplesmente porque são mais fáceis de seguir, não exigem sacrifícios nem comprometimentos. 

No fim, a confissão: "Francisco é um deles. Por isso é o que é. Por isso mesmo os que não crêem, como eu, têm nele um exemplo portentoso". Francisco é o santo dos não-católicos, daquele que pretendem continuar a ser não-católicos e tem orgulho disso.

Giulia d'Amore

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Fotos da Missa da Conversão de São Paulo, em Contagem/MG.

CLIQUE AQUI


+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

São João Crisóstomo

Hoje a Igreja comemora o dia de São João Crisóstomo. Aqui alguns trechos da Homilia sobre os Atos dos Apóstolos, de sua autoria:

"Que pode perturbar o santo? A morte? Não, porque a deseja como prêmio. As injurias? Não, porque Cristo ensinou a sofrê-las: 'Bem-aventu­rados sereis quando vos injuriarem e vos perseguirem' (Mt 5,11). A doen­ça? Também não, porque a Escritura aconselha: 'Aceita tudo o que Deus te mandar, e permanece em paz na tua dor, e no tempo da humilhação tem paciência; porque o ouro e a prata se provam no fogo e os homens amados de Deus no cadinho da tribulação' (Eclo 2,5). Que resta então que seja capaz de perturbar o santo? Nada. Na terra, até a alegria costuma aca­bar em tristeza; mas, para quem vive de acordo com Cristo, as próprias penas se transformam em alegria" (S. João Crisóstomo, Homilia sobre as Estátuas 19).

Que pode perturbar o santo? A morte? Não, porque a deseja como prêmio. As injúrias? Não, porque Cristo ensinou a sofrê-las: Bem-aventurados sereis quando vos injuriarem e vos perseguirem (Mt 5, 11). A doença? Também não, porque a Escritura aconselha: Aceita tudo o que Deus te mandar, e permanece em paz na tua dor, e no tempo da humilhação tem paciência; porque o ouro e a prata se provam no fogo, e os homens amados de Deus, no cadinho da tribulação (Ecl 2, 5). Que resta então, que seja capaz de perturbar o santo? Nada. Na terra, até a alegria costuma acabar em tristeza; mas, para quem vive de acordo com Cristo, as próprias penas se transformam em alegria. (Homilias sobre as estátuas, 18)

"Nada há de mais frio do que um cristão despreocupado da salvação alheia. Não podes aduzir como pretexto a tua pobreza econômica; acusar-te-á a velhinha que deu as suas moedas no Templo. O próprio Pedro disse: 'Não tenho ouro nem prata' (At 3,6). E Paulo era tão pobre que muitas vezes passava fome e não tinha o necessário para viver. Não podes pretex­tar a tua origem humilde; eles também eram pessoas humildes, de condi­ção modesta. Nem a ignorância te servirá de desculpa; todos eles eram ho­mens sem letras. Sejas escravo ou fugitivo, podes cumprir o que depende de ti; assim foi Onósimo, e vê qual foi a sua vocação... Não invoques a do­ença como pretexto, pois Timóteo estava submetido a freqüentes indispo­sições. Não digas; não posso ajudá-los, porque, se és cristão de verdade, é impossível que não o possas fazer... Cada um pode ser útil ao seu próximo, se quiser fazer o que está ao seu alcance".

Não há nada mais frio que um cristão despreocupado da salvação alheia. Não podes aduzir como pretexto a tua pobreza econômica. Acusar-te-á a velhinha que deu as suas moedas no Templo. O próprio Pedro disse: Não tenho ouro nem prata (At 3, 6). E Paulo era tão pobre que muitas vezes passava fome e não tinha o necessário para viver. Não podes pretextar a tua origem humilde: eles também eram pessoas humildes, de condição modesta. Nem a ignorância te servirá de desculpa: todos eles eram homens sem letras. Sejas escravo ou fugitivo, podes cumprir o que depende de ti; assim foi Onésimo, e vê qual foi a sua vocação [...]. Não invoques a doença como pretexto, pois Timóteo estava submetido a freqüentes indisposições. Não digas: não posso ajudá-los, porque, se és cristão de verdade, é impossível que não o possas fazer. Não há maneira de negar as propriedades das coisas naturais; o mesmo acontece com isto que agora afirmamos, pois está na natureza do cristão agir dessa forma [...]. É mais fácil o sol deixar de iluminar ou de aquecer do que um cristão deixar de dar luz; mais fácil do que isso seria que a luz fosse trevas. Não digas que é impossível; impossível é o contrário [...]. Se orientarmos bem a nossa conduta, o resto sairá como conseqüência natural. Não se pode ocultar a luz dos cristãos, não se pode ocultar uma lâmpada que brilha tanto [00']' Cada um pode ser útil ao seu próximo, se quiser fazer o que está ao seu alcance.


(S. João Crisóstomo, Homilia sobre os Atos dos Apóstolos 20).




São João Crisóstomo, rogai por nós!


Leia aqui uma bela biografia sobre São João Crisóstomo.


+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Preparándo la Pascua 2016

PASCUA 2016


Son cinco los mandamientos o preceptos de la Iglesia:

- Oír Misa entera los domingos y fiestas de guardar
- Confesar los pecados graves cuando menos una vez al año, en peligro de muerte y si se ha de comulgar
- Comulgar por Pascua de Resurrección
- Ayunar y abstenerse de comer carne cuando lo manda la Iglesia
- Ayudar a la Iglesia en sus necesidades


En estos tiempos de guerra que nosotros los cristianos vivemos, dónde tener el aliento de la Misa diaria es una gracia incomparable, tenemos que ser fuertes y conservar la Fe con la oración. La tentación de comulgar es tan fuerte que muchos arriesgan su alma quando comulgan donde saben que no deberían, no porque no hay certeza de la Presencia Real de Nuestro Señor Jesucristo, pero porque es un riesgo para la Fe. Comulgar a cualquier costo, poniendo en peligro la Fe no es una virtud, sino que una imprudencia! Pero no me crean!, lean la Pascendi.

Pero el tema aquí es otro.

Teniendo en cuenta los preceptos de la Iglesia, y uniendo el segundo y el tercero, ¿por qué no si organizar con antelación para asistir a la Misa de Pascua, donde hay un centro de Misa, donde nuestra Fe no corre riesgo?

Este año, el Domingo de Pascua de la Resurrección de Nuestro Señor Jesucristo será el 27 de março. ¿Por qué no empezar a organizarse para recaudar dinero, conseguir un alojamiento y una licencia o incluso las vacaciones para esa fecha? ¿Qué mayor bien para nuestras almas?

Les recuerdo también que el precepto de la misa de Pascua puede (debe) ser cumplido hasta el día de la Ascensión, que este año será el 8 de mayo.

Dejo la sugerencia.

También sugiero que hablen con su director espiritual para prepararse para la Pascua a través de una Cuaresma vivida, por exemplo, con un calendario piadoso (o este), con el ayuno, la penitencia y la limosna.

Si ustedes no tienen un director espiritual, les sugiero que logren un con urgencia. No es prudente tratar de santificarse solos en esta tormenta en la que vivimos. Y, preferiblemente, debe ser un Sacerdote, ya que, por desgracia, para la gran mayoría de los católicos, nuestros superiores naturales están lejos de ser buenos directores espirituales y necesitan de dirección tanto como nosotros!

Santa Pascua a todos!

Giulia d' Amore

PS: Cualquier corrección en la traducción, por favor haga esta caridad!




Actualizado en 17/01/2016
*
*
*

Preparando a Páscoa 2016

PÁSCOA 2016


São cinco os Mandamentos ou Preceitos da Igreja: 

- Assistir a missa inteira aos domingos e dias Santos de Guarda
- Confessar-se uma vez por ano pelo menos
- Comungar por ocasião da Páscoa
- Fazer jejum e abstinência nos dias prescritos
- Dar o dízimo segundo o costume



Nesses tempos de guerra em que nós cristãos vivemos, nos quais ter o alento da Missa diária é uma graça incomparável, é preciso ser forte e guardar a Fé com a oração. A tentação de comungar é tanta que muitos arriscam sua alma ao comungar onde sabem que não devem, não porque não há certeza da Presença Real de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas por que é um risco à Fé. Comungar a qualquer custo, pondo em risco a Fé não é virtude alguma, pelo contrário é uma imprudência!!! Mas não creia em mim, leia a Pascendi

Mas o assunto aqui é outro. 

Tendo em vista os preceitos da Igreja, e juntando o segundo e terceiro, por quê não se organizar com antecedência para assistir à Missa da Páscoa onde há um centro de Missa onde nossa Fé não corre risco? 

Em 2016, o Domingo da Páscoa da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo será no dia 27 de março. Por quê não começar a se organizar para juntar dinheiro, conseguir acomodações e uma licença ou até mesmo as férias, para essa data? Que bem maior para nossas almas? 

Lembro a todos também que o preceito da Missa da Páscoa pode (deve) ser cumprido até o dia da Ascensão, que este ano será no dia 8 de Maio.

Fica a sugestão. 

Historias de Auschwitch: a aborteira judia e a parteira católica.

Um campo - de horrores indescritíveis e um padecimento em comum - e duas histórias completamente diferentes!!! Uma médica que decidiu cooperar para o assassinato de milhares de crianças no ventre materno, e uma parteira que se recusou a assassinar milhares de crianças recém-nascidas e, ainda por cima, que se propôs a batizá-las antes de entregá-las, sãs e salvas, aos braços de suas mães. Hoje contaremos a história de  


Gisella e Stanislawa no Campo de Auschwitz.

 



Gisella Perl foi uma abortista romeno-judia que assassinava os bebês para que as mães pudessem sobreviver. Ela era uma ginecologista, que realizou mais de mil abortos em suas companheiras do campo de concentração de Auschwitz. Era casada e tinha um casal de filhos. O marido e o filho homem morreram em um campo de concentração, junto a outros familiares. Ela sobreviveu, porque era útil. Ao saber da morte do filho e do marido, tentou se matar, mas foi socorrida e enviada a um convento francês até 1947, para se recuperar. Em março daquele ano, foi para os Estados Unidos, onde foi interrogada sob suspeita de colaboracionismo com os nazistas, por crimes contra a Humanidade, mas não deu em nada e, em 1951, além de lhe concederem a cidadania norte-americana, ganhou um emprego no Hospital Monte Sinai, onde (segundo a biografia de Wikipédia) fez o parto de mais de 3000 bebês e se tornou especialista em tratamento contra a infertilidade. Em junho de 1948, publicou a história de sua vida em Auschwitz (“I Was a Doctor in Auschwitz”), detalhando os “horrores” vividos lá, como prisioneira médica. Mais tarde, ele se reuniu com sua filha, Gabriella Krauss Blattman, que conseguiu se esconder durante a guerra, e ambas se mudaram para Herzliya, Israel. Morreu em Israel, em 1988.

Esta a bela história que conta Wikipédia. Mas é mais notória, certamente, por “salvar a vida” de centenas de mães ao fazê-las abortar, porque as mulheres grávidas eram espancadas e mortas com frequência, ou utilizadas pelo Dr. Josef Mengele em experiências de vivissecção. Era mais “humano”, então, matar os bebês no ventre materno!

Ela foi chamada de “anjo de Auschwitz" e lhe fizeram até um filme, em 2003: “Out of the Ashes”, baseado em seu livro: “I Was a Doctor in Auschwitz”. 



________________________________



Stanislawa Leszczyńska (ou Leszczynska) foi uma parteira católica polonesa, que ajudava às mães a dar à luz e tentava salvar os bebês. Nascida em 08 de maio de 1896, em Łódź, na Polônia, morreu em 11 de março de 1974, de câncer. Casou-se em 17 de outubro de 1916, com Bronislaw Leszczynski, um tipógrafo, com quem teve três filhos: Sylvia, Stanislaus e Henry. Em 1920, mudaram-se para Varsóvia, onde o marido começou a ensinar na Escola de Enfermagem Obstétrica. Ainda em 1920, ela chegou a vir ao Brasil, indo visitar parentes da família materna no Rio de Janeiro.

Toda a família foi presa na noite de 19-20 fevereiro de 1943. Stanislawa e Sylvia foram enviadas, primeiro para Gdańskiej, e depois para Auschwitz-Birkenau, onde Stanislawa recebeu o número 41335; o marido e os filhos, primeiro para S. Sterlinga, e depois de um breve julgamento, para Gross-Rosen. Somente ela e os homens da família sobreviveram. 


Ao ser deportada para Auschwitz, foi destinada à chamada "sala de maternidade" que, na verdade e paradoxalmente, era uma sala de aniquilação de crianças recém-nascidas. Lá permaneceu até a libertação do campo pelo Exército Vermelho, em 27 de janeiro de 1945.


No campo, as mães eram obrigadas a trabalhar, as crianças eram um fardo incômodo e, portanto, o famoso Dr. Mengele deu ordem para matá-las após o nascimento, afogando-as em um balde de água. Estas operações eram realizadas por Klara, uma parteira alemã que, após a guerra, foi presa por infanticídio, e suas assistentes. Mas Stanislawa se opôs à ordem criminosa e enfrentou Mengele: "Não, nunca", disse a ele. Ninguém sabe por que naquela época a parteira polonesa não foi morta. Ele pôde voltar para a maternidade e continuar seu trabalho. 


domingo, 26 de janeiro de 2014

Padre Pio e Dom Lefebvre – refutando calúnias

Depois de ler a notícia em espanhol, a procurei em português. Aqui estão ambas. 


Padre Pio e Dom Lefebvre – refutando calúnias



A MENTIRA

 

Está disponível nos Estados Unidos um livro intitulado “Padre Pio Gleanings” (gleanings refere-se às sobras das colheitas que os judeus deviam deixar nos campos para que as viúvas e órfãos pudessem pegar. Algo como “O legado do Padre Pio”) de Pascal Catanco, que foi traduzido para o Inglês. Nas páginas 58 e 59, lê-se a seguinte passagem:
    Entre as muitas pessoas que vieram visitar o Padre Pio esta Dom Lefebvre, o arcebispo que mais tarde apegou-se teimosamente à Tradição Católica, como ele a chamou, questionou a autoridade do Concílio Vaticano II e foi afastado do cargo pelo Papa Paulo VI.

    O arcebispo teve um encontro com Padre Pio, na presença do professor Bruno Rabajotti. Esta testemunha relatou que em um determinado momento Padre Pio olhou severamente para Dom Lefebvre e disse: “Nunca provoque a discórdia entre os seus irmãos e sempre pratique a regra de obediência, sobretudo quando lhe parecer que os erros daqueles que detém autoridade são os mais graves. Não há outro caminho além da obediência, especialmente PARA AQUELES DE NÓS QUE FIZERAM ESTE VOTO.”

    O Padre Pio podia dar esse conselho, porque ele também teve que obedecer a algumas ordens muito questionáveis. Sua atitude foi colocar o problema nas mãos de Deus, pois Ele iria encontrar uma maneira para a verdade triunfar. Parece que o Arcebispo Lefebvre não via as coisas da mesma maneira, mas ainda assim respondeu ao Padre Pio: “Eu vou me lembrar disso, Padre“.

    O Padre Pio então olhou intensamente e, prevendo o que ia acontecer em breve, disse: “Não! você irá esquecer! Você romperá com a comunidade dos fiéis, opor-se-á à vontade de seus superiores e até mesmo irá contra as ordens do próprio papa e isso acontecerá muito em breve. Você vai esquecer a promessa que fez aqui hoje, e toda a Igreja será ferida por você. Não pense que você é um juiz. Não tome poderes que não lhe pertencem e não considere-se como a voz do Povo de Deus, pois Deus já fala com seu Povo. Não semeie a discórdia e a dissensão. No entanto, eu sei que isso é o que você irá fazer!” Infelizmente, a verdade da profecia do Padre Pio é óbvia para todos.

    [tradução livre]


A VERDADE


Em 8 de Agosto de 1990, Dom Lefebvre escreveu uma carta pessoal para um padre da Fraternidade na França que houvera escrito perguntando sobre seu encontro com Padre Pio. Aqui estão partes dessa carta:

PEQUENO MANUAL DO CATÓLICO

clique para reler!


+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Sobre os tons de cinza....

"Treme, pecador: tu vives hoje, mas Deus sabe se amanhã ainda estarás com vida.
Treme e arrepende-te, enquanto para isso tens tempo: olha que se morres impenitente, nem o mesmo Senhor Jesus Cristo te poderá depois arrancar do Inferno; porque a sentença proferida por Deus não se revoga, tão inteira e inalienável é a Sua justiça". (*)


* * *


Recebi um email com este texto de Corção, e resolvi escrever a respeito dessa legião de idiotas que aplaudem o cinzento.
.
.

SOBRE OS TONS DE CINZA


"As diferenças se apagam, as arestas se embotam, as cores desaparecem, e a mulher parece homem, o homem parece mulher, a velha parece menina e a menina parece velha. Todo mundo parece todo mundo, e então aparece uma legião de idiotas para aplaudir o cinzento: as freiras parecem não-freiras, os padres parecem rapazes como outros quaisquer, e até não se distingue bem entre um bispo e um aposentado proprietário de botequim. Tudo parece tudo. Tudo é tudo. E uma multidão de imbecis chama este fenômeno de progresso!"
GUSTAVO CORÇÃO. Tudo é cinza. O Globo de 05/09/1968.


A indefinição das cores - os tons cinzentos - favorece o preguiçoso. Nela se acomoda para não ser mais obrigado a tomar uma decisão, defender uma posição, professar seu Credo, seja ele qual for. 


O morno é um preguiçoso, confortavelmente instalado em uma poltrona fofa, de onde observa o mundo sem se mostrar, nem se comprometer com nada e com ninguém. Nenhuma bandeira.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA