Pesquisar este blog

Novidades!!!

terça-feira, 15 de agosto de 2017

O Assunto é... ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA AO CÉU


CLIQUE PARA VER MAIS IMAGENS

O Assunto é... ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA AO CÉU


*  *  * 

SOBRE A FESTA



DEVOÇÕES 





IMAGENS 



sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Giro de visitas em fotos - Mês de Julho

Olá, estou devendo muitas fotos das visitas do Padre do mês de julho e agosto, eu sei! Mas vamos com calma que vai dar tudo certo, como diz minha filha. rsrs Hoje, vou fazer um pot-pourri de fotos do mês de julho que ainda não publiquei. 



O aniversário do Padre Cardozo é dia 3 de julh0.
O aniversário também foi comemorado em Tiradentes, no dia 2/7
Batizado em Betim, no dia 10 de julho. Veja mais fotos aqui.

Primeira comunhão de Gabriel e Isabeli,
no dia 16 de julho

O casal Ricardo e Rita, de Ipatinga, renovaram as
bençãos matrimoniais no dia 16 de julho

Os cristeros de Barbacena, na visita de 17 e 18 de julho

Um aperitivo da visita a Nanuque, de 30/07 a 1/08.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Está servido o pós-Charlie: Bebês à la Carte

Connie e Chris Gard com o filho, logo após a sua execução, nos jardins do local de execução


 

TRANSUMANISMO 


Traduzi e acrescentei comentários a mais um texto muito bem elaborado do Radiospada. A questão Charlie Gard ainda vai dar pano prá manga. Pensava-se que se tratava de eutanásia (e toda a aborrecida questão se era eutanásia ou ortonásia ou blá blá blá), mas não era! Esta questão já foi superada, pelo menos na Europa, onde há todo tipo de serviço oferecido, com mais ou menos sofrimento, mas que continua sendo a eliminação artificial de um ser humano vivo, ou seja, assassinato de Estado. A questão sobre a execução de Charlie vai além, já é um passo à frente no caminho diabólico de destruição da sociedade, da família e do indivíduo.  

Segundo o Radioespada, que reproduz um artigo do jornal Dailymail, o pequeno Charlie Gard sofreu uma agonia de 12 minutos por sufocamento. Os médicos haviam garantido "apenas" seis. Caros senhores, tentem ficar seis minutos sem respirar. Pois é. Agora, tentem ficar 12 minutos sem respirar. Essa foi a agonia e o sofrimento da "boa morte" aplicada ao menino por ordem de Moloch e pelas mãos do Estado inglês. Segundo o jornal, Charlie arregalou os olhos em sinal de sofrimento agudo e de uma provável reação adversa.  

Vida de São João Maria Vianney

Para conhecer melhor a história de São João Maria Vianney



O futuro Cura d'Ars nasceu na pequena localidade de Dardilly, perto de Lyon, na França, no dia 8 de maio de 1786, de família de agricultores piedosos. Foi consagrado a Nossa Senhora no próprio dia do nascimento, data em que foi também batizado. 

Sua instrução foi precária, pois passou a infância em pleno Terror da Revolução Francesa, com os sacerdotes perseguidos e as escolas fechadas. João Maria tinha 13 anos quando recebeu a Primeira Comunhão das mãos de um sacerdote "refratário" (que não tinha jurado a ímpia Constituição do Clero), durante o segundo Terror, em 1799.(1)

Com a subida de Napoleão e a Concordata com a Santa Sé, foi possível a João Maria iniciar seus estudos eclesiásticos aos 20 anos, terminando-os aos 29, depois de mil e uma contrariedades.

É impossível, nos limites de um artigo, abranger toda a vida apostólica do Cura d'Ars. Por isso limitar-me-ei a abordar um aspecto dela, que foi como transformou a pequena localidade de Ars de modo a tornar-se ponto de admiração de toda a França.

domingo, 6 de agosto de 2017

Noivas de outros tempos: quem casa quer casa!

Uma leitura agradável. Copiei somente o texto, pois as fotos retratam o avanço do Modernismo sobre as famílias. Passo! O texto está escrito em português de Portugal, por isso escrevi umas poucas notas para auxiliar quem não conheça os termos.  

Uma confidência: Eu não precisei fazer o meu enxoval, mas fiz o de minha filha durante a gestação, costurado e bordado à mão: vestidinhos, pagãozinhos, lençóis, fronhas, fraldas de tecido (à época, as descartáveis eram muito caras e usadas mais para passeios fora de casa) e outras tantas. Também costurei, à mão ou na máquina de costura, muitas peças que ela usou na infância. Fiz também algumas peças em crochet para minhas irmãs, quando elas casaram. Quando ainda podia, eu também bordei muitos quadros em ponto cruz e em meio ponto. E eu não precisei fazer meu enxoval porque minha mãe começou nosso enxoval - meu e de minhas irmãs - quando eu tinha uns seis anos de idade: todas as peças eram de linho tecido no tear centenário da Nonna Aurelia, uma vizinha que auxiliava minha mãe em muitas coisas e que também bordava à mão todas as peças (foi ela quem nos ensinou a bordar, aliás!). Outras peças eram compradas de vendedores que passavam de porta em porta; minha mãe juntava troquinhos, tudo o que sobrava, para isso. A vida era mais barata antigamente. Além de Nonna Aurelia, tive outras "mestras" em manualidades, inclusive na escola, onde tínhamos aulas de "aplicações técnicas", em que as meninas aprendiam tudo que era tipicamente feminino: cozinhar, costurar, bordar, pintar, fazer artesanato etc.; e os meninos o que lhes dizia respeito: marcenaria, elétrica, desenho técnico (desde fazer uma planta de uma casa até coisas maiores, fora de casa) e etc. Era o mesmo livro, mas a parte dos meninos era área proibida para nós e vice-versa... rsrs. Bons tempos, sem as confusões da ideologia de gênero que nossas crianças enfrentam hoje. Ao texto. 



Noivas de outros tempos




“Quem casa, quer casa”.

Para haver casamento era necessário construir casa, e era o homem que tinha de pôr de pé a casa que iria albergar a sua futura família.

Tudo o que era recheio da casa, competia à mulher. As mães começavam muito cedo a fazer o enxoval para as filhas porque, para uma casa, é preciso muita coisa e quase nada se comprava feito. 

As raparigas, para além de estarem preparadas para executar todos os trabalhos agrícolas (apanha da azeitona, mondas sachas, ceifas etc.), era importante que soubessem pôr uns fundilhos numas calças e remendar com perfeição. [Muito obrigada, Nonna Aurelia!] 

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Visita do Rev. Pe. Ernesto Cardozo à Missão de Araguatins-TO

De 20 a 26 de julho, o Rev. Padre Cardozo esteve em Araguatins-TO, onde rezou Missas, deu Sacramentos, fez palestras (vide programação abaixo). Aqui apresento algumas fotos representativas. Para ir para o blog "Mariae Mediatrix" que fez uma bela reportagem, cliquem aqui




ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA