Pesquisar este blog

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

FOTO DA SEMANA: Sandy e Nossa Senhora



Depois de controlado o incêndio no bairro do Queens, em Nova York (EUA), praticamente nada sobrou das 80 casas atingidas pelas chamas. Apenas uma santa¹, registrada pelo fotógrafo Spencer Platt, da AFP, resistiu ao fogo e ganhou destaque nos portais internacionais.


¹ A ignorância ou a arrogância não permitem que se diga o nome: é a imagem de Nossa Senhora das Graças.

Não é a primeira vez que tudo ao redor sucumbe enquanto símbolos da Fé Católica permanecem em pé, apesar dos pesares. Como ocorreu no Haiti

Que sirva de reflexão aos que são duros de coração! 

Que Nossa Senhora Consoladora dos aflitos saia em socorro de todos aqueles que A invocam nesse momento, neste terrível momento. 

G.

RESPUESTA AL PADRE SCHMIDBERGER. POR UN SACERDOTE DEL DISTRITO DE FRANCIA.

RESPUESTA AL PADRE SCHMIDBERGER. POR UN SACERDOTE DEL DISTRITO DE FRANCIA.




Entre los tristes acontecimientos que han venido ocurriendo en las últimas semanas, acontecimientos que muestran una crisis interna en la FSSPX, se encuentra el comunicado, que se ha hecho público, sobre la "expulsión" de Mons. Williamson en el distrito de Alemania y firmado por el padre Schmidberger, superior de dicho Distrito. El comunicado, ha sido prontamente respondido por un sacerdote del distrito de Francia. Veamos qué le responde este sacerdote indignado al p. Superior del distrito alemán.


RESPUESTA AL PADRE SCHMIDBERGER. POR UN SACERDOTE DEL DISTRITO DE FRANCIA.


El Padre Schmidberger tiene un gran mérito: Jamás ha escondido su deseo de ver a la Fraternidad San Pio X ponerse entre las manos de Benedicto XVI "por el mayor bien de la Iglesia". Su comunicado respecto a la expulsión del "obstáculo" Monseñor Williamson no tiene nada de sorprendente.
En un Comunicado a los amigos y benefactores del 26 de octubre de 2012, usted pretende que la expulsión de Monseñor Williamson es "el resultado de una evolución que dura ya algunos años". Ella sería producto de una "antipatía" por el consejo general que se ha transformado en una "rebelión abierta".
Padre, ¡usted es deshonesto! El 13 de febrero de 2012, a un periodista de «Die Welt» que le preguntaba "El Papa ha declarado que el no hubiera aprobado el levantamiento de la excomunión de sus cuatro obispos, si él hubiera sido informado previamente de las declaraciones de Monseñor Williamson. ¿Cuál será el provenir de Monseñor Williamson después de una eventual reintegración de la Fraternidad?" Usted respondió: "Yo no soy profeta, pero en un contexto tan importante como el establecimiento de una estructura canónica para nuestra Fraternidad, yo pienso que las conversaciones se prolongarían muy probablemente en algunas sesiones y que se hablaría de Monseñor Williamson. Además, debemos también esperar que él  respete las decisiones del superior general."
Usted no es profeta pero usted está muy bien ubicado para saber lo que quiere Monseñor Fellay y usted mismo. Ustedes quieren un acuerdo con Roma y para eso ustedes están prestos a satisfacer las exigencias del sionismo internacional y las de la Iglesia Conciliar que le está sujeta. En la misma entrevista, usted dice: "Nosotros renunciamos a la relativa libertad a la que hasta ahora hemos recurrido para la proyección internacional de nuestra obra, y la ponemos entre las manos del papa." Mientras que Monseñor Lefebvre pedía a nuestros obispos de "depositar la gracia de su episcopado" en "un sucesor de Pedro perfectamente católico" (Mgr. Lefebvre, 29 de agosto de 1987).
¿Benedicto XVI es el "sucesor de Pedro perfectamente católico"? ¿El que es también el jefe de la "Roma modernista y liberal, que continúa su obra destructiva del Reino de Nuestro Señor como lo probó en Asís (III),confirmando las tesis liberales del Vaticano II sobre la libertad religiosa"?(Mgr. Lefebvre, carta del 29 de agosto de 1987)
Como Monseñor Williamson estorbaba sus planes inicuos y la funesta propaganda sionista, usted, y Monseñor Fellay, pensaron que había que terminarlo: O Monseñor Williamson acepta enterrarse vivo o será expulsado bajo pretextos disciplinarios.

Usted cita también una declaración privada de Monseñor Williamson que no estaba destinada a hacerse pública, donde el decano de los Obispos habló de "deshacerse de Monseñor Fellay" y "de su banda". Como usted hace referencia a Monseñor Lefebvre cuando pidió a los futuros obispos "permanecer unidos bajo la dirección del Superior General". Pero dentro de su ceguera o deshonestidad, usted omite citar el pasaje completo para calumniar mejor a Monseñor Williamson acusándolo de haber insultado al superior. Este es el pasaje en cuestión:

"En fin, os conjuro a permanecer profundamente unidos a la Fraternidad de San Pío X, a permanecer profundamente unidos entre vosotros, sometidos a su Superior General, en la Fe Católica de siempre, acordándose de esta palabra de San Pablo a los Gálatas (c. I, vers. 8 y 9): "Aún si nosotros o un ángel del Cielo os anunciara un evangelio distinto del que os anunciamos, sea anatema. Como ya os lo dijimos, os lo volvemos a decir: si alguien os anunciara un evangelio distinto del que recibísteis, sea anatema". (Mgr. Lefebvre, carta del 29 de agosto de 1987)

La sumisión al Superior General es "en la Fe católica de siempre". Como usted y Monseñor Fellay quieren ponernos bajo la autoridad de un papa que peca gravemente contra la fe, entonces "anathema sit"! Lo que se puede traducir por: separémonos o "deshagámonos de Monseñor Fellay y su banda". Eso no tiene nada de injurioso.
A pesar de numerosos consejos, de exhortaciones amistosas y de advertencias, Monseñor Fellay y su banda no han querido modificar su comportamiento suicida. Monseñor Williamson tenía que hablar.
Padre, usted es tan deshonesto que, en este año 2012, usted escribió a los tres obispos, alentado por Monseñor Fellay, una carta en donde usted justifica en doce puntos las "razones" para concluir un acuerdo con esas personas con las que estamos en desacuerdo. Las respuestas que usted recibió, las tres a su manera, destruyeron colmadamente el fondo de sus pseudo-argumentos acuerdistas. Publíquelas para que su terquedad sea patente a la cara del distrito de Alemania.
Si Monseñor Williamson no es el único en oponerse de manera argumentada a sus proyectos peligrosos, si es el único que, valientemente,  apunta a la cabeza pensante de estos proyectos. Monseñor Tissier de Mallerais y Monseñor de Galarreta se han contentado al contradecir y refutar la política y las doctrinas erróneas de Menzingen pero sin nombrar a las personas responsables de esta revolución interna. Eso está bien pero es insuficiente. ¿La prueba? La entrevista reciente del padre Pfluger haciendo una profesión de fe "angelical" en cuanto a "la asistencia del Espíritu Santo para el Papa y los Obispos", ellos, para quienes la más grande tragedia de la historia de la Iglesia, a saber, el Vaticano II, después de haber sido una nueva pentecostés, ¡se ha convertido en la brújula para la Iglesia del siglo XXI!
Por lo tanto Monseñor Williamson era el único y verdadero obstáculo a sus maniobras de tal modo que fue el Contra-Notra aetate por excelencia.
Monseñor Williamson continuará hablando. Monseñor Tissier de Mallerais lo hará cuando lo juzgue apropiado, y Monseñor de Galarreta lo volverá a hacer cuando haya regresado de sus ilusiones. Este último, espera poder salvar lo esencial por la primera, imperfecta y frágil condición sine que non del capítulo. El cree que eso le impedirá a la cabeza podrida de Menzingen concluir un mal acuerdo con Benedicto XVI. El no quiere resignarse todavía a ver que la unidad de la Fraternidad de Monseñor Lefebvre ya no existe. Hay dos campos irreductibles en ella, como en el Concilio: una minoría liberal, sentimental y conciliante, antes de ser conciliares; y otra minoría católica, doctrinal e intransigente. El groso de las tropas, estando muy ocupadas para darse cuenta de lo que está en juego, prefiere someterse a la autoridad. Porque hoy en día, el que gobierna la cabeza de la Fraternidad se parece más a Paulo VI lleno de contradicciones que a un Santo Pio X luminoso y firme en el combate de la fe.
Padre, usted ha sido deshonesto. Deje de engañar a los sacerdotes y a los fieles. Comprenda su error, regrese a la sana política de nuestro fundador y deje de destruir la casa paterna.

Un Sacerdote del distrito, el 28 de octubre de 2012.

En la fiesta de Cristo Rey.

Roma: FSSPX precisa de mais tempo!

Bernard anda dizendo, por ele mesmo ou pelos seus, outras coisas por aí. Quem mente? Eles ou Roma? Eu, prudentemente, não acredito em nenhum deles. Quando se perder a confiança... 

Fraternidade Sacerdotal São Pio X precisa de mais tempo de reflexão e estudo

A Pontifícia Comissão “Ecclesia Dei” declarou nesta sexta-feira que, na sua mais recente comunicação, a 6 de Setembro passado, a Fraternidade Sacerdotal de São Pio X anunciou precisar de mais tempo de reflexão e de estudo para preparar a própria resposta às últimas iniciativas da Santa Sé.
Recorde-se que o estado actual das discussões entre a Santa Sé e a essa Fraternidade sacerdotal é fruto de três anos de dialogo doutrinal e teológico, durante os quais uma comissão conjunta se reuniu oito vezes para estudar e debater, entre outras questões, alguns pontos controversos na interpretação de certos documentos do Concilio Vaticano II. Quando essa fase de dialogou doutrinal se concluiu foi possível proceder a uma fase de discussões centradas no desejo de reconciliação da Fraternidade sacerdotal São Pio X com a Sé de Pedro.
Outros passos fundamentais neste processo positivo de gradual reintegração, foram empreendidos pela Santa Sé em 2007 mediante a extensão à Igreja Universal da forma extraordinária de Rito Romano [como? então antes não era possível celebrar Missa Tridentina? Quem mente aqui? - NdB] e, em 2009, com a abolição das excomunhões [sic. Aqui pode ter sido "obra" do jornalista, não necessariamente do Vaticano - NdB]. Foi só há alguns meses atrás que se chegou, nesta difícil caminhada, a um ponto fundamental, quando, a 13 de Junho passado, a Pontifícia Comissão apresentou à Fraternidade Sacerdotal de São Pio X uma declaração doutrinal juntamente com uma proposta para a normalização canónica da própria situação no seio da Igreja católica.
A Santa Sé está actualmente à espera duma resposta oficial da parte dos Superiores da Fraternidade Sacerdotal sobre estes documentos. [Os fellayanos afirmam que as negociações acabaram! - NdB]
Depois de trinta anos de separação [e qdo fomos unidos a eles? - NdB], é compreensível que se tenha necessidade de tempo para assimilar o significado destas recentes evoluções [Ou seja: para a FSSPX aceitar o CVII - NdB]. Enquanto o nosso Santo Padre procura promover e preservar a unidade da Igreja mediante a realização da reconciliação há muito esperada pela Fraternidade São Pio X com a Sé de Pedro – lê-se na Declaração da Comissão Pontifícia “Ecclesia Dei” – uma potente manifestação do Munus Petrinum à obra – são necessárias paciência, serenidade, perseverança e confiança.

Grifos e [comentários] nossos.

Os "irmãos mais velhos" defendendo o Islã!

Padre Giulio Tam
Nossos "irmãos mais velhos na fé" – como carinhosamente os denomina o crédulo líder da Neo-FSSPX, a exemplo de JPII – demonstram que têm uma ignorância histórica e de História.

Ao comentar o 90º aniversário da “Marcha sobre Roma”, que é comemorado todos os anos em Predappio, a cidade natal de Benito Mussolini, e seu túmulo, os sionistas não perderam a oportunidade de recriminar seu desde sempre maior inimigo: a Tradição da Igreja, na pessoa do Padre Giulio Maria Tam, presente no evento e que alertou, como muitos outros o estão fazendo, inclusive ex-muçulmanos[1], quanto ao perigo do avanço do Islã sobre a Europa. Mais uma vez.

Da outra vez, tínhamos um Papa, Pio V, declarado Santo pela Igreja, que os deteve por séculos, através do combate a mão armada: as Cruzadas.

E agora? Quem nos defenderá se o Papa atual confraterniza com o inimigo e até reza com ele em suas mesquitas? Hoje, em Roma, há uma mesquita porque o Vaticano autorizou sua construção. Se o Papa o quisesse, não haveria, porque o Prefeito de Roma, mesmo sendo de esquerda, não agiria sem consultá-lo.

Os “grandes irmãos”, que agora visitam fraternalmente a mesquita de Roma, farisaicamente recriminam Mussolini. Segundo Ray Moseley, que escreveu o livro “O Conde Ciano, sombra de Mussolini” (Globo Livros, R$ 49,90), o Duce pretendia construir, já em 1939, em Roma, uma grande mesquita para os seis milhões de albaneses muçulmanos que fugiram da Albânia que o próprio Mussolini invadira. Quem os entende? 

Hoje todos eles confraternizam: Roma, Israel e o Islã. Para onde caminhamos?

Vamos à notícia.



Uma multidão de italianos marca o aniversário da ascensão de Mussolini ao poder

Aproximadamente mil fascistas marcham através da cidade natal do ditador, antes de ouvir um discurso xenófobo anti-Islã.


29 de outubro de 2012, 11:51 pm

ROMA (ITA) — Centenas[2] convergiram para a cidade italiana natal de Benito Mussolini, a fim de marcar o 90 º aniversário da "Marcha sobre Roma", que levou o ditador fascista ao poder.

A multidão em Predappio gritava "Duce, Duce" e fez a saudação fascista durante a marcha de domingo. Os hard-core fascistas comemoram o aniversário todos os anos, em homenagem à terra natal de Mussolini e também seu túmulo[3], na cidade do norte da Itália.

Notícias estimam que, para marcar o aniversário de domingo, mais de 1.000 obstinados fascistas desfilaram pelas ruas de Predappio. Muitos usavam as históricas camisas pretas fascistas, o fez[4] e as botas, e ostentavam símbolos fascistas, bandeiras e insígnias.

Giulio Maria Tam, um padre excomungado[5] que é seguidor do dissidente Arcebispo tradicionalista Marcel Lefebvre, dirigiu-se à multidão com um discurso ardente e xenófobo[6] onde[7] denunciou o Islã e pediu ajuda divina na "batalha" para defender a Itália dos imigrantes.




[1] Como o mais novo célebre convertido à Fé católica: o eurodeputado Magdi Cristiano Allam. Dele, leiam: “Ponto de chegada de un longo caminho. Decisivo encontro com o Papa” (em espanhol).
[2] Não eram milhares? – NdTª.
[3] Mussolini e Clara Petacci, sua amante, foram covardemente trucidados, depois de terem se rendido e estarem desarmados. Foram, depois, pendurados de cabeça para baixo, para uma ulterior humilhação pública. Essa mesma foto (vide abaixo) serviu, depois, para denunciar a corrupção que se alastrou na política italiana, em particular no centro e centro-esquerda. Wlater Chiari, um grande ator italiano, disse, em 1975, que, dos bolsos de Mussolini, quando foi pendurado, não caiu um só centavo, e que o mesmo não se poderia dizer dos novos governantes italianos. Isso é fato.
[4] Fez é um chapéu de uso militar, usado pelos fascistas. Vide foto abaixo.
[5] Continuam mentirosos os nossos “irmãos mais velhos”, uma vez que nenhum padre da FSSPX foi jamais excomungado, assim como nenhum fiel. A excomunhão alcançou, apenas, os quatro bispos – Dom Williamson, Dom Tissier, Dom De Galarreta e Dom Fellay – e Mons. Lefebvre e Mons. De Castro Mayer. E se tivesse vindo de autoridade católica, ainda assim seria anulável, posto que  a “desobediência” foi de cunho administrativo, não doutrinário.
[6] Xenofobia é o medo irracional, aversão ou a profunda antipatia em relação aos estrangeiros; a desconfiança em relação a pessoas estranhas ao meio daquele que as julga, ou que vêm de fora do seu país. Isto posto, o católico que, ao defender a Fé que lhe foi ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo, denuncia o avanço de um grupo que, historicamente, trouxe consigo o terror social, não é xenófobo, mas prudente. Afinal, o mundo é testemunha das atrocidades que os muçulmanos vêm cometendo há séculos e particularmente em nossos dias, como o martírio silencioso dos cristãos no Médio Oriente e na Ásia como um todo. Os “irmãos mais velhos” costumam chamar a esse genocídio indevidamente de “Holocausto”. Mas isso só vale para eles. Para os outros... não!
[7] Bom, aqui não temos o texto de Padre Tam, que é um Sacerdote piedoso. Assim, somos reféns das palavras dos “irmãos mais velhos”. Lembrem-se, seremos julgados por cada palavra que dissermos!

Fotos

clique nelas para ampliá-las 


 











 


Sobre Santa Margarida Clitherow, clique no link.


*

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A Tradição avança: Festividade de Cristo Rei em Ipatinga/MG

Belíssimo e inspirador! Quantas pessoas, que bela demonstração de Fé! 


E viva Cristo Rei!


clique nas fotos* para amplia-las

Caros leitores é com imensa satisfação que lhes apresento estas fotos, colhidas no Reader, nas quais é evidente e expressivo o ardor religioso, a piedade. Um Viva a Cristo Rei! Um agradecimento particular ao rev. Pe. Ernesto Cardozo, pelo seu importante e incansável apostolado. 

Giulia d'Amore
Amantíssimo Senhor meu!



O acordo

Descobri um novo blog tradicionalista: "Syllabus, Blog Católico Antiliberal, Antimodernista y Antifarisaico", do qual extraio, hoje, este artigo:  “El acuerdo”. De fácil leitura e compreensão apesar de estar em espanhol.

EL ACUERDO




A la salida de la misa dominical, escuchamos algo parecido a esto:

-¿Vieron? Al final no hubo acuerdo. No lo hubo ni lo va a haber.

Fue inevitable la pregunta:

-¿Está seguro Usted?

-Claro que lo estoy. Todo el mundo lo sabe. No hubo acuerdo ni se buscó ningún acuerdo…

-Bueno, lamento decirle que sí hubo un acuerdo.

-Le digo que no. Nada de acuerdo.

-Hubo un acuerdo que se está por cumplir [acaba de cumplirse en estos días, recuérdese que nuestro diálogo es del domingo]. Un acuerdo no firmado que es el principio de el gran Acuerdo. Un acuerdo que dice: “Quiten a Williamson del medio, y entonces habrá acuerdo entre Roma y la FSSPX”. Un acuerdo que dice: “Quiten al irreductible Williamson, que no sabe diplomacia, es imprudente y dice las cosas sin medias tintas. Él no dejará de escribir su blog. Él no hará avanzar ningún acuerdo, sólo pone palos en la rueda”.

Quiten a Williamson”, dicen los progresistas.

Quiten a Williamson”, dicen los del ala “conservadora” o progresista moderada –o sea, Ratzinger.

Quiten a Williamson” dicen los acuerdistas y los liberales dentro de la FSSPX; “él se lo buscó con su desobediencia y su rebeldía ante el Superior General”.

Quiten a Williamson” dicen los periodistas de izquierda, “es un nazi”.

Quiten a Williamson”, dicen los ultras de derecha y los sedevacantistas (no lo podemos usar).

Quiten a Williamson”, dicen finalmente los judíos.

¿Finalmente, o principalmente?

Leemos los Hechos de los Apóstoles, capítulo 24: el Sumo sacerdote judío, Ananías, con algunos ancianos y un tal Tértulo, orador, fueron a ver al gobernador romano para acusar a Pablo. El orador Tértulo dijo en su acusación:

“Tenemos averiguado ser éste un hombre pestilencial, que anda por todo el mundo causando confusión y desorden entre todos los judíos, y es el caudillo de la sediciosa secta de los Nazarenos. Hasta intentó profanar el Templo, y por esto habiéndole preso, quisimos juzgarle según nuestra Ley”.

Si el Papa Benedicto quiere complacer a sus influyentes amistades judías –con quienes tan buenas relaciones ha cultivado en virtud del diálogo interreligioso- entonces no puede tolerar dentro de la Iglesia Conciliar a aquel que, como San Pablo, es el centro del odio de la Sinagoga. ¿Qué clase de diálogo podría seguir habiendo con ellos de persistir esta piedra de escándalo en que se ha convertido Mons. Williamson a partir del año 2009? Pero habiéndosele –en un desliz papal, ¡por no consultar la internet, según propia confesión!- levantado la “excomunión”, debe no obstante ser excluido de toda posible reconciliación entre la FSSPX y Roma por “hereje”.  ¿Hereje de qué clase de herejía? De la que no acepta la ambigüedad y la subjetividad del diálogo que diluye la verdad objetiva, de la herejía de la “intolerancia” y el “integrismo” católicos. No pudiendo ser declarado formalmente “hereje”, debe ser declarado “rebelde” por su propia congregación, y, así excluido, facilitar el camino al diálogo que diluya la Verdad. Nada de fanatismos religiosos para la Iglesia del próximo Anticristo. Nada de pesimistas ante la nueva primavera de la Iglesia.

Los amigos de Benedicto respiran aliviados.


Dijo San Pablo en su defensa: “Confieso delante de ti, que siguiendo una doctrina, que ellos tratan de herejía, yo sirvo al Padre y Dios mío, creyendo todas las cosas que se hallan escritas en la Ley y en los Profetas”.

Mons. Straubinger nos sirve este comentario: “Orgulloso se anticipa (Pablo) a confesar que quiere ser “hereje” con Jesucristo. ¡Cuántos santos después de Pablo habían de seguir ese camino para “confesar delante de los hombres” a Aquel que fue “reprobado por los ancianos, escribas y sacerdotes”, “contado entre los criminales”, “gusano y no hombre”!”.

Y sin embargo, ¡ahora muchos tradicionalistas desean ser aprobados, reconocidos y “regularizados” por los modernistas, por los masones, por los liberales y fariseos que ocupan Roma! ¡Tienen más miedo de ser llamados herejes, que de serlo!

“Lo que nos interesa es que en la Iglesia [cuál de ellas] cambie el clima de hostilidad generalizada, hacia todo lo que es considerado tradicional, hacia todo lo que va ligado a la Tradición. Esto hace imposible que hoy puedan desarrollar una vida normal los católicos ligados a la Tradición. “ (Mons. Fellay, entrevista en revista 30 días).

Años ha, preguntado en una entrevista Mons. Fellay cómo percibía el Vaticano a la Fraternidad San Pío X, contestó: “Desobediente, rebelde, arrogante, estrecha de miras, extremista”.

Si la FSSPX ya no debe ser considerada “desobediente”, etc, pues eso entorpece el diálogo, ¿a quién transferir esa mala fama, contra quién asestar los golpes de los nuevos amigos de Roma? Ahí está Mons. Williamson, el nuevo malo de la película, el “nazi” infaltable de toda película judeo-norteamericana u hoy judeo-vaticana.

Una película cuya primera parte se llama “Williamson out”, pero que nos anticipamos a decir que para sus productores no será exitosa, aunque parezca lo contrario.
 

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

FSSPX: O telhado de vidro de dom Fellay

FRIZANDO que não seguimos homens, mas a Verdade, e portanto não fazemos, aqui, culto à personalidade de seu ninguém. Se errar, não seguimos! Deus não vai nos cobrar fidelidade a este ou aquele, mas a Ele. 

Giulia d'Amore - 09/01/2016. 



Quem tem telhado de vidro não deve atirar pedras para o alto.

Os sequazes de dom Fellay aproveitaram um Comentários[1] de Mons. Williamson, o da leitura de Maria Valtorta[2], para, mais uma vez, execrá-lo publicamente. Contudo, a ignorância que eles têm por mãe, mais uma vez, não lhes permitiu livrar-se da alcunha de perseguidores obsessivos de DW, pois saíram ao ataque, sem dó nem piedade, sem saber que o chefão deles, o “guru de Menzingen”, é quem é realmente dado a fantasiosas apologias à “vidente de calça jeans”, que profetizou[3], para ele, um papel heroico na História da Igreja: Ó Vaidade! Mãe de tantas tolices e algumas desgraças!

Parece que dom Fellay tem um espírito crédulo demais para comandar uma Instituição. Não devemos ser astutos como a serpente? Sobretudo em determinadas situações e ocupando determinados cargos de comando?

Até agora, que eu sei, ele foi enganado pela vidente suíça e pela Roma modernista. Ate quando Bernard?

Parafraseando aquela atriz global, este blog se une ao coro: “Renuncia, Bernard!”.

A história foi publicada ontem, em Francês, e eu rezava que alguém a traduzisse, pois a Verdade é um bem para o Homem! Meus comentários nas notas de tradução. Os grifos são do original em Francês.


Vaticano sobre Fraternidade São Pio X

Memória Histórica. Para ao dizerem que não foi dito!

Comissão do Vaticano emite declaração sobre Fraternidade São Pio X

A Pontifícia Comissão Ecclesia Dei aproveita a oportunidade para anunciar que, no seu mais recente comunicado (6 de setembro de 2012) a Fraternidade Sacerdotal São Pio X indicou a necessidade de sua parte de um tempo adicional de reflexão e estudo, para preparar a própria resposta às últimas iniciativas da Santa Sé.

O estudo atual das discussões em curso entre a Santa Sé e a Fraternidade Sacerdotal é fruto de três anos de diálogos doutrinais e teológicos, durante ao quais uma comissão conjunta se reuniu oito vezes para estudar e discutir, entre as outras questões, alguns pontos controversos na interpretação de certos documentos do Concílio Vaticano II. Quando tais diálogos doutrinais terminaram, foi possível proceder a uma fase de discussão mais diretamente focada no grande desejo de reconciliação da Fraternidade Sacerdotal São Pio X com a Sé de Pedro.

Outros passos fundamentais neste processo positivo de gradual reintegração haviam sido realizados pela Santa Sé em 2007 mediante a extensão à Igreja universal da Forma Extraordinária do Rito Romano com o Motu Proprio Summorum Pontificum, e, em 2009, com a abolição das excomunhões. Apenas alguns meses atrás, neste difícil caminho, foi alcançado um ponto fundamental quando, em 13 de junho de 2012, a Pontifícia Comissão apresentou à Fraternidade Sacerdotal São Pio X uma declaração doutrinal junto com uma proposta para a normalização canônica do próprio estado dentro da Igreja católica.

Atualmente, a Santa Sé está à espera da resposta oficial dos Superiores da Fraternidade Sacerdotal sobre estes dois documentos. Depois de trinta anos de separação, é compreensível sua necessidade de tempo para absorver o significado destes recentes desenvolvimentos. Enquanto o nosso Santo Padre Bento XVI busca promover e preservar a unidade da Igreja mediante a realização da reconciliação há tempos esperada da Fraternidade Sacerdotal São Pio X com a Sé de Pedro - uma potente manifestação da obra munus Petrinum - é necessário paciência, serenidade, perseverança e confiança.
Autor: Boletim da Santa Sé - 27/10/2012 15:55:00 
 

Poema: Não te rendas!

Não te rendas¹

Mário Benedetti (1920-2009), poeta uruguaio – título original “No te rindas”

 
Não te rendas, ainda há tempo
de conseguir e começar de novo.
Aceitar tuas sombras
enterrar teus medos
libertar o lastro
retomar o voo.

Não te rendas, que a vida é isso:
continuar a viagem
perseguir teus sonhos
destravar o tempo.
Remover os escombros
Descobrir o céu.

Não te rendas, por favor, não cedas
Mesmo que o frio queime
Mesmo que o medo morda
Mesmo que o sol se ponha
E se cale o vento.
Ainda há fogo em tua alma
há vida em teus sonhos.

Porque a vida é tua, e teu o desejo.
Porque o quiseste e porque te amo.
Porque existe o vinho e o Amor, é certo.
Porque não há feridas que o tempo não cure.

Abrir as portas
Remover os ferrolhos
Abandonar as paredes que te protegeram
viver a vida e aceitar o desafio
recuperar o riso
ensaiar um canto
baixar a guarda e estender as mãos
abrir as asas
e tentar de novo
Celebrar a vida e retomar os céus.

Não te rendas, por favor, não cedas
Mesmo que o frio queime
Mesmo que o medo morda
Mesmo que o sol se ponha e se cale o vento.
Ainda há fogo em tua alma
há vida em teus sonhos
Porque cada dia é um novo começo,
porque esta é a hora e o melhor momento
você não está só, porque eu te amo.




Original:


No te rindas,
aún estás a tiempo
De alcanzar y comenzar de nuevo,
Aceptar tus sombras,
Enterrar tus miedos,
Liberar el lastre,
Retomar el vuelo.

No te rindas que la vida es eso,
Continuar el viaje,
Perseguir tus sueños,
Destrabar el tiempo,
Correr los escombros,
Y destapar el cielo.

No te rindas, por favor no cedas,
Aunque el frío queme,
Aunque el miedo muerda,
Aunque el sol se esconda,
Y se calle el viento,
Aún hay fuego en tu alma
Aún hay vida en tus sueños.

Porque la vida es tuya y tuyo
también el deseo
Porque lo has querido
y porque te quiero
Porque existe el vino y el amor,
es cierto.
Porque no hay heridas
que no cure el tiempo.

Abrir las puertas,
Quitar los cerrojos,
Abandonar las murallas
que te protegieron,
Vivir la vida y aceptar el reto,
Recuperar la risa,
Ensayar un canto,
Bajar la guardia
y extender las manos
Desplegar las alas
E intentar de nuevo,
Celebrar la vida y retomar los cielos.

No te rindas, por favor no cedas,
Aunque el frío queme,
Aunque el miedo muerda,
Aunque el sol se ponga
y se calle el viento,
Aún hay fuego en tu alma,
Aún hay vida en tus sueños

Porque cada día
es un comienzo nuevo,
Porque esta es la hora
y el mejor momento.
Porque no estás solo,
porque yo te quiero.
 
No te rindas

¹ Tradução: Giulia d'Amore di Ugento

sábado, 27 de outubro de 2012

Mons. Williamson: Carta a Mons. Fellay

Publico a Carta de Mons. Williamson ao sr. Fellay, que o "expulsou" da Neo-FSSPX, traduzida pelo blog Ascendens, fazendo a devida adequação ao Português brasileiro, com pequenas correções. Registro a necessidade de ler este documento, assim como o documento de "expulsão" de Dom Williamson, à luz do que afirmado por um canonista (especialista em Direito Canônico) no artigo "Fellay e o bom direito. Porque Dom Williamson não foi expulso da FSSPX":

Pediram-me simpaticamente que traduzisse a carta que Mons. Williamson enviou a Mons. Fellay no dia 19 de Outubro de 2012. Assim fiz com dificuldade, tanto que na nossa língua e bons-costumes há situações que se desdobram e têm as suas distinções necessárias. É principalmente o caso do tratamento pessoal que em outras línguas ou não existe ou existe com menor clareza e grau. É de notar que a parte da carta em que Mons. Williamson se apresenta como "réu" é feita na 3ª pessoa do singular (apropriadamente, e tal como no original). Trata-se de uma carta longa e histórica e que deveria ser lida pela hierarquia da Santa Igreja e pelos fiéis, independentemente das opiniões. O esforço central da tradução foi a conservação do sentido:

Londres, 19 de Outubro de 2012.

Excelência Reverendíssima:

Agradeço a carta de 4 de Outubro na qual me é comunicado da parte de V. Ex.ª Revma., da parte do Conselho Geral e do Capítulo Geral, a "constatação", "declaração" e "decisão" de que já não sou membro da Fraternidade S. Pio X. As razões apresentadas para V. Ex.ª Revma. ter afastado a este vosso súbdito são: que ele continuou a publicação dos "
Comentários Eleison"; que atacou as autoridades da Fraternidade; que fez um apostolado independente; que causou confusão entre os fiéis; que apoiou os sacerdotes rebeldes; que desobedeceu formalmente, de forma obstinada e "pertinaz"; que se separou da Fraternidade; que não se submete a nenhuma autoridade. Todas estas razões não podem resumir-se simplesmente em desobediência? Sem dúvida, ao longo dos últimos doze anos, este vosso servidor teve problemas e ações que, diante de Deus, foram impróprias e excessivas, mas creio que bastaria que lho tivessem assinalado em particular para ele poder desculpar-se, segundo a verdade e a justiça. Contudo, não haja dúvida, nós concordamos que o problema essencial não reside nos detalhes, que se resumem a uma palavra apenas: desobediência.
Para iniciar, notemos, então, quantas ordens mais ou menos desagradáveis o súbdito recebeu do seu Superior Geral, as quais cumpriu sem falta.

Em 2003, deixou um importante apostolado nos U.S.A. para ir para a Argentina. Em 2009 deixou o cargo de diretor do Seminário e foi-se da Argentina para emudecer-se num refúgio em Londres, sem palavra nem ministério episcopal, porque estava proibido. Não lhe restava mais que, virtualmente, exercer o ministério com os "Comentários Eleison", cuja recusa em suspendê-los constitui a maior parte desta "desobediência" que se lhe aponta. Desde 2009, foi permitido aos Superiores da Fraternidade desacreditá-lo e injuriá-lo tanto quanto quisessem, e em todo mundo alentaram a todo e qualquer membro da Fraternidade que o desejasse fazer também.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Fellay e o bom direito. Porque Dom Williamson não foi expulso da FSSPX.

Bom, fora o fato de que quem está fora do corpo não pode mais ser a cabeça dele - isto é, o sr. Fellay, por ter traído o legado de Mons. Lefebvre e toda uma Tradição bimilenar já não é, de fato, o Superior Geral da FSSPX e, por isso, não pode mais decidir quem está e quem não está na FSSPX -, há, também, este interessante parecer de um canonista, o qual foi (re)publicado, com as devidas atualizações do tema, em um blog de língua francesa que eu acompanho pelo Reader. Eu traduzi por amor à Verdade, mas não sou versada neste belíssimo idioma, que consigo ler e compreender com suficiência; portanto, haverá, certamente, erros, mas não creio que eu traí a essência. 

Registro que tudo isso, para mim, é palha porque, de fato, Mons. Williamson nunca "desobedeceu" o sr. Fellay. Naquilo que, de fato, foi acusado, se aplicam os dispositivos aduzidos à perfeição, pois, o Direito Canônico (de 1917 e de 1983, qual se queira) lhe outorga o poder de decidir, ipse prudenter, o que afeta ou não a sua dignidade episcopal

Quanto a "submissão ao superior", o superior legítimo de Mons. Williamson - pelo antigo e pelo novo Código Canônico - seria o Papa, jamais o sr. Fellay. 

E sobre as palavras de Mons. Lefebvre, que dizer? Têm sido tão instrumentalizadas em prol da pertença mórbida a uma igreja à qual o Fundador jamais pertenceu que qualquer objeção minha nesse sentido seria em vão. 

O Dia da Revelação será... uma revelação para muitos! Pois não pode haver duas verdades...
Em última análise, diante das evidência dos fatos, quem saiu da FSSPX foi o sr. Fellay, que desde 2000 vem mudando de discurso e de lado, não Mons. Williamson, que continua com o mesmo discurso de sempre.
Portanto, siga em frente Mons. Williamson, porque, se tiver que recomeçar do zero, não faltará a mão da Divina Providência, como não faltou a Mons. Lefebvre que, algumas vezes, se viu diante de situações inesperadas e, para alguns, desesperadoras, nas quais não tinha o que dar para comer a seus seminaristas. O que é o pão diante da alma?

Por Cristo Rei e Maria Rainha!

Giulia d'Amore di Ugento



Por que Mons. Williamson não devia obedecer? Porque o direito o ampara!


Mons. Lefebvre, Mons. Williamson, Sr. Fellay
Sagrações Episcopais
30 de junho de 1988
Neste artigo não iremos julgar a forma, mas a essência. Nós não nos ocuparemos dos fatos reprochados, porque não nos interessam, mas apenas do direito, da essência!

Se Mons. Williamson apelasse diante do tribunal romano, que parece tanto agradar a Mons. Fellay, ele ganharia facilmente. A decisão de Mons. Fellay é nula e inválida, deveria ser privada de efeito, como o explica esta síntese feita por um canonista. 

Um bispo da Fraternidade pode expressar-se livremente?




1º CIC 1917, can. 627[1].


§1. Religiosus, renuntiatus Cardinalis aut Episcopus sive residentialis sive titularis, manet religiosus, particeps privilegiorum suae religionis, votis ceterisque suae professionis obligationibus adstrictus, exceptis iis quas cum sua dignitate ipse prudenter iudicet componi non posse, salvo praescripto can. 628.

§2. Eximitur tamen a potestate Superiorum et, vi voti obedientiae, uni Romano Pontifici manet obnoxius.


§ 1. O religioso, elevado a Cardeal ou Bispo, residencial ou titular, permanece religioso, participante dos privilégios de sua religião, e sujeito às vontades e a todas as outras obrigações de sua profissão, exceto aquelas que ele considera, em sua prudência, não serem compatíveis com sua dignidade, salvo a prescrição do Can. 628[2].

§ 2º. No entanto, é isento do poder dos Superiores, e, em virtude de seu voto de obediência, permanece sujeito unicamente ao Pontífice Romano.


2º CIC 1983, Can. 705[3].


Religiosus ad episcopatum evectus instituti sui sodalis remanet, sed vi voti oboedientiae uni Romano Pontifici obnoxius est, et obligationibus non adstringitur, quas ipse prudenter iudicet cum sua condicione componi non posse.

O religioso elevado ao Episcopado permanece membro do seu instituto, mas por força do voto de obediência está unicamente subordinado ao Romano Pontífice, e não está sujeito às obrigações que ele próprio prudentemente julgue não se poderem harmonizar com a sua condição.


3º Carta de Mons. Lefebvre aos futuros bispos, aos 28 de agosto de 1987[4]


a) “(...) eu me vejo obrigado pela Divina Providência a transmitir a graça do Episcopado católico que eu recebi, para que a Igreja e o sacerdócio católico continuem a subsistir para a glória de Deus e a salvação das almas.

É por isso que, convencido de cumprir apenas a Santa Vontade de Nosso Senhor, com esta carta vos peço que aceiteis receber a graça do Episcopado católico, como já conferi a outros sacerdotes, em outras circunstâncias.”

b) “O objetivo principal desta transmissão é o de conferir a graça da ordem sacerdotal para a continuação do verdadeiro Sacrifício da Missa, e para conferir a graça do sacramento da confirmação aos filhos e aos fieis que vos a pedirem.”

c) “Em fim, eu vos exorto a permanecerem ligados à Fraternidade Sacerdotal São Pio X, de permanecerem profundamente unidos entre vós, submissos ao seu Superior Geral, na Fé Católica de sempre, lembrai-vos destas palavras de São Paulo aos Gálatas: ‘Sed licet nos aut angelus de coelo evangelizet vobis praeterquam quod evangelizavimus vobis, anathema sit. Sicut praedicimus et nunc iterum dico: si quis evangelizaverit praeter id quod accepistis, anathema sit’! (‘Mas, ainda que alguém - nós ou um anjo baixado do céu - vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema! Repito aqui o que acabamos de dizer: se alguém pregar doutrina diferente da que recebestes, seja ele excomungado!)”.


Questão


Mons. Williamson é bispo auxiliar da Fraternidade de São Pio X e não tem nenhum cargo dentro da Fraternidade de São Pio X. Ele é acusado de livre-expressão em seu blog na Internet (Comentários Eleison) e de ministrar sacramentos (Crismas no Brasil) sem mandato de seu Superior Geral.

Até que ponto isso é compatível com a obediência devida ao Superior Geral? Sobretudo nas circunstâncias particulares das sagrações episcopais de 1988, em que Mons. Lefebvre exortou à submissão ao Superior Geral os eleitos para o Episcopado (cf. 3c).


Resposta


O bispo membro de um instituto não é um membro como os outros. Seu Episcopado, pela dignidade conferida pelo Código de 1917 ou sob condição, pelo Código de 1983, é independente de seus superiores. O Direito Canônico lhe reconhece a isenção das obrigações de seu instituto quando elas forem incompatíveis com o seu Episcopado. E o discernimento desta isenção é afeito à sua prudência[5] (“ipse prudenter”): cf. 1 e 2.

O governo que este bispo possui ou não possui não muda nada diante desse fato de direito. O Código de 1917 visa o bispo tanto residencial quanto titular, isto é, governante ou não governante uma diocese. O Código de 1983 refere-se ao religioso elevado ao Episcopado, sem especificar. De fato, o direito da Igreja protege o Episcopado, sem reservas.

As circunstâncias das Sagrações de 1988 também não mudam nada: é, obviamente, o mesmo Episcopado que o seu, e o mesmo Episcopado que ele já transmitiu, que Mons. Lefebvre transmite aos 30 de junho de 1988 (cf. 3a): o Episcopado Católico.

Este Episcopado não se reduz à transmissão dos sacramentos da ordem e da confirmação: Mons. Lefebvre certamente disse que esta é a sua primeira intenção, seu objetivo principal (cf. 3b) e, portanto, não-exclusivo[6].

A admoestação de Mons. Lefebvre de serem “submissos ao Superior Geral” (cf. 3c) se exerce, portanto, dentro do quadro do Can. 627 (CIC 1917), reafirmado no Can. 705 (CIC 1983).

Assim, tendo em vista os cânones 627 e 725 e a admoestação de Monsenhor Lefebvre, o Bispo Williamson está dentro de seu bom direito, e isso priva de efeitos o julgamento da FSSPX sobre o motivo evocado para expulsá-lo!


Grifos do original.
Fonte: SEMPER FIDELIS, PLUTOT MOURIR QUE TRAHIR. Publicado com autorização do autor. 
Tradução: Giulia d’Amore di Ugento 
(blog aberto a correções necessárias na tradução)


[1] CIC 1917. CAPUT III: De obligationibus et privilegiia religiosi ad ecclesiasticam dignitatem promoti vel paroeciam regentis. Vide. – NdTª.
[2] O Can. 628 (CIC 1917) trata apenas do direito dos bens materiais.
[3] CIC 1983. Caput VII: De Religiosis Ad Episcopatum Evectis. Baixe o PDF. – NdTª.
[5] Isto é, é ele quem decide se é isento ou não. – NdTª.
[6] Isto é, não exclui outras intenções e objetivos. – NdTª. 

_

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA