Pesquisar este blog

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA

Leitores

quinta-feira, 27 de junho de 2019

Ratzinger foi um dos que destruíram o Santo Ofício

Para não perdermos o rumo das coisas e, sobretudo, para que não nos enganem mascarando a verdade, não esqueçamos este episódio que um dos traidores de Cristo registrou para a posteridade. Fica como advertência aos que ingenuamente consideram Bento XVI um papa tradicionalista. Pior, que ainda o consideram o verdadeiro papa. Bento é muito pior do que Francisco. Este não engana ninguém que tenha um mínimo de catecismo; aquele é uma armadilha viva para as almas. 




Ratzinger foi um dos que destruíram o Santo Ofício


"Que se me permita por fim evocar uma lembrança. Joseph Ratzinger, perito no Concílio, era também o secretário particular do cardeal Frings, arcebispo de Colônia. Cego, o velho cardeal utilizava-o largamente para a redação de suas intervenções. Pois bem, uma delas tornou-se memorável: foi uma crítica radical dos métodos do Santo Ofício. Apesar de uma réplica do cardeal Ottaviani, Frings manteve sua crítica. Não é exagerado dizer que o antigo Santo Ofício, tal como se apresentava, foi destruído naquele dia por Ratzinger, em união com seu arcebispo. O cardeal Seper, homem pleno de bondade, começou a renovação. Ratzinger, que não mudou, a continua. Seria bom não esquecer esse episódio". 

(Henri de Lubac, “Entretien autour de Vatican II”)


Nota do blog: O “jesuíta” Henri de Lubac foi convidado a participar do Concílio Vaticano II como perito, e João Paulo II o fez cardeal no ano de 1983. Fundou em 1972, junto com os “teólogos” Hans Urs von Balthasar (ex-jesuíta; foi proibido de lecionar em várias escolas e universidades; a Igreja conciliar o reabilita, mas, embora seja um dos precursores do CVII não é convidado a participar, ainda assim recebe o prêmio Paulo VI de teologia; morreu dois dias antes de João Paulo II fazê-lo cardeal; fundou, com Adrienne von Speyr, uma “mística” nunca reconhecida pela Igreja Católica, a “Comunidade São João”) e Joseph Ratzinger, a revista “Communio”. 

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Virgem Consolada de Turim

Hoje é a Festa da Virgem Consolada de Turim
ou Nossa Senhora da Consolação

Clique na imagem abaixo para ler a Súplica


Comunhão na Mão


Comunhão na Mão



À Madalena, Cristo disse “não me toque porque ainda não me elevei ao Pai”; mas a Tomé, disse “mete o dedo nas minhas chagas e tenha fé”. Por que uma não pode tocá-lO e o outro, sim? Por que Tomé era Sacerdote e, na Missa, eleva, no lugar de Cristo, o próprio Cristo ao Pai para ofertar o seu Sacrifício e, depois, ser elevado diante dos homens, como a serpente no deserto, “a fim de atrair todos a si” e de “salvar da morte os que haviam pecado”. 

Esta realidade de per si destrói a nova teologia conciliar da “missa nova”, voltada para os homens. A Sagrada Comunhão deve ser recebida na boca e de joelhos nos casos ordinários; as exceções sempre existiram, mas somente para os casos de urgência, como perseguição, evitar um sacrilégio etc. A seguir alguns textos da Tradição Católica sobre o caso da Comunhão na mão

O cavalo de batalha desses pseudo-liturgistas é a seguinte passagem da “Catequese Mistagógica” atribuída a São Cirilo de Jerusalém: “Adiens igitur, ne expansis manuum volis, neque disiunctis digitis accede; sed sinistram velut thronum subiiciens, utpote Regen suscepturae: et concava manu suscipe corpus Christi, respondens Amen”. (“Dirigindo-se pois [a Comunhão] aproximai-vos com as palmas das mãos abertas, nem com os dedos disjuntos, mas tendo a esquerda em forma de um trono sob aquela mão que está para acolher o Rei e com a direita côncava, recebei o corpo de Cristo, respondendo Amém). Ao chegar nesse “Amém”, simplesmente param. Mas a “Catequese Mistagógica” prossegue o texto acrescentando a seguinte passagem: “Postquam autem caute oculos tuos sancti corporis contactu santificaveris, illud percipe… Tum vero post communionem corporis Christi, accede et ad sanguinis poculum: non extendens manus; sed pronus (em grego: ‘allà kùpton, que São Belarmino traduz: ‘genuflexo’), et adorationis ac venerationis in modum, dicens Amen, sanctericeris, ex sanguine Christi quoque sumens. Et cum adhuc labiis tuis adbaeret ex eo mador, manibus attingens, et oculos et frontem et reliquos sensus sanctifica… A communione ne vos abscindite; neque propter peccatorum inquinamentum sacirs istis et spiritualibus defraude mysteriis”. (“Depois que tu, com cautela tiver santificado os teus olhos pondo-te em contato com o Corpo de Cristo, aproximai também do cálice do sangue: não tendo as mãos estendidas, mas genuflexo de modo a expressar senso de adoração e veneração. Dizendo amém, te santificarás, tomando também o sangue de Cristo. E tendo ainda os lábios úmidos, tocai-os com as mãos e depois com esse santificarás os teus olhos, a fronte e os outros sentidos. Da comunhão jamais vos afastai, nem vos privai destes sagrados e espirituais mistérios, ainda que estejais manchados pelos pecados”)[1]

Corpus Christi

Clique na imagem abaixo para reler tudo o que foi publicado acerca da Festa de Corpus Christi e algumas devoções. 




Viva Cristo Rei! 



ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui