Convite


Feminismo: o maior inimigo da mulher
Grupo do Facebook • 157 membros
Participar do grupo
Grupo criado com o propósito de desmascarar o feminismo.

Pesquisar este blog

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

A Virgindade Perpétua de Maria Santíssima


Virgindade de Maria antes, 

durante e depois do parto


Dia 2 de fevereiro são comemoradas a Festa de Nossa Senhora da Candelária, quando se abençoam as velas, a Festa da Apresentação do Menino Jesus no Templo e a Festa da Purificação da Virgem. Vamos falar desta última festa, ou melhor deste assunto. 

Tendo nascido sem pecado originalDogma da Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, declarado em 8 de dezembro de 1854 pelo Papa Pio IX, através da bula “Ineffabilis Deus” – a Virgem Maria não precisava purificar-se após o parto, mas o fez em obediência à lei e para não causar escândalo desnecessário. 

Além de ter nascido sem pecado original, Nossa Senhora foi Virgem antes, durante e depois do parto.  

A Virgindade perpétua da Mãe de Deus também é Dogma de fé, e foi definido pelo Primeiro Concílio de Latrão (649) e confirmado pelo Terceiro Concílio de Constantinopla (680), e está incluído no Credo Niceno-Constantinopolitano: “se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem”, e no Símbolo dos Apóstolos: “nasceu de Maria Virgem”, que rezamos diariamente do Rosário. 

Quero falar disso porque chegou a meu conhecimento que há católicos, e católicos da Tradição, que andam propalando uma blasfêmia contra a Virgindade Perpétua de Nossa Senhora. Segundo esses blasfemadores hereges, Nossa Senhora (1) teve as dores do parto e (2) teve parto comum, como toda mulher, e depois do parto, magicamente, voltou a ser virgem. SIC!


1. As dores do parto. 

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Santo Peregrino e Santa Peregrina

Há bem nove "Peregrinos" e três "Peregrinas", entre Santos e Beatos da Igreja Católica:
  1. São Peregrino de Triocala (I secolo), bispo, consagrado por São pedro, e mártir: memória, 30 de janeiro;
  2. São Peregrino de Roma (†192), mártir da Via Aurélia, com os Santos Eusébio, Ponciano e Vicente sob o imperador Comodo; memória, 25 de agosto;
  3. São Peregrino de Auxerre (V séc.), bispo e mártir; memória, 16 de maio;
  4. São Peregrino Bispo, também conhecido como São Ceteo (†597), bispo é mártir, padroeiro da cidade de Pescara; memória, 13 de junho;
  5. São Pelegrino Laziosi (†1345), também conhecido como São Pelegrino de Forli, prior e servita, patrono dos doentes de câncer; memória, 1º de maio.
  6. Beato Peregrino de Falerone (†1233), padre franciscano e um dos primeiros discípulos de São Francisco de Assis; memória, 27 de março.
  7. Beato confessor Peregrino de Verona, lembrado junto com o confessor Evangelista; memória, 26 de julho.
  8. São Peregrino, eremita, lembrado junto com Guilherme; memória, 26 de abril.
  9. São Peregrino, mártir em Apolônia, junto com Isauro, Inocêncio, Felix, Ermia e Basílio; memória, 17 de junho
  10. Santa Peregrina, mártir em Nicomedia; memória, 22 de fevereiro.
  11. Santa Peregrina, mártir em Tarso; memória, 10 de maio.
  12. Santa Peregrina, mártir em Roma; memória, 5 de outubro.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Da eficácia e alcance das orações dos pecadores

Muitos já me perguntaram sobre este tema, se adianta a um pecador rezar, se Deus o ouve, se atende as suas preces por alguma necessidade que esteja a precisar. E eu aprendi que não, mas não tinha um subsídio escrito, uma "fonte" para oferecer, apenas os costumeiros bons conselhos e sermões (nem todos estão registrados, infelizmente) de meu Diretor espiritual, o Rev. Padre Ernesto Cardozo. Um dia desses, a Divina Providência me fez encontrar este texto, enquanto fazia uma tradução para um novo livro da Editora (spoiler: de um grande pregador que foi recentemente censurado por "tradicionalistas"), e resolvi dedicar um post especialmente para ele no Pale Ideas. Demandou pesquisa para encontrar as fontes que o próprio texto cita - e não foi fácil porque, de fato, até onde sei, não temos em português essa homilia de São João Crisóstomo, preciosa!, nem mesmo, até onde sei também, os retumbantes sermões do Padre Paulo Segneri S.J., um dos grandes pregadores da Igreja, e tão desconhecido... Quiçá Deus permita que possam ainda ser traduzidos. Até lá, espero que este breve trecho seja útil a quem dele precise - e a tradução, de um italiano um pouco arcaico, mas que ainda domino muito bem, entremeado por trechos em latim. Uma joia! E a ofereço Àquela que é a única que tem o direito de chamar todo um Deus de Filho, Mãe de Cristo e minha, a Santíssima Virgem Maria. 

Sugestão prática: Seja antes das orações diárias costumeiras como de todas as outras, eu costumo rezar o Confiteor, para melhor me predispor à oração. Contudo, é aconselhável estar sempre "confessado", ou seja, em estado de graça, não apenas para ser atendido nas orações, mas principalmente porque não sabemos quando Deus, nosso Senhor e Criador, vai nos chamar à Sua presença para prestarmos conta de nossos pensamentos, palavras e ações. Nunca é prudente dormir sobre nossos pecados. Caso não tenha um Padre por perto, lance mão da Contrição Perfeita e do Exame de Consciência diário, até poder encontrar um confessionário católico para se limpar de suas celaredezes (pecados, impiedades, crimes...). Boa leitura. 





Da eficácia e alcance das orações dos pecadores


Nem pode vos beneficiar, em semelhantes perigos, recorrer à oração; pois não sabeis vós que, por estarem nesse estado (de pecado), em nada, quanto a isso, são aceitas as vossas súplicas? Ouvi como Deus vo-lo denuncia desde o primeiro capítulo de Isaías: “cum multiplicaveritis orationem, non exaudiam[1]. E vejam como bem o provou a suas custas o ímpio Antíoco[2], o qual, caído em uma horrenda enfermidade [3], recorreu logo ao Céu com grande empenho, mas tudo em vão! “Oravat scelestus Dominum, a quo non erat misericordiam consecuturus[4]. Visto que em um caso apenas são infalivelmente atendidas as preces dos que ainda são pecadores, e é quando pedem, sinceramente, o perdão de suas culpas. Em todas as outras situações, Deus não costuma atendê-las, se não, talvez, para aumentar a miséria deles; e, contudo, como explica o doutíssimo Suaréz (3 p. qu. 86, § 2, n. 18), para Antíoco não havia misericórdia, porque ele não pedia a remissão de suas celeradezes, mas a recuperação da saúde física. Se, portanto, enquanto haveis afeição ao pecado não agradam ao Céu nem mesmo as vossas mais fervorosas preces – mais ainda, lhe são odiosas; mais ainda, lhe são execrandas, segundo aquele horrível dito dos Provérbios: “qui declinat aures suas, ne audiat legem, oratio ejus erit execrabilis[5] – que estado mais desafortunado do vosso se poderá encontrar? Onde podereis vos voltar para obter socorro nas vossas calamidades, conforto em vossas preocupações, felicidade em vossos negócios, proteção nos perigos que vos rodeiam? Vos poreis com David a louvar a Deus? Mas não percebeis que Ele não vos quer em seu coro (louvor)? “Non est speciosa laus in ore peccatoris[6]. Bem que o Crisóstomo[7] nota, com agudeza, que aquele grande Rei convidou a cantar com ele os seus salmos todas as criaturas mais horríveis que há no mundo... Convidou os escorpiões, convidou as serpentes, convidou os mais ferozes dragões; mas não convidou os pecadores. Disse bem ele, “laudade Dominum, dracones[8]; mas nunca disse, “laudade Dominum, peccatores”: tanto é verdade que nem os próprios louvores que os pecadores possam render a Deus lhe são caros: “Scorpii, serpentes, dracones”... Ouvi as próprias palavras do Santo, “scorpii, serpentes, dracones invitantur ad laudandum Deum[9]. Quem foi excluído? “Solus peccator, solus peccator[10], pobre dele!, “solus peccator ab hac sacra chorea excluditur[11]. Que fareis, então? Oferecereis grandes esmolas? Deus abomina, neste momento, o vosso ouro. Fareis longas peregrinações? Deus desdenha, neste momento, as vossas visitas. Empreendereis rígidas austeridades? Não agradam a Deus, neste momento, os vossos jejuns. Fazei quanto quiserdes o bem; enquanto estiverdes em pecado, nenhuma de vossas obras é meritória: “Incensum abominatio est mihi[12], assim mesmo reclama Deus a Isaías, “calendas vestras et solemnitates vestras odivit anima mea (...), laboravi sustinens[13]. Sim!, “laboravi sustinens[14]. Não é meritório para vós nem assistir à missa, nem ouvir a pregação, nem vestir os nus, nem socorrer os enfermos, nem acolher os peregrinos, nem usar qualquer outra obra de piedade; e, ainda que, notais bem, ainda que seja muito melhor continuar a fazer tais obras, mesmo depois do pecado, que deixar de fazê-las – porque Deus, por sua gratuita misericórdia, tende ordinariamente, a respeito delas, como ensinam os teólogos, a nos tolerar com maior magnanimidade; por isso, “laborat[15], é verdade, mas também “sustinet[16] – com tudo isso, é preciso bem dizer a verdade, coisa certa é que todas essas obras são mortas. 

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Deveres de estado x deveres da Religião

Lucio Massari: Sagrada Família (1675).

Deveres de estado x deveres da Religião

---------- Forwarded message ---------
De: Unknown <noreply-comment@blogger.com>
Date: seg., 11 de jan. de 2021 às 20:45
Subject: [Pale Ideas - Tradição Católica!] Novo comentário em Ofício Parvo de Nossa Senhora. 

Unknown deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Ofício Parvo de Nossa Senhora":

Ela pode rezar de uma só toada, e sempre procurar ter tempo para as orações. Ainda que se leve em conta as obrigações de estado, o convívio com Deus deve ser priorizado sim. Estimule as pessoas a rezarem e não as desestimule com esses conselhos "se der reza, se não der não reza"...

Bom, não costumo responder a anônimos porque, geralmente, salvo raríssima exceções que confirmam a regra, se trata de gente ignorante (na acepção do dicionário) e soberba. Como esta pessoa, que nada sabe sobre Catolicismo, espiritualidade católica, deveres de estado etc., Se soubesse, teria compreendido perfeitamente a questão e trataria de fazer dar frutos de santidade em sua própria vida com toda a sabedoria que crê ter. Deus quer ver estes frutos e não mexericos e maledicências, por exemplo. Provavelmente é alguém que passa tempo demais fazendo o que não deve e tempo de menos não fazendo suas obrigações, como bom liberal, no melhor estilo: faça o que digo, mas não faça o que eu faço.  

Mas, desta vez, vou abrir uma exceção porque o assunto é útil para todos nós, pois muitos tem esta dúvida: o que é mais importante, os deveres de estado ou os da Religião? Qualquer criança com catecismo básico sabe a resposta, mas vejamos os exemplos de nossos modelos de santidade.

O anônimo talvez não conheça Santa Francisca Romana - Santa nos três estados de vida - canonizada pela Igreja e que, por isso, passou por crivos assaz rígidos, que vasculharam a sua vida atrás de erros que pudessem levar outros a erro. E não só não encontraram como a sua vida é exemplar para nós outros, simples católicos de banco de igreja. Quem não sabe, por exemplo, que ela, se o marido a chamasse enquanto estava a rezar, tudo deixava para ir atendê-lo?  

Se o anônimo se dedicasse mais ao que crê conhecer talvez soubesse disso e não passaria vergonha em público (este e-mail foi enviado como comentário a um post sobre o Ofício de Nossa Senhora, que eu moderei e joguei para SPAM), ou se deteria antes de falar sobre o que desconhece.  

Ops! Não passa vergonha publicamente porque, covardemente, preferiu não dizer o nome, mas Deus tudo vê, e estamos sempre na Sua santa presença. Portanto, a vergonha existe e está registrada, e se essa pessoinha tivesse o bom costume de se olhar no espelho da alma e fazer exame de consciência diário, se envergonharia de aconselhar asneiras e de comentar o que não sabe, e tentaria se esmeirar em se santificar, dar frutos. 
 
Devemos sempre fazer a vontade de Deus! Ao se escolher um estado de vida, supõe-se que Deus foi consultado e ouvido, então cada um segue a vida que Nosso Senhor designou, seja ela matrimonial, religiosa/sacerdotal ou celibatária. Enfim... Isso é catecismo básico. Logo, por obrigação de estado, quem deve se preocupar em "priorizar o convívio com Deus" são os religiosos, porque esta é a razão da vida deles, da vocação deles: o dever de estado deles. A rotina deles é toda feita nesse sentido, apesar de também possuírem certos momentos de trabalho manuais, mas eles têm a obrigação de cumprir uma rotina rigorosa de orações, mortificações e etc.

Quem seguiu a vocação matrimonial também fez a vontade de Deus e segue uma vocação que é vivida no mundo mesmo. E é assim que deve se santificar: deve dedicar-se primeiro aos deveres de estado e, depois, sobrando tempo, às coisas da Religião, porque é justamente nos deveres de estado que está a servir a Deus, pela obediência e sacrifício.  

Cada um no seu lugar. Isto é ordem. A desordem não é de Deus. E, no mundo atual, ela é fruto do pensamento liberal, que ensina erroneamente que o que as pessoas "acham" é uma verdade, e, assim, pensam que a Verdade pode ser relativizada, como se fosse apenas mais uma opinião. Lembrem-se que a Fé é a adesão da inteligência à Verdade revelada, e essa adesão é plena, sem poréns, sem espaço para opiniões. 

Outra coisa meio óbvia é que este anônimo não possui um manual de confissão ou um livreto qualquer sobre o tema, ou, se o tiver, não costuma o abrir com frequência ou nunca o leu, pois se o tivesse lido saberia que está a dizer bobagens.  Sim, bobagens.

O católico conhece a Doutrina e tem convicção de que aderiu à Fé Católica, e, sem ficar se justificando, dando desculpas e oferecendo empecilhos à ação da divina Graça, diz a si mesmo: sou católico e basta!  

É preciso extirpar o pensamento liberal dos ambientes católicos, pois é ele que causa esse tipo de comportamento e de confusão, faz com que as pessoas não compreendam as coisas objetivamente, enfraquece o caráter, a fibra cristã, e causa desordem. Com a convicção renovada com os Sacramentos e os constantes atos de Fé, Esperança e Caridade, é possível restaurar e reordenar tudo em Cristo.

Nada impede, certamente, que ao cumprir deveres de estado que o permitam não se possa estar com a mente e o coração voltados para Deus. Por exemplo, quando a mulher lava a louça ou faz qualquer outro trabalho manual que não exija concentração; ou quando o homem está dirigindo ou ocupado com atividades estritamente manuais. Mas, quando alguém está trabalhando com a mente, é impossível que possa fazê-lo, a menos que tenha a graça de um dom especial. Deixar as obrigações de estado de lado para rezar... Não! Eu mesma tenho o hábito de ocupar a mente, quando não a estou ocupando com algum trabalho intelectual, com preces curtas e jaculatórias, para não desperdiçar o tempo.  

Alguém poderia arguir que, depois cumprir os deveres de estado, não sobra tempo ou está cansado demais para rezar... Bom, então, acorde mais cedo ou durma mais tarde. Terá a eternidade para descansar.  

O cerne da questão, aqui, é saber ordenar o dia para que sobre tempo para ambas as coisas, na justa medida, hierarquicamente. 

Resumindo, primeiro as obrigações de estado, depois as da Religião. Ordem. Simples assim. 

Caro anônimo, se tiver a tentação de comentar novamente com suas tolices, respire fundo e... vá lavar aquela pilha de louça dobrando na pia (ou vá carpir um lote, porque esse anônimo tem toda pinta de ser um varão desocupado: esto vir)!!!

Giulia d'Amore 

PS. Gostaria de saber quando foi que eu desestimulei alguém a rezar!  😏 

sábado, 5 de dezembro de 2020

CALENDÁRIO 2021 - COMPRE O SEU!



E aqui está, mais uma vez, o Calendário Católico segundo o Rito tridentino, com as belas obras de Giotto este ano, e as rubricas principais da Missa, com a indicação dos Domingos, Festas e Santo do dia, e outra informações relevantes. 

O valor é o mesmo do ano passado: R$30,00. O frete subiu um pouco, mas isso é com os Correios: R$6,85.  

Duas formas de pagamento: 

1. Pelo PagSeguro, que oferece o boleto, cartão de crédito e outras opções.

2. Depósito ou transferência bancária (Bradesco). 

Para comprar, clique aqui, será direcionado para o site da Editora Missões Cristo Rei. 

Giulia d'Amore 

Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA