Pesquisar este blog

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Nossa Senhora Rosa Mística. Esclarecimentos importantes!

A verdadeira e a falsa Rosa Mística



Nossa Senhora Rosa Mística. 

Esclarecimentos importantes!


 

Em primeiro lugar, há um sério esclarecimento a fazer: a Imagem à esquerda da foto acima é uma antiga representação da Rosa Mística, uma das invocações da Ladainha de Nossa Senhora; enquanto a outra, à direita, não apenas é falsa, como foi CONDENADA e PROIBIDA pela Igreja Católica. 

Sobre as Ladainhas de Nossa Senhora, vide AQUI. A Rosa Mística é a 27ª invocação. Vamos ao assunto. 
 
Nossa Senhora teria, supostamente, aparecido a uma “vidente” em dois momentos históricos distintos: primeiro em 1947 e depois em 1966. 

Pierina Gilli, a suposta vidente, nasceu na cidade de Montichiari (Bréscia), aos 03 de agosto de 1911, filha de Pancrazio Gilli e Rosa Bartoli, um humilde casal de camponeses, uma família marcada pela pobreza. O pai morreu em 1918, consumido pelo cativeiro sofrido durante a Primeira Grande Guerra. A mãe se casou novamente para proteger seus filhos. Depois de ser assistente das crianças em uma creche municipal de Montichiari, e tendo recusado uma oferta de casamento, Pierina teve que desistir do sonho de entrar no convento das “Ancilas da Caridade”[1], por problemas de saúde, e foi trabalhar como empregada doméstica do Padre Giuseppe Brochini; depois, trabalhou como enfermeira no Hospital Civil de Desenzano del Garda.[2]  

A jovem mantinha um diário onde anotava as experiências “místicas”: em particular as supostas visões e mensagens. Pelo diário, sabemos que os “encontros” com Maria Rosa Mística foram precedidos e preparados por outro “encontro”, com a fundadora das Ancilas, a então Beata Maria Crucificada Di Rosa

Em 14 de abril de 1944, foi acolhida pelas Ancilas da Caridade, como postulante. Sete meses depois contraiu meningite e beirou a morte. Foi quando lhe teria aparecido a Beata Maria Crucificada Di Rosa, anunciando que ela se curaria, mas viria a ter outras provações. 

Em 02 de novembro de 1946, Pierina, sempre segundo o diário dela, teve uma oclusão intestinal; e vinte dias depois, entre os dias 23 e 24 de novembro, a Beata Maria Crucificada lhe teria aparecido novamente, junto com a Virgem Maria, vestida de roxo, com um véu branco. A Virgem tinha os braços abertos, e em seu peito teria três espadas transpassando o coração. 

Em 12 de março de 1947, após um colapso do coração resultante de cólicas renais, teria visto novamente a Beata Maria Crucificada, curando-se depois de oferecer seu sofrimento pelas pessoas consagradas.[3] 

Em 1947, teriam começado as supostas aparições da Virgem como “Maria Rosa Mística”. O primeiro encontro teria ocorrido na sala do Hospital Civil de Montichiari, onde Pierina prestava seus serviços: em seu diário, a aparência de Maria é descrita como sendo a mesma do dia 02 de novembro de 1946. A Virgem teria dito: “Oração, sacrifício e penitência”. Em maio de 1947, a “mística” teria sofrido assédios diabólicos e tido uma visão do inferno. 

Em 01 de julho de 1947, durante a recitação do Rosário, teria havido outra aparição da Virgem, sempre com três espadas fincadas no coração.

Em 13 de julho de 1947, teria ocorrido a primeira “grande” aparição: Maria apareceria junto com a Beata Maria Crucificada, dizendo: “Eu sou a Mãe de Jesus e a Mãe de todos vós”. Pierina alega ter visto as espadas no chão e, no peito da Virgem, teriam desabrochado, em seu lugar, três rosas: uma branca, uma vermelha e uma de ouro (não amarela!). A Virgem teria exortado a uma nova devoção: “Maria Rosa Mística”, em prol de todos os institutos religiosos e os sacerdotes. Teria, também, pedido que se homenageasse, como um dia mariano, o dia 13 de cada mês e, em particular, o dia 13 de julho, para expiar as ofensas feitas pelas almas consagradas.

Em 22 de outubro de 1947, durante uma reunião de oração, a imagem da Beata Maria Crucificada teria tomado vida e, do crucifixo em suas mãos, teriam caído gotas de sangue, que Pierina teria secado com o purificador do altar (SIC!!!).

As aparições subsequentes ocorreriam na Catedral de Montichiari

Na primeira, em 16 de novembro de 1947, a Virgem teria pedido a Pierina para marcar com a língua uma cruz sobre quatro ladrilhos do pavimento; sobre essa cruz, a Virgem teria pousado, convidando-a à oração e à penitência, em reparação às ofensas dos homens a Deus. 

Na aparição de 22 de novembro de 1947, a Virgem teria anunciado sua próxima visita ao meio-dia de 08 de dezembro de 1947, dia da Imaculada Concepção, para pedir a instituição da Hora da Graça

Em 07 de dezembro de 1947, a Virgem teria aparecido novamente, acompanhada, desta vez, por Francisco e Jacinta, os dois pastorzinhos de Fátima, explicando que eles lhe fariam companhia em toda a sua tribulação. “Eles também sofreram, embora mais novos de ti”.  
Vamos nos situar no tempo. É preciso lembrar que a supérstite dos pastorzinhos, Lúcia, se tornou freira e continuou tendo encontros, embora bastante esporádicos, com a Santíssima Mãe de Deus, e esses encontros foram registrados por ela, e são reconhecidos pela Igreja. Vejam que NUNCA a Irmã Lúcia disse que Nossa Senhora aparecera a esta “vidente” Pierina. Isso é, no mínimo, estranho, uma vez que Ela não teria motivos para esconder de Lúcia essas aparições, e que, ao contrário, dariam credibilidade à “vidente” Pierina... Não é? Fica o questionamento.  

Em 08 de dezembro de 1947, a suposta Virgem teria reaparecido a Pierina, conforme havia anunciado, dizendo: “Eu sou a Conceição Imaculada — Nossa Senhora afirmara isso em Lourdes, à jovem Bernadete Soubirous, em 25 de março de 1858, para confirmar o Dogma definido por Pio IX, através da Bula Ineffabilis Deus, em 08 de dezembro de 1854. Qual a necessidade da Virgem se repeti-lo, se Ela nunca se repete nas aparições reconhecidas pela Igreja? —, sou Maria de Graça, Mãe do Divino Filho Jesus Cristo. Para minha vinda a Montichiari, gostaria de ser chamada de ‘Rosa Mística’…”. A Virgem também teria manifestado o desejo de ver instituída a Hora da Graça Universal, a ser celebrada todo dia 8 de dezembro, para obter graças e conversões; e teria pedido que se fizesse um portãozinho para custodiar os quatro ladrilhos já mencionados, e uma Imagem, que deveria retratá-la como “Rosa Mística”. Em seguida, Pierina teria visto, no peito da Virgem, sob uma luz fulgurante, o Seu Coração Imaculado; ao mesmo tempo, teriam ocorrido curas milagrosas na catedral: uma criança paralítica e uma mulher muda.[4] 

Em 1948, Pierina foi interrogada pelas autoridades eclesiásticas, retirando-se, depois, em convento franciscano de Bréscia, sob a orientação espiritual do padre Giustino Carpin, mas sem ingressar na ordem. As supostas aparições foram poucas por um longo tempo, mas se intensificaram novamente em 1966. Segundo o testemunho de uma carismática[5] de Bréscia, Franca Dal Ri Cornado (1924-1993), que mais tarde que se tornaria amiga de Pierina, as aparições teriam sido retomadas como um sinal pedido pelo padre Giustino, diretor espiritual das duas, para verificar as locuções interiores que Franca teria recebido desde 1958. P. Giustino instou Franca a pedir, sem entrar em detalhes, uma graça ao Senhor, e a graça era precisamente que sua outra filha espiritual, Pierina, voltasse a encontrar a Virgem, a qual teria prometido voltar sem dizer quando. 

E a Virgem teria reaparecido a Pierina em 17 de abril de 1966, um Domingo in Albis, junto a uma fonte de água localizada em Fontanelle, uma vila próxima a Montichiari, onde hoje existe o Santuário do Rosa Mística, dizendo: “O Meu divino Filho Jesus é todo amor. Ele me enviou para tornar essa fonte milagrosa. Como um sinal de penitência e purificação, dê um beijo neste degrau, depois desça alguns degraus, pare, e dê outro beijo e desça. Pela terceira vez, beije o degrau, e, neste último local, se coloque um crucifixo. Os doentes e todos os meus filhos, antes de tomar ou beber água, peçam perdão ao meu Filho divino... Agora sua missão será aqui, entre os doentes e necessitados”.

Na segunda aparição, em 13 de maio de 1966, aniversário da aparição da Virgem em Fátima, Maria teria comunicado a Pierina que a fonte deveria ser chamada a “Fonte da Graça”, convidando a humanidade à oração, ao sacrifício e à penitência para se salvar da ruína (inferno).

A terceira aparição ocorreria em 09 de junho de 1966, solenidade de “Corpus Domini”: a Virgem teria expressado o desejo de que uma parte do trigo dos campos circunstantes fosse transformada em “Pão Eucarístico”, a ser levado a Fátima no dia 13 de outubro. Também teria expressado o desejo de que o povo de Montichiari se consagrasse ao Seu Coração Imaculado.

Na quarta e última aparição de Fontanelle, em 06 de agosto de 1966, festa da Transfiguração de Jesus, a Virgem teria pedido a instituição da “União Mundial da Comunhão Reparadora”, a ser realizada em 13 de outubro. Além disso, teria recordado a sua função de mediadora entre seu Filho e a humanidade, acrescentando: “Eu escolhi este lugar de Montichiari porque, nos meus filhos que trabalham com a terra (agricultores), ainda há humildade, como se fosse uma pobre Belém”.

Pierina levou, a partir daí, uma vida muito retirada, e as aparições e mensagens teriam supostamente continuado. Na última alegada aparição, em 24 de março de 1983, Maria teria expressado o desejo de ver realizado, no local, um santuário com cinco cúpulas, e teria pedido para que fosse criada uma medalha de acordo com suas instruções. Em relação a Montichiari e Fontanelle, conversões e supostas curas milagrosas teriam continuado, acompanhadas por outros sinais sobrenaturais, como as maravilhas solares[6], como em Fátima. A necessidade de atrelar essas “aparições” a fatos históricos comprovados e reconhecidos pela Igreja é comum nas falsas vidências. Nas verdadeiras, isso nunca ocorreu.



AS AVALIAÇÕES DE DOM GIACINTO TREDICI, BISPO DA DIOCESE DE BRÉSCIA DE 1933 A 1964


Dom Giacinto sempre considerou NAO AUTÊNTICAS as supostas aparições marianas de Fontanelle e Montichiari. São duas as tomadas de posição mais importantes. 

I. No semanário diocesano “La Voce del popolo”, de 04 de dezembro de 1948 publicou: “Após uma cuidadosa investigação realizada por sua ordem, S. E. Mons. Bispo acredita poder afirmar que a narração dos acontecimentos que teriam ocorrido em Montichiari nos últimos meses (...) deve ser considerada de NENHUM VALOR. Os fatos antecedentes, a que se refere o periódico ‘Famiglia Cristiana’ de 24 de outubro [1948], ainda estão sendo examinados. O Bispo ainda não pensa em se pronunciar. Portanto, de acordo com as normas dos cânones sagrados, NÃO DEVEM SER DIVULGADAS NOVAS DEVOÇÕES QUE SE REFIRAM A ELAS. Os sacerdotes, especialmente, devem obedecer a essas normas”[7]. 

II. Em uma carta a Mons. Giovanni Battista Bosio (eleito Arcebispo de Chieti-Vasto por Pio XII), de 14 de novembro de 1951, escreveu: “O sujeito [Pierina Gilli] e o ambiente CARECEM DE VALOR do ponto de vista das declarações feitas. Um ambiente SUPERAQUECIDO[8] e, devo dizer, TENDENCIOSO [...]. Assim sendo, eu, no domingo 4 de dezembro, em Montichiari, por ocasião da Visita Pastoral, disse publicamente, na igreja, que, tendo examinado bem as coisas, NÃO ENCONTREI MOTIVOS SUFICIENTES PARA TER POR PROVADAS E SOBRENATURAIS as revelações e aparições que alegam ter ocorrido, e que, por isso, PROIBIA qualquer manifestação de culto público que se referisse a elas[9].



A POSIÇÃO DA IGREJA


Após o episcopado de Dom Giacinto Tredici, subsistem os seguintes pronunciamentos da Diocese de Bréscia: 

I. 1975.Mons. Bispo renova o firme convite aos fiéis e sacerdotes para que, na ACEITAÇÃO OBSEQUIOSA das decisões anteriores, saibam encontrar, em OUTROS santuários e lugares reconhecidos pela Igreja, a melhor forma de expressar a devoção devida e necessária à Mãe de Deus, segundo os conteúdos mais autênticos da fé e espiritualidade católicas”. (Comunicado de Mons. Luigi Morstabilini, de 25 de novembro de 1975).

II. 1984.O Bispo de Bréscia, confortado pelo creditado parecer da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, comunica que: 
a) as chamadas aparições de Nossa Senhora da Rosa Mística em Montichiari NÃO APRESENTAM MOTIVOS DE CREDIBILIDADE
b) o culto a Nossa Senhora da Rosa Mística, portanto, NÃO É APROVADO e NÃO PODE SER PRATICADO OU INCENTIVADO
c) quem insistir em favorecê-lo, distribuindo publicações ou organizando peregrinações, não ajuda, mas PERTURBA A FÉ DOS FIÉIS, INDUZINDO-OS A AGIR CONTRARIAMENTE ÀS DISPOSIÇÕES DA IGREJA”. (Declaração de Mons. Bruno Foresti, de 15 de outubro de 1984). 

III. 1984.O Bispo de Bréscia, tendo em conta os vários pedidos que são continuamente enviados a este respeito, tanto da Itália como do exterior, REAFIRMA o que já foi disposto por ele e por seu antecessor.” (Declaração de Mons. Bruno Foresti, de 19 de fevereiro de 1997). 

IV. 2008. “Em modo particular aos indivíduos e grupos que até agora se dedicaram, mais ou menos diretamente, a promover o culto mariano na localidade de Fontanelle É EXPLICITAMENTE PEDIDO que respeitem todas as indicações do Diretório, que NÃO DIFUNDAM mensagens ou publicações, e NÃO PROMOVAM ATOS DE CULTO, NEM CRIEM ESTRUTURAS que possam, mesmo que indiretamente, induzir os fiéis a reputar que o juízo da Igreja sobre as chamadas aparições ou outros fenômenos extraordinários tenha sido mudado em sentido positivo.” (Juntado ao Decreto nº 229/08 de Mons. Luciano Monari, de 19.03.2008, no ponto 2).

O lugar de culto que, apesar da decisão da Igreja, havia sido construído em Fontanelle di Montichiari, se tornou o Santuário Diocesano Rosa Mística em 2019, sob o episcopado de mons. Pierantonio Tremolada (atual bispo), que decidiu DESOBEDECER ao juízo de Santa Romana Igreja e, como “bom” modernista, afirmou que, o fato de existir um santuário, não significava o automático reconhecimento das aparições, mas, nas melífluas palavras dele: “trata-se de uma passagem histórica que [...] poderá abrir uma fase renovada de desenvolvimento do culto e estudo do complexo fenômeno espiritual e mariano que surgiu nesses lugares ao longo dos anos[10] (SIC!). Para os bispos anteriores, inclusive os modernistas, não havia nada de complexo nisso

O circo pós-conciliar se deixou encantar pelos fenômenos que supostamente ocorreram, não só no passado, como depois, inclusive mundo afora: no Líbano, teriam sido encontrados ícones que exsudariam óleo perfumado, Na América Latina, imagens teriam “chorado” lágrimas e sangue. Na Índia, bispos e cardeais teriam visto uma imagem da Virgem “suar” mel. Além das inúmeras associações laicas e ao menos duas ordens religiosas autorizadas por bispos. Sem falar das conversões e curas milagrosas…[11].

Se Roma fala ou não, a causa não é tida mais por encerrada — Roma locuta causa finita — mas é escrava da liberdade do fiel de acatar ou não o que a Igreja ensina, aconselha ou ordena. “Mérito”, não só do nefasto Concílio Vaticano II e o espúrio protagonismo do leigo, mas do liberalismo que permeia a Cristandade. Então, assim como em tudo que diz respeito a salvação da alma e os perigos que a cercam, esta “aparição” e a relativa devoção também parecem ser de “livre escolha” do fiel (da paróquia ou do padre)... SIC!!! E, então, vemos blogs, sites e perfis de mídias sociais compartilhando essa falsa imagem e divulgando essa falsa devoção sem conhecer a sua origem e, pior, sem saber que foram PROIBIDAS pela Igreja!!! 

Nesses assuntos tão importantes para a saúde de nossas almas, vale a mesma advertência aos motoristas: “na dúvida, não ultrapassem”: NA DÚVIDA, NÃO FAÇAM! NÃO SIGAM! NÃO COMPARTILHEM!!!  

Ok, mas alguém poderia argumentar que “não sabia”. Ora! A ignorância só escusa quando não lhe damos motivo! O mínimo que devo fazer, quando me deparo com algo “novo”, é investigar antes!!! E, digamo-lo!, essa mania do “novo”, de inovar, mostra que não entendemos bem o Catecismo. Vigiai!!! 

Meus caros, nossa alma custou o Sangue de um Deus bom, não devemos expô-la a risco. Ademais, e por fim, muitas vezes não damos conta nem de nossas preces diárias  básicas, por que vamos atrás de outras? A Santíssima Virgem tem centenas de outros títulos reconhecidíssimos pela Igreja dos quais podemos — e devemos — lançar mão para dar-Lhe a devida e amorosa homenagem de nossos corações. Viva Maria Santíssima!!! 

O católico que insiste em propagar essa falsa aparição e essa falsa devoção está DESOBEDECENDO à Igreja, é um revolucionário, e, portanto, está em pecado mortal. 



Pesquisa, tradução e redação: Giulia d’Amore para Pale Ideas.


NOTAS:

1. Instituto religioso fundado pela Madre Maria Crucificada Di Rosa (nome de batismo: Paula Francesca Maria Di Rosa), em 1840, para assistir e educar a juventude e cuidar dos enfermos, sobretudo por causa da epidemia de cólera. O Papa Pio IX e o imperador Ferdinando da Áustria aprovaram o Instituto, que foi erigido canonicamente em 1851. Pio XII canonizou a fundadora em 1954. 
2. “Storia de Maria Rosa Mistica”, in “Santuario Diocesano Rosa Mistica - Madre della Chiesa”: https://www.rosamisticafontanelle.it/it/storia-maria-rosa-mistica-fontanelle
4. Gottfried Hierzenberger e Otto Nedomansky, “Tutte le apparizioni della Madonna in 2000 anni di storia”, Piemme, 1996, pp. 312-323.
5. Já se vê que ligações tem essa vidente…
6. Gottfried Hierzenberger e Otto Nedomansky, idem, p. 322. 
7. M. Lovatti, “Giacinto Tredici vescovo di Brescia in anni difficili”, Brescia, Fondazione Civiltà Bresciana, 2009, p. 229. 
8. No sentido de haver uma excessiva atividade para fazer reconhecer como verdadeira a aparição. 
9. M. Lovatti, idem, pp. 229-230.
10. “Proclamazione canonica ufficiale”, in rosamisticafontanelle.it. URL: https://www.rosamisticafontanelle.it/it/santuario-diocesano-rosa-mistica-della-chiesa-fontanelle-di-montichiari
11. “Maria e il Suo popolo. Svolta storica sul ‘caso Fontanelle’.”, in lanuovabq.it.: https://lanuovabq.it/it/maria-e-il-suo-popolo-svolta-storica-sul-caso-fontanelle


   

quinta-feira, 25 de abril de 2024

Lançamento da Editora Missões Cristo Rei: Cantos Católicos

A Editora Missões Cristo Rei lançou mais uma obra para enriquecer a biblioteca doméstica e auxiliar na Santa Missa: Cantos Católicos.


Clique na imagem para maiores informações ou compra

 

Apresentação

E

m virtude da obrigação de resgatar e perpetuar a música católica litúrgica e popular, e colaborar para a restauração da Cristandade em nosso País, elaboramos cuidadosamente este livreto com cantos e hinos tradicionais para a Santa Missa, com textos em latim e em português, a fim de enriquecer ainda mais o culto que prestamos a Deus.

Da grandiosa variedade de cantos e hinos de nossa Santa Igreja Católica, coletamos oitenta e quatro, após árdua pesquisa nos seguintes piedosos manuais da nossa tradição:

Antiphonale Monasticum (AMS, Solesmes, 1934);

Ave Maria (Editora Ambrosiana, SP, 1954);

Cantuale Romano-Seraphicum, O. F. M. (CRS, Solesmes, 1951);

Chants of the Church, (CCS. Solesmes, 1956);

Harpa de Sião. Coleção de Cânticos Sagrados para uma ou duas vozes, com acompanhamento do harmônio (Editora Lar Católico, Juiz de Fora, 1957);

Hymnos e Cânticos Espirituæs (HCE, Coleção de livros didáticos F. T. D, SP, 1921);

Kyriale (Editora Desclée, Paris, 1914);

Liber Usualis (Solesmes, 1957);

Magnificat. Manual do Cantor (Magnificat, Coleção de livros didáticos F. T. D, SP, 1956);

Manual da Paróquia (Editora Vozes, Rio, 1950);

Manual de Cânticos Sacros “Cecília” (Cecília, Editora Vozes, Petrópolis, Rio, 1953);

Manual do Coração de Jesus (Editora Vozes); e

Manual do Cristão (Goffiné, Casa Central dos Padres Lazaristas, Rio, 1951).

Os cantos estão em ordem alfabética e são numerados. E, com o intuito de facilitar mais o acompanhamento por parte dos fiéis, preparamos um Esquema de Cantos (p. 11), divididos segundo as diversas partes da Missa e dos tempos litúrgicos.

Alguns dos cantos possuem, nos diversos manuais, diferenças como mais ou menos versos ou um texto com algumas diferenças; optamos pelas versões mais conhecidas, preservando sempre o texto original dos antigos manuais.

Uma novidade editorial é a criação de uma página com todos os cantos deste livro. Mas, atenção!, como nem sempre o texto será idêntico, como vimos acima, sugerimos que foquem em ouvir as músicas para aprenderem a cantar com a melodia correta as composições que ainda não conhecem.

Uma outra curiosidade é que os antigos manuais usavam o asterisco * para marcar a cadência da melodia e indicar as pausas dos versos; optamos utilizar o sinal da barra vertical | para uma maior clareza.

Sugerimos ao responsável local pelo coro ou ao acólito (se não houver um coro formado) que, antes da Missa, informe aos fiéis a sequência a ser seguida, de viva voz ou através de uma lista escrita a ser distribuída na entrada. A lista pode ser preparada com antecedência e enviada por e-mail ou outros meios.

Dedicamos à Santíssima Virgem Maria, Corredentora e Medianeira de todas as Graças, mais este trabalho realizado para a maior glória de Deus e o bem das almas.

Viva Cristo Rei e Maria Rainha! 

Editora Missões Cristo Rei




APROVEITE A PROMOÇÃO DO SITE:





PARA DOAÇÕES OU ESPÓRTULA:

Depois, por gentileza, envie o comprovante ou informe no e-mail: runaejcv@gmail.com.



     

segunda-feira, 15 de abril de 2024

Ainda sobre Sedevacantismo. Reconhecer e Resistir.

 

Sedevacantismo. Reconhecer e Resistir



Recebi um e-mail de nossa querida Irmã Cristiana [tags] que faço questão de publicar no Pale Ideas, para esclarecimento das coisas e o bem das almas.
 
“No começo da Semana Santa, o nosso bom Padre Cardozo recebeu as seguintes palavras: o senhor é católico, porém sedevacantista! Então, tchau![1]
 
Primeiramente, os sedevacantistas que se fazem de sectários e que, sem controle, vão eliminado da lista dos Papas até Pio XII, Pio XI etc., eles, de fato, a nível litúrgico, não são bons católicos, pois desprezam a Santa Igreja. Mas, desde João XXIII e, sobretudo, a partir de Paulo VI até hoje, é impossível obedecer à Sé de Roma, ocupada por inimigos que desprezam abertamente a Pessoa Divina de Nosso Senhor Jesus Cristo e o Magistério da Santa Igreja d’Ele. A atitude adequada à salvação é desprezar os que desprezam a Santa Igreja Católica, que nada tem a ver com a igreja conciliar.
 
Os padres da nova Fraternidade esqueceram que Monsenhor Lefebvre foi até ESGOTAR todas as possibilidades das vias legais para provar o estado e o direito de necessidade que usou para a salvação das almas. Os que aceitaram receber a sua orientação nesta tempestade de trevas[2] têm a OBRIGAÇÃO MORAL de não ter nenhuma relação com a Roma Apóstata e de esperar em Deus a conversão real desta.
 
O Reverendo Padre Cardozo tem o mérito de ser fiel a esta sabedoria plenamente cristã daquele[3] que lhe deu a formação e o sacerdócio.”
 

Muito obrigada, Irmã Cristiana, por sua sabedoria simples e cristalina. E o que eu poderia acrescentar? Estaria apenas repetindo o que foi dito de forma tão didática. Mas vou me permitir, ainda assim, acrescentar umas coisinhas.   

Não sei se perceberam, mas a Irmã fala de dois tipos de "Reconhecer e Resistir":  

1. Os que reconhecem e desobedecem a um Papa Católico: "Primeiramente, os sedevacantistas que se fazem de sectários e que, sem controle, vão eliminado da lista dos Papas até Pio XII, Pio XI etc., eles, de fato, a nível litúrgico, não são bons católicos, pois desprezam a Santa Igreja".  Ou seja, aqueles que reconhecem em Pio XII um Papa Católico, mas escolhem não o obedecer, sob o mais vários argumentos e pretextos, todos inválidos e alguns até estúpidos.

2. Os que reconhecem como Papa Católico a um herege público e confesso: "Mas, desde João XXIII e, sobretudo, a partir de Paulo VI até hoje, é impossível obedecer à Sé de Roma, ocupada por inimigos que desprezam abertamente a Pessoa Divina de Nosso Senhor Jesus Cristo e o Magistério da Santa Igreja d’Ele".  Ou seja, aqueles que, como a Neofrat, reputam Bergoglio um Papa Católico e acham que basta não o obedecer (naquilo que contrária a Doutrina da Igreja, mas obedecem quanto ao resto todas as ordens que vêm de Roma. Afinal, como disse Fellay, o Concílio é 95% bom e 5% discutível. Alguém, em sã consciência, beberia um copo de água com 5% de veneno?).

Qual a diferença entre ambos: nenhuma. Ambos incorrem em CISMA.  


 * * *

Adiante. Em que pese o fato de não ser novidade para ninguém que o Reverendo Padre Cardozo é sedevacantista, é estranho que um fiel das Missões Cristo Rei que não chegou ontem ainda questione esse tipo de coisa...  

Ninguém é sedevacantista por gosto, mas por um sentido crítico da realidade. Até o “papa” Ratzinger, um católico menos estudado poderia até ir empurrando com a barriga, vítima do medo de estar errado[4], mas com esse palhaço herético que está à frente da seita conciliar que nos tomou a estrutura (hierarquia e igrejas) não tem o que tergiversar!!! O mais simples dos católicos, o menos instruído nas coisas de Deus não pode ignorar que Bergoglio NÃO PODE ser o Papa escolhido pelo Espírito Santo para governar a Igreja de Deus e, portanto, nos governar.  

Se Bergoglio fosse papa católico, escolhido pelo Espírito Santo, todos os católicos lhe DEVERIAM obediência, porque senão estariam EM CISMA com o Papa e a Igreja de Cristo. Mas, visto que um Papa não pode ensinar o erro e que, portanto, Bergoglio não é Papa, obedecer a esse novo Lutero é violar o 4º Mandamento, pois quem obedece a uma falsa autoridade, a uma autoridade que nos manda pecar, está desobedecendo a Deus! 

* * *
 
Quero agregar, para registro, também o que o Padre Cardozo nos ensinou: 

Nós somos sedevacantistas porque um católico, para se salvar, DEVE cumprir com os Dogmas da Fé. Não posso me salvar se não creio no Dogma da Imaculada Conceição, ou se não creio no Dogma do Inferno... E, para me salvar, devo crer também (I) no Dogma da Indefectibilidade da Igreja, ou seja, que a Igreja não pode ensinar o erro; e (II) no Dogma da Infalibilidade do Papa

São dois Dogmas que vão em paralelo, ou seja, a Igreja não pode ensinar o erro porque a sua cabeça, o Papa, não o pode ensinar. Isso é logico! 

Agora, se eu concedo que a Igreja pode ensinar o erro, e, portanto, o Papa pode ensinar o erro, eu estou seguindo qualquer religião menos a CATÓLICA. E isso diz respeito particularmente aos que professam a fé no “Reconhecer e Resistir” quando reconhecem em Bergoglio um Papa católico, mas não o obedecem porque ensina o erro... Sic!!!  

 * * *
Quanto à queixa comum dos que se recusam a aceitar o Sedevacantismo sob o pretexto de que “sem papa não há Igreja Católica, não há Fé Católica, por causa da visibilidade da Igreja” etc., recordemos que a VISIBILIDADE da Igreja se manifesta na fé dos membros da Igreja, e, se entre os membros estiver o Papa — para ser membro da Igreja, o Papa TEM QUE ter Fé Católica, isto é evidente! —, bendito seja Deus, ou se houver um bispo na diocese que se manifesta e tenha fé, bendito seja Deus, mas pode ser que não se manifestem, não estejam, e, então, a Igreja acaba?  

A Igreja teve diversos períodos de Sé vacante, alguns bem longos e não acabou por causa disso. Lembremos do caso do termo conclave, a Igreja continua existindo, e continua sendo visível! 

Façamos uso da razão que Deus nos deu quando fomos concebidos. Não sejamos vaquinhas-de-presépio de pretensos gurus (com ou sem batina, desses que vicejam na Internet), porque um dia teremos que prestar conta de nossos atos ao nosso Criador, e diante d'Ele não vai colar: "eu não sabia", "foi Fulano quem disse", "sabe o que é...". Acautelai-vos!!! 


Giulia d'Amore


NOTAS 
[1] Obviamente, foi um resumo da Irmã daquilo que foi dito ao Padre.
[2] Todos os padres da Fraternidade e daquilo que depois ela se tornou, a NEOFRAT. 
[3] Monsenhor Marcel Lefebvre.
[4] Foi o meu caso! O “Papa” foi o último bastião a cair, porque eu não tinha, até então, uma perfeita compreensão do que seria um Papa e da Infalibilidade Papal. Eu, como  maioria dos católicos de boa fé, apenas amava a figura do Papa simplesmente por ele ser o Papa, vestir o hábito branco, estar em Roma, na cátedra de Pedro... E me parecia extremamente errado duvidar dele, enxergá-lo em sua cruel verdade, porque, às vezes, a verdade machuca. Mas também liberta. Depois eu aprendi que não se trata disso, aprendi que um Papa não pode errar, e é justamente por isso, porque um Papa não pode errar, que Ratzinger não poderia ser Papa! Após todas as heresias por ele proclamadas pessoalmente, independentemente de sua atuação e aceitação do Concilio, não há como ele ser Papa. Não há como ele ser, antes disso, um católico!!! Quando entendi isso, foi sereno e tranquilo VER que alguém não é Papa só porque veste o branco e se senta na Cátedra de São Pedro, é preciso ter Fé Católica!!! E foi fácil abrir mão de uma ilusão funesta para a alma, a qual custou o Sangue de um Deus bom. Viva Cristo Rei! Viva a Igreja Católica!

       

domingo, 14 de abril de 2024

Missões Cristo Rei: 12º ano. Viva Cristo Rei!

Padre Cardozo e Dom Lefebvre

12º ano das Missões Cristo Rei


Há 12 anos, o Reverendo Padre Ernesto Cardozo se atreveu a ler, no sermão da Missa do Bom Pastor, alguns trechos do pensamento de Monsenhor Marcel Lefebvre, fundador da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Este “atrevimento” lhe valeu as mais duras palavras do superior imediato, o famoso Bouchacourt, então responsável pela Fraternidade na América do Sul. E com “duras” quero dizer de baixo calão, daquelas que o Santo Cura d’Ars definia como vinda de uma boca que é a cloaca do inferno.   

Vou linkar ao final o que já escrevemos sobre o tema, mas deixem-me falar um pouco de minhas lembranças. 

Na noite de 15 de abril de 2012, Domingo do Bom Pastor, recebi um e-mail vindo da Vila Mariana, alertando os fiéis para “tomarem cuidado” com o subversivo Padre Cardozo porque estava promovendo desordem. Ele foi “denunciado” por fiéis da própria Vila Mariana porque, no sermão daquele domingo, havia ousado ler trechos dos escritos de Monsenhor Marcel que desagradavam à Écône daquela época. Bom, em Écône mudaram as figuras, mas quem continua no comando é o mesmo traidor de sempre. Naquela época a Neofrat — se a fumaça de Satanás entrou na Igreja, porque não entraria em uma de suas obras mais fiéis? Não é o servo maior do que o senhor (S. João 15,20) — estava em pleno desenvolvimento. Entrei em contato com o Reverendo Padre, que me relatou o que houve na Missa e também o que houve em seguida, quando recebeu um telefonema do superior, num estilo que nem Judas ousaria usar. 

Fato é que daquele incidente providencial surgiram as Missões Cristo Rei. Não de pronto, pois foi necessário passar primeiro pela Resistência de Williamson, até que o mesmo começasse a proferir asneiras e... uma heresia, deturpando o sentido das palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre a nada evangélica árvore dos frutos ao mesmo tempo bons e maus. E, então, em 2015, deixamos a Desistência — além da heresia e das asneiras de Williamson, já soavam por lá as melodias pró-Roma Apóstata. Quem esqueceu a célebre frase: “se Roma chamar, pego o primeiro avião”... 

E assim estamos há 12 anos na estrada, ao abrigo da tempestade pós-conciliar e de seus lobos, e dos maus pastores “tradicionalistas” que aceitaram as 30 moedas para ter cama, comida, roupa lavada e Wi-Fi à disposição. Além de um sem-número de falsos padres com as mais estapafúrdias pretensões e doutrinas, inclusive, a mais recente, de formar um conclave para eleger um “papa” ao arrepio da legislação católica. Para não falar dos detratores e caluniadores que têm ladrado enquanto nossa pequena Caravana continua passando. 

Neste dia, em nome das Missões Cristo Rei, quero agradecer publicamente ao Reverendo Padre Cardozo por sua fortaleza e sua caridade para com nossas almas, levando a Missa pelo Brasil afora, e também no México e Argentina, Paraguai e outras localidades que estiverem no caminho. Que Deus continue a abençoar a sua missão e a ele, que Nossa Senhora continue a protege-lo de todos os perigos sob seu manto azul e que as Missões permaneçam unidas a seu Cura, em orações e combate.       

ORAÇÃO PELO DIRETOR ESPIRITUAL
Ó Jesus, que fizestes os Sacerdotes depositários de Vossa autoridade e quisestes que os respeitássemos e escutássemos como a Vós mesmo, derramai a abundância de vossas bênçãos sobre o Ministro que me destes por CONFESSOR e DIRETOR de minha alma. Comunicai-lhe os preciosos dons de inteligência e conselho, para que, conhecendo o verdadeiro estado de minha consciência, possa sugerir-me sempre os meios mais seguros para alcançar a perfeição a que Vós me chamais. Dai-me o espírito de humildade, de obediência e de coragem, para praticar o que ele me aconselha. Fazei que ele seja um verdadeiro Rafael, e eu, um novo Tobias, para caminharmos juntos na senda de Vossa santa vontade, e que cheguemos à bem-aventurada Pátria. Amém. 

 

Giulia d'Amore

Missão Nossa Senhora Imaculada e Cristo Rei de Campo Grande, MS.   


Links sobre o Domingo do Bom Pastor: aqui, aqui, aqui e aqui  



Leitores