Convite

 
Feminismo: o maior inimigo da mulher
Grupo do Facebook • 157 membros
Participar do grupo
Grupo criado com o propósito de desmascarar o feminismo.
 

Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Fsspx e Roma: decisão e oração. Oitava de Pentecostes

Do blog: Messainlatino.it. Uma constação e uma súplica pela FSSPX:




O MOMENTO DECISIVO PARA A FSSPX É IMINENTE: INTENÇÃO DE ORAÇÃO PARA A OITAVA DE PENTECOSTES




O Espírito Santo (imagem de Muniat intrantes)


Pentecostes de 2011: com base nas informações que pudemos recolher, tudo indica que, neste mês de Junho de 2011, chegamos ao momento mais crucial das relações entre a Fraternidade Sacerdotal São Pio X e Roma desde o início do pontificado de Bento XVI.

Pentecostes de 2011: o procedimento que havia indicado Mons. Fellay, superior da FSSPX, chega à sua conclusão:

a) O motu proprio de 7 de julho de 2007, confirmado pela Instrução aplicativa do dia 30 de maio de 2011, reconhece a todo sacerdote católico de rito romano o direito de celebrar a Missa segundo o antigo uso: era a primeira condição preliminar posta por Mons. Fellay para uma eventual reconciliação.

b) O decreto de 21 de janeiro de 2009 revogou as excomunhões dos quatro bispos da Fraternidade: se cumpre assim a segunda condição preliminar, sempre posta por Mons. Fellay.

c) Uma comissão teológica da Fraternidade é convidada a Roma para afrontar colóquios doutrinais junto à Congregação para a Doutrina da Fé, em uma mesa de discussão que vê engajados três teólogos da FSSPX e três teólogos romanos: como expressamente exigido pela Fraternidade, com fim de poder verificar as hipóteses para reparar a ruptura entre Roma e os herdeiros de Mons. Lefebvre.

Pentecostes de 2011: em sua última entrevista dada no Gabão, e publicada no site da Fraternidade DICI, podemos ver que Mons. Fellay se coloca duas perguntas sobre os eventos que poderiam ocorrer. Estas, precisamente, as suas palavras na entrevista:

- Permiti-nos concluir, Excelência, com duas perguntas. A primeira diz respeito às relações entre a Fraternidade e Roma. Em que ponto estais em vossos contatos? Pergunta complementar: podemos esperar, a médio prazo, uma normalização destas relações?
Fellay: Os contatos continuam. Chegamos provavelmente no final de uma fase de discussões. Isso tudo ainda não está totalmente claro. O que vai acontecer? Qual será o êxito desta fase? Isso responde à segunda pergunta. O que prevê agora Roma para nós? Não devemos nos iludir: estamos bem no meio da crise da Igreja; certamente ainda não terminou. Qual é o nosso destino nessa crise? Penso que de alguma forma o bom Deus nos ligou a esta crise, porque trabalhamos para a restauração da Igreja, mas ela pode ainda durar uma década, talvez duas. É preciso ter grande coragem e perseverança. Tudo pode ser resolvido amanhã, ou depois de amanhã. Tudo está nas mãos do bom Deus. Permaneçamos simplesmente fiéis.

A primeira pergunta diz respeito a como reagir aos colóquios doutrinários: estes estão de qualquer modo concluídos. É de se pensar que as sínteses dos colóquios deverão ser agora analisadas, como previsto, pela Congregação para a Doutrina da Fé. Surgirão, então, claramente, seja as convergências que as divergências sobre o Concílio Vaticano II e sua nova liturgia. Depois de uma longuíssima maturação, seguramente providencial, no final haverá, sem dúvidas, uma maior clareza e, junto, a graça - inesperada por ambos os lados ainda há pouco tempo atrás – de terem sido capazes de afrontar uma discussão sobre o mérito dos problemas. No entanto, a constatação final (sobre a permanência de divergências que somente o futuro pode aplanar) não será radicalmente diferente daquela que tinha feito em 1988 o Cardeal Ratzinger, quando também decidira firmar com Mons. Lefebvre um acordo canônico (acordo que depois naufragou por causa da questão da nomeação de bispos solicitada pelo bispo francês).

E isso responde à segunda pergunta de Mons. Fellay: "O que prevê agora Roma para nós?" O Papa está prestes a propor a Mons. Fellay a constituição de um Ordinariato, para regularizar a situação da FSSPX e das comunidades aliadas, deixando-lhes a plena (e necessária, tendo em conta certos epíscopos que andam por aí) autonomia diante dos bispos diocesanos. Alguns membros de uma comunidade Ecclesia Dei puderam precisar que esta proposta canônica será feita durante o presente mês de junho a Mons. Fellay.

Pentecostes de 2011: o atual papado tem feito aberturas imensas e generosas para levar à pacificação: o discurso do Papa à Cúria sobre a interpretação do Concílio Vaticano II, em 2005; o Motu Proprio Summorum Pontificum, para a liberalização da celebração da liturgia tradicional, em 2007; o gesto - de um preço, infelizmente, muito alto para o Santo Padre - da revogação das excomunhões dos quatro bispos da FSSPX, em 2009. Parece ter chegado o momento de cruzar outra etapa: que a Fraternidade passe do irregular estatuto de “ilegitimidade” a um estatuto canônico de "reconhecimento". É uma solução win-win, onde todos teriam muito a ganhar: de um lado, Roma repararia uma dolorosa ruptura e encontraria tropas frescas e determinadas para conduzir a batalha da recuperação de tudo o que se dissipou durante os últimos decênios; do outro, a FSSPX lavar-se-ia do estigma da rebeldia e do "cisma", podendo assim realizar um apostolado bem mais eficaz e sem sofrer os inúmeros preconceitos que a acompanham na mente do católico médio, mesmo mantendo plenamente a atual liberdade de movimento e de ação.

Uma grande esperança nos anima. Mas nos consome também o temor de que uma ocasião decisiva, e provavelmente única, possa ser desperdiçada. Todos os católicos (exceto aqueles que amam o Vaticano II - ou melhor, uma certa ideia do Vaticano II – mais do que a Igreja) não podem deixar de desejá-lo.

Eis porque, por amor à Igreja, por afeição ao Santo Padre e em prol do melhor uso possível da "missão" da FSSPX, Messainlatino toma a liberdade de suplicar a todos de unir-se à oração durante toda a Oitava de Pentecostes, invocando o "Onipotente”.

Para que a Fraternidade Sacerdotal São Pio X possa reencontrar um estatuto oficial dentro da Igreja.

Por esta intenção, sob o conselho e com a aprovação dos sacerdotes que colaboram com este site, a partir do Domingo de Pentecostes até ao da Trindade, pedimos a todos que rezem esta oração:

V/.Veni, Sancte Spiritus,
R/. Reple tuorum corda fidelium, et tui amoris in eis ignem accende.
V./ Emitte Spiritum tuum et creabuntur;
R./ Et renovabis faciem terrae.

Oremus
Deus, qui corda fidelium Sancti Spiritus illustratione docuisti, da nobis in eodem Spiritu recta sapere, et de eius semper consolatione gaudere. Per Christum Dominus nostrum. Amen.


[Vinde Espírito santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso Amor.
V. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado.
R. E renovareis a face da terra.
Oremos: Ó DEUS, que instruíste os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos da sua consolação. Por Cristo Senhor Nosso. Amém.]


E que se ofereça, então, para essa intenção o rosário cotidiano.

Aos sacerdotes fazemos o convite para adicionar esta intenção ao memento pessoal de suas Missas.


Enrico


Tradução: Giulia d'Amore di Ugento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA