Pesquisar este blog

Novidades!!!

domingo, 9 de outubro de 2011

Boletim da Confraria da Sagrada Família A. II N. 16

Se quiser receber o boletim por e-mail, escreva para sagradafamilia@capela.org.br  

Boletins da Confraria da Sagrada Família A. II
12 - 13 - 14 - 15 - 16 - 17


clip_image002 
BOLETIM MENSAL DA

Confraria da
Sagrada
Família



Capela Nossa Senhora da Conceição – Niterói/RJ

Ano II – N. 16 – Outubro de 2011



são pio x e o ZELO
pelas leis da igreja e por roma


São Pio X e as leis da Igreja
O escritor inglês Chesterton dizia que, embora todos os santos tenham buscado o mesmo fim, que é Deus, cada um sublinhou com sua vida uma virtude particular e foi o antídoto oportuno para remediar os males daquele tempo. Da mesma forma, houve entre os Papas quem atendeu mais a uma coisa que a outra, segundo as necessidades da Igreja e da sociedade, conforme exigiam os diversos tempos e circunstâncias. E a São Pio X tocou de modo especial a defesa da Fé (que já vimos nos números anteriores) e a reforma das leis da Igreja.
As leis da Igreja são um reflexo da Fé e da Teologia em linguagem jurídica: a grande lei da Igreja sempre foi a salvação das almas.
O Corpo de Direito Canônico pelo qual se governava a Igreja estava constituído por um conjunto de decretos antigos. Mas estas leis, não estando bem coordenadas, facilmente eram ignoradas. Algumas delas não tinham mais razão de existir e outras já haviam sido abolidas por novas leis. Era preciso, pois, pôr em ordem a coleção dessas leis.
O Papa Pio IX tinha confiado ao Concílio Vaticano I preparar a matéria para a reforma das leis da Igreja, mas uma série de contratempos não permitiu terminar as solenes sessões destinadas para este fim.
Quando São Pio X foi eleito Papa, com profundo espírito de Fé e de juízo prático, logo no primeiro ano do seu pontificado, com o Motu proprio Arduum sane, de 1904, ordenou a tão esperada codificação do Direito Canônico. Para isto, ele constituiu uma comissão de Cardeais, mantendo-se o próprio Papa como presidente desses trabalhos, e deu princípio à tarefa, ordenando que os esquemas do trabalho em projeto fossem transmitidos aos bispos e aos superiores de Institutos religiosos, para que examinassem e fizessem as observações que julgassem oportunas.
Estavam já concluídos os primeiros três livros e o quarto já muito adiantado, quando Nosso Senhor quis chamar para si São Pio X. O Código foi publicado pelo seu sucessor, Bento XV, mas não diminuíram os méritos daquele Papa, que consagrou sua vida e energias no prosseguimento da árdua tarefa da compilação do Código.
Outra importante providência do Pontífice para a promulgação das leis da Igreja foi a publicação da Acta Apostolicae Sedis, pela qual se tornam conhecidos com clareza e prontidão todos os atos da Cúria Romana.

Roma, a Cidade Eterna
São Pio X sabia que, como Papa, ele devia cuidar de todos os fiéis católicos sobre a terra, mas especialmente era preciso um cuidado particular da diocese de Roma, da qual era Bispo. Sendo assim, ele a governava por meio do Cardeal Vigário, querendo que Roma fosse modelo para todas as demais dioceses do mundo.
Ele ordenou ao Cardeal para que visitasse a todas as paróquias, capelas, oratórios e instituições religiosas de Roma, sem exceção.
Feito isto, São Pio X voltou seus cuidados aos seminaristas. Como diretor espiritual em Treviso, como Bispo em Mântua e como Patriarca em Veneza sempre teve especial empenho pela disciplina e instrução dos seminaristas, e uma vez Pontífice, também conseguiu pô-las em vigor nos seminários de toda a Itália.
A estas providências para o clero, fez seguir outras para o povo. O crescimento de todas as cidades foi notável nos tempos modernos, e o mesmo aconteceu em Roma. Numerosos profissionais e operários chegaram de todas as partes da Itália e do exterior, de modo que a população da cidade de Roma chegou a triplicar em pouco tempo. Ainda que fossem ocupados todos os mosteiros e conventos, contudo não seriam suficientes para as necessidades espirituais da cidade.
Com os novos edifícios, não se tinha providenciado a construção de igrejas, com grave prejuízo espiritual dos fiéis. As crianças não tinham meios de aprender os primeiros rudimentos da doutrina cristã, e nem os adultos de nutrir sua vida espiritual. Além disso, multiplicaram-se os jornais anticatólicos, tabernas desmoralizadoras, a aglomeração de casas pobres, o trabalho extenuante, elementos que contribuíam para a caída moral, ódios e delitos daquele povo.
São Pio X, que compreendia o grande dano que causava este estado de coisas, quis, apesar das muitas e grandes dificuldades, prover ao bem espiritual desta multidão de filhos seus, e em grande parte conseguiu.
Construiu diversas paróquias, escolas e orfanatos em Roma e à sua volta. Prevendo, além disso, que em vários pontos, com o correr dos tempos, se multiplicariam as construções, e que o terreno aumentaria de preço e seria muito difícil adquiri-lo, comprou-o para poder erigir, quando chegasse ocasião, as necessárias paróquias, asilos e escolas.
Importantíssimo também o cuidado que se tomou pela obra da Propagação da Fé, arrancando das mãos de homens inimigos da Igreja a milhares de crianças, recolhendo-as em Institutos religiosos de Roma.

E que diríamos da beneficência privada de Pio X? Segundo o testemunho dos párocos, por cujas mãos a fazia passar, suas esmolas eram tão abundantes que lhes parecia vir das próprias mãos da Divina Providência.

Impulsionados pelo exemplo do Papa, os párocos, com o zelo digno dos maiores elogios, dedicaram-se ao ministério paroquial em todas as suas ramificações, pelo que foi reavivada a chama da fé e da caridade para com a religião dos habitantes dos arredores. Notou-se um consolador despertar religioso em todos os fiéis que começaram a frequentar mais assiduamente a igreja e assistir às funções sagradas, à pregação, aproximando-se dos santos sacramentos, especialmente da Sagrada Comunhão.
Com renovadas formas de atividade, os fervorosos católicos de Roma, a Cidade Eterna, puseram um dique às correntes subversivas que buscavam lançar ataques à Igreja.


DATAS A LEMBRAR:

Sábado 01 - 1º Sábado do mês
Domingo 02 - XVI Domingo depois de Pentecostes
Sexta-feira 07 - Nossa Senhora do Rosário (1ª Sexta-feira do mês)
Domingo 09 - XVII Domingo depois de Pentecostes

Quarta-feira 12 - Nossa Senhora Aparecida
                        Missa em Niterói às 10:00 e no Rio às 18:30

Domingo 16 - XVIII Domingo depois de Pentecostes
Domingo 23 - XIX Domingo depois de Pentecostes
Domingo 30 - Festa de Cristo Rei

Quinta-feira 31 – (Da féria)
A vigília de Todos os Santos é dia de jejum e abstinência para os membros da Ordem Terceira da Fraternidade São Pio X.


_

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA