Pesquisar este blog

Novidades!!!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Reflexão para a Quaresma: DA CARIDADE.

Reflexão para a Quaresma: DA CARIDADE. 


Comentário da Epístola (I Cor. 13,1-13) in "Manual do Cristão", de Goffiné  

Como metal que soa, ou sino a tinir. (1) Sem a caridade, que lhe deve animar a voz e alimentar a eloquência, o mais perfeito orador não passa de bronze sonoro. Servirá talvez aos maus com sua eloquência, como o som do metal; não tira, porém, utilidade alguma para si. Sem a caridade, anunciará a Palavra de Deus como os mercenários semeiam o trigo e plantam a vinha: sem terem parte na vindima e na seara.

A caridade é paciente e benigna. Em duas palavras, traça-nos o Apóstolo o mais acabado retrato da caridade. Com a paciência, sofremos de boamente os defeitos do próximo; a bondade acode a todas as suas necessidades; nisso consiste, essencialmente, a doçura, o espírito, o exercício, o caráter da caridade.


A caridade não é invejosa. Quantos que, por esta regra, não têm caridade! Não é temerária nem precipitada. Só a caridade reveste o ardor e energia com a prudência e moderação. Os outros amores são cegos quando ardentes, levados pelo capricho, a indiscrição, a temeridade, pela própria loucura às vezes, e sempre por alguma paixão.

A caridade não é ambiciosa. A ninguém ama o ambicioso; despreza os inferiores, só por interesses atende aos superiores e julga-se tão merecedor como eles do lugar que ocupam, se não mais; quanto aos iguais, desconfia deles e procura suplantá-los.

Não busca o próprio interesse. Amor sincero não há sem desinteresse, e, por isso, a caridade cristã tem o privilégio de formar verdadeiros amigos. Que é, com efeito, a amizade profana? Um comércio, onde o amor próprio procura sempre alguma vantagem. Não há no mundo verdadeira amizade, na mesma amizade cada qual busca-se a si: o amigo é amigo enquanto serve; se caiu na desgraça, na indigência, já não é mais amigo, e voltam-lhe as costas.

A caridade não suspeita mal. Há censores maliciosos com os olhos sempre abertos sobre os defeitos do próximo; julgam os outros por suas medidas, suspeitam mal nas mais leves aparências; que caridade têm esses rigorosos críticos? Debalde usurpam o nome especioso de zelo; zelo sem caridade é orgulho disfarçado, máscara da malignidade, nada mais.

A caridade tudo atura. Tornam-se leves os trabalhos com a amizade, amáveis até!

Extraído do Manual do Cristão, de Goffiné, in Dominga da Quinquagésima. Sacristia da Imaculada Conceição,15ª edição, 225º milheiro, RJ, 1944, pp. 336-337.

(1) Sto. Afonso M. de Ligório, escreveu um livro para comentar este capítulo de S. Paulo.
  

 
Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA