Pesquisar este blog

Novidades!!!

sábado, 13 de dezembro de 2014

Santa Luzia

13 de Dezembro


Santa Luzia, Virgem e Mártir


A Convicção dos Mártires: Filipenses 1.20-21 "Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho".


http://sacragaleria.blogspot.com.br/2015/03/santa-luzia.html
clique para ver mais imagens de Santa Luzia


No dia 13 de dezembro, nos países católicos, é comemorado o Dia de Santa Luzia. A santa é padroeira em muitas cidades brasileiras e também dos oftalmologistas e daqueles que têm problemas de visão. É chamada a Santa da boa visão, física e espiritual.


A Ilha da Sicília (hoje italiana), conquistada pelos anos em 212 a.C., era uma florescente Província como centro comercial e cultural. Sua civilização era de origem grega, fazendo parte da Magna Grécia, e nela desenvolveu-se uma grande escola de filosofia e de arte. O Cristianismo foi difundido ali na era apostólica por São Marciano, enviado à cidade de Siracusa por São Pedro, em 39 d.C. A mesma cidade hospedou o Apóstolo Paulo por três dias, quando viajava para Roma. A Fé Cristã tinha forjado uma comunidade viva e até numerosa.

E foi em Siracusa, cidade abençoada pela presença apostólica, que Luzia viveu nos anos de 283 a 304 do início da Era Cristã, no período do reinado do Imperador Diocleciano (284 a 305).


Luzia é uma das heroínas mais gloriosas da Igreja de Cristo, que passaremos a chamar de Luzia. Lúcia significa “Luz”, em sua origem latina. Conforme uma tradição romana, seu nome provavelmente deriva daquele de seu pai, Lúcio, que fora um nobre e rico proprietário de terras e já estava morto quando Luzia completou quinze anos. O nome de sua mãe é certo: Eutíquia.

Luzia foi convertida ao Cristianismo por causa da devoção dos primeiros Cristão aos Santos Mártires da Igreja nascente, sendo ela comovida de admiração e veneração a Santa Águeda ainda criança, quando sua mãe Eutíquia, já viúva de Lúcio seu pai, aceitou Jesus como Filho de Deus. Já mais moça, Luzia consagrou-se a esse Deus, oferecendo-lhe a garantia de sua virgindade como voto perpétuo de seu esponsalício divino.

Luzia, ávida de ser toda de Jesus, ofereceu, ainda em tenra idade, sua virgindade ao divino Esposo, num voto especial. Perdeu o pai cedo, e a vontade da mãe, Eutíquia, era de que Luzia contraísse matrimônio com um moço de estirpe nobre, mas pagão. Na sua perplexidade de querer guardar o voto e ao mesmo tempo não contrariar os planos da mãe, pediu-lhe Luzia um prazo, para que pudesse tomar uma resolução, pois pretendia antes conversar com Deus sobre a proposta.

Eutíquia foi, então, vitimada por uma doença hemorrágica incurável e não admitia outra enfermeira a não ser a filha. A enfermidade prolongou-se por quatro anos durou, sem que houvesse esperança de recuperar a saúde, e Luzia conseguiu convencê-la a ir em peregrinação até o túmulo de Santa Águeda[1], em Catania (também na Sicília), celebérrimo pelos numerosos e estupendos milagres com que Deus se dignava glorificar sua santa Serva.

Depois de ter passado muito tempo em oração junto ao corpo da Santa Mártir, Luzia adormeceu e, em êxtase, sonhou que anjos rodeavam Santa Águeda, a qual lhe perguntava: "Luzia minha irmã, porque pedes a mim uma coisa que tu mesma podes conceder?" E ainda, “Que desejas de mim querida irmã? Tua mãe está restabelecida, graças à tua Fé. Sabe que, como Deus se dignou de glorificar a cidade de Catania por minha causa, assim Siracusa será célebre por ti, porque pela tua virgindade preparaste agradável morada a Deus em teu coração”.

Luzia acordou e encontrou a mãe completamente restabelecida. Mãe e filha, sumamente agradecidas a Deus e a Santa Águeda, voltaram para Siracusa. Luzia aproveitou para revelar à mãe que tinha feito um voto de virgindade a Jesus, e que iria distribuir todos os seus bens aos pobres. Sua mãe disse: "Luzia minha filha, tudo o que é meu e de seu falecido pai é teu, por isso faça o que queres". Ao chegar a casa elas começaram a distribuir todos os seus bens aos pobres.

Múcio, um jovem muito rico e pagão, politeísta de nascença, que já era apaixonado por Luzia, foi perguntar à mãe da mesma o motivo de tanto esbanjamento de dinheiro. O jovem, apesar da grande beleza da pretendida noiva, deveria também está de olho em seu rico dote nupcial, e estava preocupado com a prodigalidade de Luzia que se apressava em distribuir os bens aos pobres, antes do suplício que a tornaria lembrada para sempre por várias gerações de admiradores e devotos. Em resposta a Múcio, a mãe de Luzia disse: "Luzia é muito providente, ela achou bens muito mais valiosos do que esses e por isso é que estamos fazendo isso". O jovem entendeu como quis e voltou para casa. Os dias se passavam, e Luzia e sua mãe davam mais e mais dinheiro aos necessitados, e por isso o jovem logo teve a certeza que Luzia era Cristã. Ele transformou o amor em ódio e denunciou Luzia para Pascásio, Governador  da capital da Província Senatorial da Sicília, a cidade de Siracusa.

Pascásio cumpria ordens do Imperador Diocleciano quanto à perseguição aos Cristãos, que eram legalmente proibidos nas Províncias Romanas. Diante do tribunal de Pascásio, que a acusou de dois crimes: de não ter cumprido a palavra e de ser Cristã e, portanto, desprezadora dos deuses nacionais, Luzia confessou-se Cristã e rejeitou adorar os ídolos pagãos de Roma, caracterizando-se, por isso, no entendimento jurídico romano, como traição aos deuses nacionais. Entre as sentenças, os fatos miraculosos: arrancaram-lhe os olhos (mas a vista foi divinamente restabelecida); tentaram violar seu corpo (que os soldados nem sequer conseguiram mover); tentaram queimá-la em uma fogueira mantida acesa com resina, azeite e piche (que não lhe fez nenhum efeito), e, por fim, a sua decapitação, que de fato a fez tombar: era o dia 13 de dezembro do ano 304.

A tradição conta que antes de morrer, Luzia anteviu o castigo de Pascácio e o fim da perseguição de Diocleciano (que governava como Augusto), o qual não voltaria a reinar, e a morte de Maximino (que governava como Cesar).

Há um relato do diálogo entre Pascásio e Luzia.


Pascásio citou a donzela perante o tribunal e intimou-a a sacrificar aos deuses e a cumprir a palavra dada ao cidadão.

“Nem uma, nem outra coisa farei”, respondeu Luzia. “Adoro a um só Deus verdadeiro, a Ele prometi fidelidade e a mais ninguém”.

Pascásio, então, disse: “Devo exigir que respeites a ordem imperial: de prestar homenagem aos deuses e cumprir o que prometeste”.

Luzia: “Fazes bem em cumprir as ordens do Imperador[2]; eu cumpro as que Deus me deu. Se tens medo dos poderes de um homem mortal, eu temo os juízos de Deus; a Ele devo sujeitar-me”.

Pascásio: “Deixa de falar fanfarronices, se não queres que a tortura te ensine usar de outra linguagem.”

E ela: “Aos servos de Deus não faltará a palavra, porque Cristo disse: ‘Se estiverdes diante de reis e governadores, não cuideis como haveis de falar; porque não sereis vós quem fala, mas por vós falará o espírito de Deus’[3]”.

Pascásio: “Está em ti o espírito de Deus?”

Luzia: “Quem vive casta e santamente, é templo do Espírito divino”.

Pascásio: “Se assim é, farei com que deixes de ser templo de Deus, e verás como te haverás com a castidade”.

Luzia: “Sem a minha vontade a virtude nada sofrerá: Podes à força pôr incenso em minhas mãos, para que o ofereça aos deuses; de nada vale, porque Deus, que conhece o coração, não me julgará pelo que fiz sob coação. Não poderei resistir à força, mas minha virtude receberá dupla coroa”.

A ordem do governador foi posta logo em execução.

Luzia saiu do tribunal, entregue à vontade e brutalidade dos homens, mas cheia de confiança em Deus e invocando-Lhe o auxílio.

E eis como Deus lhe recompensou a fé: Quando os verdugos puseram mãos à obra, para levar a donzela ao lugar determinado, força nenhuma foi capaz de fazê-la mover-se de onde estava. O fato causou grande estupefação. Mas em vez de reconhecer nisto o poder de Deus, que defende os seus, os pagãos viram uma obra de feitiçaria. Foram chamados os sacerdotes e magos, para desencantar o feitiço, mas nada conseguiram. Luzia resistiu heroica e superiormente a todas as tentativas dos inimigos. Pascásio ideou outro plano. Ordenou que despejassem sobre a virgem: azeite, piche e resina, e ateassem uma grande fogueira ao redor. Outra maravilha! Subiram as labaredas, e a densa fumaça encobriu a figura da donzela, a qual, porém, ficou ilesa.

Lúcia então foi vítima de várias torturas, sendo que uma delas foi de arrancar seus olhos, que foram colocados em uma bandeja e entregues ao seu ex-pretendente. Mesmo assim, no dia seguinte os olhos de Luzia apareceram em seu rosto, intactos[4].

Ao ver isto, Pascásio, encolerizado e confuso, deu ordem a um soldado para que, com a espada, lhe cortasse a cabeça, atravessando a garganta daquela que, jubilosa e triunfante, exortava aos assistentes do espetáculo que abandonassem os falsos ídolos.

A ferida foi mortal. Luzia entregou o espírito a Deus, para receber a palma do vitorioso martírio. Tal aconteceu em 303. A profecia que fizera aos Cristãos, de ter chegado ao termo a perseguição, verificou-se.

O corpo da Santa Mártir foi sepultado em Siracusa e mais tarde transportado para Constantinopla. O seu túmulo está hoje em Veneza.

Na antiguidade Cristã, juntamente com Santa Cecília, Santa Águeda e Santa Inês, a veneração à Santa Luzia foi das mais populares e, como as primeiras, tinha ofício próprio. Chegou a ter 20 templos em Roma dedicados ao seu culto.

O episódio da cegueira, como a iconografia a representa, está ligado ao martírio e ao seu nome Luzia (Lúcia) derivado de lux (= luz), elemento indissolúvel unido não só ao sentido da vista, mas também à faculdade espiritual de captar a realidade sobrenatural. Por este motivo Dante Alighieri[5], na Divina Comédia, atribui-lhe a função de graça iluminadora.
A Liturgia traz, para o dia de sua festa, um texto extraído do “Livro sobre a Virgindade”, de Santo Ambrósio de Milão: “Tu, uma do povo certamente uma das virgens que iluminam a graça do corpo com o esplendor da alma; tu, estando em teu aposento, mesmo durante a noite, meditas sempre sobre Cristo, esperando em todo momento sua vinda… Abraça então aquele que procuraste; aproxima-te dele e serás iluminada”.


UMA DEVOÇÃO QUE ATRAVESSOU SÉCULOS:


Século IV:
O culto a Santa Luzia se espalhou por toda a Itália e mais tarde por toda a Europa e outros continentes, até chegar ao Brasil, com os portugueses. Só em Roma havia vinte igrejas dedicadas à Santa Luzia. Ela foi uma das quatro virgens, junto com as Santas Inês, Cecília e Águeda, que gozavam de ofício próprio e cujos nomes tiveram o privilégio de serem invocados no Cânon da Santa Missa. No mesmo lugar onde ela foi morta teve uma sepultura onde em 313 foi construído um santuário a ela dedicado

Já nos século V e VI:
Mencionada no antigo Martirológio Romano e no Martirológio de Beda, o Venerável, Santa Luzia é ainda mencionada no Tractatus de Laudibus Virginitatis e no poema De Laudibus Virginum de Santo Aldheim.

Século IX:
Quando, em 878, os árabes conquistaram a ilha da Sicília, o corpo de Luzia foi escondido.

Século X:
Mais tarde, em 972, o imperador Otão I tramsferiu as relíquias da santa para a igreja de São Vicente, em Metz, de onde um seu braço foi levado para o mosteiro de Luitburg, na diocese de Spire. Quando os francos conquistaram Constantinopla encontraram algumas das relíquias da santa que o Doge de Veneza levou para o mosteiro de São Jorge, em Veneza.

Século XI:
No ano 1039 o general bizantino Giorgio Maniace transferiu o que sobrou do corpo de Santa Luzia de Siracusa a Constantinopla, para tirá-la do perigo de invasão da cidade de Siracusa da parte dos Saracenos (mulçumanos).

Século XII:
Segundo o monge Sigebert (1030-1112), de Gembloux, no seu sermão de Sancta Lucia, dizia que o corpo de Santa Luzia tinha ficado incorrupto durante 400 anos na Sicília, antes de o Duque de Spoleto conquistar a ilha e o ter levado para Corfinium, na Itália.

Século XIII:
No ano 1204 durante a quarta cruzada, o Doge de Veneza, Enrico Dandolo, encontra em Constantinopla os restos mortais da Santa e as leva para Veneza, para o mosteiro de São Jorge e no ano 1280 a faz transferir para igreja a ela dedicada, em Veneza.
Algumas citações se encontram na Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino (1225-1274). Entre os seus devotos encontramos Santa Catarina de Siena e São Leão Magno.

Século XIV:
Na obra "A divina comédia", de Dante Alighieri (1265-1321) Luzia, mártir e santa, é apresentada como símbolo da graça iluminante. O imortal poeta italiano agradecia a Santa Luzia pela cura de uma doença nas vistas.

Século XVI:
Já no ano de 1513, os venezianos presentearam Luís XII de França com a cabeça da santa que ele depositou na igreja catedral de Bourges. O próprio Dante declarou-se um fiel devoto de Santa Luzia.

Século XIX:
Descoberta arqueológica revela o testemunho mais antigo em uma epígrafe marmórea em grego, do século IV, descoberta no ano 1894 nas catacumbas de Siracusa, prova da existência e comprovação de seu martírio.

Século XX:
Em 1939, seu corpo, bastante conservado, foi colocado numa urna nova. O patriarca Ângelo Roncalli, depois papa João XXIII, em 1955 fez com que se confeccionasse uma máscara de prata para envolver as santas relíquias.

Século XXI:
Está numa lista sumária de santos, cujos restos mortais não foram deteriorados pelo tempo. No caso de Luzia, este fenômeno sem explicação consensual entre a Igreja e a Ciência, ainda é um mistério, pois Luzia foi martirizada a mais de 1700 anos, confira: Santos incorruptos!


REFLEXÕES


A vida de Santa Luzia é a prova eloquente da grande influência que sobre o homem tem a educação que recebeu na infância. É certo que as impressões, os ensinamentos e costumes que o homem leva da infância são fatores importantíssimos na formação do caráter e influem poderosamente em toda a vida. É necessário, portanto, que a criança aprenda desde cedo a fazer sacrifícios; é necessário que se lhe mostre o grande perigo que há na adulação das paixões, principalmente da sensualidade. As paixões nascem conosco e conosco crescem se não houver quem nos ensine a mortificá-las, a combatê-las: coisa mais fácil na Infância do que mais tarde, quando já tomaram algum incremento. A criança deve compreender que entre os vícios os piores são: a teimosia, a preguiça e o amor aos prazeres. Como se explica que hoje bem poucas mães compartilhem das ideias e princípios de Santa Luzia? Porque tiveram uma educação errada. Em vez da prática das virtudes, foram educadas na sensualidade, na vaidade, no orgulho e na preguiça. Os educadores foram pueris, como elas mesmas. Se um cego guia outro cego, acontece que ambos cairão na cova.


A FESTA DE SANTA LUZIA


Festa de Santa Luzia (Santa Lúcia, Santa Luz, ou por vezes apenas Lúcia) é uma festa religiosa católica, dedicada a Santa Luzia, que ocorre no dia 13 de Dezembro, dia consagrado a esta Santa. Festa tradicional e popular, é celebrada principalmente na Escandinávia, em partes dos Estados Unidos da América (mormente por pessoas com raízes nos países escandinavos), no Brasil, e em alguns países da Europa do Sul, como Portugal. Antes da reforma do Calendário Gregoriano, que ocorreu no Século XVI, no Hemisfério Norte, o Dia de Santa Luzia encontrava-se mais perto do Solstício de Inverno. Como parte das celebrações tradicionais, é costume ver-se jovens moças vestidas de Santa Luzia, as quais se deslocam em grupos encabeçados por uma jovem, que usa na cabeça uma coroa de velas (ou luzes), enquanto todas as outras apenas seguram nas mãos uma única vela. O Dia de Santa Luzia é uma das poucas festividades religiosas que ainda é celebrada na Escandinávia. 


RECEITA:

Pãezinhos de Santa Luzia
Pão doce de Santa Luzia
 

IMAGENS - CLIQUE AQUI

NOVENA - CLIQUE AQUI



Pesquisa, tradução e organização: Giulia d'Amore di Ugento.
Fontes de pesquisa:  



[1] Águeda (ou Ágata) era de nobre e rica família de Catania. Numa jovem, riqueza e beleza atraem pretendentes: o cônsul Quintiano pediu sua mão em casamento, ignorando que ela tinha se consagrado ao Senhor pelo voto de virgindade. O cônsul não se conformou com a negação e buscou os serviços de uma maga, Afrodísia, que, com filtros amorosos e rituais mágicos, procurou mudar o coração de Águeda. Nada tendo conseguido, a maga devolveu a questão a Quintiano. Este, ferido em sua paixão e orgulho, passou a mais cruel vingança: entregou a jovem virgem aos torturadores e pediu que nada poupassem para fazê-la sofrer. Estes lhe cortaram os seios e ouviram de Águeda a conhecida exclamação: “Cruel tirano, não te envergonhas de torturar numa mulher os seios dos quais tu mesmo, quando criança, mamaste sugando a vida”. Consumida por carvões acesos que passavam por seu corpo, Águeda expirou na Terra e nasceu para os Céus. Era o ano de 250, no tempo do Imperador Décio, que decidira salvar o Império romano da ruína perseguindo os Cristãos. A fama da nova Santa logo se espalhou, especialmente quando o vulcão Etna poupou a cidade de Catania de suas lavas incandescentes exatamente um ano após o martírio de Santa Águeda, ocorrido em 5 de fevereiro, hoje data de sua festa. Fonte.
[3] Mt 10,18.
[4] Há outra fonte que conta que a insistência de Pascácio para que Luzia, a todo custo, se casasse com o fidalgo, levou-a perguntar-lhe: “Afinal, o que este rapaz viu em mim, sendo ele tão rico e poderoso”. A resposta do governador foi taxativa: “São seus belos olhos que o encantam”. Luzia, então, pediu-lhe um pratinho e um arrancou, de súbito, seus olhos, e ofereceu ao noivo que a denunciou. Pascásio, irado, ordenou que Luzia fosse decapitada. Vide.
[5] O célebre Dante descreve, em seu Convivio III-IX, que sofrera na juventude com uma longa e perigosa alteração da vista, por causa das prolongadas leituras, obtendo a cura pela intercessão de Santa Luzia. Gratidão, esperança e admiração o levaram a atribuir-lhe um papel fundamental, não apenas em seu acontecimento pessoal, mas também, alegórica e simbolicamente, no da Humanidade inteira, em sua viagem extramundana descrita na Divina Comédia

 
Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA