Pesquisar este blog

sábado, 19 de setembro de 2015

São Januário, Mártir

19 de setembro

São Januário (Gennaro)

Mártir 


Na Catedral de Nápoles é celebrada hoje a grande festa com oitava, a que vem assistir milhares de fiéis não só da cidade como da circunvizinhança e de toda a Itália. A solenidade é viva expressão da veneração e gratidão ao grande Padroeiro São Januário, cujas preciosas relíquias se acham expostas em duas capelas da mesma Catedral. Em uma destas capelas é conservado o corpo do Santo,  quando a outra é repositório de sua cabeça e de duas ampolas de vidro com sangue do mártir, recolhido por uma piedosa mulher logo depois da decapitação deste. Todos os anos, no dia de hoje, é observado o milagre de São Januário, que consiste na liquefação do sangue contido nas ampolas, no momento em que estas são aproximadas da cabeça ou de qualquer  uma das relíquias do Santo. Sobre o fato não pode haver a mínima dúvida, pois tem sido presenciado por milhares de pessoas, e cientistas de diversos  credos  têm se ocupado deste fenômeno sem que dele tivessem achado uma explicação natural. Com sua proteção cresceu sempre o fervor da fé, e anualmente a procissão que os napolitanos lhe fazem adquirem novo esplendor.  


EDITADO em 20/09/2015: Este ano - 2015 - o milagre da liquefação do sangue do santo se repetiu. Sinal de bom auspício. Embora, em março, tenha acontecido o mesmo, nas mãos de Francisco. Segundo a crença, quando não se liquefaz, ou se liquefaz fora das datas, não é um bom sinal. Confira a notícia: http://www.abruzzo24ore.tv/news/Si-Rinnova-il-Miracolo-di-San-Gennaro-Anno-di-Buoni-Auspici/163330.htm. 

A cabeça de São Januário está encastoada num busto de ouro e prata, presente do rei Carlos II de Anjou,  e é anualmente levada em procissão seguida à tarde de outra que transporta a ampola do sangue miraculoso, procissão cujo têrmo é a igreja de Santa Clara

São Januário, provavelmente descendente dos nobres Januários de Nápoles, era Bispo de Benevento. Em sua vizinhança vivia o zeloso e santo diácono Sósio, a quem o ligavam laços de grande amizade e a quem muitas vezes visitava. Em uma das suas visitas a este santo homem, na ocasião dêle pregar a Palavra de Deus, viu uma labareda de fogo descer sobre a cabeça do pregador, fenômeno que Januário considerou aviso do próximo martírio do seu amigo. Não se enganou. Em 303 rompeu a última e a mais cruel perseguição contra a Igreja, sendo Dioclesiano imperador.  Dracôncio, governador de Campanha,  cumprindo ordem imperial, exigiu de Sósio, que prestasse homenagens às divindades nacionais. Como este se negasse, foi desumanamente espancado e fechado no cárcere de Puzzuoli. A mesma sorte tiveram diversos cristãos. Mal soube Januário o que tinha acontecido ao seu amigo, foi visitá-lo a ele e a seus companheiros de prisão, e animou-os com sua palavra de amigo e bispo.

Aconteceu que Dracônio fosse removido e em seu lugar viesse Timóteo, inimigo implacável do nome cristão. Uma das suas primeiras determinações na campanha anticristã, foi o aprisionamento de Januário, de quem foi exigida a apostasia da fé pela homenagem que havia de prestar aos deuses.  Januário, em vez de obedecer a esta ordem, fez profissão solene e pública de sua fé em Jesus Cristo e sua santa Igreja. Imediatamente veio a ordem do governador, para que fosse lançado em uma fornalha ardente. Deus, porém, protegeu o seu filho e fiel servo. O fogo, em vez de atacar e consumir a inocente vítima, veio com ímpeto sobre os carrascos e os feriu gravemente. Três dias teve que passar dentro da fornalha, para depois ser novamente encarcerado e barbaramente espancado.  Dois clérigos,  Festo e Desidério,  foram visitar seu bispo, e quando o viram tão mal tratado, deram expressão à sua indignação e dor, e altamente protestaram contra os processos desumanos aplicados contra um homem tão bom, "que era a caridade em pessoa, o consolador dos aflitos e o amigo de todos os que sofriam, e a ele nas suas mágoas e necessidades se dirigiam".  Resultado foi que também foram presos e, juntos com Januário, levados à presença do governador.  "Quem são estes homens?", indagou este com voz de trovão.  "Um é meu diácono e outro meu leitor", respondeu plácidamente Januário. "São Cristãos?"  Januário: "São, e espero que não negarão Nosso Senhor Jesus Cristo",   _ "Isso nunca",  exclamaram ao mesmo tempo os dois, somos cristãos e prontos para dar a vida por Cristo".

Timóteo nada respondeu:  Disfarçou seu ódio, mas deu ordem para que fossem metidos em ferros e diante do seu carro levados a Puzzuoli, onde o cárcere os recebeu.

Longe de se lastimar, os santos homens se felicitaram mutuamente por se acharem em caminho para o martírio, e pedriam a Deus a graça da perseverança. Já no dia seguinte foram transportados para o anfiteatro. Lá os esperava o governador e muito povo, ávidos de assistir à cena de animais feroses e famintos se atirarem sobre as inermes vítimas.  Os sete jovens cristãos,  também Januário, já não contavam com mais de quarenta anos, se ajoelharam no meio da arena, com os olhos elevados ao céu. Mal se abriram as jaulas, os leões com rugidos formidáveis se precipitaram sobre os sete homens. Mas, que maravilha! Como contidos e domados por mãos invisíveis, se deitaram aos pés dos confessores,  sem lhe causarem mal algum. O povo, diante deste milagre, não se conteve e em altos brados felicitou-os.  Timóteo, porém perturbado e humilhado, deu ordem de decapitação imediata.  Outro fato maravilhoso acompanhou também  esta ordem desumana. No mesmo momento em que proferiu a sentença de morte sobre Januário e seus companheiros, ficou cego.  Em sua confusão e aflição suprema, recorreu à própria vítima, a Januário, suplicando que o socorresse. O santo bispo rezou sobre ele, fez o sinal da cruz sobre os olhos amortecidos, e estes, se abriram completamente curados.  Não obstante, o monstro manteve a ordem da morte;  talvez por medo do imperador enfurecio ou, pelo fato de quase cinco mil pessoas presentes no anfiteatro,  além de aclamarem os cristãos, se terem declarado a favor da fé cristã.  Os corpos dos mártires foram retirados pelos cristãos e com todas as honras sepultados.

Sete anos depois,  quando pela conversão do imperador Constantino,  houve grande mudança na política romana, os Beneventinos retiraram as relíquias de seus sacerdotes Festo e Desidério;  as de São Januário,  porém, ficaram em Nápoles. Diversas tentativas de obterem esta preciosidade, não tiveram resultado.  Em 825 o príncipe Sico de Benevento, quando com forte exército veio assediar Nápoles, se apoderou do corpo do santo Mártir que,  como em triunfo, foi transladado para Benevento. A cabeça e as ampolas com o sangue ficaram em Nápoles. Só em 1480 o imperador Fernando de Nápoles recuperou as santas relíquias para a cidade.     


Fonte: http://www.paginaoriente.com/santosdaigreja/set/januario1909.htm.

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA