Pesquisar este blog

sábado, 8 de março de 2014

O milagre do homem da perna cortada

Do ótimo site da FAMILIA BEATAE MARIAE VIRGINIS, baixamos e transcrevemos o PDF sobre o milagre de Calanda. 

Pesquisando um pouco a respeito, descobrimos um vídeo a respeito, que postaremos no final. E um blog de um cético que se autointitula Oiced Mocam (bem coisa de Nova Era!), de Porto Alegre, e que tem a "missão" de desvendar os mistérios para libertar as mentes humanas "das religiões". Pobre tolo, não sabe que ele, querendo ou não, fundou a sua própria religião. Portanto, ele também é um "opressor".

Mas o que me chamou a atenção ao ler o texto (muito por alto) é que, embora admita, ad argumentandum, a possibilidade de a história ser verídica, e até mencione o livro de Vittorio Messori, Il Miracolo (1998) - obrigada, sr. ateu! - que é de ajuda na comprovação da realidade dos fatos, com documentos e provas e, mesmo aceitando os documentos como verazes, e que a história Pellicer "é improvável, mas não impossível", o pobre blogueiro, por causa de sua falta de fé, não pode crer no milagre. O único argumento contra é uma "versão alternativa do que poderia ter acontecido, que não requer nenhuma intervenção milagrosa, e ainda é consistente com todas as provas documentais que temos"... 

A versão alternativa é fantasiosa e, em resumo, diz que Pellicer mentiu. Em sua versão, o rapaz não teria amputado a perna, mas a teria escondido, quando mendigava, como fazem alguns pedintes hoje em dia, que se fingem de cegos, mancos, chagados... 

O fato de haver umas 100 testemunhas jurando diante em um tribunal que conheceram o milagrado antes de ter a perna de volta, ele explica dizendo que essas pessoas todas foram enganadas por Pellicer, porque teria saído do hospital com a perna e ido direto mendigar e quando voltou, dois anos depois, para a casa do pai, a perna teria aparecido "por acidente"... Enfim. 

É possível que Pellicer fosse um mentiroso canalha? Sim. Não seria o primeiro, nem o último. Mas o que me intriga é saber como Pellicer escondeu dos familiares a perna "boa". E os médicos e as enfermeiras? Se há, entre os documentos, um "registro de admissão de Pellicer no hospital em Valência", presume-se que foi um médico que amputou sua perna, e que enfermeiras cuidaram dele depois. Está informado também que lhe foi dada uma perna de madeira. Presume-se que a família foi vê-lo, visto que foi internado no hospital na companhia de um tio. E como ele saiu andando do hospital até seu destino? 

Contudo, pode ser que a família fosse conivente, porque a mendicância é uma atividade lucrativa. E pode ser que o pessoal do hospital tenha se omitido ou mentido porque também lucrava. Pode ser? Pode! Não seriam os primeiros nem os últimos a se locupletarem assim. 



Mas o que intriga é a época. Isso ocorreu em 1637, na Espanha, época em que as atividades do Santo Ofício estavam em pleno vigor. Quem, em sã consciência mentiria ao Santo Ofício? Na Espanha? Em 1637? Mesmo que a família mentisse - e escapasse ilesa - mentiriam o restante das cem pessoas ouvidas em juízo? E a figura do "advogado do diabo"? Também era conivente com o Pellicer? 

O blogueiro termina afirmando que "Não podemos dizer que o Milagre de Calanda não é genuíno, e não podemos provar que a perna de Miguel Juan Pellicer não foi milagrosamente restaurado.  Mas podemos dizer que a evidência que temos é insuficiente, e é perfeitamente consistente com nenhum milagre ter ocorrido." Ele as provas, inventa uma alternativa implausível e termina com uma lógica toda torta: Deus não pode curar um amputado porque é "imaginário". Se era para chegar a esta conclusão, deveria ter poupado as teclas do teclado. 

Isso tudo é muito triste. Parece que vejo um homem se afogando em um lago em que...  dá pé! Basta ficar em pé e parar de gritar. Mas a ignorância e o medo não permitem. Que Deus possa lhe dar a graça da conversão. 

Mas nós que não sofremos deste mal, nem precisamos de milagres para crer em Deus e em sua misericórdia infinita porque cremos na Revelação e na maior prova de Seu amor por nós: a morte de Cristo, nós vamos ler e divulgar este milagre, que, segundo o vídeo abaixo, a Ciência confirmou. 


Santuário de Nossa Senhora do Pilar – Saragoça (Espanha)


Nossa Senhora do Pilar e o homem da perna cortada.


pe. Philippe Nahan
Nossa Senhora do Pilar


Pouca gente fora da Espanha sabe que a tradição reconhece que Saragoça tem o privilégio de ser o lugar de culto mariano mais antigo da Europa. Numerosos são os santuários marianos surgidos depois de uma aparição da Mãe de Deus. Mas nenhum é tão antigo, nem tem as particularidades do santuário de Saragoça.

A tradição nos informa que no dia 2 de janeiro do ano 40, a Virgem teria, não aparecido, mas vindo à Saragoça “em carne mortal”, para reconfortar o apóstolo São Tiago e os primeiros cristãos ibéricos. Nesta data ela não tinha ainda subido ao Céu, mas permanecia em Jerusalém, ao lado do apóstolo São João. Já se tinham passado 10 anos desde a Ascensão de Jesus Cristo, e parece que o apóstolo São Tiago tinha muita dificuldade em implantar a nova fé nas terras ibéricas. Nesta data de 2 de janeiro do ano 40, o apóstolo reuniu os poucos batizados – oito, diz a tradição – às margens do rio Ebro. Desencorajado pelo insucesso de sua pregação, ele estava para lhes anunciar o seu próximo retorno à Palestina. Mas eis que, de repente, a noite se iluminou e uma multidão de anjos lhes apareceu. Eles cantavam e transportavam a Virgem Maria sobre uma coluna. Chegados perto de São Tiago e de seus oito companheiros, os anjos fixaram a coluna no solo. A Virgem Maria então se dirigiu ao apóstolo nestes termos, que a tradição transmitiu:

É aqui, meu filho, o lugar marcado com um sinal, e destinado a me honrar. Aqui, graças a ti e em memória de mim, minha igreja deve ser construída. Tome conta desta coluna sobre a qual me encontro, pois, esteja certo, foi o meu Filho, teu Mestre, que a enviou do Céu pelo ministério dos anjos... Neste lugar, pelas minhas orações e pela minha intercessão, a força do Altíssimo realizará prodígios e maravilhas admiráveis para os que me invocarem em qualquer necessidade...

Esta coluna, símbolo da força e da tenacidade da fé e sinal de um lugar de graça é uma simples coluna cilíndrica de jaspe, de 1,77 cm de altura e 24 cm de diâmetro, preciosamente revestida de prata e bronze. Sobre a coluna está uma imagem da Virgem com o Menino Jesus em madeira negra, que data provavelmente do século XIV ou XV, já que a original desapareceu. É interessante notar que essa coluna jamais foi deslocada, apesar das vicissitudes da história e das sucessivas reconstruções do santuário; ela continua no lugar onde os anjos a colocaram. Esta tradição da Virgem do Pilar foi objeto de numerosas controvérsias entre defensores e adversários da sua autenticidade, o que não diminuiu em nada o fervor popular a seu respeito. Daí esta observação de um especialista: “na história cristã, poucas tradições suscitaram tanta polêmica entre eruditos e tanta convicção e fervor na crença dos fiéis”.


Miguel Juan Pellicer

Miguel foi batizado no dia 25 de março de 1617, na festa da Anunciação. Sem dúvida ele nasceu no mesmo dia. A criança foi confirmada no dia 2 de junho do ano seguinte pelo arcebispo de Saragoça. Era o segundo filho de uma família de oito irmãos e irmãs, filhos e filhas de Miguel Pellicer Maya e de Maria Blasco. Eram modestos agricultores, definidos pelos seus concidadãos como “bons cristãos, tementes a Deus, devotos à sua santa Mãe, levando uma vida virtuosa e digna de elogios como trabalhadores pobres, simples e bons”.

A instrução do jovem Miguel se reduziu ao catecismo que Juan Julis, o padre da paróquia, lhe ensinou – sob forma exclusivamente oral, pois, que se saiba, ele passou toda sua vida analfabeto. Esta formação religiosa arraigou nele uma fé católica simples e elementar, mas sólida como o granito, que se fundava sobre os sacramentos da confissão e da comunhão, e sobre uma ardente e filial devoção à Virgem Maria. Esta, sob o título de Nossa Senhora do Pilar, era venerada numa capela do seu vilarejo.

Os vizinhos do jovem Miguel Pellicer falam dele como de um “bom cristão, filho obediente, amando o trabalho nos campos, simples, sem malícia e devoto fervoroso da Virgem de Saragoça”


Partida da casa paterna

Quando tinha 19 ou 20 anos – ou seja, nos fins de 1636 ou começos de 1637 - Miguel deixou por iniciativa própria a casa de seus pais, que eram pobres e com muitos filhos. Não queria mais ser um peso para eles. Instalou-se nos arredores de Castellón de la Plana, nas férteis terras às margens do Mediterrâneo, que outrora pertenciam ao reino de Valência. Havia uma falta terrível de mão-de-obra naquela região. Assim, Miguel encontrou facilmente trabalho, sendo empregado como trabalhador agrícola pelo seu tio materno, Jaime Blasco.

Nos fins do mês de julho de 1637, quando ele conduzia para a fazenda duas mulas que arrastavam uma espécie de charrete agrícola de duas rodas carregada de trigo, caiu de uma das mulas, vítima de um brusco acesso de sonolência. Não é raro, entre os camponeses dessas regiões quentes da Espanha que, no momento dos trabalhos do verão, noites de sono muito breve aliadas à fadiga e ao calor, provoquem tais acessos. Quando caiu em terra, uma das rodas da pesada charrete passou sobre a sua perna direita, abaixo do joelho, fraturando a tíbia na parte central.

A fim de que pudesse ser cuidado, o tio Jaime o transportou primeiro a Castellón, e logo depois a Valência, a 60 km dali. Miguel foi acolhido no hospital real, onde só ficou cinco dias, durante os quais “foram-lhe aplicados diversos remédios que não fizeram efeito”.

No seu sofrimento, sua terra natal lhe fazia falta, e ele desejava pôr-se sob a proteção daquela que é, para ele, a Mãe celeste em que ele confiava sem reservas: a Virgem do Pilar.

Assim, conseguiu um salvo-conduto para viajar a Saragoça, cujo hospital real e geral de Nossa Senhora da Graça era bem reputado.

A viagem, extremamente penosa para um doente, durou mais de cinquenta dias! Foi necessário percorrer mais de 300 kilômetros em plena estação de calor, passando com muito esforço pela cadeia dos montes ibéricos. Apesar das dificuldades e do sofrimento extremos, foi possível cumprir a tarefa quase sobre-humana, devido à constituição robusta do jovem, e à sua proverbial obstinação aragonesa, mas também graças à caridade cristã que se realizava, entre outras coisas, por uma rede de asilos e de hospitais destinados aos peregrinos e enfermos, que se estendia por toda a Espanha. Além disso, o “passaporte do doente”, emitido pelo Hospital Real de Valência impunha aos carreteiros e condutores de mula encontrados no caminho, como um dever religioso importante a ajuda ao pobre inválido no seu transporte, e todo o batizado deve prestar assistência em caso de pedido.




Amputação

Miguel chegou enfim a Saragoça nos primeiros dias de outubro desse ano de 1637. Para se locomover, ele se apoiava sobre muletas. Seguiu a Rota Real que passa por Teruel, evitando cuidadosamente Calanda e seus arredores, pois ele tinha vergonha de se mostrar nesse estado a seus parentes, já que ele tinha partido fazia poucos meses, cheio de esperança e com a cabeça dura característica da juventude.

Apesar de seu esgotamento e de uma forte febre, logo depois de ter chegado à capital de Aragão, arrastou-se ao santuário de Nossa Senhora do Pilar, onde se confessou e comungou.

Admitido ao hospital da Graça, foi instalado primeiro numa sala reservada aos doentes com febre elevada, antes de ser transferido para o serviço de cirurgia. Os médicos que o examinam estabelecem que, por causa do estado avançado da gangrena – a tal ponto que a perna parecia “negra” – o único meio de salvar a vida do doente era a amputação.

Em meados do mês de outubro, o professor Juan de Estanga e o mestre cirurgião Millaruelo se encarregaram da amputação, cortando a perna direita “4 dedos abaixo do joelho”, e procedendo em seguida à cauterização. Para atenuar o quanto possível os sofrimentos atrozes desta operação praticada com a serra e o escalpelo, e depois com ferro incandescente, só se podia administrar ao doente uma bebida alcoólica e narcótica usada na época: seria necessário esperar mais dois séculos para se ver a aparição dos primeiros anestésicos eficazes (éter e clorofórmio). Antes e durante a operação, “no seu tormento, o jovem invocava sem cessar e com fervor a Virgem do Pilar”.

Os dois cirurgiões eram assistidos por um estudante em cirurgia, Juan Lorenzo Garcia, que se ocupou de recolher a perna cortada e colocá-la na capela onde são reunidos os corpos dos pacientes mortos. Mais tarde, ajudado por um colega, enterrará a perna numa parte do cemitério do hospital reservada para isto, “num buraco de mais ou menos vinte e um centímetros”. O respeito cristão para com o corpo destinado à ressurreição impunha, nesses tempos de fé, que mesmo os restos de partes do corpo fossem tratados com piedade, de modo que era considerado vergonhoso jogá-los fora como lixo...

Depois de alguns mêses no hospital, e antes mesmo que sua chaga se cicatrizasse inteiramente e que ele pudesse utilizar uma prótese de madeira, Miguel, arrastando-se nos seus cotovelos – “arrastando-se como podia” – dirige-se ao santuário do Pilar, distante mais ou menos um quilômetro. Deseja agradecer à Virgem Maria “de lhe ter salvo a vida, afim de que ele pudesse continuar a lhe servir e lhe manifestar sua devoção”. Depois ele rezou intensamente para “poder viver de seu trabalho”, apesar da sua terrível mutilação.


Mendigo

Depois de ter passado o outono e o inverno no hospital, foi enfim autorizado a deixá-lo na primavera de 1638. Quando estava para partir, a administração lhe forneceu uma perna de madeira e uma muleta. Para sobreviver, Miguel não teve outra escolha senão a de se tornar mendigo. Uma permissão legal lhe foi dada que lhe conferia oficialmente o estatuto e o autorizava a pedir esmola na capela de Nossa Senhora da Esperança aos numerosos fiéis que tinha então o hábito de ir para “saudar a Virgem” pelo menos uma vez por dia. A mutilação do jovem era ainda mais evidenciada pelo fato que, segundo o costume da época, Miguel deixava a sua chaga visível. A cada manhã, antes de tomar seu lugar de mendigo, ele assistia devotamente à missa na “santa capela” onde a pequena imagem da Virgem com o Menino permanece em cima da coluna de pedra, “El Pilar”. Também diariamente, quando os acólitos da missa apagavam, com o fim de limpar, as vinte e quatro lamparinas da capela, pedia-lhes um pouco de óleo para ungir o côto da perna amputada – o que o levou a ser advertido pelo professor Juan de Estanga, cirurgião que a amputou e que o recebia periodicamente e gratuitamente para o examinar e controlar seu estado de saúde. A assistência recebida por Miguel durante a sua longa hospitalização (e muito tempo ainda depois), era o que um paciente podia esperar de melhor naquela época, tanto do ponto vista científico quanto humano. Não somente foi uma assistência absolutamente gratuita, mas foi também atenta, afetuosa, ilustrando a mais autêntica caridade cristã. O sistema de saúde (financiado generosamente não pelos impostos extorquidos à população, mas pelos dons livremente consentidos) não poderia ser melhor para os mais ricos... O professor Estanga advertiu o jovem, que ele mesmo tinha operado, que a umidade provocada pela unção quotidiana com o óleo das lamparinas poderia ser um obstáculo para a cicatrização completa. “Ao menos segundo os conhecimentos humanos, acrescentou o médico, e sem levar em consideração a fé no poder de intercessão da Mãe de Deus”. De fato, o jovem mutilado, para quem a confiança na “sua” Virgem do Pilar supria o seu cuidado com regras sanitárias, continuou a utilizar regularmente o óleo das lamparinas da imagem venerada.

A mendicidade lhe permitiu reunir alguns trocados, e Miguel encontrou refúgio para a noite num albergue próximo do santuário mantido por um certo Juan de Mazas... Se não tem bastante dinheiro, dorme sobre um banco debaixo das arcadas do corredor do hospital, onde ele se sente como em casa: todo mundo é seu amigo e o ajuda quanto possível.


Retorno à casa paterna

Depois de ter levado esta vida durante mais ou menos dois anos, Miguel decide, na primavera de 1640, retornar a Calanda, à casa de seus pais, que ele não vê desde ao menos três anos. Foi encorajado nessa sua decisão por alguns habitantes de sua vila, que o reconheceram na porta do santuário. Entre eles, dois padres: D. Jusepe Herrero, jovem vigário de 26 anos da paróquia onde Miguel tinha sido batizado, e D. Jaime Villanueva, beneficiário desta mesma igreja. O jovem confia a D. Jusepe a inquietação que o tinha dissuadido até então de retornar a Calanda: “Como é que eu poderia retornar à casa de meus pais, eu que saí contra a vontade deles e em plena saúde, e que me encontro agora sem uma perna?” O padre prometeu que, quando retornasse a Calanda, iria encontrar seu pai e sua mãe para lhes falar em favor do filho infortunado.

Tendo finalmente superado o medo que o retinha, Miguel aproveitou do encontro com outros concidadãos no santuário para começar sua viagem de volta ao vilarejo natal na primeira semana de março de 1640. Passou a primeira etapa até Fuentes de Ebro ( mais ou menos 27 quilômetros), sobre a charrete de um viajante ocasional, em companhia de dois jovens de Calanda, Francisco Félez e Lamberto Pascual, que estavam em perfeita saúde e que lhe cederam a charrete para andar à pé. No dia seguinte, não podendo contar com a ajuda do charreteiro (que não podia ir além), chegou a Quinto de Ebro, distante 16 quilômetros, desta vez a pé ”pouco a pouco, e sofrendo muito”. A pressão da perna de madeira sobre o côto da perna era muito dolorosa, ao ponto de que ele foi forçado a continuar a andar apoiado somente nas muletas. Em Quinto, ficou só, pois seus dois companheiros que o tinham ajudado como podiam, eram esperados no lugar e não podiam continuar a andar num ritmo tão lento.

Miguel se confiou à compaixão dos viajantes que passavam nessa estrada com uma charrete ou uma mula, e foi assim que conseguiu atingir Samper. Lá, descansou num albergue de Domingo Martín. Miguel aproveitou da presença de um camponês da região,

Rafael Borraz, que aceitou ir encontrar seus pais para que estes pudessem vir em seu auxílio.

Estes lhe enviaram um pequeno asno, conduzido por um jovem empregado, Bartolomé Ximerra, que tinha somente 16 anos. Mesmo nas famílias pobres, podia-se encontrar esses jovens servidores, filhos de famílias muito numerosas e que, em troca de seu trabalho, só recebiam a comida e, se não pudessem retornar à casa de seus pais de noite, o direito de dormir num canto qualquer. Finalmente, depois de mais de 3 anos de ausência e no fim de uma semana de provações, cumprindo 118 quilômetros que o separavam do termo de sua viagem, Miguel Pellicer (que completaria em breve 23 anos), chegou à casa dos pais e, apesar dos seus receios, foi acolhido muito afetuosamente. Era “um dia da segunda semana da Quaresma”, entre 4 e 11 de março de 1640.

Continua mendigo

Tendo imediatamente constatado sua incapacidade de ajudar nos trabalhos agrícolas, Miguel, que tinha sempre a preocupação de não ser um pêso para os seus, decidiu começar de novo a pedir esmolas. Na sociedade daquele tempo, o fato de um inválido sem recursos mendigar não constituía uma desonra, mas era mesmo, em caso de necessidade, uma dever.

Para os outros, era algo natural exercer a caridade, que aos seus olhos era somente justiça, repartindo um pouco do seu pão – mesmo se eles não tivessem grande quantidade – com aqueles que não podiam ganhar o seu. Os mendigos eram até mesmo considerados como verdadeiros benfeitores, já que eles permitiam aos seus próximos de praticar esta assistência aos pobres da qual o Evangelho fazia uma das condições para a salvação.

Miguel foi, portanto, mendigar nos vilarejos ao redor. O jovem estava munido de uma autorização regular, do ato de batismo obrigatório, e de um documento explicativo dos motivos de sua invalidez. Este documento lhe tinha sido fornecido pela sua comunidade de origem, e garantia a honestidade daquele que o recebia... Serão numerosos os que verão o jovem mutilado nos vilarejos vizinhos de Calanda, montado no único asno de sua casa e tendo a sua perna cortada exposta, como em Saragoça, a fim estimular a caridade dos habitantes. Fazendo isto, ele recebia os dons em alimentos, sobretudo o pão, particularmente precioso naquele fim de março, onde a próxima colheita ainda estava distante e onde as reservas de farinha começavam a se esgotar.


O prodígio

Era o dia 29 de março de 1640, quinta-feira da Semana da Paixão que precede a Semana Santa. Faltavam portanto nove dias para o Domingo da Páscoa... Este ano de 1640 foi bem particular do ponto-de-vista religioso: faziam exatamente 16 séculos que a Virgem tinha “vindo em carne mortal”, nas margens do Rio Ebro. Ora, neste 29 de março de 1640, Miguel não partiu como de costume para pedir esmolas, mas se esforçou para ajudar os seus, não pedindo esmolas, mas com os seus braços. Ele foi, montado no asno da família, trabalhar num campo que pertencia a seu pai, perto do vilarejo, e encheu de esterco 9 vezes os cestos transportados pelo animal. É provável que ele não tenha partido para mendigar por causa da necessidade que se tinha do animal para esse trabalho. Cada uma das nove vezes, o asno foi levado ao pátio da casa por uma das irmãs mais novas de Miguel, Jusepa ou Valeria. O pai e Bartolomé, o pequeno empregado, descarregaram o animal e o mandaram de novo ao campo onde o jovem inválido esperava, equilibrando-se com dificuldade na perna de madeira e nas muletas.

De tardinha, cansado, e com o côto da perna doendo mais que de costume, Miguel (que tem então 23 anos e 3 dias), voltou para casa. Uma surpresa desagradável o esperava: por ordem do governo, os Pellicer deveriam acolher naquela noite um soldado da cavalaria real. Duas companhias de cavalaria legeira marchavam em direção da fronteira da França: estávamos na guerra dos Trinta Anos, e a França tinha atacado a Espanha... Este soldado, confiado à hospitalidade dos Pellicer, partirá de novo de madrugada, depois da noite do prodígio, e chegará com o resto da companhia em Caspe, uma pequena cidade às margens do rio Ebro. E lá ele procurará um capuchinho a fim de se confessar, coisa que ele não fazia desde 10 anos.

A presença do hóspede imprevisto obrigou Miguel a ceder sua cama, e sua mãe, Maria, preparou então para seu filho inválido um colchão improvisado ao lado da cama de casal: tratava-se de um colchão de crina de cavalo posto sobre uma peça de couro para proteger da umidade do solo, e um lençol. A coberta foi emprestada ao militar, e só havia a capa de seu pai para proteger do frio, mas esta era muito pequena para cobrir todo o seu corpo. Às dez horas, depois de um jantar frugal, Miguel dá boa-noite a seus pais, ao soldado, ao empregado e a dois vizinhos, Miguel Barrachina e sua mulher, Ursula Means, que tinham vindo como de costume conversar com seus amigos, os Pellicer. Os dois serão as duas primeiras pessoas fora da família (junto com o militar, despertado logo depois), que constatarão, espantadas, o acontecimento.

Durante a conversação, o jovem tinha se queixado, mais que de costume, das dores na perna cortada, dores que tinham aumentado por causa dos esforços no trabalho, e ele mantinha descoberta a ferida cicatrizada, que todos os presentes podiam ver e tocar. Miguel deixou sobre uma cadeira da cozinha a perna de madeira, e também as tiras de lã que ele utilizava para fixá-la ao que lhe resta da perna. As muletas foram postas no mesmo lugar.

Apoiando-se à parede para se manter de pé, dirigiu-se, saltando com o pé esquerdo, para o quarto de seus pais, ao lado da cozinha. Pouco depois, os esposos Barrachina, Miguel e Ursula, se despediram e voltaram para a casa vizinha.

Entre dez horas e dez e meia, a mãe de Miguel entrou no quarto com uma lamparina, percebendo logo “um perfume, um odor suave” desconhecido para ela, “um perfume vindo do Paraíso, diferente de todos os perfumes da terra” e que permanecerá por vários dias, impregnando não somente o quarto, mas também todos os objetos que lá se encontravam.

Espantada com este perfume, ela levantou a sua lamparina e se aproximou do colchão improvisado para ver como seu filho estava. Ele dormia profundamente. Mas ela percebeu também, pensando estar enganada por causa da pouca luz, que não somente um pé ultrapassava a capa de seu pai, mas dois, “um sobre o outro, cruzados”.

Maria se aproximou com cuidado, constatando que ela de forma nenhuma se havia enganado, e pensou então que tinha havido um mal-entendido, que o lugar reservado a seu filho estivesse ocupado pelo soldado. Chamou então seu marido, que ficou na cozinha, para esclarecer a situação. O pai de Miguel chegou apressado, levantou a coberta, e os dois esposos descobriram o impensável: tratava-se de seu filho. Tirando completamente a coberta, espantados, confirmaram que os dois pés cruzados eram mesmo os do jovem Miguel. E viram que estes dois pés estavam unidos à perna, como no dia em que, há mais de três anos, tinham visto seu segundo filho partir, cheio de vigor e esperança, a buscar fortuna, pela estrada de Castellón de la Plana.

“Maravilhados e estupefatos diante de uma maravilha tão inaudita”, os pais sacodem seu filho, gritando para o despertar. Com os gritos, o rapazinho empregado acorreu da cozinha, onde ele se aprontava para dormir no seu lugar habitual. Os pais tiveram muita dificuldade para despertar Miguel, pois este tinha um sono extremamente profundo, como se estivesse num coma ligeiro. Foi preciso para o despertar “mais tempo que a duração de dois Credos”.

Quando, depois de muito esforço, Miguel abriu os olhos e tomou consciência, a primeira coisa que lhe disseram foi de “olhar, pois há duas pernas de novo”. O rapaz ficou “maravilhado”, e sua reação imediata é a de pedir a seu pai de “lhe dar a mão” em sinal de perdão pelas ofensas que tenha feito contra ele. Quando lhe perguntaram, com emoção, se ele “tem alguma idéia de como isto ocorreu”, o jovem respondeu que ele nada sabia. Mas declarou que, quando estava para acordar “sonhava que ele se encontrava na santa capela de Nossa Senhora do Pilar, e que ele ungia sua perna cortada com o óleo de uma lâmpada, conforme tinha o costume de fazer quando estava no santuário”. Acrescentou que, nessa mesma noite, antes de se deitar, recomendou-se a Nossa Senhora do Pilar com muito fervor, como de costume. Tinha certeza de que “ foi Nossa Senhora do Pilar que lhe devolveu a perna cortada”.

Passada a primeira emoção, o jovem começou a “mover e apalpar sua perna, pois lhe parece que isto não pode ser verdade”. Mas ele mesmo e seus parentes, à luz da lâmpada, examinaram o membro e logo descobriram as marcas que não deixam lugar a nenhuma confusão. Pois eram as marcas que se encontravam outrora sobre a perna amputada... A mais importante, a mais visível, é a cicatriz deixada pela roda da charrete que tinha fraturado a tíbia no acidente de Castellón de la Plana. Também podia-se ver outra cicatriz, menor, provocada pela extração, quando Miguel ainda era menino, de um grande quisto ‘na parte inferior e interior da perna”. E depois, dois arranhões profundos causados por uma planta espinhosa. Finalmente, os traços de uma mordida de cachorro, na panturrilha. Além dos parentes e do miraculado, outras testemunhas se lembrarão dos traços visíveis na perna direita do seu jovem concidadão antes que ela fosse cortada, já que a roupa usada pelos camponeses aragoneses deixava ver a panturrilha, a calça só descia um pouco abaixo do joelho.

Miguel e seus parentes adquiriram logo a certeza de que “a Virgem do Pilar obteve de Deus Nosso Senhor que a perna que tinha sido enterrada há mais de dois anos lhe fôsse devolvida”. Efetivamente, pesquisas foram efetuadas no cemitério do hospital de Saragoça.

Mas não se encontrou nenhum vestígio da perna enterrada na parte reservada aos membros amputados. Só havia um buraco vazio na terra. Portanto, não houve criação, mas antes uma espantosa restauração; não uma expulsão, mas uma união. Três dias ainda foram necessários para que o calor natural penetrasse progressivamente na perna e no pé direitos. Os dedos, antes “recurvados”, se endireitarão, a pele retomará sua cor normal, e desaparecerão as estrias arroxeadas que a sulcavam. Pouco a pouco, o pé reencontrará sua flexibilidade, e todo vestígio de coloração anormal desaparecerá. O fato de que a cura total não tenha sido instantânea, não diminui a grandeza do prodígio. Como observará o arcebispo de Saragoça, é preciso distinguir entre o que a natureza é capaz e o que lhe é impossível. Somente a restituição de uma perna a uma pessoa que foi dela privada durante vários anos é que constitui propriamente o caráter prodigioso do acontecimento.


Primeiras testemunhas

Alertado pelos clamores dos esposos Pellicer e prevenido pelo jovem empregado, acorreram o vizinho Miguel Barrachina, companheiro da conversação, e que pouco antes tinha visto Miguel com a sua única perna. Viu o que tinha acontecido e logo chamou da rua sua esposa Úrsula, já deitada, para que ela também viesse. Os clamores de seu marido eram de tal modo ininteligíveis, e as palavras deformadas pela emoção, que ela se enganou sobre o que era dito. Perto da cama de Miguel, Úrsula encontrou todas as pessoas como fora de si mesmas, cantando em altas voz hinos de louvor e ação de graças à Virgem do Pilar e a Jesus Cristo. Logo chegam outras pessoas, entre as quais a avó materna do miraculado.

Quando o sol nasce nesse dia 30 de março – sexta-feira da Semana da Paixão - a incrível notícia se espalhou em todo o vilarejo e D. Jusepe dirigiu-se à casa dos Pellicer “seguido de muita gente”. Entre elas, os notáveis de Calanda, o prefeito, Miguel Escobedo, e seu adjunto, Martín Galindo. E ainda o notário real, Lázaro Macário Gómez. O prefeito declarou mais tarde que, não conseguindo compreender como uma coisa tão extraordinária pudesse se produzir, ele tinha “apalpado a perna e feito cócegas na planta do pé”. Também ali estava o juiz de paz, que deveria assegurar a ordem pública, Martín Corellano. Este redigiu o primeiro relato dos acontecimentos que deveria ser enviado às autoridades de Saragoça, no dia seguinte aos fatos. Este documento foi entregue pela mesma família Pellicer quando, algumas semanas depois, ela se dirigiu em peregrinação de ação de graças ao santuário do Pilar. Na capital aragonesa, a coisa foi considerada tão extraordinária, que se julgou necessário informar logo as autoridades supremas do reino. Assim, este primeiro documento de um obscuro funcionário de Calanda foi enviado a Madrid pelo correio e chegou às mãos do rei Filipe IV.

No meio da multidão, que se reuniu em torno da casa dos Pellicer, se achavam também dois médicos de Calanda. Uma espécie de procissão se formou para acompanhar o jovem até a igreja paroquial, onde o resto dos habitantes o esperava. Todos, dizem os documentos, “ficaram estupefatos vendo-o de novo com a sua perna direita, pois eles tinham-no visto antes com uma só perna até o dia anterior de tarde”. Na igreja, o vigário, depois de ter confessado o miraculado, celebrou uma missa de ação de graças, durante a qual Miguel comungou.


Ata feita perante o notário a respeito do prodígio.

O dia 1º de abril, terceiro dia após o milagre, foi, naquele ano de 1640, Domingo de Ramos. Aproveitando-se do feriado, numerosas pessoas de toda a região foram a Calanda: espantados pela notícia do prodígio, queriam se assegurar da veracidade dos fatos. Entre eles chegam de Mozaléon, lugarejo situado a leste de Calanda, a 50 km, o pároco, pe. Marco Seguer, doutor em teologia, e um dos seus vigários, pe. Pedro Vicente, e o escrivão real do lugar, mestre Miguel Andreu.

Devemos a esta pequena expedição inesperada esse documento extraordinário: um ato jurídico oficial certificando a autenticidade dos fatos, de maneira que o milagre está garantido por um documento estabelecido por um escrivão habilitado junto ao Estado segundo todas as regras do direito e confirmado por dez testemunhas oculares, escolhidas entre as mais dignas de fé e as melhores informadas entre as numerosas disponíveis. Além disso, este ato de autentificação foi feito no lugar mesmo onde tudo isto aconteceu. Apesar das vicissitudes da história aragonesa, o original do documento existe até hoje. Desde 1972, encontra-se exposto numa vitrine no escritório da prefeitura de Saragoça. O historiador Leandro Ama Naval observa que “Com um tal documento, estamos próximos daquela garantia ideal reclamada pelos racionalistas e pelos incrédulos de sempre como condição preliminar para poder-se levar em consideração esses fenômenos que ultrapassam os limites das leis científicas e que os crentes definem como milagres”. O mistério, em suma, se vê confirmado pelo sêlo de mestre Andreu, que se apresenta neste ato como ele se apresenta nos numerosos outros atos assinados por ele e que chegaram até nós.


O processo canônico

Foi a municipalidade de Saragoça que pediu a abertura do processo, a fim de que o acontecimento fosse completamente esclarecido. O primeiro signatário desse pedido de investigação sobre o que verdadeiramente tinha se passado no vilarejo do reino de Aragão foi o prefeito de Saragoça, Lupercio Diaz de Contamina. Depois de ter recebido a autorização do arcebispado, as autoridades civis nomearam três pessoas que serão incumbidas de representá-los no júri. No dia 5 de junho, os três representantes de Saragoça se apresentaram diante do vigário geral da diocese, D. Juan Perat, e o processo canônico foi oficialmente aberto. Para que houvesse uma maior transparência, ele seria público e não a portas fechadas. As minutas, com todos os interrogatórios, as objeções, as deduções e as contra-deduções, seriam integralmente e imediatamente publicadas e postas à disposição de todos aqueles que quisessem as consultar, tanto mais que se quis deixá-las em castelhano, a língua do povo. Somente a sentença solene do arcebispado será redigida em latim – mas ela será também, logo traduzida. As regras estabelecidas na 25° sessão do Concílio de Trento e claramente enunciadas no decreto sobre a veneração dos santos e de suas relíquias e sobre o reconhecimento dos “novos milagres”, foram rigorosamente seguidas.

A organização formal do processo foi confiada ao vigário-geral. D. Perat. Mas foi o arcebispo de Saragoça em pessoa, D. Pedro Apaolaza Ramírez, que se constituiu juiz e presidente do tribunal, assistindo a todo o desfilar de testemunhas e ao seu minucioso interrogatório. O arcebispo era um pastor de grande experiência (tinha 74 anos), sábio autor de trabalhos de teologia apreciados. Cumpriu seu cargo episcopal com zêlo e severidade na aplicação dos decretos conciliares, ao ponto de atrair para si ressentimentos. Em conformidade às regras do Concílio de Trento, um colégio de nove teólogos e canonistas (entre os quais um leigo, professor universitário), se assentou ao lado do arcebispo. Todos assinaram com ele a sentença definitiva.

Uma confirmação suplementar do rigor jurídico e teológico deste processo veio de que ele se desenrolou sob o olhar atento e desconfiado da Inquisição que, todavia, não interferiu diretamente. No apogeu de sua organização e de seu poder em Aragão, a Inquisição velava com autoridade pelo respeito estrito da ortodoxia católica, intervindo de maneira inexorável em todos os casos onde ela acreditava detectar novidades perigosas ou traços de superstição.

Contrariamente ao que nos queria fazer crer a “Lenda Negra” da Espanha, o tribunal da Inquisição gozava de um apoio total e convencido da parte de todas as classes sociais, a começar pelo povo. O fato de que o tribunal da Inquisição não tenha exigido de proceder por ela mesma à investigação do impressionante prodígio é uma garantia da objetividade e da regularidade do trabalho jurídico feito pelo tribunal constituído.

Este tribunal não se contentará em buscar as provas a fim de estabelecer a verdade sobre o objeto do processo, pela audição das vinte e quatro testemunhas oculares. Depois deles, durante cinco audiências, serão outras nove testemunhas de “credibilidade” que compareceriam diante dos juízes. Estes são chamados a ser avalistas dos testemunhos precedentes, para confirmá-los sob juramento de credibilidade. No total, as minutas do processo mencionam 102 nomes, ilustres ou obscuros: juízes, escrivães, procuradores, meirinhos, testemunhas oculares ou “de credibilidade”, médicos, enfermeiros, eclesiásticos, donos de albergue, camponeses, carreteiros... Um jurista moderno e leigo, depois de uma análise dos procedimentos e do desenrolar do processo, podia falar de um “excesso de garantias” e de uma “prudência quase impertinente na verificação”.


Sentença

A decisão do arcebispado declarando o acontecimento de Calanda autenticamente miraculoso foi pronunciada no dia 27 de abril de 1641, ou seja, depois de onze meses de trabalho e catorze sessões públicas e plenárias, menos de treze meses depois dos fatos. Num latim solene, o arcebispo concluía nestes termos a sentença que selava o fim de um longo e complexo processo:

Por isto, tendo considerado os argumentos ditos acima e muitos outros, com o conselho dos ilustres doutores em Sagrada Teologia e em Direito Canônico nomeados acima, nós afirmamos, pronunciamos e declaramos que a Miguel Juan Pellicer, nascido em Calanda, que foi objeto deste processo, lhe foi devolvida milagrosamente sua perna direita, que lhe tinha sido anteriormente amputada; que não se tratou de um fato natural mas de uma obra admirável e miraculosa; e que se deve julgar que se trata de um milagre, todas as condições requeridas pelo Direito tendo sido reunidas para que, no caso aqui examinado, se possa falar de um autêntico prodígio. E assim devemos inscrevê-lo no número dos milagres, e nós o aprovamos, declaramos e autorizamos como tal.

Imagem da Virgem do Pilar
clique para ampliar

Extraído da revista Sel de la Terre (49240 – Avrillé) nº49.
Esta é a versão em html do arquivo http://fbmv.files.wordpress.com/2011/09/o_milagre_de_calanda.pdf.


Vídeo informando que a Ciência confirmou o milagre



+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA