Pesquisar este blog

Novidades!!!

quarta-feira, 25 de maio de 2016

ATROFIA MENTAL COM DIGITADURA



      

    Não me lembro de alguém ter-me perguntado, quando eu frequentava o grupo escolar, em qual profissão eu gostaria de trabalhar quando crescesse. Mas se algum curioso quisesse saber a resposta, provavelmente ouviria algo assim: Quero trabalhar em qualquer coisa que não dê trabalho. 

          Esta introdução pouco autoelogiosa poderia levar alguns a imaginar-me um preguiçoso incorrigível, vagabundo. Bem longe da verdade estaria essa impressão. Nunca fui preguiçoso, mas aquela minha provável resposta explicava-se pelos meus escassos conhecimentos sobre trabalho, limitados então ao uso de instrumentos como enxada, machado, picareta, serrote, foice. Numa visão retrospectiva, posso confirmar que nunca me entusiasmariam trabalhos movidos a músculos, suor, calos, mas era quase só isso que eu via por lá. Conheci depois trabalhos mais importantes e menos hercúleos, como o de manusear minha caneta enquanto escrevo uma crônica. 

         A importância do trabalho raramente é proporcional ao suor que ele produz. Mesmo sendo o instrumento uma leve caneta, pode ser até mais cansativo. Com a tecnologia moderna, o trabalho pesadão foi transferido para as máquinas; e o que já podemos lamentar, neste nosso mundo desequilibrado, é o excesso de redução do trabalho. Parece contraditório isso, mas vou explicar-lhe. 

         Começo por lembrar que as máquinas, geralmente fabricadas para substituir ou reduzir o trabalho humano, vêm assumindo papel cada vez mais importante. Muitas censuras se poderiam fazer ao modo como elas realizam essa substituição, mas quero apenas mostrar que há limites para isso. Difíceis de estabelecer, mas existem. Farei uma tentativa de exemplificação, sem a pretensão de esgotar o assunto. 


         Qualquer um sabe que os automóveis vêm sendo aperfeiçoados desde os primeiros modelos. Quem conheceu a manícula (aquela manivela usada para iniciar o funcionamento do motor), certamente não dispensaria hoje a ignição eletrônica. Muitos outros dispositivos dos carros modernos quase não são percebidos. Facilitam nossa vida, e só se dão a conhecer quando param de funcionar. Podem até paralisar o veículo, e enquanto isso ficamos à mercê da rede autorizada. 


Geralmente os dispositivos novos vão entrando, sem pedir licença. Quando tomam conta do pedaço, é difícil tirá-los de lá. Ninguém precisava deles, mas tornam-se indispensáveis depois que entram. Por exemplo, até algum tempo atrás os taxistas conheciam todas as ruas, trajetos, desvios, acessos, mas um brinquedinho chamado GPS está dispensando e reduzindo essa habilidade invejável. Um sabe-tudo prepotente vai mandando, por meio do aparelhinho: Vire à direita na próxima rua; siga em frente até o viaduto; vire à esquerda... Antes ele sabia tudo isso, por dever de ofício, e agora se submete às ordens ditatoriais de um sabe-tudo digital. Eis aí mais um item da decadência universal. Perdendo essa habilidade, o taxista perde ou reduz também sua capacidade de atender todos os clientes com presteza e rapidez, informar o caminho a quem está perdido numa metrópole, encurtar ou simplificar trajetos, etc. 

A última referência do parágrafo anterior me lembra uma economia que fiz, por conhecer melhor o trajeto do que o GPS. Moro em um edifício de esquina (rua A com rua B, para facilitar). Tomei um taxi, indiquei o endereço, o motorista digitou no GPS, e tudo foi bem até uma esquina da rua B, a um quarteirão da minha residência. Porém a entrada do edifício fica na rua A, e o sabe-tudo mandava dar uma volta de cinco quarteirões (há mãos e contra-mãos), que nos deixaria diante da entrada. A despesa aumentaria pouco, mas ordenei entrar pela rua B, percorremos só um quarteirão até a esquina da rua A, e lucrei ainda o prazer de contrariar o sabe-tudo. Minha admiração pelo progresso não inclui a aceitação de erros dos sabe-tudo. 

Estão em fase final os testes de carros que dispensam motoristas. Enquanto o sabe-tudo digital executa o trajeto que alguém lhe deu, pode-se até dormir. Mas eu não dormiria tranquilo, sabendo que de fato o sabe-tudo não sabe tudo, e é tão falível quanto os seus programadores. Quem tem confiança ilimitada na tecnologia pode assumir as consequências, mas não me inclua nesse procedimento irresponsável. 

Todos se acostumam a não saber, não aprender, e a imbecilidade coletiva avança a passos largos. Se esses brinquedinhos digitais nos dispensam de pensar, a consequência é ficar inativa uma área do cérebro feita para ser usada. E ela se atrofia, como acontece com os músculos de um braço imobilizado. É isso o que você quer para o seu futuro, para o futuro da humanidade? Não quero ser vítima dessa atrofia mental comandada pelos sabe-tudo. Suspeito até que eles mesmos já estão atingidos por essa atrofia. Confiar em gente assim?! Atrofiar meu próprio cérebro!?! 

Leitores pouco familiarizados com minhas diatribes contra brinquedinhos digitais poderiam julgar-me retrógrado, desligado do progresso, aferrado a métodos antiquados. Bem ao contrário, estou pensando no futuro, muito à frente do nosso tempo. E vejo que, sem perceber, caminhamos para uma ditadura digital global, invisível. Como cidadão que nasceu analógico, tenho todo o direito de recusar e hostilizar a ditadura digital, ou digitadura. Contesto os objetivos inconfessáveis dos sabe-tudo digitais, e recuso em caráter definitivo essa digitadura em implantação. 

         Esgotou-se o meu espaço de hoje, mas prometo voltar ao assunto.


(*) Jacinto Flecha é médico e colaborador da Abim


Fonte: http://registroabertura.comunique-se.com.br/ViewPage.aspx?mid=ab74f543-be56-4782-a22b-05e6321a5345.  





COMENTARISTA, LEIA ANTES O 
LEIA ANTES DE COMENTAR
THANKS! 
  
* * *
 
http://edicoescristorei.blogspot.com.br

*
É possível que, ao enviar este post por e-mail, o botão de doação acima não funcione. Nesse caso, envie um e-mail para edicoes.cristo.rei@gmail.com, ou diretamente para o Rev. Pe. Cardozo: runaejcv@gmail.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA