Pesquisar este blog

domingo, 29 de maio de 2016

Diz-me com que herege tu andas, e te direi que herege és!...

A CALÚNIA. 

Chegou a meu conhecimento, por algumas vias distintas, que estavam associando o nome do reverendo Padre Cardozo a certo bispo herético que foi descoberto e apropriadamente afastado de nossos círculos. O assunto foi devidamente esclarecido, quem errou fez a necessária reparação e, portanto, está tudo claramente resolvido e encerrado.  

Mas as línguas maldosas não conseguem ficar dentro das bocas venenosas e querem agora assassinar a reputação do nosso bom Padre, que sequer chegou a conhecer dito bispo. Pois é, a sem-vergonhice é tamanha que alguns chegam até a dizer que o Padre e tal bispo se encontraram...  

Talvez tenha sido a foto abaixo que tenha despertado a língua ferina dos caluniadores:  



A foto foi tirada por ocasião da visita que o Padre fez aos Padres Pfeiffer e Hewko, este ano ainda, nos EUA. O Padre Pfeiffer está de branco, com a faixa vermelha (FSSPX). Será que algum desavisado veio a pensar que se tratasse de um Bispo? Bom, eu não tenho muita certeza de que sejam tão tolos assim, afinal o Pe. Pfeiffer é bem conhecido nos meios tradicionalistas de qualquer "sensibilidade", mas nunca se sabe... 

Os fatos são simples, o reverendo Padre não conhece o bispo herético e nunca o viu nem mais gordo nem mais magro. Mas, se alguém tiver uma prova cabal dessa proximidade, de algum encontro... uma foto... um vídeo... me envie! Sou pronta a dar a mão à palmatória! 

Bom, o que dizer sobre isso? Só me ocorre que essas "santas & virtuosas" criaturas não devem crer na Onipresença e Onisciência do Altíssimo, e certamente creem que Ele não está vendo como pensam, falam e agem mal. Mas, como diz meu sábio marido: "ema, ema, ema, cada um com seu problema!". Disso, eles deverão prestar contas a Deus, como cada um de nós.  
 

*   *   *


QUEM É QUE, DE FATO, ANDA COM HEREGES. 

Mudando de foco, mas continuando no tema da verdade, das provas e da proximidade com heréticos, vamos ao assunto central de hoje que é o fato de Dom Williamson, líder dos desistentes, ter se dado ao incômodo de ir até Louisville, em Kentuky, nos EUA - embora não tenha tempo de ir até a Nigéria ordenar um Padre católico - para ministrar a Crisma a uma comunidade heréticaIsso soa meio como dar pérolas aos porcos, ou, pior, pão sagrado (e o que é um Sacramento?) aos cães

Aos fatos, porque aqui não há fofoqueiros. Há provas.  

A notícia foi trazida pelo blog de El Paso, em inglês, e traduzida para o espanhol pelo blog Apostolado Eucarístico. Já foi comentada pelos blogs da Missão Nossa Senhora das Graças, de Contagem (leiam, vale a pena!), e da Missão Cristo Rei, de Ipatinga (leiam, vale a pena!).  

A referida notícia foi enriquecida com um vídeo, que já baixei da internet para que não desapareça misteriosamente, como aconteceu em outras ocasiões.  

Mas não sejam reféns de minhas informações! Não se limitem a acreditar em mim! Assistam ao vídeo abaixo: 




Se o vídeo não abrir, clique aqui: https://youtu.be/5ZlQ5BSgs9E.


Há também um PDF (se não abrir aqui, no link da fonte pode ser baixado) do Boletim da paróquia de Nossa Senhora do Pilar, do dia 22 de maio de 2016, no qual o nome do Bispo de Kent aparece como convidado para ministrar a Crisma no último dia 25 de maio. Mas, diante do vídeo... precisa mesmo desse Boletim?  

E por que estamos "criticando" mais uma patatoada de Dom Williamson? O que há de errado com essa paróquia e seus paroquianos? 

Fatos.  

Padre Gavin Bitzer é o pároco de Nossa Senhora do Pilar e é FENEÍSTA, ou seja nega os batismos de sangue e de desejo, e isso é uma heresia.

FENEÍSMO é uma corrente influenciada pelo pensamento do jesuíta norte-americano, Pe. Leonard Feeney, o qual tinha uma visão distorcida do Dogma "Fora da Igreja não há salvação", afirmando que os batismos de sangue e de desejo são "inovações heréticas" e inúteis à salvação da alma e que, portanto, nenhum não católico irá se salvar. Foi excomungado  — decreto de excomunhão (em francês) publicado no blog do maior tomista de todos os séculos; já salvei o texto, porque, como já disse, sumiços misteriosos acontecem naquelas bandas; e pode ser lido aqui também — em 13 de fevereiro de 1953, pela Santa Sé, por sua recusa em obedecer à Igreja, após inúmeros e insistentes apelos de Roma. A excomunhão foi publicada no "Acta Apostolicae Sedis"; seus defensores continuam alegando que não é válida porque não teria sido dada ao herege a razão de sua condenação. Em 1972, a Igreja Conciliar reconciliou-se com Feeney sem, contudo, exigir que ele se retratasse de sua interpretação do Dogma. Morreu em 1978 e a frase do Dogma foi gravada na lápide. Sua interpretação baseava-se, provavelmente, no exacerbado antissemitismo que era público e notório. Daí, talvez, advenha a simpatia e a ligação de Dom Williamson com essa comunidade. Os Judeus são DEICIDAS, concordo! Mas daí a "interpretar" um Dogma de nossa Fé a seu bel prazer? Negando o que a Igreja de sempre, Mãe e Mestra, ensina? E por que motivo rezamos pela conversão deles?... Ficam as perguntas. 

Agora, quero ver a "Turma do Balacobaco" manipular São Tomás de Aquino para explicar que isso é lícito, é válido, é lindo...  

E será uma malabarismo intelectual complicado porque o "tomista" escreveu um artigo, de próprio punho, publicado em 1º de janeiro de 2016, chamado A SALVAÇÃO PELO “BATISMO DE DESEJO”, e, no tópico 5 aduz: 
Durante o pontificado de Pio XII (mais precisamente, em 1949 [minha fonte diz que foi em 1953]), o Santo Ofício, ao condenar os erros do Padre Leonard Feeneynegador da existência do batismo de desejo –, reafirmou em carta ao Arcebispo de Boston tanto o dogma de que “fora da Igreja não há salvação” como a legitimidade do chamado “batismo de desejo”
Entre as coisas que a Igreja sempre pregou e nunca deixa de pregar, está contida aquela sentença infalível que nos ensina que ‘fora da Igreja não há salvação’. Este dogma, no entanto, deve ser entendido no sentido em que a própria Igreja o entende. Nosso Senhor, de fato, não confiou a explicação das coisas contidas no depósito da fé aos julgamentos privados, mas sim ao magistério eclesiástico. 

“E, em primeiro lugar, a Igreja ensina que neste caso se trata de um rigorosíssimo preceito de Jesus Cristo. De fato, Ele mesmo disse explicitamente [interessante que CN não se opõe a que Dom Williamson, e depois também Dom Tomás, interpretem a seu bel prazer as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo no tocante à árvore evangélica, subvertendo a doutrina dEle, ensinando o CONTRÁRIO do que Ele ensinou, pois se Cristo diz que uma árvore boa não pode dar frutos maus e vice-versa, Dom Williamsone Dom Tomás INOVAM afirmando que não só pode como uma árvore tanto pode dar os dois frutos, bons e maus ao mesmo tempo!!!. Dois pesos e duas medidas. Típico!!!] a seus discípulos que ensinassem todos os povos a observar o que Ele havia ordenado (cf. Mt XXVIII, 19-20). Entre os mandamentos de Cristo, não tem menos valor aquele que nos ordena que nos incorporemos, com o batismo, ao Corpo místico de Cristo, que é a Igreja, e que adiramos a Cristo e a seu Vigário, por meio de quem Ele mesmo governa na terra de modo visível a Igreja. Por isso, não se salvará aquele que, sabendo que a Igreja foi divinamente instituída por Cristo, não aceitar, ainda assim, submeter-se à Igreja ou recusar obediência ao Pontífice Romano, Vigário de Cristo na terra. 

“O Salvador, então, não só predispôs em um preceito que todos os povos deveriam aderir à Igreja, mas chegou a estabelecer que a Igreja era o meio de salvação sem o qual ninguém poderia entrar no Reino da glória celeste. 

“Daqueles meios para a salvação que só por instituição divina, e não por necessidade intrínseca, se ordenam ao fim último, Deus, em sua infinita misericórdia, quis que, em certas circunstâncias, seus efeitos, necessários para a salvação, pudessem ser obtidos também quando estes meios fossem proporcionados apenas pelo anseio ou pelo desejo. Isso vemos claramente enunciado no sagrado Concílio de Trento, quer em relação ao sacramento da regeneração, quer em relação ao sacramento da penitência. 

“Nas devidas proporções, o mesmo deve dizer-se com relação à Igreja, já que esta é um meio geral de salvação. Pois, para obter a salvação, não se exige a incorporação efetiva [reapse], como membro, à Igreja, senão que é exigida, pelo menos, a adesão a esta por voto e por desejo [voto et desiderio]. Não é necessário que este voto seja sempre explícito, como se exige dos catecúmenos. Se o homem sofre de ignorância invencível, Deus aceita um voto implícito, assim chamado porque contido naquela boa disposição da alma com a qual o homem quer que sua vontade se conforme à vontade de Deus. 

“Estas coisas são claramente ensinadas na [encíclica de Pio XII Mystici Corporis Christi] em relação ao Corpo Místico de Jesus Cristo [...]. Quase no final desta encíclica [...], convidando à unidade, com o espírito cheio de amor, aqueles que não pertencem à estrutura da Igreja Católica, [o Sumo Pontífice] recorda que os que, ‘por anseio ou desejo inconsciente, estão ordenados ao Corpo Místico do Redentor’ não se excluem absolutamente da salvação eterna; mas, por outro lado, afirma que eles se encontram em estado em que ‘nada pode assegurar-lhes a salvação [...], pois que são privados de muitos e grandes socorros e favores celestes que só podem ser desfrutados na Igreja Católica’. 

“Com estas prudentes palavras, desaprova tanto aqueles que excluem da salvação eterna todos os que aderem à Igreja apenas com voto implícito como aqueles que defendem falsamente que os homens podem ser igualmente salvos em qualquer religião. 

“E nem sequer se deve pensar que seja suficiente um desejo qualquer de aderir à Igreja para que o homem seja salvo. Exige-se, realmente, que o desejo mediante o qual alguém se ordena à Igreja seja moldado pela perfeita caridade; e o voto implícito não poderá ter efeito se o homem não tiver a fé sobrenatural” (Carta do Santo Ofício ao Arcebispo de Boston, 1949, Denzinger, 3866-3872). 
(Cf. aqui; também salvei o texto para que não desapareça sem querer querendo... Grifos do original. Minhas notas e grifos em azul).


Essas atitudes dos asseclas de Dom Williamson e dos outros "Dons", que criam e espalham calúnias a respeito dos católicos que denunciam os malfeitos deles, me lembram o método bolchevista de tentar desacreditar os denunciantes e que é chamado de "assassinato de reputação", tornado célebre pelo título de um livro de Romeu Tuma Jr. Outra atitude bolchevista que eles utilizam é a de acusar os desafetos daquilo que eles fazem.  

E, hoje, vimos aqui o exemplo de ambas as atitudes: querem desacreditar o reverendo Padre Cardozo com a mentira de que ele está com um bispo herético e até mesmo que o conhece pessoalmente. O acusam do que eles mesmo fazemComo todo comunista, essa turminha pensa que os outros são bobos. Podemos até ser. Mas Deus não é



*   *   *


PARA QUE SERVE UM BISPO SAGRADO EM ESTADO DE NECESSIDADE? 

Aproveito o ensejo para compartilhar um pensamento sobre o qual andei falando em nosso grupo-whats, acerca da sagração dos Bispos por Mons. Lefebvre, em 1988. Acho que será uma reflexão frutífera para todos nós. 

Considerando o fato de Dom Williamson se recusar ordenar um Padre na Nigéria, alegando falta de tempo (fato notório), e sabendo que ele prefere passar o tempo entretendo-se com figuras heréticas da literatura (CEs 406, 411) e da música (CEs 9 e 433), por amor de quem, chega a dizer — contrariando a Igreja e também os heréticos Feeney e Bitzer — que é possível salvar-se fora da Igreja/Tradição (EC 438), porque talvez lhe pareça inconcebível que alguém como Eliot não se salve... Então, considerando isso tudo e outra coisitas mais que não posso dizer aqui e agora, fiquei lembrando os motivos pelos quais Mons. Lefebvre e Mons. Castro Mayer sagraram os quatro Bispos, atraindo para si a ira de João Paulo II e sua entourage modernista. 

O motivo principal dessa corajosa decisão foi que, para que tenhamos Igreja, é preciso haver Sacerdotes, e, para haver Sacerdotes, é preciso haver Bispos
"Para salvaguardar o sacerdócio católico, para que continue a Igreja católica, e não uma Igreja adúltera, há necessidade de Bispos católicos. (...) No dia em que o Vaticano for libertado desta ocupação modernista, e retornar ao caminho seguido pela Igreja até o Vaticano II, nossos Bispos estarão inteiramente nas mãos do Sumo Pontífice, aceitando a eventualidade de não seguir exercendo suas funções episcopais" (Declaração pública sobre o motivo das Sagrações Episcopais de 30 de junho de 1988aqui).  

Então, a principal função de um Bispo de Mons. Lefebvre é ORDENAR SACERDOTES, e não organizar soirées literárias em honra de hereges, ainda que geniais. Ou, pior, ministrar a crisma a hereges.  

Bom, aqui estão os fatos, o que cada leitor vai fazer com essas informações é problema de cada um (ema, ema, ema...). A minha parte eu fiz: "informar, não convencer", tomando emprestadas as palavras de Santa Bernadete Soubirous



     
COMENTARISTA, LEIA ANTES O 
LEIA ANTES DE COMENTAR
THANKS! 
  
* * *
 
http://edicoescristorei.blogspot.com.br

*
É possível que, ao enviar este post por e-mail, o botão de doação acima não funcione. Nesse caso, envie um e-mail para edicoes.cristo.rei@gmail.com, ou diretamente para o Rev. Pe. Cardozo: runaejcv@gmail.com.

2 comentários:

  1. Baptismo de desejo e baptismo de sangue não é que são a heresia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sua opinião ou leu em algum documento da Igreja? Pergunta sarcástica a minha. Obviamente o senhor está palpitando, com base em seus (des)conhecimentos a respeito do tema. Sugiro que compre um catecismo de São Pio X com urgência.

      Excluir

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA