Pesquisar este blog

Novidades!!!

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Papa Francisco e os pobres: Judas não era ideólogo.

Papa Francisco e os pobres: Judas não era ideólogo.

Ficamos sabendo sabendo que o Papa Francisco "condena a pobreza como ideologia", em homilia. A Rádio Vaticano noticiou e, no Brasil, FratresInUnum e Montfort deram a notícia, entre outros sítios.

A repercussão se explica por causa das primeiras impressões, exploradas pela mídia, de que o novo papa fazia da pobreza uma bandeira propagandística. É evidentemente positivo que o Papa faça uma crítica ao abuso político e religioso que se faz da pobreza.

A pobreza é um dos conselhos evangélicos, que todo católico nunca deve esquecer. Contudo, transformá-lo em moto ideológico é não só incorreto, como um pecado.

Lendo a pequena parte da homilia papal, depois de reconhecer o lado positivo das afirmações, não podemos deixar de notar a modéstia (para dizer o mínimo) da exegética do papa. Ele diz: "Foi o que aconteceu com Judas, que era um idolatra, afeiçoado ao dinheiro. E essa idolatria o levou a isolar-se da comunidade: este é o drama. Quando um cristão começa a isolar-se, também isola a sua consciência do sentido comunitário, do sentido da Igreja, daquele amor que Jesus nos dá."

Toda vez que um modernista fala em comunidade, uma lâmpada vermelha se acende em minha mente. Veja como a interpretação do Papa coincide com a dos comentadores da terrível Edição Pastoral da Bíblia, da CNBB: "Judas desculpa sua própria avareza, disfarçando-a com uma preocupação paternalista pelos pobres. A comunidade que vive o espírito de Jesus será eminentemente uma comunidade de pobres e sempre aberta fraternalmente para os pobres."

Pois bem, segundo o Papa, a avareza de Judas o fez isolar-se da comunidade. Ora, Judas cuidava das pobres finanças dos apóstolos, da bolsa de dinheiro (loculus, na Vulgata). São João, em seu Evangelho, o caracteriza com ladrão simplesmente. Diz o apóstolo: Judas "disse isso, não porque se importasse com os pobres, mas porque era ladrão e, estando a seus cuidados a bolsa, tirava do que nela se lançava." (Jo, 12, 6). O Papa diz que o drama é o isolamento da comunidade, o isolamento da consciência do sentido comunitário. Que volta hermenêutica mais estranha! Um ladrão infiltrado no meio dos apóstolos, um futuro traidor do Filho de Deus, tem sua falta caracterizada como um afastamento do sentido comunitário! A comunidade aqui toma a importância maior: é o pecado contra a comunidade! E essa comunidade, como nos afirma a Edição Pastoral, era a de pobres! Ou seja, Jesus veio ao mundo para atender a comunidade de pobres e um ladrão e traidor comete pecado contra essa comunidade!

Ora, Judas não tem uma visão ideológica da pobreza, ele é ladrão e faz tudo para roubar de quem quer que seja. Ladrão não é ideólogo. Aliás, ladrão inteligente deveria ter um ódio danado dos ideólogos, pois estes lhe fazem uma grande concorrência. Ideólogos são os teólogos da libertação, são os comunistas disfarçados de clérigos que andam por aí. Judas era muito mais autêntico que estes últimos e muito mais fácil de interpretar!

Uma leitura da Catena Aurea não faria mal ao Papa Francisco. Lá, Santo Agostinho diz: "na pessoa de Judas estão representados os males da Igreja, porque se és bom, terás a presença de Cristo pela Fé e pelo Sacramento, e terás sempre. Porque quando saíres deste mundo, irás Àquele que disse ao ladrão (Lc 23, 43): 'Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso'. Mas, se ao contrário, vives mal, parecer-te-á ter presente Cristo, porque estás batizado com o batismo de Cristo; aproximas-te do altar de Cristo, mas vivendo mal, não O terás sempre."

O problema de Judas não é ter sido ladrão, não é ter traído a "comunidade", não é nem sequer ter traído Cristo; seu problema é não ter se arrependido, ter se desesperado. Pedro negou Cristo três vezes, mas se arrependeu. O bom ladrão foi absolvido por Cristo na cruz, porque arrependeu-se. Judas traiu Cristo e não teve a humildade de se jogar a Seus pés e pedir perdão, pela traição e pelos roubos; e se perdeu. Seu problema é de Fé e de Esperança e não de ideologia.


Fonte: http://angueth.blogspot.com.br/2013/05/papa-francisco-e-os-pobres-judas-nao.html


*Este blog não aconselha acercar-se da seita da Associação Montfort.

_

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA