Convite

 
Feminismo: o maior inimigo da mulher
Grupo do Facebook • 157 membros
Participar do grupo
Grupo criado com o propósito de desmascarar o feminismo.
 

Pesquisar este blog

sábado, 25 de maio de 2013

Mosteiro São José de Brilon-Wald

Carmelo São José de Brilon-Wald



Uma breve apresentação dos acontecimentos da Primavera de 2013.

O Carmelo de São José, em Brilon-Wald existe desde 2 de Fevereiro de 1984. Foi fundado a partir do Carmelo de Quievrain que em si foi fundado pela irmã biológica de Archhbishop Marcel Lefebvre. No momento o Carmelo é composto por seis irmãs professas e um noviciada e todas vivem em reclusão.


Autoridade Suprida

A fim de ser protegida do Modernismo da igreja "conciliar" que destrói a vida religiosa, o Carmelo de Brilon-Wald, como o Mosteiro mãe, confiou á Arcebispo Lefebvre e sua Fraternidade Sacerdotal São Pio X para o seu cuidado espiritual. Arcebispo Lefebvre exerceu uma "autoridade suprida" sobre este e outros Mosteiros nos quais ele era mais um "pai conselheiro e amigo do que uma autoridade jurídica", parafraseando o Superior Geral da Sociedade, Padre. Franz Schmidberger em uma carta circular a todas as comunidades religiosas aliadas em 28 de Maio de 1991.


Após a morte de Abp. Lefebvre esta "suprida autoridade" foi inicialmente dada para Mons. Fellay e depois de sua eleição como Superior Geral da Sociedade, em 1994, Mons. De Galarreta. Ele exerce esse cargo no espírito de serviço, de acordo com o Pe. Schmidberger, não como membro da Sociedade de São Pio X, mas como um bispo católico, e cada congregação religiosa "foi absolutamente exonerada de acompanhá-lo ou não". "Nem ele, nem a Fraternidade tem a menor intenção de se aproveitar de qualquer forma das outras comunidades. É importante ver em suas ações sempre como uma ação extraordinária e não de jurisdição ordinária, até o dia em que a ordem divina retorne a Igreja de Deus." Isso é o que foi dito na carta do Superior Geral em 1991 . 

Maneiras novas e estranhas e uma decisão necessária

Desde o ano de 2000, a Sociedade de São Pio X, liderada por seu Superior Geral Dom Fellay, traçou um novo caminho (que por sinal foi abertamente admitido pelo assistente Padre Niklaus Pfluger em uma reunião sacerdotal do Distrito Alemão em Stuttgart, em setembro de 2011), que era cada vez mais claro a direção á uma "regularização canônica", um "acordo canônico" com Roma conciliar. Isto acarretou uma grande agitação as Carmelitas de Brilon-Wald, uma vez que elas haviam confiado à Sociedade de São Pio X, a fim de ser protegida precisamente desta Roma conciliar. Será que elas devem ser entregues a eles agora por seus próprios protetores?

Os acontecimentos turbulentos especialmente dentro da própria Fraternidade a partir do Outono de 2011 em diante não ajudou a dissipar estas preocupações e tranquilizá-las. Em particular, o Carmelo olhou para o respectivo responsável Bispo de Galarreta. Inicialmente, ele parecia dar todos os motivos para ter esperança, uma vez que ele já havia falado claramente em suas "Reflexões", por ocasião de uma reunião dos superiores da Fraternidade em Albano em 7 de Outubro de 2011, depois novamente e mais claramente na carta conjunta com os Bispos Williamson e Tissier Mallerais para o Capítulo Geral da Fraternidade em Abril de 2012 contra um "acordo canônico".

Após o Capítulo Geral da Fraternidade São Pio X, no Verão de 2012, com as suas "Seis condições deploráveis" para uma "rendição honrosa"; após a exclusão de Mons. Williamson inicialmente do Capítulo Geral e depois da Fraterdade, sem que seus irmãos bispos viessem para ajudá-lo, particularmente após a palestra do bispo de Galarreta em Villepreux em Outubro de 2012, em que ele mudou de Saulo para Paulo, ou seja, de um adversário do acordo para o seu defensor; depois de todos esses acontecimentos nada restou de sua esperança inicial. Uma pessoa não pode ter qualquer confiança de ser protegida pelas autoridades da FSSPX do modernismo Romano conciliar.

Clareza final veio através da leitura do livro do Padre Michel Lelong sobre o "GREC" intitulado "Pour la reconciliação nécessaire", que expõe abertamente quanto tempo e com que quais métodos têm trabalhado dentro da Sociedade para uma união com Roma conciliar, ou seja, o quanto o "FSSPX" já foi infectada, minada e quão profundo o mal já estava enraizado.

No inverno de 2012/13 as Carmelitas de Brilon-Wald, portanto, chegou à conclusão de que seria necessário finalizar as conexões com a FSSPX, a fim de permanecerem fiéis à fé Católica e não serem entregues a Roma conciliar. Quando em Março de 2013 havia a perspectiva de uma visita do Bispo do Galarreta [ao Carmelo Alemão], pois ele se encontrava na Alemanha na época, elas [Carmelitas] disseram Ea ele em 25 de Fevereiro sobre a decisão de que eles não mais valeriam de sua "autoridade suprida", e que portanto, sua visita não era mais necessária. Esta etapa veio após intensos estudos, meditação, oração e aconselhamento como era seu pleno direito, uma vez que, de acordo com a redação do Superior Geral a partir de 1991 as comunidades religiosas eram totalmente livre para contactar Bispo de Galarreta ou não.


Manobra para capturar uma fortaleza

O antigo Superior Geral e presente Superior Distrital da Alemanha, o Padre Franz Schmidberger, parecia ter esquecido completamente a sua carta anterior, de 1991. Para no mesmo dia, 25 de Fevereiro, quando ele mal havia recebido a mensagem do Bispo de Galarreta e antes que ele fosse capaz de pensar ou mesmo considerar - porque ele estava, como sempre, na casa de retiro da Faternidade na pregação em Black Forest pregando um retiro - ele enviou imediatamente um fax para o [diretor] espiritual das Carmelitas em Brilon-Wald, em que ele ordenou que o mesmo deixasse o Mosteiro em três dias, pelo menos até 28 de Fevereiro ás 8:00PM (interessante, exatamente no mesmo momento que Bento XVI abdicava) e para ir, por enquanto, para sua residência na Sede Distrital, em Stuttgart. Como justificativa, ele mencionou que as Carmelitas queriam separar-se por causa do "liberalismo alegado" na FSSPX e que elas se recusavam até em falar com o seu "superior eclesiástico" (ele provavelmente quis dizer Mons. De Galarreta). Ora, a "autoridade suprida"sem jurisdição própria de repente se transformou em "superior eclesiástico", mesmo com o Primeiro Assistente da FSSPX afirmando em uma recente entrevista com o pleno consentimento de ambos, --tanto do Superior do Distrito Alemão como o da Superior Geral; que a "FSSPX" sofre de uma "irregularidade canônica". Clero irregulares certamente não podem ser "superiores eclesiásticos" ...

Devido o Capelão nem estar presente em Brilon-Wald durante nos dias 25 - 28 de Fevereiro, ele já não poderia atender tal demanda. Quando regressou a situação já havia mudado. Em primeiro lugar, alguns sacerdotes bem-intencionados fizeram o que se poderia esperar do Superior Distrital, e convenceu as irmãs Carmelitas de tomarem um tempo antes de uma separação definitiva com a Fraternidade e tentar uma conversa com Mons. de Galarreta. Por isso a demora da decisão até a Páscoa, e uma visita do Bispo foi agendada para 20-23 de Março.

Em segundo lugar, a irmã externa deixou o Carmelo no dia 28 de Fevereiro. (Uma irmã externa é uma Freira Carmelita que não vive fechada e que realiza, por exemplo deveres externos: compras corriqueiras). A Irmã externa de Brilon-Wald só recentemente professou solenemente seus três votos religiosos para o Carmelo St. Joseph, na Festa de São José 2012. Ela, no entanto, não queria saber nada sobre os acontecimentos na FSSPX e recusou-se a tomar nota de qualquer informação. Portanto, ela não estava de forma alguma pronta para seguir o rumo de sua Comunidade.

Sua Madre Superiora pediu-lhe para esperar até a Páscoa e ofereceu-lhe que se ela discordasse mais tarde da decisão, ela seria acomodada em outro Mosteiro Carmelita. Medidas adequadas já haviam sido tomadas e um Carmelo que aceitaria a irmã em tal caso também já havia sido encontrado . A externa no entanto, não quis esperar e insistiu em deixar o Mosteiro imediatamente. Para isso, ela entrou em contato com seu irmão biológico, que é sacerdote na Sede Distrital em Stuttgart e que veio imediatamente para levar sua irmã consigo.

Entre o retiro que terminou no 2 de Março e a Reunião Sacerdotal que começou em 4 de Março, o Superior do Distrito Alemão encontrou tempo para escrever uma carta para o Capelão do Carmelo, em que ele chamou-o novamente, desta vez como um comando de "em obediência" para sair do Carmelo até 7 de Março e estar na Sede Distrital de Stuttgart até 8:00pm. Esta carta foi entregue ao Capelão em 5 de Março por meio de "carta registrada".

A Madre Prioresa voltou-se então, pessoalmente, para o Padre Schmidberger e perguntou-lhe educadamente para que deixasse o Capelão pelo menos até a Páscoa no Mosteiro, caso contrário, especialmente após a retirada ilegal da Irmã externa, ela seria incapaz de acreditar na pureza da sua intenção e, portanto, das intenções da FSSPX. A resposta veio em torno de 6 de Março: É direito do Superior do Distrito transferir os padres acordo com sua vontade; ele não tem qualquer responsabilidade pela fuga da Irmã externa. Além disso, a remoção da externa era necessário para os nervos e, além disso, ele sente muita falta de humildade dos Carmelitas remanescentes de Brilon-Wald.

Se um ladrão quer levar uma cidade ou fortaleza, ele se dá ao trabalho primeiro de cortar o fornecimento. Algo semelhante aconteceu aqui. Após a remoção da Irmã externa, que foi responsável por fornecer os meios de subsistência, agora o Capelão deve ser removido e, assim, os meios espirituais de subsistência deveriam ser cortados. O Reverendo Padre Superior do Distrito obviamente tentou muito agarrar o Carmelo de Brilon-Wald, muito pelo contrário de sua afirmação em 1991 (outra possibilidade de apreensão não foi dada, pois a propriedade do Carmelo com os seus edifícios, Mosteiros, Capela e Casa Espiritual estava sob posse das Freiras). Todos os seus protestos de inocência foram em vão. Pois o direito de mover um padre não inclui o direito de abandonar um Mosteiro sem um alimento espiritual e infligir em certo sentido, um interdito, apesar do fato de que elas não foram consideradas culpadas de qualquer crime. E o rapto de uma Freira de seu Mosteiro por um sacerdote que está sob sua própria autoridade e que acomodou esta freira fugitiva em sua própria casa, é impossível de ter acontecido sem o consentimento dele, especialmente porque ele defendeu este procedimento ilegal.


A ruptura inevitável

A situação era clara para as Carmelitas. Elas informaram Mons. de Galarreta que ele não tem que preocupar-se mais. Sob tais circunstâncias, a colaboração com essas pessoas era impensável. Também ficou claro para o Capelão que ele não poderia seguir o comando do Superior Distrital. Pois comandos absurdos e injustos não são obrigatórios. O comando era absurdo, pois no curto período de menos de três dias era impossível para o [diretor] espiritual organizar todos seus problemas, embalar suas coisas e organizar sua mudança. O comando foi injusto pois foi obviamente destinado a privar as Carmelitas de Brilon-Wald da Santa Missa e dos sacramentos.

De fato, o Superior Distrital acanhadamente prometeu em seu "correio registado" para oferecer um "substituto" para  [direção] espiritual, mas na "data marcada" de 7 de Marco, nada se via ou ouvia deste "substituto". Pelo menos até a Páscoa a assistência espiritual para as irmãs deveria ter sido assegurada, e mesmo além por um período razoável, a fim de dar as freiras a oportunidade de encontrar um novo Capelão. Afinal o Carmelo não era culpado de nenhum delito, simplesmente fez uso de seu próprio direito e, portanto, não havia nenhuma razão para qualquer punição - especialmente não em vista dos incontáveis ​​méritos que o mosteiro tinha adquirido para o Distrito Alemão em quase trinta anos.

É naturalmente esperar que a FSSPX espalhe todos os tipos de insultos e calúnias contra o Carmelo em Brilon-Wald e pelo menos fale mal dela, uma vez que não podem vencê-las. Em segundo lugar, pode-se supor que o Capelão será excluído da FSSPX devido a "desobediência". Mas é preciso obedecer mais á Deus do que os homens. "In Deo laudabo verbum, in Domino laudabo sermonem: in Deo speravi, non timebo quid faciat mihi homo." (Sl 55,11).



Fonte: https://www.therecusant.com/brilonwaldcarmel
Tradução: http://stdominic3order.blogspot.com/2013/04/o-carmelo-de-sao-jose-e-fraternidade.html.


Contato: Carmel of St. Joseph, Korbacher Str 89, 59929 Brilon Wald, Germany. Tel 02961/6445 
Donations: Sparkasse HSL Brilon, BLZ 416 517 70, Account No. 56 267 - IBAN: DE58 4165 1770 0000 0562 67, BIC: WELADED1HSL

 

  • CRÍTICAS, SUGESTÕES E DEMAIS MANIFESTAÇÕES: AQUI.
  • PARA RECEBER AS POSTAGENS DO PALE IDEAS NO E-MAIL: AQUI.
  • LEIA TAMBÉM:
*

Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA