Pesquisar este blog

Novidades!!!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Antifonas Maiores do Advento

Antífonas Maiores do Advento, ou Antífonas do Ó. 




As antífonas maiores do Advento (também chamadas de antífonas do Ó, porque começam todas com o vocativo "O") são sete antífonas próprias do Ofício Divino. De se cantar como as antífonas do Magnificat, nas vésperas, e como o Aleluia do Evangelho na Missa das férias maiores do Advento, de 17 a 23 de dezembro.

O rito ambrosiano também as introduziu na liturgia, durante a "comemoração do Batismo", à noite destes mesmos dias anteriores ao Natal (em ambrosiano, feriae de Exceptato, férias do Acolhido).

A origem é desconhecida, mas Boécio as menciona já no século VI, em Roma. Por vezes, foram musicadas. Os substantivos com que cada antífona começa têm origem na Bíblia e são utilizados como títulos de Jesus Cristo. Observou-se desde a Idade Média que as letras iniciais destes substantivos, lidas a partir da última antífona, formam um acróstico: a frase em latim "ero cras", ou seja, "Amanhã estarei aqui", uma expressão que enfatiza o caráter de espera próprio do Advento.  

Die 17 Decembris


17 de dezembro 

O Sapientia
quæ ex ore Altissimi prodisti,
attingens a fine usque ad finem,
fortiter suaviter disponens omnia:
Veni ad docendum nos viam prudentiae

Ó Sabedoria
que saístes da boca do Altíssimo
atingindo de uma a outra extremidade
e tudo dispondo com força e suavidade:
Vinde ensinar-nos o caminho da prudência.



Die 18 Decembris

18 de dezembro

O Adonai
et Dux domus Israel,
qui Moysi in igne flammæ rubi apparuisti
et ei in Sina legem dedisti:
Veni ad redimendum nos in brachio extento


Ó Adonai
guia da Casa de Israel,
que aparecestes a Moisés na sarça ardente,
e lhe deste a Lei no Sinai
Vinde resgatar-nos pelo poder do Vosso braço.



Die 19 Decembris

19 de dezembro

O Radix Jesse
qui stas in signum populorum,
super quem continebunt reges os suum,
quem gentes deprecabuntur:
Veni ad liberandum nos; jam noli tardare


Ó Raiz de Jessé
erguida como estandarte dos povos,
em cuja presença os reis se calarão
e a quem as nações invocarão,
Vinde libertar-nos; não tardeis jamais.



Die 20 Decembris

20 de dezembro

O Clavis David
et sceptrum domus Israel:
qui aperis, et nemo claudit;
claudis et nemo aperit:
Veni, et educ vinctum de domo carceris,
sedentem in tenebris et umbra mortis


Ó Chave de Davi
o cetro da casa de Israel
que abris e ninguém fecha;
fechais e ninguém abre:
Vinde e libertai da prisão o cativo
assentado nas trevas e à sombra da morte.



Die 21 Decembris

21 de dezembro

O Oriens
splendor lucis æternæ, et sol justitiæ
Veni et illumina sedentes in tenebris
et umbra mortis.


Ó Oriente
esplendor da luz eterna e sol da justiça
Vinde e iluminai os que estão sentados nas trevas 
e à sombra da morte.



Die 22 Decembris

22 de dezembro

O Rex gentium
et desideratus earum
lapisque angularis,
qui facis utraque unum:
Veni et salva hominem 

quem de limo formasti


Ó Rei das nações
e objeto de seus desejos,
pedra angular,
que fazeis de dois povos um só:
Vinde e salvai o homem 

que do limo formastes.



Die 23 Decembris

23 de dezembro
O Emmanuel,
Rex et legifer noster,
exspectatio gentium,
et Salvador earum:
Veni ad salvandum nos, 
Domine Deus noster


Ó Emanuel,
nosso rei e legislador,
esperança das nações,
  e Salvador dos povos:
Vinde salvarnos,
Senhor nosso Deus.




A antífona Mariana. 


Embora as antífonas e datas mostradas acima fossem universalmente reconhecidas em toda a Cristandade ocidental, uma prática alternativa inglesa surgiu na Idade Média (ao que parece) adiantando as antífonas em um dia (com início, portanto, em 16 de Dezembro) e adicionando ao final uma oitava antífona, em 23 de dezembro, com formando o acróstico: "Vero cras" (verdadeiramente, amanhã estarei aqui). Esta é a antífona O Virgo virginum (Ó Virgem das virgens), com o seguinte texto:  


O Virgo virginum, 
quomodo fiet istud?
Quia nec primam similem visa es 
nec habere sequentem.
Filiae Jerusalem, quid me admiramini?
Divinum est mysterium hoc quod cernitis.  

Em Português: 
  
Ó Virgem das virgens,
Como se fará isso? (S. Lucas 1,34)
Porque nunca houve ninguém como você,
nem haverá novamente.
Filhas de Jerusalém, por que vos admirais de mim?
Divino é o mistério que admirais em mim.

 
Esta antífona mariana aparece nas liturgias Gallicana (França) e Saerum (Englaterra), mas é difícil estabelecer exatamente quando foi introduzida pela primeira vez, mas era certamente conhecida na Idade Média. Esta antífona é usada ainda hoje na liturgia na Ordem Norbertina(*). 


_______________________________________
(*) A Ordem Premonstratense, dos cónegos regulares Premonstratenses (latim: Ordo Præmonstratensis ou Candidus et Canonicus Ordo Præmonstratensis, O. Præm) também conhecidos por Cónegos Brancos ou Cónegos de São Norberto, consiste num ramo que derivou dos cónegos regulares de Santo Agostinho, fundado em 1119 por São Norberto (nascido em Xanten, no Baixo Reno, cerca de 1080) em Prémontré, um pântano isolado na floresta de Coucy, na diocese de Laon, França. 

Fontes de pesquisa:
Tradução: Giulia d'Amore. 

Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA