Pesquisar este blog

Novidades!!!

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

O Discernimento da Subversão



O Pale Ideas endossa o texto publicado no site da FAMILIA BEATAE MARIAE VIRGINIS. Asseguro-lhe, Ir. Joaquim, aqui ninguém está cansado!!! Adelante!!!

Vemos no texto em tela como o lobo que finge ser pastor, para melhor enganar as ovelhas, lhes diz que o verdadeiro pastor é... um lobo!!! Algumas ovelhas percebem que algo está errado, mas outras... confusas por tantas idas e vindas nos discursos do lobo já não sabem a quem ouvir. 

A respeito disso, falando com minha filha sobre a situação das Irmãs de La Reja, estávamos consternadas pelo fato de que elas continuam seguindo o lobo e pensávamos em uma forma de ajudá-las. Contudo, minha filha, sabiamente, me fez ver que nada podemos fazer. As Irmãs argentinas não vivem isoladas do mundo por completo. Não têm acesso direto à internet, mas recebem notícias dos fiéis que as visitam, das cartas que recebem dos familiares, das conversas de corredor... E, por outro lado, não podemos não lembrar das Carmelitas alemãs, que não precisaram que ninguém lhes lembrasse seu dever e sua Fé. Elas mesmas botaram para correr os lobos, e hoje a Divina Providência as instalou em um novo convento, como elas desejavam!

Esses fatos devem nos fazer refletir. E pensando nos fiéis e nos padres que ainda seguem Fellay repetindo a si mesmos que está tudo bem, que o acordo não foi firmado, que é sensato rezar para que a Tradição RETORNE à Igreja (qual?), que devem ser obedientes a qualquer custo... pensando nessas pessoas que esqueceram TUDO o que Mons. Lefebvre disse sobre Roma, eu sinto um misto de tristeza e decepção. Tristeza, porque essas almas estão selando seu destino eterno com uma imprudência insana. Decepção, porque alguns que eu conheci - fiéis e padres - me pareciam inteligentes, sensatos e profundos conhecedores da Doutrina Católica. Ou me enganei ou devo crer em uma ação do sobrenatural. 

Ah! Sim! Outro "sentimento" que tenho é de impaciência com a tibieza e/ou a indecência de preferir um prato cheio e um leito quente à verdade

Os grifos no texto abaixo são nossos. Deu vontade de grifar tudo, porque nada do que está escrito é desnecessário, supérfluo ou irrelevante.



O Discernimento da Subversão


Em sua última carta aos amigos e benfeitores, o superior do Seminário de Winona da FSSPX, pe. Le Roux, tece considerações interessantes a respeito da oposição entre subversão e tradição, considerando a primeira não somente como ferramenta, mas como núcleo da Revolução, a qual, por sua vez, institucionaliza o ódio à autoridade.
  

Estas considerações, no entanto, vão logo servir ao intento principal da carta, que é também o intento dos dirigentes atuais do referido instituto, ou seja, o reforço da própria autoridade pela estigmatização dos resistentes à nova orientação, e isto simplesmente negando a existência desta última. O autor da carta não titubeia em afirmar: “Algumas pessoas, enganadas por suspeitas repetidas e ampliadas pela internet, contraíram um medo irracional de uma suposta traição, inexistente e nunca provada (…). Seus ataques difamatórios (…) são somente ferramentas do espírito de subversão e revolução”.
 

Sim, querem ganhar pelo cansaço. Mas não nos cansemos. Recordemos então, brevemente, o motivo essencial que levou, leva e levará numerosos sacerdotes, fiéis e comunidades amigas a tomar distância do antigo carro-chefe da Tradição: a sua nova orientação. Em direção a que? À Igreja Conciliar. A prova principal: a resolução do capítulo de 2012, com suas 6 condições “roda-quadrada”, que oficializam a vontade de acordo, ou seja, a vontade de submissão à Roma conciliar, trocando a conversão desta pelas garantias da mesma, confiando, dando fé à Roma que perdeu a Fé (1).
  

Este é o ponto. Não é preciso que se chegue ao ensino formal de heresias para se constatar a desorientação, fruto da subversão instalada (2). Pois aqui a autoridade suspeita da Roma conciliar passa adiante da Fé, bem comum necessário sem o qual não se alcança a finalidade da Igreja, a salvação das almas, que é sua lei suprema (3). Não há garantias que justifiquem essa vontade de submissão, no máximo elas podem disfarçar sua malignidade, mais ou menos como a falsa justificação protestante cobriria os pecados sem os apagar realmente.
  

Além disso, essa mudança de orientação devia permanecer conhecida de poucos, e se apresentou esse Capítulo como um triunfo de pacificação, como um alívio, uma resolução dos problemas. Assim, a subversão estava no seu ambiente: o segredo e o falso compromisso, imobilizadores eficazes da maioria (4).
  

Estas constatações estão longe de ser as únicas, muitos escreveram sobre outros aspectos da crise da FSSPX e da Tradição como um todo. Mas elas são suficientes  para mostrar  o papel de funcionário sem escrúpulos que faz  o pe. Le Roux, negando friamente toda traição e imputando a subversão aos que resistem a ela. Não trabalha com a realidade, mas intenta impor uma visão que, com certeza, não se exerce à luz da Fé.
 
 
“Nós não falamos para dizer alguma coisa, mas para obter um certo efeito”
Josef Goebbels.

  

(1)-  Por mais escandalosa que seja, a declaração de abril de 2012 não é a chaga mais profunda nessa crise. Poder-se-ia até imaginar que, numa situação de pressão, as autoridades da FSSPX chegassem a, finalmente, retratá-la. Não seria o fim da crise, pois outra declaração ambígua poderia tranquilamente sair de uma direção que aceita passar pela contradição nas suas resoluções para se submeter à Roma tal qual ela é.
  

(2) – Note-se que, mesmo na Carta Magna da Igreja Conciliar, os documentos do Vaticano II, as novidades não aparecem de forma evidente, talvez somente em 5% dos textos… Mas os outros 95% não são íntegros. Porque o Concílio como tal foi perpassado por uma atração maligna, expressa sobretudo no célebre discurso de encerramento: a vergonhosa simpatia entre a religião de Deus que quis ser  homem e a da religião do homem que quer ser Deus. Hoje muitos constatam o desastre, mas na época poucos o pressentiram. Os pontífices da revolução com tiara e pluvial se encarregaram de fomentar a passividade da maioria: Credo do Povo de Deus, declarações sobre a fumaça de Satanás, algumas punições para os mais radicais etc. A passividade foi mantida, o desastre aí está, e a estratégia foi tão bem sucedida que a passividade permanece.
  

(3) – Ainda ecoa nos nossos ouvidos esta triste confissão de desistência contida na resposta do Conselho Geral aos 3 bispos: “Pelo bem-comum da Fraternidade, preferiríamos de longe a solução atual de statu quo intermediário, mas, manifestamente, Roma não tolera mais”.
  

(4) – Pois a Subversão trabalha mais pela imobilização que pela mobilização da maioria. Isto porque ela quer garantir que a sua minoria ativa trabalhe sem possível concorrência, a fim de que os fins subversivos sejam melhor alcançados. Numa sociedade hierárquica que tanto preza a obediência, como a Igreja, ela então procurará atingir a cabeça, e depois imporá a mudança pela falsa obediência. Falará muito de liberdade quanto estiver para se apossar do comando (durante o Vaticano II muito se falou de liberdade), mas falará mais de obediência quando, ocupado o poder, encontrar resistência.

Ir. Joaquim Daniel Maria de Sant’Ana, FBMV.


Fonte: http://fbmv.wordpress.com/2013/12/26/o-discernimento-da-subversao/.


Cuidado com o lobo! Quem avisa, amigo é...

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA