Pesquisar este blog

Novidades!!!

quarta-feira, 4 de março de 2015

04 de março: São Lúcio I, Papa e Mártir

04 de Março 

São Lúcio

Papa e Mártir
Pontificado: 253 a 254  


São Lúcio, filho de certo Prophyrianus, segundo o Liber Pontificalis n. 23, foi o sucessor do Papa São Cornélio, e figura como o 22º Papa da Igreja. Seu predecessor havia enfrentado sérios obstáculos diante do cisma perpetrado por Novato (ou Novaciano), um presbítero que arrebanhou adeptos numa luta aberta contra a sua eleição, de forma que chegou a autoproclamar-se Papa, mas acabou sendo excomungado e declarado antipapa após a convocação de um Concílio. Sucede que, diante das intensas perseguições do imperador Caio Víbio Treboniano Galo, o legítimo Papa acabou sendo exilado e finalmente decapitado, por não sacrificar aos deuses pagãos.

O mesmo imperador, movido por cruel fúria, empreendeu intensas perseguições contra o novo Papa, São Lúcio, o qual recebeu apoio de São Cipriano, através de diversas cartas de consolo e fé. O imperador Galo viria a morrer alguns meses, depois num combate contra um general rebelde de nome Emiliano. Sucederia a ele o imperador Valeriano, que, a princípio, mostrou-se cordial com os Cristãos, o que facilitou o regresso do Papa a Roma.  O Catalogo Feliciano, cujas informações se encontram no Liber Pontificalis n. 23, narrava sobre o édito e o milagroso retorno de Lúcio: Hic exul fuit et postea nutu Dei incolumis ad ecclesiam reversus est. São Cipriano lhe escreveu uma segunda carta para lhe demonstrar sua alegria pelo retorno e que começava assim: 
"Amado Irmão, há pouco tempo Vos oferecíamos nossas congratulações [Epistularium 61,1,1], quando, para Vos exaltar a governar a Igreja, Deus graciosamente Vos deu a dupla alegria de confessor e bispo. Novamente, nos congratulamos conVosco e Vossos companheiros, e a Congregação toda, porque, graças à generosa e poderosa proteção de Deus, retornastes para Sua glória, de modo que a grei possa novamente ter o seu pastor, o vaio o seu capitão, e as pessoas alguém que as governe e lhes mostre abertamente que foi por vontade de Deus que o bispo foi exilado, e não que o bispo foi expulso para ser privado de sua Igreja, mas, pelo contrário, para que retorne com maior autoridade". 

E disse isso Cipriano porque, quando sustentava que Deus, através da perseguição "procurou envergonhar os hereges e reduzi-los ao silêncio, para mostrar onde estava a verdadeira Igreja, quem fosse seu bispo (Papa) escolhido pela graça de Deus, quem fossem seus presbíteros em comunhão com o bispo (Papa) na glória do Sacerdócio, quem fosse o verdadeiro rebanho de Cristo, unido em sua grei por um amor particular, quem fossem aqueles que eram oprimidos pelos inimigos e, ao mesmo tempo, aqueles que eram protegidos por Satanás como próprios" evidentemente se referia aos sequazes de Novato. De fato, durante o Pontificado de Lúcio, o cisma proclamado por Novato continuou.  

Quanto à acolhida dos "lapsos" (os que recaíram no paganismo), Lúcio se conformou aos princípios de Papa Cornélio e São Cipriano. Segundo o testemunho deste último, contido em uma carta ao Papa Estevão I (sucessor de Lúcio), como fizeram Cornélio, assim expressou seu pensamento por escrito: "Illi enim pleni spiritu Domini et in glorioso martyrio constituti dandam esse lapsis pacem censuerunt et poenitentia acta fructum communicationis et pacis negandum non esse litteris suis signaverunt (Também a eles, cheios do Espírito de Deus e confirmados no glorioso Martírio, depois da justa penitência, não deveria ser negado o gozo da comunhão e da reconciliação), in Epistularium 68,5,1.  

Os sequazes do antipapa Novato, semeando ainda a confusão e o erro no meio do rebanho, investiam contra a Santa Doutrina, o que foi duramente combatido por São Lúcio. Havendo, por isso, a iminência de um clima negligente por parte rebanho e também dos clérigos, prescreveu importantes normas canônicas, dentre as quais a proibição referente à convivência de clérigos e mulheres religiosas em habitação comum, o que era usual na época. Estendeu, da mesma forma, o veto aos leigos, julgando não ser conveniente aos católicos este tipo de convivência, salvo se as pessoas do sexo oposto fossem familiares ou de parentesco muito próximo. Decretou também que o Papa, em suas viagens apostólicas, deveria estar acompanhado de, no mínimo, três diáconos e pelo menos dois sacerdotes ("Hic praecepit, ut duo presbyteri et tres diaconi in omni loco episcopum non desererent propter testimonium ecclesiasticum", segundo o Liber Pontificalis n. 23).

Seu pontificado durou apenas oito meses. São Lúcio possuía diligente zelo apostólico e pela Fé desejava ser martirizado como seus predecessores e inúmeros cristãos, que tombaram sustentando a Verdadeira Doutrina. Preservado por Deus do martírio de sangue, teve morte natural, porém agônica. As doenças e complicações que culminaram em seu falecimento, em 5 de março de 254 (veja parágrafo seguinte), foram consequências das aflições decorrentes das perseguições que sofreu. Daí o motivo da Igreja ter-lhe conferido o honroso título de “Mártir”.  





Lúcio morreu no começo de março de 254. Na Depositio episcoporum, a "Cronografia de 354" indica a data de sua morte aos 5 de março, enquanto o Martyrologium Hieronymianum aos 4 do mesmo mês. Talvez Lúcio tenha morrido no dia 4 e sepultado no dia 5. Segundo ainda o Liber Pontificalis
n. 23, este papa foi decapitado aos tempos de Valeriano, mas há historiadores que não aceitam este testemunho (sic!) porque as perseguições de Valeriano começaram mais tarde de março de 254. Mas é verdade que São Cipriano, na carta ao Papa Estevão, acima mencionada, tributa a Lúcio, assim como a Papa Cornélio, o título de Mártir: "servandus est enim antecessorum nostrorum beatorum martyrum Cornelii et Lucii honor gloriosus" (a gloriosa memória de nossos predecessores, os beatos Mártires Cornélio e Lúcio deverá ser preservada), mas talvz se referisse ao breve exílio de Lúcio. Papa Cornélio, que morreu no exílio, depois de sua morte foi honrado como Mártir pelos romanos, mas não Lúcio. No calendário romano das festas, "Cronografia de 354", Lúcio é lembrado na Depositio episcoporum, mas não na Depositio martyrum. Contudo, como se nota no Martyrologium Hieronymianum, a sua memória era particolarmente honrada. Além do mais, Eusébio de Cesarea relatava (Historia Ecclesiastica, VII, 10) que Valeriano, na primeira parte de seu reinado, foi favorável aos Cristãos, tanto é que o primeiro édito de perseguição do imperador apareceu apenas em 257. 

São Lúcio foi sepultado na Cripta Papal do Cemitério de São Calixto, na Via Ápia. As relíquias foram transladadas pelo Papa Paulo I (757-767) para a Igreja de São Silvestre in Capite. Depois por Papa Pascoal I (817-824) para a Basílica de Santa Praxedes. Sua cabeça é conservada atualmente em um relicário na Catedral (católica) de São Ansgar em Copenhague, pois foi levada para lá por volta do ano 1100, depois que São Lúcio foi declarado padroeiro da região danesa de Selandia pelo Papa Pascoal II (1099-1118). É uma das poucas relíquias que sobreviveu à Reforma Protestante na Dinamarca. Sua tumba continua nas Catacumbas de Calixto, mas seus restos mortais estão, desde o século IX, na Igreja de Santa Cecilia in Trastevere, juntamente com as relíquias da própria Santa Cecília e às de outros novecentos santos mártires.  

É da segunda metade do século XI uma Passio sancti Lucii papae (Bibliotheca Hagiographica Latina [...], nr. 5022), obra de Guaiferio di Montecassino, ativo na abadia entre 1084 e 1086. Esta Passio, que nos chegou mutilada de sua parte final, quase não tem referências biográficas sobre São Lúcio, dedicando-se apenas a seu Pontificado.   

São Lúcio não escapou da sanha da segunda reforma protestante que foi o Vaticano II. Mas continua na Liturgia e no Martirológio Romano de sempre.  


Documentos escritos por São Lúcio: http://www.documentacatholicaomnia.eu/01_01_0253-0254-_Lucius_I,_Sanctus.html (em latim).




REFLEXÕES:

A Rocha sobre a qual Cristo edificou sua Igreja, a Cátedra de Pedro, é firme e inabalável. Ali, os passos do Mestre foram seguidos com plena fidelidade e amor irrestrito. A história dos Mártires representa a mais convicta demonstração da Fé em grau elevadíssimo, formando uma sólida base referencial aos Cristãos do mundo moderno.

Estamos nós assumindo corajosamente nossos compromissos católicos em sua máxima extensão? Espelhemo-nos no exemplo fecundo que os Mártires nos deixaram por herança. Em meio às provações e tribulações, gozavam da absoluta paz em Cristo. Paz eterna que o mundo temporal não compreende, porque baseado em ilusões terrenas. O católico (autêntico) assume todo e qualquer tipo de risco, no plano da salvação: perseguições, aflições, sofrimentos, desprezo, enfim todas as mortificações eventuais, ocasionais ou propositais. Na hora do perigo, do medo ou da dúvida, o Espírito Santo tratará de cuidar de nós, imprimindo as convicções outrora reveladas a São Paulo, e hoje a nós:

“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação? A angústia? A Perseguição? A fome? A nudez? O perigo? A espada? Realmente está escrito: 'Por amor de Ti somos entregues à morte o dia inteiro; somos tratados como gado destinado ao matadouro'. Mas, em todas essas coisas, somos mais que vencedores pela virtude dAquele que nos amou. Pois estou persuadido de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potestades, nem as alturas, nem os abismos, nem qualquer outra criatura nos poderá apartar do amor que Deus nos testemunha em Cristo Jesus, Nosso Senhor” (Rom 8, 35 -39).

FONTES:  

http://www.paginaoriente.com/santos/lucio0403papa.htm.
http://it.wikipedia.org/wiki/Papa_Lucio_I.
http://www.santiebeati.it/dettaglio/43900.
http://www.treccani.it/enciclopedia/santo-lucio-i_%28Enciclopedia_dei_Papi%29/.
Traduções, quando necessário: Giulia d'Amore. Organização: idem.
 



Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA