Pesquisar este blog

Novidades!!!

sábado, 29 de novembro de 2014

Um rèquiem para meu pai...

Neste 29 de novembro recorre o 25º aniversário da morte de meu pai, ou de seu natal para a outra vida: a vida eterna.  

Eu gosto muito de um poema que encontrei, apócrifo, em uma lixeira, dessas pequenas de escritório, ao lado da minha mesa de trabalho, na repartição pública onde trabalhava, décadas atrás. Não sei quem jogou aquele papel amassado bem ao lado de minha mesa. Também não sei quem foi o autor: será o mesmo que descartou o poema?. E rogo a quem saiba de me informar.  

Daquele poema, tomei a liberdade de alterar apenas uma palavra, ou melhor, um número, o ano da morte daquele desconhecido pai. No original, se bem me lembro, constava: "mil, novecentos e oitenta e cinco" (talvez, "noventa e cinco"; confesso que não lembro), que rimava com "afinco". Eu modifiquei para "mil, novecentos e oitenta e nove", ano em que meu pai partiu. Não mudei a rima. Não porque não pudesse encontrar uma, no abismo infinito de meu amor por meu pai. Apenas não quis abusar demais daquele belo poema.  

Por três vezes, publiquei aquele mesmo poema, neste blog, em memória dele, mas, este ano, caiu-me entre as mãos, quer dizer, diante dos olhos, pela tela do computador - que tempos profanos! - um outro poema, de um poeta, escritor e aforista italiano, Camillo Sbarbaro, de uma lembrança dos tempos de escola, creio eu. Ele tinha paixão pela Botânica, como meu pai...  

E vou publicar assim mesmo, em italiano, porque italiano era meu pai, em que pese o imenso amor pelo Brasil que ele nutria. Um dia, quem sabe traduzo. É até um pecado traduzi-lo, se diria na Itália, porque as traduções sempre matam um pouco da "alma" do texto. Quando se trata de poesia, então, é um massacre!  

Traduzo, contudo, o título, para abrir o apetite das almas mais sensíveis à poesia: "Pai, ainda que tu não fosses o meu (pai)".  

Vos convido, no final, a rezar comigo um Rèquiem pela alma de meu pai.

Giulia d'Amore

 
* * * 
 

PADRE, SE ANCHE TU NON FOSSI IL MIO 



di Camillo Sbarbaro


Padre, se anche tu non fossi il mio
Padre se anche fossi a me un estraneo,
per te stesso egualmente t’amerei.
Ché mi ricordo d’un mattin d’inverno
Che la prima viola sull’opposto
Muro scopristi dalla tua finestra
E ce ne desti la novella allegro.
Poi la scala di legno tolta in spalla
Di casa uscisti e l’appoggiasti al muro.
Noi piccoli stavamo alla finestra.

E di quell’altra volta mi ricordo
Che la sorella mia piccola ancora
Per la casa inseguivi minacciando
(la caparbia aveva fatto non so che).
Ma raggiuntala che strillava forte
Dalla paura ti mancava il cuore:
ché avevi visto te inseguir la tua
piccola figlia, e tutta spaventata
tu vacillante l’attiravi al petto,
e con carezze dentro le tue braccia
l’avviluppavi come per difenderla
da quel cattivo che eri il tu di prima.

Padre, se anche tu non fossi il mio
Padre, se anche fossi a me un estraneo,
fra tutti quanti gli uomini già tanto
pel tuo cuore fanciullo t’amerei.


* * * 



Rèquiem aetèrnam,
dona eis, Domine,
et lux perpètua lùceat eis.
Requiéscant in pace.
Amen.

(Latim)

L'eterno riposo,
dona loro, o Signore,
e splenda ad essi la Luce Perpetua.
Riposino in pace.
Amen.

(Italiano)

Dai-lhes, Senhor,
o descanso eterno
E a luz perpétua os ilumine
Descansem em paz.
Amém.

(Português)


Visto aqui: https://appasionata.wordpress.com/2012/01/03/una-poesia-per-il-mio-papa/.  
Biografia de Camillo Sbarbaro: http://it.wikipedia.org/wiki/Camillo_Sbarbaro.


 
Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA