Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

Pesquisar este blog

sexta-feira, 6 de julho de 2018

DA TRAVE QUE ENTRAVA OS OLHOS DESISTENTES & DO LÍDER QUE, ENFIM, ADMITE O ACORDO

Due piccioni com uma fava”. Ou “dois coelhos com uma cajadada só”. Ou “matar dós pajaros com um tiro”... Hoje, vou aproveitar para falar de dois assuntos interligados: Neofrat e Desistência, e suas ligações espúrias com Roma apóstata.  


DA TRAVE QUE ENTRAVA OS OLHOS DESISTENTES & DO LÍDER QUE, ENFIM, ADMITE O ACORDO


Baseado na obra: "The parable of the mote and the beam" 
Oil painting by Minus (Minas) M. Zorab, 1880.
Ontem, o intrincado blogger do Non Possumus mexicano republicou (2015) uma interessante carta escrita pelos superiores da então FSSPX ao Cardeal Bernardin Gatin (1922-2008), em 6 de julho de 1988, em resposta ao fato de este ter se incumbido de comunicar aos Monsenhores Marcel Lefebvre e Antônio de Casto Mayer e aos quatro Bispos por eles sagrados em Ecône, em 30 de junho daquele ano, suas excomunhões “latae sententiae– que na carta são saudadas como: una distinción de honor y un signo de ortodoxia delante de los fieles” (“uma distinção de honra e um sinal de ortodoxia diante dos fiéis”) - excomunhões estas declaradas pelo herético “santo” conciliar de sinistra memória. Uma carta interessante e preciosa que pode ser lida aqui (em espanhol), e que iremos traduzir e publicar depois. Assinaram a carta, segundo o Non Possumus, estes personagens: 


Padre Franz Schmidberger, Superior general,
Padres Paul Aulagnier, Superior de distrito de Francia,
Franz-Joseph Maessen, superior de distrito de Alemanha,
Edward Black, Superior de distrito de Grã Bretanha,
Anthony Esposito, Superior de distrito de Itália,
François Laisney, Superior de distrito de Estados Unidos,
Jacques Emily, Superior de distrito de Canada,
Jean-Michel Faure, Superior de distrito de México,
Gérard Hogan, Superior de distrito de Austrália y Nueva Zelândia,
Alain Lorans, Superior del Seminário de Écône,
Jean-Paul André, Superior del Seminário de Flavigny,
Paul Natterer, Superior del Seminário de Zaitzkofen,
Andrés Morello, Superior del seminario de La Reja,
William Welsh, Superior del Seminario de la Santa Cruz en Australia,
Michel Simoulin, Rector del Instituto San Pio X en París,
Patrice Laroche, sub-superior del Seminário de Écône,
Philippe François, Superior de la casa autónoma de Bélgica y Luxemburgo,
Roland de Mérode, Superior de la casa autónoma dos Países Baixos,
Georg Pfluger, Superior de la casa autónoma de Áustria,
Guillaume Devillers, Superior de la casa autónoma de Espanha,
Philippe Pazat, Superior de la casa autónoma de Portugal,
Daniel Couture, Superior de la casa autónoma de Irlanda,
Patrick Groche, Superior de la casa autónoma de Gabão,
Franck Peek, Superior de la casa autónoma de África austral.

Salvo engano (me corrijam, por gentileza!), me parece que, desses todos, apenas um, o hoje Bispo Andres Morello, segue uma linha tradicionalista. Os demais estão “misteriosamente unidos” à Igreja do CVII, e não se demoraram em agradecer a Ratzinger o “levantamento” (sic!) - exclusivamente aos bispos VIVOSdas excomunhões dadas pela Igreja CONCILIAR... 

Curioso que, quando eu conheci a então FSSPX, os padres alardeavam justamente que as excomunhões eram “una distinción de honor y un signo de ortodoxia delante de los fieles”, uma medalha de honra a ostentarmos orgulhosamente no peito!!!... Pouco tempo depois, lembro que passaram a falar desse "levantamento" como um “bom sinal”; as negociações com Roma – desaconselhadas por Mons. Lefebvre – se haviam tornado “a pomba que Noé soltou e não voltou[*]: um bom sinal. Sinal de que, senhores? De apostasia? De abjuração da verdadeira Fé? 

A carta termina com uma bela citação em Latim (1Reis 7,3[¹]): "Praeparate corda vestra Domino et servite illi Soli: et liberabit vos de manibus inimicorum vestrorum Convertimini ad Eum in toto corde vestro, et auferte deos alienos de medio vestri". E espanhol: "Dirigid vuestros corazones hacia el Señor y servid a El Solo: y El os librará de las manos de vuestros enemigos. Convertíos a El de todo corazón y quitad de en medio vuestro a los dioses ajenos". E eu acrescento a versão em Português: Dirigi vossos corações ao Senhor e servi a Ele só: e Ele vos livrará das mãos de vossos inimigos. Converti-vos a Ele de todo coração e tirai do meio de vós os deuses estranhos

Pelo andar da carruagem, esses prelados estultamente não dirigiram o coração ao Senhor, não serviram só a Ele, não se converteram a Ele de todo coração nem tiraram os ídolos do meio deles, pois se colocaram (ou estão em vias de) nas mãos dos inimigos por si sós. Afinal... quem anda adaptando a Neofrat às exigências romanas, evitando de chamar isso de “ACORDO” para não ferir suscetibilidades e não por em alerta os sapos cozidos[²]? E quem se declara “misteriosamente unido” à Igreja Conciliar?  2+2=4, senhores! 

Admito que, de fato, o blogger inTRINCADO tem razão: “ESTA CARTA ES UNO DE LOS MEJORES DESMENTIDOS PARA LOS QUE DICEN QUE ‘NADA HA CAMBIADO EN LA FSSPX’.” (“esta carta é um dos melhores desmentidos para os que dizem que ‘nada mudou na FSSPX’.”), mas... aqui vemos o “sujo falando do mal lavado”, ou Mateus 7,5: com uma baita de uma trave no olho, o blogger mexicano se preocupa em criticar a trave (porque, afinal, também “cisco” não é!) nos olhos dos Neofrats

Hipócrita! Como soem ser os falaciosos... A Desistência também não pode dizer que “nada mudou” entre eles, pois já pregam a “plena comunhão” com Roma apóstata. Ou não foi Williamson quem disse que pegaria o primeiro avião se o Papa chamasse? E não foi na Desistência que se disse que “estamos misteriosamente unidos” à Igreja Conciliar, manipulando as divinas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre as árvores boas e más e seus respectivos frutos, que nas bocas desistentes virou uma "salada mista" pecaminosa.  

Sepulcros caiados. Raça de víboras! Tire esta trave gigantesca de seu olho primeiro, senhor! Antes que seja tarde: "Dirigid vuestros corazones hacia el Señor y servid a El Solo: y El os librará de las manos de vuestros enemigos. Convertíos a El de todo corazón y quitad de en medio vuestro a los dioses ajenos". 


AGORA, SOBRE A NEOFRAT 



E por falar em Neofrat, outro dia falávamos sobre a herança fabulosa que a Neofrat recebeu de uma viúva austríaca e que será administrada pelo futuro Prelado nomeado por Bergoglio (ou quem quer que seja o líder da Igreja do CVII à época). Além da “bufunfa” em euros, a viúva legou um palácio, um grande palácio em Viena. Será a futura sede da Prelatura? Eu tendo a pensar que será um palácio em Roma mesmo... Veremos.

Essa “doação” deu o que falar à época, sobretudo porque no “pacote” vinha o famoso Maximilian Krah, que viria a ser o consultor financeiro da Neofrat e depois administrador de uma empresa financeira fundada em Zurique pela então FSSPX. Disso, posso falar mais em outro artigo, por hora tenhamos isto em mente quando meditarmos sobre os dez dias que durará o Capítulo Geral de julho, que parece ter quatro candidatos ao trono, dos quais, ao menos aparentemente, Fellay diz não fazer parte. 

Dez dias para escolher um nome? Sei... Eu não acredito em Papai Noel nem em “coelhinho da Páscoa”. O comando da Prelatura é um cargo vitalício, que terá nas mãos um patrimônio que podemos chamar de "bilionário", pelos números que se acham no próprio Google... E dizem que Fellay não quer se candidatar?... Das duas uma, ou há algo mais interessante para ele alhures, ou ele quer ser ovacionado pelo Capítulo, um último suspiro de vaidade antes de defecção pública e definitiva. Alea jata est. Aguardemos. Mas lembremo-nos de Mateus 10,26, Marcos 4,22 ou Lucas 8,17: “Porquanto não há nada oculto que não venha a ser revelado, e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz”, porque “Deus conduzirá a Juízo tudo quanto foi realizado e até mesmo o que ainda está escondido; quer seja bem, quer seja mal” (Eclesiastes 12,14). Agora ou no “Dies Irae”.  



A ENTREVISTA E A CONFISSÃO SOBRE O ACORDO 

Fellay deu uma entrevista recentemente, na qual continua naquele discurso de que não se integrará a Roma até que ela se converta, enquanto vai adaptando a Neofrat ao script conciliar e continua com a interpretação ratzingeriana do CVII em espírito de "continuidade" com a Tradição, e insiste no 95% bom e 5% discutível. Faz afirmações escandalosas... para quem não foi “cozido”, claro! 

Vejamos algumas pérolas: 

Se tivesse se tratado de uma separação de Roma, eu não estaria aqui hoje. O arcebispo (Lefebvre) não TERIA me consagrado por essa razão, e eu também a TERIA rejeitado.” (Agora, ele usa prudentemente o subjuntivo...) 

De fato, não se tratava de uma separação da Igreja, mas sim de um afastamento do espírito moderno, dos frutos do Concílio.” (Isto é tergiversar... É desonestidade intelectual.) 

Nunca dissemos que o Concílio afirmou diretamente heresias.” (Não!, de fato quem disse foi São Pio X. Contudo, poderia apostar que se procurarmos encontraremos documentos da FSSPX ou da Neofrat, quiçá do próprio Fellay que dizem exatamente isto!) 

Daí o entrevistador pergunta: “A recusa de vocês em relação à nova missa reforçou no senhor e também no arcebispo Lefebvre a convicção de que a separação de Roma é vontade de Deus?”, e Fellay insiste: “Insisto em dizer: nós NUNCA nos separamos da Igreja.” (Grifo meu.) E, perspicaz, o entrevistador pergunta: “Mas o fato da excomunhão fala por si só. Por que o Papa Bento XVI teria que removê-la?”... (Sim, Fellay! Se aceitou o “levantamento” das excomunhões é porque acreditava que elas eram válidas... Então, estava, sim, SEPARADO da Igreja. É uma mentira atrás da outra... Mentiras, contradições, confusão. Esta desordem é de Deus?) 

Referindo-se a Ratzinger: “Somos-lhe realmente gratos pelas suas tentativas de reconciliação.” (Reconciliação com quem? Com a Igreja Católica ou a Conciliar? Em ambos os casos, desmente a si próprio quando diz que nunca se separou da Igreja Conciliar. 2+2=4). 

Outra pérola: “Concordo que, na discussão teológica, é preciso distinguir. Mas, em um sermão, não se pode apresentar tudo de forma tão teológica. Também é preciso um pouco de retórica para sacudir um pouco os ânimos e para abrir os olhos das pessoas.” (What? Até parece Maquiavel falando... Há uma forma mais teológica ou menos teológica, ou nem tão teológica?... É isso que andam ensinando em Ecône?) 

Mais pérolas. 

Pergunta: “O Papa Francisco quer estender a mão à Fraternidade Sacerdotal para uma reconciliação. O senhor ainda pensa em um acordo ou este kairós é uma oportunidade perdida?”. Resposta de Fellay: “Eu sou otimista. Mas não posso antecipar a hora de Deus. SE(ele duvida? Ou é retorica? - grifo meu)o Espírito Santo é capaz de influenciar o atual pontífice, então ele também fará o mesmo com o próximo. Foi o que efetivamente aconteceu. Também com o Papa Francisco. Quando ele foi eleito, pensei: agora chegará a excomunhão. Em vez disso, um caso contrário foi o cardeal Müller, que queria que a excomunhão chegasse, mas o Papa Francisco recusou. Ele me disse pessoalmente: ‘Não quero condená-lo’. A reconciliação chegará(então... está separado?). “A nossa Mãe Igreja está atualmente dilacerada de maneira incrível(como isto é possível se a Igreja é Santa?). “Os conservadores nos querem(Então, a Neofrat não está NA Igreja conciliar?)e também disseram isso à Congregação para a Doutrina da Fé. Os bispos alemães, ao contrário, não nos querem de modo algum. Roma deve levar em conta todos esses elementos – podemos entender isso. Se nós fôssemos assim, simplesmente, haveria uma guerra na Igreja(Ué?!...)Existe o medo de que possamos triunfar. O Papa Francisco disse aos jornalistas: ‘Cuidarei para que não haja nenhum triunfo’.”... (Parece rusgas entre irmãos pequenos que se engalfinham por uma bala...) 

Mais: “A desconfiança está no medo de ter que acolher o novo. Se nos pedirem para percorrer estradas novas, então ninguém vai nos seguir.” (Que novo? O novo já veio, é o Cristo! Que novo a Igreja deve esperar? Novas sãos as estradas de Bergoglio & Cia.!!! Comunhão aos protestantes, "recasamento" de divorciados, Lutero  reabilitado, ministros(as) da Eucaristia... a lista é longa e não parece nada nada com uma estrada católica.) 

Esta é especial para os sapos que dizem que acordo não existe. Prestem bem atenção, abiguinhos

Pergunta: “O que lhe dá tanta certeza de que todos poderão lhes seguir? Bastou o anúncio dos diálogos para despertar uma forte inquietação e para provocar saídas significativas. Que conclusão poderia tranquilizar os seus membros? Mesmo depois de um acordo, a desconfiança não desapareceria.” Resposta do Fellay: “É verdade. Existe uma atitude amigável, existe benevolência. Há anos, trabalhamos com Roma para restabelecer a confiança. E fizemos grandes progressos, apesar de todas as reações. Se chegarmos a um ACORDO (foi ele quem disse, não eu!!!) razoável com condições normais, serão muito poucos os que irão embora. Eu não temo uma nova cisão na tradição, se for encontrada a solução justa com Roma. Nós devemos questionar certos pontos” (sic. Aqui fala dos 5% “discutíveis”) “do Concílio. Os nossos interlocutores em Roma nos disseram: os pontos principais – liberdade de consciência, ecumenismo, nova missa – são problemas em aberto" ("problemas em aberto" ou heresias condenadas pela Igreja?). "Trata-se de um progresso incrível. Até agora se dizia: vocês devem obedecer. Agora, os colaboradores da Cúria dizem: vocês deveriam abrir um seminário em Roma, uma universidade para a defesa da tradição. Não é mais tudo preto e branco.(Só eu ouço o tintilar de 30 moedas de prata?...) 

A penúltima pergunta eu a endereço a certo padre neofrat que me disse que as declarações de Pozzo não era confiáveis. Então... o superior dele confirma, agora, as palavras de Pozzo. Será que o tal padre vai dar a mão à palmatória?... Duvido. Ele está bem cozido. Garantiu-me que a FSSPX gritaria se houvesse um acordo com Roma... o acordo EXISTE e é desejado por Fellay, mas nada aconteceu, ninguém gritou... Este padre em particular está caladinho há seis anos... com um bom prato cheio e a cama fofa e quente. 

À última pergunta, Fellay... brizolou[³] e não respondeu se confia em Bergoglio. Não respondeu. 

Por fim, mais uma vez, Fellay diz: “Existem vários que querem impedir o ACORDO”. Sapos!!! Acordem!!! Há um acordo, sim. Pode não ter sido assinado no papel, mas a cusparada e o aperto de mão já ocorreram. As 30 moedas de prata já estão no bolso.  

De dizer que Fellay, reconheçamo-lo, é um hábil ilusionista. Vocês têm presente a figura? Com uma mão entretém os sapos, de batina ou sem, e com a outra fecha acordo com Roma modernista e apóstataACORDO, sim! – enquanto prepara a Neofrat para ser devorada pelas hienas romanas.  




(Filme: O Ilusionista. Cena: o truque do vaso.
Curiosamente, o ilusionista (Fellay) faz o truque de uma árvore
que nasce "milagrosamente" em um vaso (Teoria Desistente). 
A arte imita a vida?... 


Outras notas:

* Leia a nota 84.
1. Na verdade, trata-se de 1Samuel 7,3, com algumas diferenças: ao invés de “inimigos”, diz “Filisteus”. Somente o blog inTRINCADO (e seus repetidores) cita esse versículo como sendo 1Reis, 7/3. Não sei a Bíblia de cor, como os protestantes e o Demônio no deserto, mas o Google coloca esta frase, DESSE jeito, apenas no breviário e cantos gregorianos... 
2. Depois de seis anos “disso”, os sapos já estão cozidos. O que se salva da Neofrat? O que se pode recuperar?
3. Técnica que era utilizada comumente pelo finado político esquerdista Leonel Brizola para não responder às perguntas incomodas que lhe faziam e ao mesmo tempo dizer o que ele realmente queria que se soubesse. 

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui