Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

Pesquisar este blog

terça-feira, 10 de julho de 2018

Carta Pastoral: Castidade, Humildade, Penitência – Dom Antônio de Castro Mayer.

DOM ANTÔNIO DE CASTRO MAYER 

CARTA PASTORAL 

CASTIDADE, HUMILDADE, PENITÊNCIA

Características do cristão, Alicerces da ordem social



15 de agosto de 1963

As raízes da crise progressista

A Igreja se prepara para a realização da segunda fase das assembleias gerais do II Concílio Ecumênico do Vaticano. De fato, uma das primeiras resoluções de S.S. o Papa Paulo VI, gloriosamente reinante, foi a de continuar o Concílio iniciado pelo seu venerando antecessor, de saudosa memória, João XXIII; e marcou, para reinício dos trabalhos, o dia 29 de setembro, XVII domingo depois de Pentecostes e festa de S. Miguel Arcanjo. Estamos, assim, em vésperas do prosseguimento do maior acontecimento deste século.

Com efeito, este Concílio deverá não só revigorar a unidade da Igreja, mediante resoluções que tornem a adesão aos dogmas da Fé mais plena, mais ardente, mais viva, com a consequente plenitude na prática da Moral cristã e integridade da disciplina eclesiástica, mas, além disso, e através disso, deverá ainda o Concílio procurar obter a unidade de todos os povos no redil do único pastor de almas, Nosso Senhor Jesus Cristo, sob a direção de seu Vigário na terra, o Santo Padre, o Papa. Tarefa ingente e de importância singular na História.

De importância e gravidade. Porque, podemos facilmente perceber que este Concílio não pode deixar de atingir os nobres fins colimados pelo Papa que o convocou. O contrário acarretaria para a Igreja e a humanidade consequências imprevisíveis. Uma vez reunido, ou ele fortalece os vínculos da Fé, e torna mais viva a prática da caridade, de maneira a mostrar a Igreja na sua verdadeira face, como “signum levantum in nationes” (Conc. Vat. I, s. III, c. 3), que a todos os povos afirme a verdade e excelência da Revelação de Jesus Cristo; ou a decepção geral será tão grande, que seria difícil imaginar maior.


Podemos dizer que o futuro da Humanidade e, em certa medida, da própria Igreja, depende deste Concílio Ecumênico.

Em tais circunstâncias, vedes bem, amados filhos, o peso da responsabilidade minha, de cada um de vós, caríssimos Padres seculares e regulares, de cada um de vós, queridas ovelhas, com relação ao Concílio Ecumênico. Incumbe-nos, a todos, empenhar os meios que a Providência põe em nossas mãos, para dar ao Concílio a melhor e mais eficaz cooperação, a fim de que não seja culpa nossa uma eventual diminuição de graças divinas sobre os trabalhos e as resoluções conciliares.

Falando-vos, amados filhos, antes da primeira fase das assembleias gerais deste concílio, dizíamos-vos que o Concílio é obra da graça; que seus frutos dependem menos dos homens envolvidos nele, do que das luzes e forças do Espírito Santo, que infunde nos Padres conciliares a apetência das coisas retas e a prudência das conclusões mais eficazes e oportunas, para a glória de Deus, a exaltação da Santa Igreja e o bem das almas. Ora, dizíamos então, os auxílios do Espírito Paráclito condicionam-se, em grande parte, às nossas orações e boas obras.

Hoje, repetimos a mesma verdade. De maneira que o Concílio poderá ter fruto maior ou menor, de acordo com a intensidade e o valor dos gemidos que elevarmos até os paramos celestes, para implorar sobre os padres conciliares as luzes e as energias divinas.

É com intenção de preparar melhor Nossas queridas ovelhas, a grei que Nosso Senhor Nos confiou, que pretendemos entreter-Nos convosco, amados filhos, sobre o assunto da Encíclica “Poenitentiam agere”, publicada pelo Santo Padre João XXIII, em 1º de julho do ano findo, poucos meses antes de se abrir o II Concílio Ecumênico do Vaticano, para cuja feliz realização deveria concorrer.


Necessidade da Penitência

Nesse luminoso documento, lembra o Santo Padre, logo nas primeiras linhas, o princípio fundamental de toda a economia da salvação. Diz o Papa: “Uma vez que, como se deduz de instituição clara e insofismável de Jesus Cristo, fazer penitência é, para o homem pecador, o início de qualquer progresso, tanto para obter o perdão, como para recuperar a salvação eterna, entende-se perfeitamente que a Igreja, dispensadora da Redenção, tenha, justa e oportunamente, ensinado sempre que sem esse fundamento, não só não poderá ninguém melhorar sua vida, como também a Igreja será incapaz de florescer” (A.A.S. vol. 54 p. 481).

A penitência é, pois, absolutamente necessária ao homem para se salvar, e à Igreja para florescer. Ou seja, ela é indispensável para o bem do indivíduo e para o bem da sociedade. Assim, submete Deus Nosso Senhor a abundância de suas graças ao espírito de penitência que anima os atos de suas criaturas.

A Sagrada Bíblia está cheia de exemplos que ilustram este princípio, ali também claramente enunciado. No Sinai, negou-se o Senhor a dar a Moisés as tábuas da Lei, antes que o povo lavasse na penitência seus pecados de idolatria e ingratidão contra a Bondade Divina (Cf. Ex. 32, 6-35; e 1 Cor. 10, 7). Os profetas, por seu turno, mensageiros da palavra de Deus, não se cansaram de exortar o povo escolhido a que merecesse a proteção celestial, mediante obras de penitência.

Na Nova Aliança, o princípio de que a penitência é o fundamento indispensável do Reino de Deus, é afirmado desde os primórdios. O Precursor, às turbas que, de todas as classes sociais, a ele acorriam, nada pedia senão a penitência como preparação do Reino de Deus: “Fazei penitência, porque se aproxima o Reino dos Céus” (Mat. 4, 7). Mais tarde, quando o Príncipe dos Apóstolos iniciou sua missão de Vigário de Jesus Cristo e chefe visível da Igreja, usou a mesma linguagem: “Fazei penitência, e seja cada um de vós batizado no nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados” (Atos. 2, 38).

Tão insistente pregação não é de admirar que se tenha tornado, desde logo, tradição na Igreja. Em nome de todos os Santos Padres, fale-nos Santo Agostinho. O grande doutor da Graça, segundo lemos no Breviário, afirmava que ninguém, nem o inocente a quem não o acuse a consciência de culpa alguma, deixará esta vida sem perigo, se não tiver feito penitência. “Senhor, […] fazei que a nossa alma, que se castiga com a mortificação da carne, resplandeça a vossos olhos pelo ardente desejo de vos possuir” (Or. In III fer. P. I dom. quad.), e em outra oração: “Concedei Deus Onipotente que, mortificados por estes jejuns […] diminuídos os afetos terrenos, mais facilmente alcancemos os bens celestiais" (Sec. In IV fer. P. IV dom. quad.), e no prefácio do tempo quaresmal: “Vós (Senhor) pelo jejum corporal, comprimis os vícios, elevais a alma e nos concedeis a força e a recompensa por Cristo Nosso Senhor”.

Sempre necessária, a penitência o é de modo especial quando a Igreja aguarda uma graça singular, como agora, momento em que deposita grandes esperanças nos resultados do Concílio Ecumênico. E, de fato, podemos crer que o II Concílio Ecumênico do Vaticano será para as almas uma renovação do Reino de Deus, e para muitas almas a aproximação pura e simples desse Reino bendito. Disponhamo-nos, pois, a tão inefável benefício com frutos dignos de penitência (cf. Mat. 3, 8) [Não queiram usar este texto e este trecho para provar que Mons. de Castro Mayer aprovava o CVII! Isto, como se vê, foi escrito antes do Concílio virar o que virou!].


Natureza da penitência
 

Frequentemente, entende-se por penitência o que chamamos de mortificação. A expressão “fazer penitência” lembra logo as macerações do corpo, os jejuns e vigílias, os cilícios e disciplinas. Seria, no entanto, grave erro reduzir a penitência somente a esses atos externos. Pois, a julgar apenas por eles, não teríamos como distinguir o santo do faquir, por exemplo, cujas práticas têm por vezes aparências de austeridade ainda maior. Todo valor dos exercícios de mortificação da carne depende da intenção com que a pessoa a eles se entrega. Em outras palavras: ou há uma penitência interna que anima os atos externos da mortificação, ou estes não contam para a vida eterna. A penitência, de fato, está na compunção do coração, na amargura da alma, no peso e tristeza que o fiel sente pelo pecado que o acorrenta à sua paixão, e o afasta de Deus. É o que dizemos, com o Catecismo, quando afirmamos que a penitência está na dor e detestação do pecado cometido, com o propósito firma de não reincidir na falta.

A penitência, portanto, se relaciona com o pecado. Procede de uma reflexão sobre a natureza do pecado, como ofensa que é de Deus e violação da ordem moral. O pecador considera a malícia suma que há na sua desobediência, ao preceito divino, e o mal imenso que seu ato lhe causa, aviltando-lhe a natureza racional e condenando-o ao suplício eterno. Concebe ele, então, a dor e o remorso do mal cometido, e um desejo ardente de destruí-lo, de reparar a ordem violada, de satisfazer à Bondade divina injuriada. E, confiando nos merecimentos de Jesus Cristo, — sem os quais de nada valeriam suas macerações – procura ele restaurar, de certo modo, a ordem convulsionada pelo seu pecado, e satisfazer os direitos divinos conspurcados, castigando sua natureza rebelde com os atos externos da penitência. Toda esta doutrina – a necessidade da dor interna, com a consequente emenda de vida, e a relação com os atos externos de penitência – sintetiza Santo Agostinho nestas palavras: “Não basta mudar de costumes para melhor abster-se das culpas passadas, mas é preciso também satisfazer a Deus pelos pecados cometidos, mediante a dor da penitência, os gemidos da humildade, o sacrifício do coração contrito e a cooperação das esmolas” (Serm. 351, 5, 12).

Estas considerações mostram como a penitência é tanto mais perfeita, quanto mais intenso o ódio com que persegue o pecado. Nosso Senhor Jesus Cristo, que desceu à Terra para ser nosso modelo, sendo a própria Inocência, não tinha precisão nem possibilidade de fazer penitência, no sentido em que ela envolve dor e detestação dos pecados cometidos. Não obstante, quis sofrer na sua sagrada humanidade os maiores tormentos, para nos significar sensivelmente quão grande mal é o pecado, e para, desse modo, nos mover a alimentar contra ato tão nefasto um ódio sumo.


A disciplina das paixões

 

Semelhante fato nos leva a ponderar que não é somente como reparação pela desordem provocada pelo pecado que são necessários os exercícios de penitência. Há outro motivo que nos impele à renúncia da própria vontade e à mortificação de nossa carne.

Tendo uma inclinação inata para a felicidade eterna, só envolvido em circunstâncias especiais poderá o homem voltar as costas a esse verdadeiro bem, para aderir ao gozo efêmero que lhe sugere o prazer pecaminoso. Em outras palavras: tem a culpa toda uma série de concessões preliminares, das quais é ela o ponto culminante. Assim, como a árvore produz primeiro as folhas, depois a flor e somente no fim o fruto, que, não obstante, não se forma de per si, sem os antecedentes da folhagem e floração; assim, o pecado não surge de maneira repentina. É ele preparado por antecedentes que criam na alma um ambiente interior propício à desobediência ao preceito divino. Os três inimigos da nossa alma, enumerados pelos escritores espirituais, o demônio, o mundo e a carne, são, na realidade, três aliados cujo chefe é o primeiro deles, o demônio, ser inteligente que orienta os outros dois no sentido de causarem nossa perdição. Pois, o demônio nada poderia contra a cidadela de nosso alvedrio se não pudesse aliar-se ao elemento interno de nossas paixões. E, para mover ao pecado as inclinações da natureza, envolve ele o homem nas malhas do mundo, de seu espírito de vaidade, orgulho e sensualidade. É assim que ele debilita a vontade e a leva até à loucura de preferir as latejoulas do século aos tesouros da eternidade.

Em última análise, pois, o grande adversário, que nos convêm subjugar, são as nossas paixões, é a nossa natureza vulnerada pelo pecado original que debilitou a nossa vontade para o bem e excitou nossos sentidos para o mal. É a nossa natureza, meio espírito, meio matéria, que explica os vais-e-vens de nosso amor, ora reto, seguindo as máximas reveladas, ora atraído pelas carícias de um bem sensível vedado, mas aliciante, ora enaltecido por desmedido orgulho.

Eis que a penitência, para ser plena e verdadeira, há de atingir o pecado nestas suas raízes, ou seja, levará o fiel aos exercícios da renúncia e mortificação que habituem a vontade à obediência, e a sensibilidade à sujeição aos ditames da razão iluminada pela Fé. É neste hábito de austeridade que consiste o que poderíamos chamar de espírito de penitência. Sem ele, a dor e detestação do pecado será efêmera, não chegará à emenda da vida. Aliás, seria o caso de negar que seja de todo sincera a penitência que não afasta o pecador dos perigos de queda, que conserva simpatia ao espírito do mundo, que não combate os atrativos do pecado.

De semelhante espírito de penitência nos fala S. Paulo ao afirmar que castiga seu corpo e o reduz à servidão, (para) não venha a acontecer que ele mesmo se torne réprobo, “castigo corpus meum, et in servitutem redigo, ne forte […] reprobus efficiar” (1 Cor. 9, 27). E antes dele, o modelo de vida que nos dá o Divino Mestre é todo ele de renúncia e mortificação. Já ao ingressar no mundo, vem o Filho de Deus com o propósito de obediência absoluta ao Pai celeste: “Ecce venio ut faciam, Deus, voluntatem tuam eis que venho para fazer, Senhor, a tua vontade” (Heb. 10, 7, 9). No decurso de sua vida, cumpriu fielmente esse propósito. Podia dizer, sem receito de contestação: “quae placita sunt et facio sempre – faço sempre as coisas que são do agrado do Padre Eterno” (Jo. 8, 29). E isso ainda mesmo quando sua obediência lhe impunha sacrifícios repugnantes à sua natureza, como se pode ver na oração do Getsêmani: tendo diante de si os horrores da paixão, sua vontade venceu os movimentos contrários de sua humanidade, e colocou-se à ordens do Pai celeste: “Non mea voluntas, sed tua fiat – não se faça a minha vontade, mas a tua” (Lc. 22, 42). E, de fato, sua obediência até a morte, e morte de cruz: “Factus obediens usque ad mortem, mortem autem crucis” (Fil. 2, 8).

Inocente, impoluto, sem necessidade de macerar sua carne, não obstante toda sua vida foi, não só uma perfeita obediência ao beneplácito divino, mas também um exemplo de austeridade e sacrifícios. As noites, passava-as em vigília e oração: “erta pernoctans in oratione Dei” (Lc. 6, 12), e para repouso não dispunha sequer de uma pedra onde descansar a cabeça (Mat. 8, 20). Ocupado tão somente nos negócios do Pai celeste, suas longas caminhadas apostólicas levavam-no a esquecer até do alimento indispensável (Jo. 4, 33). Esse o modelo que nos é dado a nós que nos orgulhamos do nome de cristãos.

Não diferente é o que nos oferece a humildade da Virgem Maria. Objeto das maiores predileções divinas, — nenhuma criatura teve maiores privilégios – ela se declara mera escrava do Senhor (Lc. I,38), e coloca-se ao serviço do próximo. Mãe de Deus, vai prestar auxílio à prima Sta. Isabel (Lc. I,39), cuida da casa nas bodas de Caná (Jo. 2,3), e vive na maior simplicidade, de maneira a não parecer distinta das outras mulheres de sua cidade (Mat. 13,55). Como se não bastasse uma existência na obscuridade, toma parte nos sofrimentos de seu Filho, acompanha-o ao Calvário e assiste à sua morte e sepultamento.

É nestes espelhos que nos devemos mirar, são estes os modelos que devemos copiar para viver retamente, evitando o pecado e servindo a Deus Nosso Senhor.


Reflexos sociais do espírito de penitência
 

Queremos, ainda, amados filhos, a esta altura, tratar de outro aspecto da penitência.

De si, a penitência, como o pecado, é pessoal. A culpa está numa ofensa do indivíduo, e assim também a obrigação de penitenciar-se e reparar a injúria feita. Podemos, no entanto, falar de pecados coletivos, cuja responsabilidade recai sobre todo um grupo social, uma família, uma nação, um país. Pois que o homem vive em sociedade, da maneira de proceder dos indivíduos pode surgir um hábito social, que poderá ser louvável, como poderá ser pecaminoso. É assim que as Escrituras falam dos pecados de Nínive, de Corozaim, Betsaida, Tiro, Sidônia etc., para não citar as ingratidões do próprio povo eleito, mais de uma vez duramente castigado, e que terminaram merecendo-lhe a destruição das cidades e a deportação.

Como se originam esses pecados sociais? Não há necessidade que absolutamente todos os indivíduos se tornem réus dos mesmos. Basta que a maneira pecaminosa de agir seja tolerada ainda que não sancionada pelas autoridades, e confirmada, ao menos tacitamente, pela atitude da maioria do povo, de sorte que semelhante modo de proceder possa ser atribuído à coletividade toda. Uma ou outra pessoa ou família que viva diversamente não basta para eximir a comunidade da culpa geral, como Lot e os demais membros de sua casa não diminuíram o pecado de Sodoma e Gomorra.

Como pecado social, pode falar-se de penitência coletiva. Assim a dos Ninivitas pouparam sua nação. Também esta não é mister que se estenda numericamente a todos os membros do grupo social; é suficiente que seja de tal maneira generalizada que se possa, sem mentira, atribuir à coletividade como tal.

O que se diz do pecado e da penitência pode-se aplicar ao ambiente pecaminoso e ao espírito de penitência. E podemos afirmar que, neste ponto, a responsabilidade tem uma extensão maior do que a correspondente ao pecado coletivo. De fato, pode uma família, um indivíduo não se entregar ao hábito comum, e, no entanto, não fugir à culpa pelo ambiente de pecado que domina a sociedade. Assim, se uma pessoa evita a falta, mas tolera, ou, com seus atos, favorece a criação ou a permanência de hábitos sociais propícios ao pecado, não deixa ela de responder perante Deus por essa sua atitude, cuja malícia é real, embora seja difícil de se aquilatar sua intensidade, dependendo muito da consciência com que a pessoa dá sua colaboração para a permanência do ambiente pecaminoso. Não é preciso dizer que essa responsabilidade é tanto maior, quanto maior for a obrigação de cuidar por que a sociedade conserve um ambiente favorável aos bons costumes. O que quer dizer que nossa responsabilidade, nossa, de nós Padres, é de longe maior que a dos simples leigos, e que a das classes dirigentes supera a das camadas mais modestas.


A responsabilidade dos fiéis na paganização da sociedade
 

Com base nesses argumentos, consideremos a sociedade de hoje. Além do laicismo oficial, e, como consequência desse, o agnosticismo, notam-se duas tendências na vida social: a busca do prazer e a aversão a qualquer superior. Em outras palavras, a sociedade moderna procura plasmar-se segundo princípios opostos aos que derivam da Revelação. Esta, com efeito, afirmando o pecado original, ensina a mortificação contra os desmandos da concupiscência, e a renúncia para coibir os excessos do amor próprio. A sociedade moderna, no entanto, não quer mais peias à liberdade nem ao gozo. Procede de maneira de encarar a existência e o bem-estar: o homem vive para esta Terra, e, portanto, nela procurará a plena felicidade pela satisfação, maior possível, de todas as inclinações da natureza. Por essa razão, incentiva um conjunto de condições de vida que propiciam os prazeres dos sentidos e a plena autonomia da vontade.

Bem que não apresentado em termos assim claros, de fato, o ideal que anima a sociedade de hoje é o acima enunciado. De onde, a nós Padres, a nós, membros das associações religiosas e católicos em geral, a nós compete examinar nosso procedimento para ver que parte nos cabe na responsabilidade pela criação e conservação de semelhante ambiente.

1. Em primeiro lugar, alimentamos em nós uma magia profunda à vista da situação atual dos Estados e nações modernos, praticamente todos eles oficialmente agnósticos, desconhecedores dos direitos de Deus e de sua Igreja? Ou nos conformamos com esse estado de coisas, e mesmo o preferimos aos tempos em que, como declarava Leão XIII, “a filosofia do Evangelho governava os Estados […] a influência da sabedoria cristã e sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos, todas as categorias e todas as relações da sociedade civil […] a religião instituída por Jesus Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era florescente, graças ao favor dos Príncipes e à proteção legítima dos magistrados”. (Enc. “Immortale Dei”, A.A.S., vol. 18, p. 169)? Segundo a resposta que a sinceridade de nossa consciência der a esta pergunta, podemos avaliar o limite de nosso amor à Igreja e de nosso ódio ao pecado. Uma aceitação conformada das atuais condições agnósticas dos Estados apaga de nossa memória a lembrança dos soberanos direitos de Deus e da Igreja sobre a sociedade; ao passo que uma habitual inaceitação do laicismo dominante nos leva à oração, ao sacrifício, ao empenho, enfim, para que a sociedade política torne à obediência salutar à vontade de Deus, e ao reconhecimento da Igreja por ele instituída.
 

2. Podemos, em segundo lugar, dizer em sã consciência, que lutamos contra o ambiente neopagão do mundo de hoje? Eis outro exame que todos nós devemos fazer. Com efeito, sem temor de erro, podemos afirmar que o domínio da sensualidade nos tempos que correm se deve, em grande parte, à covardia com que encaramos a luta contra os fatores desse espírito mundano. Não são eles os grandes pecados contra o 6º e 9º mandamentos, tanto quanto a revista sensual, o jornal pornográfico, o cinema e televisão despudorados, os bailes modernos, as vestes imodestas? Ora bem, qual tem sido nossa atitude com relação a esses elementos decisivos na formação e manutenção de um ambiente? A Santa Sé, em vários documentos, manda ao Clero que não permita se aproximem dos Sacramentos as pessoas que se apresentam imodestamente vestidas. No Ano Mariano de 1954, enviou, através da Sagrada Comissão do Concílio, novas e severas advertências, a propósito do mesmo assunto, que convém lembrar: “É de lamentar-se muito, diz o documento, que os conselhos do Santo Padre, na Encíclica 'Fulgens corona', não tenham obtido todos os frutos de renovação dos costumes públicos e privados”. “Ninguém, de fato, ignora – prossegue o ato da Santa Sé – os espetáculos ofensivos aos olhos daqueles que ainda consideram a virtude cristã e estimam o pudor, ou, ao menos, não os desprezam. A imodéstia e falta de recato nas vestes tornou-se comum não somente nas praias e casas de férias, mas nota-se em toda parte, pelas ruas das cidades e aldeias, em lugares públicos ou privados, e não raro até no recinto das Igrejas. Dessa maneira, põe-se em risco gravíssimo a inocência da juventude, cujo coração facilmente se inclina ao vício. A este doloroso hábito, junta-se a maneira procaz como apresentam tudo quanto é mau e desonesto os jornais, diários, periódicos ou folhetos, os cinemas, cujas salas se enchem de espectadores com os olhos pregados nos fulgores da tela, com perigo não só para a frágil e incauta juventude, mas até para pessoas de idade provecta. Ninguém poderá negar os males imensos e os perigos enormes que desse fato decorrem para os costumes dos indivíduos”. (A.A.S., vol. 46, p. 469). O documento conclui com as normas frequentemente repetidas: é preciso apresentar a beleza da virtude de maneira a atrair a todos e é necessário combater, com todo o vigor, os incitamentos ao vício 

Perguntemos que atitude temos tomado para fazer respeitar tais normas da Santa Sé. Não é doloroso ver-se, em igrejas, o mundanismo sensual das vestes imodestas – pessoas com os braços totalmente à mostra, decotadas, com vestidos excessivamente ajustados – e o que é pior, a distribuição da SS. Eucaristia a quem quer que se apresente, ainda quando sem o pudor e o recato que exige a santidade de tão Augusto Sacramento? Semelhante tolerância, que é senão uma tibieza no ódio com que devemos perseguir o pecado? Como pregar a penitência a uma sociedade na qual se toleram hábitos contrários a essa virtude? Se o mundo de hoje abomina a mortificação, em grande parte a culpa é nossa, que não soubemos acostumar o povo ao amor do sacrifício, à fuga das ocasiões, e ao ódio do pecado próprio e alheio

3. Enfim, o que dizemos da sensualidade, vale também quanto ao espírito igualitário, outra característica de nosso século. Nenhum princípio, com efeito, é hoje invocado mais frequentemente, como base do convívio social, do que aquele segundo o qual todos os homens seriam iguais. Em tal proposição – verdadeira, quando considerada em seus justos limites – se encerra, no entanto, a peçonha que, no Paraíso, maculou toda a progênie humana. Essa igualdade, enaltecida como fundamento de todas as relações sociais, é levada ao extremo de esquecer, e mesmo condenar, qualquer subordinação que não seja a determinada unicamente pelas relações econômicas da produção, e apenas no momento da produção, como, mais ou menos, as ruelas de uma máquina que, todas substancialmente iguais, no entanto, se entrosam umas com as outras com o fim de obter o movimento. Outras desigualdades justas, provenientes da capacidade, da natureza, da cultura, da virtude, da família, da tradição e dos haveres são esquecidas, ou positivamente condenadas. Com o fim de fazer triunfar uma tal igualdade absoluta, avançam os movimentos modernos de emancipação e masculinização da mulher, da parificação entre a esposa e a concubina, mediante o reconhecimento dos filhos espúrios, e, na ordem econômica, a tendência a acabar com todas as diferenças de categoria social e de fortuna. Como se há de falar em renúncia e obediência numa sociedade encharcada de tais ideias? Uma campanha, pois, no sentido de mudar a mentalidade hoje dominante é apostolado preliminar indispensável para se chegar ao espírito de humildade e penitência de Nosso Senhor Jesus Cristo.


O orgulho, causa do igualitarismo
  

Uma tal campanha se torna mais urgente, porquanto o igualitarismo, como alma da atividade social, dia a dia, ganha terreno. Pelos revolucionários, é ele pregado abertamente. Pelos medíocres, é assimilado em nome de um mal-entendido humanitarismo que se compadece dos menos favorecidos pela “sorte”. Dizemos, “mal-entendido humanitarismo” porque o verdadeiro humanitarismo cuida caridosamente dos que sofrem as consequências dos pecados dos homens, sem apoiar, no entanto, nem indiretamente, esses mesmos pecados; e porque, de uma bem ordenada organização social, com suas estruturas diversificadas, mas entrelaçadas por mútua caridade, lucram todos; ao passo que todos igualmente perdem quando, no convívio social, não se respeitam as disposições divinas sobre a hierarquia dos agrupamentos humanos [1]

O pior é que uma caridade sentimental, que nada tem a ver com a rainha de todas as virtudes, consegue carrear, mesmo para os meios católicos, o igualitarismo revolucionário que infecciona o mundo de hoje. Que é, de fato, a supressão de prêmios e castigos em educandários de orientação católica senão a capitulação diante da pressão igualitária do ambiente que não suporta a distinção, ainda quando fundada na justiça e na virtude? Invoca-se, para semelhante medida, o perigo de fomentar a vaidade nos aplicados e o desestímulo nos não agraciados, em geral, maus e vadios.

Não agiu assim Nosso Senhor Jesus Cristo, que aos bons prometeu recompensa, e aos maus castigo, não só como estímulo à prática da virtude, como também para formar as almas no senso da justiça, formação própria do cristão, segundo a palavra do Divino Mestre, “bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça” (Mat. 5, 6). Formação, no entanto, deficiente, e mesmo nula, quando o teor de vida inculcado nos costumes colegiais não corresponde à doutrina ensinada. Formem-se as almas nos ensinamentos e exemplos de Jesus Cristo, e haverá humildade nos grandes e generosidade nos menos favorecidos.

A sociedade dará glória a Deus e auxiliará a santificação das almas através de um teor de relações que reflita a ordem e harmonia celestial, onde os Anjos constituem uma imagem da Bondade e perfeição divinas precisamente porque entre si formam um todo de elementos diferenciados com superiores e inferiores, subordinados uns aos outros.

Assim, embora condenemos com veemência a ostentação inútil e estulta, aprovamos, de acordo com a secular tradição da Igreja, a proporcionada e harmoniosa diversidade nas cerimônias externas que acompanham quer o sacramento do matrimônio, quer as exéquias litúrgicas, ou outras funções religiosas. Também na Igreja convém manifestem os atos a doutrina que reconhece não só as autoridades constituídas, como a legitimidade das desigualdades fundadas na família, na tradição, na virtude, na cultura e nos haveres bem adquiridos (Cf. Pio XII, Rad. do Natal de 1944, Disc. E Rad. vol. VI, p. 239).

Não é difícil demonstrar como o espírito igualitário é diametralmente oposto a tudo quanto a Tradição cristã ensina sobre os desígnios de Deus, quanto ao convívio dos homens em sociedade. Não obstante, ele está de tal maneira generalizado, que é hoje comum a opinião de que toda desigualdade é um mal, e de que o Evangelho Nosso Senhor o pregou para inculcar aos homens que todos são iguais e que qualquer diversificação é fruto odioso do pecado e deve desaparecer.

Como todo nivelamento se faz por baixo – não se elevam vales, mas abatem-se montanhas – o igualitarismo conduz os homens ao esquecimento dos bens superiores da alma, e a se fixarem no terra-a-terra dos bens materiais e dos prazeres dos sentidos. Não é preciso dizer que nada dificulta mais a prática da virtude, o comedimento da vida, a austeridade cristã do que semelhante mentalidade. É ela que condena, em nome do Evangelho, o uso de tudo quanto seja supérfluo, joias, rendas, sedas, veludos, palácios, adornos, boa mesa, vinhos preciosos, vida social cerimoniosa etc. Ao lado disso, insufla a grita demagógica de que dois terços da Humanidade morre de fome, ao passado que outro terço leva vida regalada e voluptuosa!


A hierarquia social e os bens do espírito
 

Pois que se trata de um espírito que está generalizado, achamos que somente uma campanha tenaz de catequização poderá levar às almas o sentido da verdadeira austeridade cristã, que começa por ensinar que os bens materiais estão subordinados aos bens mais excelentes da cultura, da ciência, das artes, da piedade, dos bens da alma, enfim. Entendida essa subordinação, já é viável mostrar que “tudo no universo foi admiravelmente disposto por Deus, e nada há que não tenha sua razão de ser, que seria inconcebível que o ouro, as pedrarias, a matéria-prima dos tecidos preciosos, etc., abrissem exceção à regra” [2]; e que, pois, todas essas coisas colocou-as Deus no mundo, para que o homem, aplicando sobre elas sua inteligência, as transformasse em meios de adornar e elevar a existência cotidiana, de aprimorar o espírito e a cultura, enfim de elevar-se a Deus para amar o autor desses inúmeros excelentes dons. 

Manifesta-se, então, a sabedoria da Igreja, que se utiliza desses bens no que há de mais sagrado na sua existência: o culto divino. E, em todos os tempos, a Igreja se mostrou benemérita da cultura, da arte e da civilização porque soube apreciar a subordinação dos bens materiais aos bens superiores do espírito.

Se a ordem da Providência é essa, conclui-se que a organização social deve ter em vista, em primeiro lugar, a obtenção dos bens da alma, e, quanto aos bens materiais, deve tender a procurá-los na medida em que são necessários ou úteis à consecução dos bens do espírito.

Ora, isto, mesmo para beneficiar a sociedade toda, condiciona-se à existência e formação de uma elite que tenha capacidade e vagar para concebê-lo e realizá-lo. Não somente não é possível uma nação em que todos sejam artistas consumados, como também é inviável que absolutamente todos os membros de uma comunidade se dediquem ao aprimoramento da cultura. Há mister daqueles que, cuidando da produção dos bens necessários à existência, tornam possível aos primeiros a aplicação de seu talento superior. É nesta exigência de ordem natural que se baseiam os dízimos, ou seja a contribuição de uma parte da sociedade: os leigos, à manutenção de outra parte, o clero, a fim de que esta possa dedicar-se, sem outras preocupação, a uma atividade social superior, ou seja, o culto divino.

Uma sociedade, pois, bem ordenada, na qual se buscam os bens específicos do homem, isto é, as riquezas do espírito, não pode nem ser igualitária, nem tender para o igualitarismo absoluto entre todos os seus membros.  


Pio XII expõe esta doutrina, servindo-se do que observa no seio de uma mesma família. Ao receber os fiéis da Paróquia de S. Marciano, fez aos seus visitantes as seguintes considerações sobre a fraternidade entre os membros de uma mesma comunidade:  
“Os irmãos não nascem nem permanecem todos iguais: uns são fortes, outros são fracos; uns inteligentes, outros incapazes; talvez algum seja anormal, e também pode acontecer que um se torne indigno. É, pois, inevitável uma certa desigualdade material, intelectual, moral, numa mesma família. Porém, do mesmo modo que nada – nem as contingências, nem o uso do livre arbítrio – poderá destruir a paternidade e a maternidade, assim também deve manter-se intangível e operante, nos limites do justo e do possível, a fraternidade entre filhos de um mesmo pai e de uma mesma mãe. – Aplicai isso à vossa Paróquia. Pretender a igualdade absoluta de todos seria o mesmo que pretender dar idênticas funções a membros diversos do mesmo organismo. (Disc. e Rad. vol. XV, p. 195).   

Por isso mesmo, em outra oportunidade, Pio XII ensinava que “num povo digno de tal nome, todas as desigualdades que derivam, não do arbítrio, mas da própria natureza das coisas: desigualdades de cultura, de haveres, de posição social – sem prejuízo, bem entendido, da justiça e da caridade mútua – não são absolutamente um obstáculo à existência de um autêntico espírito de comunidade e fraternidade” (Disc. e Rad. v. VI, p. 239).

Salientemos que a existência de famílias que, pela posição social, e pelos bens da fortuna, contribuem para a elevação e enobrecimento da vida, de fato beneficia todo o corpo social, da mesma maneira que, no organismo humano, todos os membros participam da excelência de cada um deles. De fato, são as famílias que se destacam pela fidelidade à tradição, pelo amor à cultura, pelas maneiras distintas do teor de vida que facultam o despertar no povo do gosto pela elevação do espírito que torna o convívio social mais nobre e mais digno da natureza racional.  


Falando ao IV Congresso Nacional da Confederação Italiana de Ourives, Joalheiros e Afins, Pio XII sentenciava: 
“Tudo quanto concorre para o esplendor da vida social, tudo quanto lhe ressalta os aspectos jubilosos ou solenes, tudo quanto faz resplandecer nas coisas materiais a perenidade e a nobreza do espírito, merece ser respeitado e apreciado” (Disc. Rad. v. XV, p. 492).


A hierarquia social, imprescindível para a prática da virtude 


Pelo fato mesmo de serem conformes com as exigências racionais do homem, as desigualdades sociais favorecem a prática da virtude, e, pois, o espírito de penitência. Não apenas porque facultam a humilde e alegre resignação aos desígnios da Providência nas classes mais modestas, como, outrossim, porque exigem das superiores um grande domínio da vontade para conservarem o comedimento necessário a fim de que se mantenham dentre dos limites que sua posição impõe, como classes dirigentes e responsáveis pela virtude e elevação do povo.

Ao contrário, o desaparecimento das classes sociais propicia os desmandos das paixões humanas, do mesmo modo que transbordam os rios quando se destroem as balizas que lhes determinavam os leitos. Extinguidas as classes sociais, desaparece o espírito de tradição e continuidade que marcam aos povos o caminho a seguir; predominam as preocupações de ordem materiais, e, com elas, acentuam-se as inclinações para os prazeres sensuais, sem que o indivíduo encontre no convívio social o auxílio para se conservar fiel ao teor da vida condizente com sua dignidade de filho de Deus. Por isso, o inimigo número um da Cristandade, o comunismo, bate-se por uma sociedade sem classes [3].

Dentro desta ordem de ideias, cabem as reflexões de S. Pio X sobre a contribuição da austeridade cristã na constituição da verdadeira civilização: 

“A Igreja, com pregar a Cristo crucificado, escândalo e loucura aos olhos do mundo (I Cor. 1, 23), tornou-se a primeira instituidora e fautora da Civilização, cujos bens se derramaram por onde quer que a pregação dos Apóstolos se tenha feito ouvir; conservando e apurando os elementos bons das antigas civilizações pagãs; arrancando à barbárie e adestrando à vida civil as novas gentes, que rejuvenesciam amparadas ao seu seio maternal; imprimindo em toda a sociedade, se bem que a passos lentos, mas a com traços seguros e sempre progressivos, aquele caráter tão realçado, que retém universalmente até o dia de hoje. A Civilização do mundo é a Civilização cristã; tanto mais verdadeira, duradoura, provida em frutos preciosos, quanto mais lidimamente cristã for; tanto mais decaindo, com dano imenso ao bem-estar da sociedade, quanto mais se subtrair à ideia cristã. Tanto é assim que a força intrínseca das coisas constitui, de fato, a Igreja guardiã e paladina da Civilização cristã; fato este reconhecido e aclamado por outros séculos de História” (Enc. “Il fermo propósito”, 11-6-1905, A.A.S. vol. 37, p. 746).

Prouvera a Deus que princípios tão salutares animassem a vida dos povos hodiernos! Está a Sociedade tão longe deles que Pio XII não duvidou afirmar que “é todo um mundo que deve ser refeito desde os fundamentos” (Disc. e Rad. v. XIII, p. 471). Compete-nos, a nós católicos, com nossa doutrina e nosso exemplo, darmos nossa contribuição, por humilde que seja, para a Restauração Cristã deste mundo.


Como se distorcem documentos pontifícios

Comecemos retificando interpretações distorcidas de documentos pontifícios, as quais se ressentem do influxo do espírito igualitário que paira no ambiente.


1. Já em Nossa Pastoral contra os ardis da seita comunista, registramos um reparo que Pio XII achou necessário a interpretações frequentes da Encíclica “Quadragesimo Anno” de seu ínclito Antecessor. Remetemos Nossos amados filhos a essa Nossa Pastora [4] . Refere-se à participação dos operários nos lucros e gestão das empresas, sugestão dada por Pio XI, como meio de temperar o regime do salariado, onde isso seja possível, e que na Encíclica não passa de uma consideração marginal, de que, no entanto, como afirma Pio XII, muitos fizeram o ponto capital do pensamento do preclaro Pontífice, dando-lhe, além disso, um significado alheio às intenções do Papa. Pio XI, de fato, fala em sugestão a ser aplicada onde seja possível, fala em temperamento, não em obrigação e muito menos em supressão do regime anterior.
 

Após a publicação da Encíclica “Mater et Magistra” do pranteado João XXIII, volta o espírito igualitário do século a introduzir na mente do Papa o que não se encontra em suas palavras. Apregoa-se, agora, como doutrina da Igreja, que as empresas de produção devem constituir-se em comunidades de bens, nas quais não haja mais patrões e operários, dirigentes e dirigidos, mas co-proprietários e co-gestores. Não é esse o pensamento do Pontífice. Quando João XXIII pede, para a organização da empresas, um espírito comunitário, não fala em identidade de situação quanto à propriedade e direção do organismo econômico. Ele pede que se dê aos operários uma retribuição correspondente à parte que eles tiveram na obtenção dos lucros, e principalmente que as relações entre os vários elementos que aplicam sua atividade na empresa, se passem dentro do amor e harmonia que devem reinar no seio de uma mesma família. Quando ele pede que os operários sejam ouvidos, não está a exigir que sejam co-dirigentes da organização. Eles devem ser ouvidos no setor que lhes é peculiar, salva sempre a unidade de direção, adverte sabiamente o Papa [5]. E esta advertência tem por fim, não uma evolução da empresa no sentido igualitário de uma sociedade de iguais nos direitos, mas visa a que os operários se sintam mais dignificados no cumprimento de seus deveres, que passarão a realizar não como meros autômatos, mas como pessoas que sabem, e têm consciência daquilo que fazem. Para tanto, pede o Papa escolas que tornem os operários aptos a dar sua contribuição no desenvolvimento da empresa. Pede, portanto, uma elevação profissional, e, em certo sentido, cultural, e não uma mera igualdade, fundada na parificação absoluta que devesse existir entre os homens [6]
 

2. Sobre a agricultura, tema que mereceu toda uma parte de “Mater et Magistra”, longe de pedir um panorama monótono em que o país inteiro se veria dividido em partes iguais, como favos de uma colméia, salienta João XXIII que a dimensão ideal de uma empresa agrícola depende de circunstâncias tão variáveis que á impossível determiná-la até dentro de um mesmo país [7]. O que ele almeja é que nas empresas agrícolas haja relações pessoais entre os que nela trabalham, de maneira que os colonos não se vejam empregados de um poder anônimo que lhes não sente as necessidades e não lhes compreende os desejos [8]. Em uma palavra, o que o Papa deseja é uma economia mais humana, pois que a atividade econômica é também uma atividade humana, conhecendo a quem prestam serviço, e de quem recebem benefícios. Nada diz o Pontífice nem contra as harmoniosas desigualdades de fortuna, nem quanto à sujeição que é forçosa em qualquer sociedade bem organizada. As deturpações da “Mater et Magistra” – contra as quais, digamos de passagem, nós católicos protestamos pouco, muito pouco – continuam uma tradição, verificada já quanto a documentos anteriores.
 

Pio XII censurou o capitalismo eivado de liberalismo econômico [9]. Foi o suficiente para se assestarem baterias contra o capitalismo, puro e simples, nada dizendo do que ele tem de sadio e elogiado pelos mesmos Papas, quando falam da livre iniciativa [10], quando condenam o Estado único patrão [11], quando salientam os benefícios que o capitalismo trouxe à vida do campo [12]. Entretanto, não é raro ouvirem-se vozes que preferem o comunismo, visceralmente ateu e anti-cristão [13], ao capitalismo, passível de emendas, como ensinam os Papas [14], e, pois, não intrinsecamente mau.
 

3. Ainda sobre o capitalismo, atribuem a Pio XI conceitos que ele não emitiu. De fato, há na “Quadragesimo Anno” expressões contra a economia atual, que o Papa chama de “horrendamente dura, cruel, atroz” (A.A.S., vol. 23, p. 214). Pio XI, no entanto, não se limita a essa censura. Ele dá as razões por que a economia chegou a semelhante resultado: a concorrência desenfreada, a avidez do lucro, a confusão das funções e atribuições da ordem política e da econômica, com o conseqüente aviltamento das atribuições do Estado, e, no campo internacional, o imperialismo econômico, e o imperialismo bancário (Ib.). Por aí se percebe que o Papa tem em vista o materialismo, alma do liberalismo econômico do século passado e princípios deste. É um erro, porém, confundir o capitalismo com o liberalismo econômico. Tanto assim que, após diagnosticar o mal da economia moderna, indica Pio XI os remédios, nos quais não há uma condenação do capitalismo, mas as diretrizes para que a economia baseada na livre iniciativa se conforme inteiramente com as normas da reta razão e da Revelação [15]. Pode-se, sem receito, afirmar que Pio XII tinha em vista os benéficos efeitos desta advertência de seu preclaro antecessor, quando declarou ao “Katholikentag”de Viena, em 14 de setembro de 1952: “Diante do olhar da Igreja se apresenta hoje em dia a primeira época das lutas sociais contemporâneas. Em seu âmago, dominava a questão operária: a miséria do proletariado, e o dever de elevar esta classe de homens, entregue sem defesa às incertezas da conjuntura econômica, até à dignidade das outras classes da cidade, dotadas de direitos precisos. Este problema pode ser hoje em dia considerado resolvido, ao menos em suas partes essenciais” (Disc. e Rad. vol. XIV, p. 314). Em todas essas deturpações do pensamento pontifício, nota-se o desejo de ver triunfante na Igreja o dogma do igualitarismo, que não tolera superiores, e, pois, quem possua mais. A audácia de semelhantes pessoas chega ao ponto de acusarem os possuidores de terra como se fossem sanguessugas do povo, quando é sabido que não há setor econômico menos rendoso do que a agricultura! Demoramo-Nos, amados filhos, nas considerações de ordem social e econômica, para mostrar-vos os efeitos devastadores do orgulho na esfera dos problemas políticos, sociais e econômicos, para advertir-vos contra os pregoeiros de um pseudocatolicismo revolucionário, e para salientar a responsabilidade de vosso procedimento social. Pode haver entre vós, com efeito, quem, com a melhor de intenções, esteja, por sua imprevidência, contribuindo para se firmarem convicções contrárias à doutrina da Santa Igreja.


Castidade, humildade, penitência, alicerces da ordem social cristã

Por tudo quanto expusemos nesta Nossa Carta Pastoral, podeis ver, amados filhos, como toda a ordem social repousa sobre as virtudes de que nos deram exímio exemplo o Divino Salvador e sua Mãe Santíssima.

Com efeito, a sociedade civil, após a queda de nossos primeiros pais, ressente-se das nefastas conseqüências do pecado original em nossa natureza: o egoísmo da carne e o egoísmo do espírito tiram ao convívio social as características de dignidade e amabilidade próprias a criaturas racionais. De onde, para que esse convívio se torne específico do homem, como o quis o Criador ao formar nossa natureza à sua imagem e semelhança, é mister que nos esforcemos por combater e anular em nós a triste herança que recebemos da cabeça de nossa estirpe: o orgulho e a concupiscência.

É o que obteremos mediante o exercício das virtudes cristãs, especialmente da humildade e da castidade. A castidade coíbe os movimentos desordenados da concupiscência, restitui, na medida do possível, a integridade, que dava melhor brilho à imagem e semelhança que somos de Deus uno e trino. A castidade vence o egoísimo eleva à generosidade e ao amor do próximo. A castidade libera o homem do jugo das paixões, e, com isso, permite-lhe entregar-se com maior pujança à prossecução dos bens do espírito.

Ao lado da virtude angélica, o convívio social cristão pede a humildade. Esta virtude se opõe ao desejo desenfreado da glória e das honras, que, como no Paraíso convulsionou a ordem estabelecida por Deus, assim entre os homens destrói a harmonia da ordem social. Como aos primeiros pais indicava o lugar próprio nas relações com Deus e os Anjos, a nós nos mostra a humildade o posto no qual, na sociedade humana, havemos de prestar serviços a nosso semelhante por amor de Deus; cada qual no “lugar e nas condições que os desígnios e disposições da Providência o colocaram” (Pio XII, Rad. de Natal de 1944. Disc. e Rad. vol. VI, p. 240), contribuirá, pelo cumprimento de seus deveres, para que todo o corpo social progrida e brilhe, como brilha todo este universo, cuja beleza encanta pela ordem e harmonia reinante nas relações das partes mais diversas que o compõem. Santo Agostinho diz que há majestade, onde há humildade – ubi humilitas ibi maiestas. É realmente essa virtude que, esmagando o igualitarismo, dá relevo à sociedade na ordem e harmonia que é o que faz a grandeza e a majestade do convício entre os homens.

Ora, a disciplina de nossa natureza para chegar ao domínio dos assomos do amor próprio na humildade, e à continência do egoísmo carnal na castidade, supõe um exercício contínuo de renúncia e mortificação. Em outras palavras: a penitência é condição imprescindível para a prática habitual da humildade e da castidade. De onde, os alicerces da sociedade cristã estão não somente nas duas virtudes acima consideradas, mas também, como suporte delas, na penitência. A castidade e a humildade vencem o egoísmo e tornam cristãs as relações sociais; a penitência, ou melhor, o espírito de penitência, alimenta o exercício daquelas duas virtudes. Como na atividade humana, freqüentemente causa e efeito têm ação mútua, por seu turno, uma organização social hierarquizada auxilia a prática da humildade e da castidade, como da penitência e de todas as outras virtudes.


Penitência necessária e penitência voluntária

Resta-Nos exortar-vos, amados filhos, a que seriamente vos exerciteis na austeridade cristã, que vos conduzirá ao salutar espírito de penitência, característica própria dos discípulos de Jesus Cristo, e condição imprescindível de uma sociedade verdadeiramente humana.

E em primeiro lugar, o Papa nos incita a suportar pacientemente as contrariedades inerentes à vida neste vale de lágrimas. “Os exercícios de penitência externa, diz o Pontífice, nós os praticamos mormente quando, com paciência e confiança, aceitamos os muitos variados reveses e aflições, que são o peso desta vida, e assim também tudo quanto de molesto e incômodo nos ocorre seja no cumprimento de nossos deveres, seja no exercício da virtude cristã. Esta espécie de penitência, embora involuntária, não deixa de apagar os pecados, de tornar-nos Deus propício e de conciliar o auxílio celeste para o futuro concílio ecumênico, bem como alivia as amarguras desta vida mortal, mitigando-os ao apontar para os prêmios eternos. Pois que “não são proporcionados os sofrimentos desta vida à futura glória que em nós será revelada” (Rom. 8, 18). (Enc. “Poenitentiam agere”, A.A.S. vol. 54, p. 488)

Entre estas penitências primordiais, está a alegre aceitação da condição social, sem invejas ou ambições desmedidas, e, sim, com resolução de, no lugar concedido pela Providência, viver de acordo com a austeridade cristã.

Assim, contra a sensualidade, recomendamos vivamente que no seio das famílias católicas se cultive o recato e a seriedade nas maneiras, e o ambiente todo seja adornado de modo a favorecer a virtude. Meditem-se, a propósito, estas palavras da Encíclica que comentamos: “Muitos, dolorosamente, em vez de conservarem a continência e, como costumam dizer, a própria abnegação, que Jesus Cristo inculcou nestes termos: “Quem desejar vir atrás de mim, renuncia-se a si mesmo, e tome a sua cruz todos os dias, e siga-me (Lc, 9, 23)”, em vez de seguirem a palavra do Divino Mestre, lançam-se intemperantemente aos prazeres terrenos, e deturpam e debilitam as forças mais excelentes de sua natureza. É, pois, sumamente necessário que os fiéis cristãos, a tão indigno modo de conduzir a vida, que excita os movimentos desordenados da natureza, e conduz a grave perigo de perdição eterna, oponham a mesma fortaleza de alma com que os mártires, e os outros heróis de santidade, em todos os tempos, ilustraram a Igreja” (A.A.S. vol. 54, p. 489).

Contra o orgulho e o amor próprio, aconselhamos a humilde obediência à orientação que vos é dada, amados filhos, pelos vossos superiores legítimos, desde que não constituam violação dos preceitos divinos. Recorda S. Paulo “que não há autoridade que não seja instituída por Deus” e que “quem se insubordina contra a autoridade, opõe-se à ordenação de Deus”, e que é preciso obedecer “não só por temor do castigo, mas também em consciência” (Rom. 13, 1, 2 e 5).

Além destas penitências, seqüela inevitável de nossa vida e condição de pessoas a braços contra as paixões, “é preciso, declara João XXIII, que os fiéis ofereçam a Deus também sofrimentos livremente aceitos, imitando, desse modo, nosso Redentor que, segundo o Príncipe dos Apóstolos, “morreu uma vez por nossos pecados, ele justo por nós injustos, a fim de nos levar a Deus: morte na carta, porém vivificado no espírito (I Ped. 3, 18)”. Convém, com efeito, que tendo Cristo “padecido na carne, também nós nos armemos com o mesmo pensamento (Ib.4, 1)”. Para tanto, voltemos os olhos aos Santos cujas macerações do corpo, em geral inocentíssimo, nos enchem de admiração e quase nos atemorizam. Como à vista desses heróis da santidade não nos movemos, auxiliados pela graça de Deus, a suportar livremente algumas penas e incômodos, nós que talvez carreguemos grave peso na consciência? Quem ignora que este gênero de penitência é tanto mais aceito de Deus, quanto não procede das debilidades do corpo ou da alma, mas deriva de uma disposição livre e generosa à maneira de um suavíssimo sacrifício que lhe é oferecido?” (A.A.S. vol. 54, p. 488/9).

Sobre as penitências voluntárias, paternalmente vos recordamos, amados filhos, a advertência do Santo Cura d’Ars, mestre consumado na arte de macerar seu corpo: “O demônio – dizia ele a um amigo – não faz muito cãs da disciplina e de outros instrumentos de penitência. O que o põe em debandada são as privações no comer, no beber e no dormir” (F. Trochu, “O Cura d’Ars”, trad. Do Sem. S. Leop., p. 120). A palavra do Santo confirma o conselho da Imitação de Cristo: “Frena gulam et alia quoque vitia facilius frenabis” – Domina a gula e facilmente vencerás também os outros vícios (Liv. 1 c 19, n. 4). Sempre sob a obediência de um confessor prudente, não deixemos de mostrar nosso amor compassivo ao Divino Crucificado com humildes atos de mortificação. Lembremos aqui o materno convite de Nossa Senhora em Fátima. Visitando-nos na sua solicitude de Mãe que vela pelo bem de seus filhos, a Virgem Santíssima nos exorta amorosa e insistentemente que reparemos as injúrias, com que é lacerado o Coração divino e o Seu, mediante obras de penitência. Se assim o fizermos, diz-nos a Mãe de Deus e nossa, e se rezarmos muito o Santo Rosário, afastaremos os castigos que do Céu ameaçam punir a humanidade pecadora, e obteremos uma era de paz e amor entre os homens e as nações.

Amados filhos, este Concílio Ecumênico brotou do coração de um Pontífice que anelava ardentemente a paz e concórdia no convívio humano. Ouçamos seu apelo à penitência e o da Mãe do Céu, e cada um de nós fortifique sua vontade com a mortificação da carne e domine seu amor próprio com a obediência humilde. Daremos uma grande e eficaz cooperação para o feliz êxito do II Concílio Ecumênico do Vaticano, e estaremos contribuindo para a exaltação da Santa Igreja.

Como penhor das graças divinas, enviamos a todos os Nossos caríssimos cooperadores e amados filhos, a benção pastoral em Nome do Pa+dre e do Fi+lho e do Espírito + Santo. Amém.

Dada e passada em Nossa Episcopal Cidade de Campos, sob o Nosso sinal e selo de Nossas Armas, aos quinze dias do mês de agosto do ano de mil novecentos e sessenta e três, festa da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria aos Céus.
 


Dom Antonio de Castro Mayer, bispo de Campos – Por um Cristianismo Autêntico, editora Vera Cruz, 1971. Pp. 159-184 



NOTAS: 
[1] “São Tomás ensina (cf. Contra Gentiles, 11, 45: Suma Teológica, I. q. 47, a. 2) que a diversidade das criaturas e seu escalonamento hierárquico são um bem em si, pois assim melhor resplandecem, na criação, as perfeições do Criador. E diz que tanto entre os Anjos (cf. Suma Teológica, I, q. 50, a. 4) quanto entre os homens, no Paraíso terrestre, como nesta terra de exílio (cf. op. cit.,I, p. 96, a. 3 e 4), a Providência instituiu a desigualdade. Por isso, um universo de criaturas iguais seria um mundo em que se teria eliminado, em toda a medida do possível, a semelhança entre criaturas e Criador. Odiar, em princípio, toda e qualquer desigualdade é, pois, colocar-se metafisicamente contra os melhores elementos de semelhança entre Criador e criação, é odiar a Deus” (Plínio Correa de Oliveira, “Revolução e Contra-Revolução”, separata do nº 100 de “Catolicismo”, pp. 31 e 32)  O estudo que acabamos de citar contém uma exposição clara sobre a obra do orgulho e da sensualidade nas sociedades modernas. Essa leitura é altamente formativa para se conhecer a obra do demônio na destruição da sociedade cristã.
[2] D. Geraldo de Proença Sigaud, S.V.D., Arcebispo de Diamantina, D. Antônio de Castro Mayer, Bispo de Campos, Plínio Corrêa de Oliveira, Luiz Mendonça de Freitas, “Reforma Agrária – Questão de Consciência”, 4ª ed. Editora Vera Cruz, p. 84. Nesta obra encontra-se a exposição da doutrina da Igreja sobre a verdadeira simplicidade, em oposição ao falacioso simplismo de origem socialista.
[3] Cf. D. Geraldo de Proença Sigaud, S.V.D., Arcebispo de Diamantina, “Catecismo Anticomunista”, 3ª. Ed. Editora Vera Cruz, p. 42 e ss., perg. 95 e ss. Este catecismo expõe de maneira clara e ao alcance de todas as relações entre o igualitarismo e o comunismo.
[4] D. Antônio de Castro Mayer, “Carta Pastoral prevenindo os diocesanos contra os ardis da seita comunista”, 2ª ed. Editora Vera Cruz, p. 20
[5] “Todos sabem muito bem que a empresa, tendo embora por primeiro dever atender à dignidade humana, deve PROTEGER A NECESSÁRIA E EFICAZ UNIDADE DE SEU PRÓPRIO REGIME”. (“Mater et Magistra”, A.A.S. vol. 53, p. 424 – trad. de “Catolicismo”, nº 129, set. 1961, p. 4, col. 2) Os grifos são nossos.
[6] Nosso ensinamento se contém neste trecho: “Além disso, seguindo a linha traçada por Nossos Predecessores, estamos persuadidos de que é legítima a aspiração dos operários a participarem da vida das empresas que estão adidos e nas quais trabalham. Qual deva ser esta participação, não julgamos poder determiná-lo por regras certas e definidas, visto depender isto mais da situação de cada empresa, que não é idêntica para todas, e que pode com freqüência variar rápida e substancialmente numa mesma empresa. Cremos, contudo, que deve ser atribuída aos operários uma participação ativa nos negócios das empresas em que trabalham, sejam estas de particulares, sejam do Estado; e, em todo caso, deve-se tender a que as empresas revistam a forma de uma sociedade humana, por cujo espírito sejam profundamente influenciadas as relações individuais e as várias funções e ofícios.
Isto exige que as relações entre os empresários e dirigentes, de uma parte, e os operários da mesma empresa, de outra, sejam impregnados de mútuo respeito, de estima e de benevolência; pede ainda que todos, como para uma obra comum, colaborem com sincera e eficaz concórdia, e a obra que intentam, não a projetem apenas com o sentido do lucro que dela advirá, mas realizem-na ainda como um serviço que lhes foi confiado, e desempenhem um ofício que reverta também em benefício para outros. Daí decorre que, naquilo que toca ao funcionamento e ao desenvolvimento da empresa, se devam ouvir de modo oportuno os desejos dos operários e se apele para seu concurso. Nosso Predecessor, Pio XII, de grata memória, observava: “A função econômica e social que cada qual deseja exercer proíbe que a atividade de cada um seja totalmente submetida ao arbítrio de outrem” (Alocução de 8 de outubro de 1956; cf. A.A.S. XLVIII, 1956, pp.799-800). Todos, é certo, sabem muito bem que a empresa, tendo embora por primeiro dever atender à dignidade humana, deve proteger a necessária e eficaz unidade de seu próprio regime. Mas daí de modo algum se segue que aqueles que nela trabalham diariamente apenas ocupem o lugar de executores, nascimentos para simplesmente obedecer em silêncio, sem poderem expressar seus desejos, necessidades, e obrigados a permanecerem inertes quando se delibera sobre seu trabalho e a direção deste.
Finalmente, é preciso recordar que se deseja hoje em dia, em várias empresas produtoras, associar os operários a responsabilidades até das maiores, e isto não apenas concorda plenamente com a natureza humana, mas é inteiramente conforme à evolução econômica, social e política.
Embora, infelizmente, nos tempos atuais o campo econômico e social conheça bem grandes discrepâncias contrárias à justiça e à humanidade, e em todos os domínios da economia se insinuem erros que lhes infeccionam gravemente a ação, fins, estrutura e funcionamento, ninguém, no entanto, poderá negar que os recentes meios de produção, incentivados pelo desenvolvimento das técnicas e das ciências, de modo visível progridem e se renovam, bem como receberam mais rápido incremento do que o haviam feito até aqui. Tal fato exige hoje dos operários uma destreza maior e mais perícia no ofício. Mas daí também resulta disporem eles de maior abundância de recursos, de tempo bem maior para se entregarem a uma instrução mais apurada, e para praticarem com mais liberdade os atos religiosos.
Também os jovens agora podem empregar mais anos na educação de base e em aprender os segredos do ofício.
Se assim se fizer, nascerá uma nova situação em que os trabalhadores poderão assumir encargos de maior responsabilidade mesmo em suas respectivas associações. Quanto ao país, muito lhe importa que, em todas as classes, os cidadãos se sintam cada dia mais obrigados ao dever de guardar o bem comum. (A.A.S., vol. 53, pp. 423-425 – trad. de “Catolicismo” porque é a que melhor reproduz o texto latino, único oficial.
[7] “Ninguém pode fixar de modo genérico qual seja a estrutura agrícola mais conveniente, visto haver grandes diferenças, neste setor, dentro de cada país e mais ainda nas diversas partes do mundo” (“Mater et Magistra”, A.A.S. vol 53, p. 436 – trad. de “Catolicismo”, nº cit.. p. 5, col. 4)
[8] “Os que consideram a dignidade do homem e da família, segundo a própria natureza, e melhor ainda, segundo a doutrina cristã, estes certamente se afiguram a empresa agrícola – especialmente se for familiar – configurada à imagem de uma comunidade de pessoas, ou seja, uma empresa na qual tanto as mútuas relações dos membros como a conformação dela mesma se acomodam às normas da justiça e aos princípios da doutrina cristã. Eles se esforçarão com todo o empenho para que esta desejável empresa agrícola, de acordo com cada situação, seja realizada” (Ib. p. 436).
[9] “Não faltam aqueles que se mostram tímidos e incertos quanto àquela ordenação econômica que toma nome do excessivo acúmulo de riquezas particulares, da qual decorrem graves danos, como a Igreja mais de uma vez declarou” (“Menti Nostrae”. Disc. e Rad. vol XII, p. 562).
[10] A Encíclica “Quadragesimo Anno” de Pio XI, que fez severa crítica ao liberalismo econômico, não obstante, constantemente defendeu a livre iniciativa. Eis alguns textos: “É preciso que a livre iniciativa se mantenha dentro de limites justos e razoáveis”; “a livre iniciativa, quando contida dentro de certos limites, é justa e certamente útil”; uma das críticas de Pio XI ao regime fascita está precisamente nisto que semelhante regime anula a iniciativa privada: “confessamos que não faltam os que temem que o Estado se substitua à iniciativa privada”; e no regime corporativo, que ele preconiza contra o liberalismo econômico, Pio XI deseja que as corporações sejam de livre iniciativa. (A.A.S. vol. 23, p. 208 e ss.)
[11] É doutrina comum dos Papas que o Estado não deve, ele mesmo, cuidar de todos os problemas econômicos do país, mas deve deixar larga margem à iniciativa privada. Mais. Segundo a doutrina da Igreja, o Estado só deve intervir para auxiliar e completar a ação das sociedades menores e dos indivíduos. É o que Pio XI chamava de princípio da subsidiariedade. João XXIII, na “Mater et Magistra” recorda e confirma a doutrina de Pio XI: “De início, deve-se afirmar que no campo econômico a parte principal compete à iniciativa privada dos cidadãos, quer ajam isoladamente, quer associados de diferentes maneiras a outros para a consecução de interesses comuns”. Contudo, nessa questão, pelos motivos expostos por Nosso Antecessores, é também necessária a presença operante da autoridade civil, com o fim de promover retamente o incremento dos bens materiais, dirigindo-os para o progresso da vida social, e, portanto, em benefício de todos os cidadãos. Essa ação do Estado, que protege, estimula, coordena, supre e complementa, apóia-se no “princípio de subsidiariedade” (A.A.S. XXIII, 1931, p. 203), assim formulado por Pio XI na Encíclica “Quadragesimo Anno”: “Permanece, contudo, firme e constante na filosofia social aquele importantíssimo princípio que é inamovível e imutável: assim como não é lícito subtrair aos indivíduos o que eles podem realizar com as próprias forças e indústria, para confiá-lo à coletividade, do mesmo modo passar para uma sociedade maior e mais elevada o que sociedades menores e inferiores poderiam conseguir, é uma injustiça ao mesmo tempo que um grave dano e perturbação da boa ordem. O fim natural da sociedade e de sua ação é coadjuvar os seus membros e não destruí-los nem absorvê-los” (Ibid. p. 203) (A.A.S. vol. 53, p. 413/4).
[12] “Todo espírito reto deve reconhecer que o regime econômico do capitalismo industrial contribuiu para tornar possível, e até estimular o progresso do rendimento agrícola; que ele permitiu, em inúmeras regiões do mundo, elevar a um nível superior a vida física e espiritual da população do campo” (Disc. ao 1º Congresso Internacional sobre Problemas da Vida Rural, a 2-7-1951. Disc. e Rad. vol. XIII, p. 198)
[13] Toda a Encíclica “Divini Redemptoris” de Pio XI (1937) tem por fim mostrar que o comunismo é visceralmente ateu e anticristão. Veja-se, por exemplo, A.A.S. vol. 29, p. 96.
[14] “Este regime [no qual os homens contribuem ordinariamente para a atividade econômica, uns com os capitais, outros com o trabalho] Leão XIII o procurou ajustar à ordem reta. De onde se torna claro que em si mesmo não deve ser condenado. E realmente não é sua constituição que é má” (A.A.S. vol. 23, p. 212)
[15] Cf. A.A.S. vol. 23, p. 213 ss. 



Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui