Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Por que o Governo está nos dizendo como criar nossos filhos?

Burocratas interferem no que seria responsabilidade dos pais e dizem que estão fazendo isso pelas crianças.



Por Abby W. Schachter, 
em 26 de dezembro de 2016
(Tradução livre por Pais Vigilantes)


O título do artigo diz tudo: “Projeto de lei aumenta os direitos dos pais, mas críticos dizem que ele vai longe demais.” O que exatamente é “longe demais” quando se trata dos direitos dos pais? No caso dessa história [aqui] em Fort Worth, Texas (EUA), significa que os “críticos” acham que os pais não devem ter o direito de saber o que os seus filhos estão fazendo na escola. Quem se opõe a esta crença é a senadora texana Konni Burton,  autora da lei. Ela acredita que os pais devem ter acesso às informações pessoais de seus filhos, em vez de a suposta privacidade das crianças ser protegida.

O fato de que uma lei é necessária para corrigir esse desequilíbrio entre direitos paternos e os direitos independentes das crianças menores de idade é uma das características do nosso tempo, uma época em que o governo está se intrometendo em todos os níveis da vida privada das famílias, ditando quais são as regras na hora do cuidado das crianças e penalizando os pais que não as seguirem. Essa interferência autoritária na vida das famílias é generalizada, embora não seja organizada, e é o principal motivo de eu ter escrito meu livro No child left alone: getting the government out of parenting. [“Nenhuma criança deixada sozinha: tirando o governo da criação dos filhos”, tradução livre.] 

A quantidade de escolhas que foram retiradas das mãos dois pais somente para serem decididas por políticos, diretores de escolas e burocratas vão das medidas aparentemente mais inócuas — como permitir que as crianças brinquem sem supervisão — até medidas quase bárbaras — como retirar as crianças da guarda dos pais porque elas estão obesas. O governo diz às mulheres o que elas devem fazer com seus corpos ao pressioná-las a amamentar, enquanto o Ministério da Agricultura e agências regulatórias estão tornando a vida das crianças menos gostosa e mais chata ao restringir as suas dietas nas escolas e banir brincadeiras e brinquedos. O advogado Scott Greenfield fez a seguinte observação no seu blog, depois que uma mãe foi presa por ter deixado o filho pequeno sozinho no carro por menos de dez minutos:

“Isso não é uma questão de quais são as melhores práticas na hora de criar as crianças, mas a desobediência a essa visão engessada pode tornar-se motivo para o início de um processo criminal, a família pode acabar no registro de abusos infantis, os pais podem perder seus direitos civis, talvez a carreira, a casa e até mesmo a guarda das crianças.”

No meu caso, tudo começou muito inocentemente quando matriculei nosso quarto filho em uma creche do governo. Estávamos cientes que deveríamos aceitar todas as regras — recebemos instruções detalhadas de como cortar as frutas e vegetais que eram enviados de casa, não podíamos colocar nada em saquinhos plásticos, nos mandaram lambuzar as crianças de protetor solar etc. Mas eu não estava preparada quando a creche me explicou que meu único pedido, de que meu filho fosse enrolado numa manta na hora do cochilo, não poderia ser concedido porque o governo tinha banido a prática nas creches públicas. 

O motivo oficial para a proibição, que foi adotada em outros Estados além da Pensilvânia, foi a segurança. A Academia Americana de Pediatria não considera medicamente necessário enrolar o bebê na hora de dormir, e os intrometidos que escreveram as normas de procedimento que se tornaram leis (financiados pelo Departamento Americano de Saúde e Serviços Humanos) argumentam que quaisquer cobertas ou mantas em berços podem potencialmente machucar uma criança, então melhor que fossem logo proibidas. O fato de que essa regra é preventiva —  não há registros de acidentes em creches porque os bebês foram enrolados — não é relevante, pois os padrões de segurança são baseados na possibilidade de algo acontecer e não nos acidentes propriamente ditos. No meu caso, e depois de ter muito trabalho, finalmente consegui uma permissão com o meu médico para que o bebê fosse enrolado na hora de dormir, mas me pergunto se somente eu acho que o Governo não tem de se meter entre mim e a creche na hora de resolver qual é o melhor jeito de cuidar do meu filho. Também me propus a descobrir se a experiência que eu tive aconteceu em algum outro lugar, e se outros pais foram vítimas do Estado-babá. Acabou que eu descobri que não sabia nem metade sobre essa intromissão toda.

O mesmo pensamento de “e se acontecer” ou “primeiro o pior” — como definiu Lenore Skenazy, fundadora do movimento Free Range Kids e autora do prefácio do meu livro — tem sido aplicado em muitas outras áreas da vida. Andar de trenó no gelo em áreas públicas é proibido em muitas cidades porque pode ser que alguém se machuque e a Prefeitura pode ser processada. Um pai em Connecticut foi multado por “conduta desordeira” porque argumentou com um policial que queria que ele retirasse os seus filhos da beira do rio Susquehanna congelado, embora nada tivesse acontecido além de sua família estar aproveitando um lugar lindo e gelado. “Esse pequeno incidente”, escreveu Charles Eisenstein (o pai) em seu blog, “revela muito sobre a nossa sociedade”. Ele continua:

“Primeiro, há a presunção de que uma autoridade legalmente constituída deve decidir qual é o nível aceitável de segurança para alguém e para sua família. Eu imagino que sair no gelo seja mais perigoso que ficar em casa ou na calçada, mas eu considerei que era melhor para os meus filhos aproveitar esse tempo maravilhoso e gelado.”

Esses julgamentos independentes feitos pelos pais levando em conta o que é o melhor para os filhos é exatamente o que o Governo está tentando impedir. Você pode querer preparar o lanche do seu filho, mas na escola há inspetores com poderes dados pelo Governo olhando as lancheiras das crianças, e pode ser que você descubra que o sanduíche de peru com queijo que você mandou de casa foi substituído pelos nuggets da cafeteria da escola, como aconteceu com a Heather Parker de Raeford, na Carolina do Norte. Alguns diretores de escolas baniram lanches trazidos de casa porque eles realmente acreditam que o cardápio escolhido pelo Ministério da Agricultura (USDA) é mais nutritivo do que o que os pais escolhem mandar para os filhos.

Quem determina o que é melhor para as crianças não está claro quando o assunto é referente à escola. Em muitos Estados, informações como o peso e a altura das crianças são coletadas nas escolas públicas, e o índice de massa corporal de cada uma delas é calculado, tudo isso sem a permissão dos pais. O Governo argumenta que ele tem acesso às crianças quando elas estão na escola, e, portanto, teria o direito de coletar certas informações básicas sobre a saúde delas. Mas algumas escolas não param apenas na parte de coleta de informações pessoais. Em vez disso, foram enviadas cartas de advertência aos pais alertando sobre o risco de obesidade nos seus filhos. Ao mesmo tempo, alguns pais na Flórida estão tendo muita dificuldade em fazer com que as escolas permitam que as crianças corram pelo pátio na hora do recreio, algo saudável e barato. E esses pais na Flórida não estão sozinhos. O recreio não só foi encurtado ou eliminado em muitas escolas, mas muitas brincadeiras foram restringidas. Pega-pega, queimada, ginástica, brincar no balanço e correr livremente foram proibidos em algumas escolas, tudo em nome da segurança [não querendo fazer a defesa do Estado, mas devemos lembrar que nos EUA qualquer ação indenizatória alcança os 6 dígitos facilmente]. Quando os pais exigem que alguma mudança seja feita, eles têm de fazer um esforço hercúleo, como protestos e petições, para que as escolas os atenda. Felizmente, a pressão funciona, como quando a governadora de Rhode Island, Gina Raimondo, assinou uma lei exigindo que houvesse recreio nas escolas estaduais de ensino fundamental

Os exemplos mais tristes de interferência do Estado são os inúmeros casos de crianças que são retiradas da guarda de seus pais porque são obesas mórbidas. Os médicos e juristas que defendem essas remoções argumentam que é melhor para as crianças que o Estado controle as suas vidas. Mas pergunte aos pais e a elas, que passaram por isso, e você escutará algo diferente. “Eles dizem que é tudo pelo bem-estar da criança”, explica Anamarie Regino, dez anos depois de ser removida temporariamente da guarda dos seus pais porque estava obesa, “mas a experiência causou mais dano do que qualquer dinheiro ou terapia poderá consertar”.

Podemos tirar duas lições importantes de tudo isso. A primeira é de como estamos redefinindo erroneamente o que é vida privada e vida pública. Somente num mundo onde uma população saudável é considerada um bem público, o Governo pode separar famílias devido a um problema de saúde que não prejudicará ninguém além dos envolvidos [uma observação: isto não é verdade! Os tratamentos de saúde pesam para todos os contribuintes. Então, não se pode dizer que não prejudicará ninguém mais].

A segunda lição é a de que há indivíduos e grupos focados na defesa dos direitos dos pais de criarem seus próprios filhos. Estes pais — os quais eu chamo de Capitain Mommies and Daddies [pais engajados na luta pela autonomia na criação dos filhos]  — tiveram desentendimentos com o Estado autoritário e decidiram se defender e defender os seus próprios filhos. Além disso, há organizações como o The Family Defense Center [Centro de defesa da família], que faz a defesa legal de pais que se encontram envolvidos com os serviços de proteção à criança e o sistema legal. Na organização ParentalRights.org o objetivo é fazer uma emenda à Constituição americana e apoiar a criação de leis estaduais que deem mais autonomia aos pais. Já a National Association of Parents [Associação Nacional de Pais] quer alterar as políticas públicas de direitos dos pais através de conscientização e pressão nos órgãos públicos.

Por mais comum que o Estado-babá tenha se tornado, ainda teremos de fazer um  esforço tremendo para mudar as políticas públicas e a cultura super-protetora que nos trouxe até aqui. Mas ser bons pais e bons cidadãos nunca foi fácil. E continua cada vez mais importante e necessário. 

Link para o texto original: http://www.nationalreview.com/article/443277/parenting-school-government-interference-unwelcome
Blog da autora:  http://www.captainmommy.com
Visto em: https://paisvigilantes.wordpress.com/2017/02/02/por-que-o-governo-esta-nos-dizendo-como-criar-nossos-filhos.  
Revisão, grifos e comentários: Giulia d'Amore.  


2 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim. Não de forma tão clara. Qdo o Governo obriga a apresentar carteira de vacinação para matricular crianças na escola, está se sobrepondo à vontade das famílias de vacinar ou não seus filhos. Eu já ouvi relatos de crianças retiradas dos pais pelo mais diferentes motivos que não caberia. Uma vez até noticiaram na TV. Um juiz retirou os filhos de um casal pq eram pobres e os mandou para várias familias em outro Estado. Houve alegação de pagamento de um valor. As crianças foram recuperadas, graças a Deus. Na informalidade, isso já acontece. Fica difícil ao Estado fazer isso "legalmente" pq seria obstado por ações judiciais. Mas o risco tem.

      Excluir

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA