Pesquisar este blog

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

São Pirmino, o Apóstolo dos Alamanos e Patrono do Palatinado

3 de novembro 

São Pirmino

http://sacragaleria.blogspot.com/2016/02/sao-pirmino.html
Clique para ver mais imagens

Abade, Bispo e fundador
Apóstolo dos Alamanos
(670 ca. ? - Hornbach, 03 de novembro 753)

Do Martirológio: “No mosteiro de Hornbach, próximo a Estrasburgo, na Burgúndia[1], a deposição de São Pirmino, Bispo e Abade de Reichenau, que evangelizou os Alamanos e os Bávaros[2], fundou muitos mosteiros e escreveu um livro para seus discípulos sobre a catequese dos incultos”.

Notas do blog. Para melhor acompanhar a leitura do texto, colocaremos as notas logo abaixo do parágrafo a que se referem: [1] Atual Borgonha. [2] Do latim: ‘bavarii. Os Bávaros foram um povo germânico que surgiu na Boêmia, no território da atual República Tcheca. Seu nome completo originário em germânico era ‘Baio-warioz’.

São Pirmino, também conhecido como “Pirminius”, é o “Apóstolos dos Alamanos[3], evangelizador e Padroeiro do Palatinado[4], da Alsácia[5], da Ilha de Reichenau[6], e da cidade de Innsbruck[7].

[3] Alamanos são um povo germânico ocidental, assim denominados pelos Romanos: o povo de todos os homens. Eles próprios, entretanto, preferiam chamar-se de ‘Suábios’. [4] Palatinado (https://pt.wikipedia.org/wiki/Palatinado_%28regi%C3%A3o%29). [5] Alsácia é uma região administrativa da França, localizada a leste do País, junto às fronteiras alemã e suíça. Sua capital é Estrasburgo. [6] Ilha localizada no Lago Constança, no sul da Alemanha. [7] Innsbruck, ou Insbruque, cidade no oeste da Áustria, capital do Estado do Tirol.


Pirmino pertencia à geração de missionários continentais que, depois de São Columbano e seus discípulos, trabalharam pela conversão ou a reconversão da Cristandade ocidental, presa fácil do paganismo que vicejava à época. Foi fortemente influenciado pela figura de Santo Amândio de Maastricht. Ao construir seus mosteiros, Pirmino tentou fazer com que as suas fundações monásticas fossem independentes do Ordinário local e dos patronos laicos.

As notícias deste santo que chegam até nossos dias derivam de uma “Vita[8] redigida por volta de 830 em Hornbach[9], de outra “Vita” um pouco posterior e, finalmente, de uma “Vita” métrica de pouca importância histórica. Outros pontos de referência para as suas atividades se encontram na história de alguns dos mosteiros que ele fundou, como a Abadia de Reichenau, que nos 300 anos seguintes se tornaria um dos mais poderosos mosteiros no sul da Alemanha, e a Abadia de Murbach[10], ambas fundadas por ele. 

[8] As biografias de santos, ou hagiografias, eram chamadas “Vitae”; “Vita”, no singular. É latim, e significa “Vida”. O termo vem da primeira palavra do título. Por exemplo: Vida de São Francisco. [9] Hornbach, cidade próxima a Estrasburgo, França. [10] Murbach é uma cidade francesa na região administrativa da Alsácia, no departamento do Alto Reno.

Segundo algumas fontes, Pirmino era irlandês; para outros, um nobre pertencente a uma prestigiosa família de Meaux, cidade localizada na região administrativa da Île-de-France, no departamento Sena e Marne, nos arredores de Paris; e, para outros ainda, era originário de uma região ocupada pelos Visigodos, no sul da França ou ao norte da Espanha, a então Aquitânia. Diante da ameaça da iminente invasão sarracena (muçulmanos), Pirmino fugiu para a França, buscando a proteção do rei Carlos Martelo. Em sua fuga, passou pela antiga Nêustria, e dali chegou ao Vale do Reno.

Pirmino foi bispo de um lugar chamado “Castellum Meltis”, que seria, a toda evidência, Meaux, e onde pregava em latim e em franco[11].

[11] Franco ou frâncico, a língua dos Francos, antigo povo germânico que habitava uma região no oeste do Reno e governava grande parte da Europa Ocidental desde o século V.

De Meaux foi para Roma, onde recebeu do Papa a permissão para as missões e uma recomendação para o rei franco, Teodorico. Foi, então, convidado por um nobre alemão chamado Sintlaz, para pregar em seu território, onde a ignorância levava os cristãos de volta ao paganismo. Recebeu de presente uma ilha então chamada de “Sintlazau”, no Lago de Constança, que Pirmino transformou em uma terra próspera. A ilha, depois, foi chamada de Au (Owe), e, em latim, Augia maior (ou dives); em alemão: “Reichenau”, onde, em 724, com a permissão de Carlos Martelo, construiu uma igreja e fundou seu primeiro mosteiro, que, junto com os mosteiros de Fulda e de São Galo, se tornaria um dos mais famosos da época carolíngia.

Depois de três anos de atividade nesse lugar, Pirmino fundou o Mosteiro de Murbach, na Alsácia (727), que foi seguido pelo de Schuttern[12], Gengenbach[13] e Schwarzach ou
Münsterschwarzach[14], na margem direita do Reno; na diocese de Estrasburgo: Maursmünster[15] e Neuweiler[16], na margem esquerda. 
[12] Schuttern, cidade do Estado de Baden-Wurttemberg, Alemanha. [13] Gengenbach, cidade da Alemanha, no distrito de Ortenaukreis, na região administrativa de Friburgo, Estado de Baden-Württemberg. [14] Schwarzach, cidade da Alemanha, no distrito de Neckar-Odenwald, na região administrativa de Karlsruhe, Estado de Baden-Württemberg. [15] Maursmünster ou Marmoutier, cidade francesa da região administrativa da Alsácia, no departamento do Baixo Reno. [16] Neuweiler, cidade alemã do distrito de Calw, na região administrativa de Karlsruhe, Estado de Baden-Württemberg.

Alguns também apontam como obra sua as fundações de Pfäfers[17] e de Niederalteich[18]

[17] Pfäfers, cidade do Cantão São Galo, na Suíça. [18] Niederalteich, cidade alemã, no distrito de Deggendorf, na região administrativa de Niederbayern, na Baviera.

A sua última fundação foi o mosteiro de Hornbach, perto de Zweibriicken[19], à época na diocese de Metz, onde um nobre franco, o Conde Wernharius[20], o havia convidado para estabelecer um monastério em suas terras, chamando-o de “Gamundium[21]. Aqui, São Pirmino viveu de 742 (ca.) até a sua morte. 

[19] Zweibriicken, cidade da Alemanha localizada no Estado da Renânia-Palatinado. [20] Conde Wernharius (aqui) foi um nobre da dinastia Widone-Lambertiner, que conta com dois Sacros Romanos Imperadores: Guido II e Lamberto I, ambos de Spoleto; era sobrinho de Milo, bispo de Trier e de Reims, o irmão da primeira esposa de Carlos Martelo. [21] Cf. aqui.

As fundações de São Pirmino tinham por escopo, entre outras coisas, a consolidação da vida cristã no ducado alemano; enquanto na Alsácia, também haviam surgido no interesse da política franca, que mirava a ligar sempre mais estreitamente a Alemania e a Alsácia ao Reino Franco, do ponto de vista político e eclesiástico.

A vida dos mosteiros foi regulada, no início, pela costumeira “Regula mixta”, mas, paulatinamente, São Pirmino acentuou nela a influência beneditina. [22]

[22] Do mosteiro pirminiano de Maursmiinster, viria São Bento de Amane (Diocese de Mompellieri). Bento era filho do Conde de Maguelone. Serviu com distinção nas armadas de Pipino e Carlos Magno. Depois se retirou em um mosteiro e se tornou abade. Fundou a Abadia de Amane. Luís (ou Ludovico), o Piedoso, o instituiu chefe e superior de todos os mosteiros de seu Império. Morreu em 821. É seu o Codex regularum, como também a Concordia delle regole, que mostra o que a regra de São Bento tem em comum com aquelas dos outros fundadores, in  Dizionario Storico. Storia Compendiata. Vol. II. 1831. p. 252), o qual, em 817, à época de Luís, o Piedoso, submeteu todos os mosteiros francos à observância beneditina.

São Pirmino morreu em 3 de novembro de 753, em Hornbach[23], na Abadia onde ainda hoje estão custodiados seus restos mortais. 

[23] Hornbach, cidade da Alemanha localizada no distrito de Südwestpfalz, Estado da Renânia-Palatinado.


CATECISMO PIRMINIANO

São Pirmino é o autor do “Dicta Abbatis Pirminii, de Singulis Libris Canonicis Scarapsus”, chamada simplesmente de “Scarapsus”, uma espécie de livreto de catecismo moral, muito simples, acerca do ensino e da vida cristã; um breviário para o trabalho missionário e dos padres de paróquia. Escrito entre 710-724, São Pirmino o havia intitulado: “Incipit liber de singutis cannonicis scarapsus”; mais tarde, veio a ser chamado de “Dieta Pirminii”.

Após uma breve introdução, o autor faz um resumo da História da Redenção, desde a Criação do mundo e o Pecado Original até à Redenção; fala da Paixão, Morte, Ressurreição e Ascensão de Jesus e da descida do Espírito Santo. Fala sobre os Apóstoloso e o “Credo”. A primeira parte do “Scarapsus” termina com o mandato aos Apóstolos de evangelizar todo o mundo. Segue o ensinamento sobre o sacramento do Batismo, que aqui aparece como um “pactum”, um contrato entre o homem e Deus. A segunda parte oferece instruções para a vida cristã e rejeita os costumes pagãos ainda em voga. Recomenda a santificação do Domingo, a frequência na Missa e na pregação, a Eucaristia e a Penitência. Para a sua obra, Pirmino se baseia na Escritura Sagrada e nos Padres da Igreja; especialmente Santo Agostinho, Santo Cesário de Arles e São Martinho de Braga, o Apóstolo dos Suevos.

O “Scarapsus nos apresenta o seu autor como um missionário e propagador da Fé Cristã, e é uma fonte importante para a história da atividade pastoral no início do século VIII.


O CULTO

Milagres e curas atraem peregrinações ao túmulo de São Pirmino em Hornbach, desde sua morte; e são mencionados no “Liber de miraculis sancti Pirminii episcopi”. Já no sec. VIII, ele é chamado “sanctus” em um manuscrito de Metz, do Martirológio Jeronimiano. Em um Breviario de Reichenau, no início do século IX, se fala de uma sua festa. A sua última fundação toma em 826 o nome de “Monasterium sacti Pirminii”.

Em Hornbach, as relíquias permaneceram até 1558, quando são transferidas para Speyer[24].

[24] Speyer, em Português, Espira, cidade alemã do Estado da Renânia-Palatinado.

Na época da Reforma, as suas relíquias foram transportadas (1578) para uma igreja jesuíta em Innsbruck, onde foi venerado como padroeiro da cidade.

A sua festa era celebrada principalmente nos mosteiros beneditinos no sul da Alemanha e na Suíça, mas também nas dioceses de Metz, Verdun e Salzburgo (ou Salisburgo). Ainda hoje é comemorada em Speyer, Estrasburgo, Friburgo e Coira[25].

[25] Coira é a capital do Cantão dos Grisões.

São Pirmino é invocado por mulheres grávidas e para a cura dos animais. Em Innsbruck abençoava-se uma “água de São Pirmino”; em Holtzheim (Alsácia), perto de Estrasburgo, abençoava-se o “óleo sagrado” para doenças oculares; em Wiltz[26], mergulhavam as crianças doentes em um poço abençoado dedicado a São Pirmino.

[26] Wiltz é próximo a Luxemburgo, tem status de cidade, e pertence ao distrito de Diekirch, Cantão de Wiltz.

Quando, no século XIX, Hornbach foi unida à diocese de Speyer, a veneração ao Santo cresceu ainda mais. Muitas lendas e muitos costumes populares estão ligados ao seu nome, especialmente no Palatinado (diocese de Speyer), onde, em 1953, foi solenemente comemorado o milleduecentesimo aniversário de sua morte. Nessa ocasião, o seu túmulo, no território que outrora pertencia à abadia, foi encontrado vazio.


ICONOGRAFIA

A iconografia de São Pirmino se estende por uma ampla região onde mais intenso era o seu culto, de Brabante ao Lago de Constança, do Palatinado ao Tirol. Em outros lugares é rara e ocasional.

São Pirmino é, geralmente, retratado como um abade beneditino, com uma aparência benigna e solene, apoiado ao Pastoral, muitas vezes tem ao lado uma serpente e uma rã ou sapo, ligados ao seu Patronato em favor dos que foram vítimas de picada venenosa de répteis. Com esses atributos, na verdade, o vemos em um vitral da igreja de Reichenau, obra de Bartolomeo Luschez (sec. XVI), onde é notável o tamanho do Pastoral.

Como abade beneditino o representam diversas miniaturas, entre as quais, uma das mais antigas é a do “Sacramentário de Hornbach” (Reichenau), do século X, no qual o Santo, em hábitos pontificais, está em ato de oferecer o próprio Sacramentário a São Pedro. A imagem de São Pirmino é também
uma miniata sobre esmalte no medalhão central de um Pastoral do século XIV, vindo de Reichenau, e agora no “Victoria and Albert Museum”, de Londres. Ainda um vitral do século. XVI, na Catedral de Metz representa São Pirmino no exercício do seu ministério pastoral.


CURIOSIDADE

Há uma estrada antiquíssima que começa em Speyer e, pela França e norte da Espanha, chega a São Tiago de Compostela, na Espanha.


Fontes de pesquisa:


Pesquisa, tradução e organização: Giulia d’Amore.
 



http://edicoescristorei.blogspot.com.br

*
É possível que, ao enviar este post por e-mail, o botão de doação acima não funcione. Nesse caso, envie um e-mail para edicoes.cristo.rei@gmail.com, ou diretamente para o Rev. Pe. Cardozo: runaejcv@gmail.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA