Pesquisar este blog

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

São Paulo, 1º eremita e confessor

15 de janeiro 

São Paulo, 1º eremita e confessor



Em Tebaida (hoje Egito), são Paulo, eremita, um dos primeiros em abraçar a vida monástica (s. IV). A vida deste santo foi escrita pelo grande sábio São Jerónimo, no ano 400. Nasceu no ano 228, em Tebaida, uma região que fica junto ao rio Nilo no Egito e que tinha por capital a cidade de Tebas. Foi bem educado por seus pais, aprendeu grego e bastante cultura egípcia. Mas aos 14 anos ficou órfão. Era bondoso e muito piedoso. E amava enormemente a sua religião.

No ano 250 estalou a perseguição de Décio, que tratava não tanto de que os cristãos chegassem a ser mártires, mas sim de os fazer renegar de sua religião. Paulo se viu ante estes dois perigos: ou renegar de sua fé e conservar suas quintas e casas, ou ser atormentado com tão diabólica astúcia que o conseguissem acobardar e o fizessem passar para o paganismo para não perder seus bens e não ter que sofrer mais torturas.

Como via que muitos cristãos renegavam por medo, e ele não se sentia com a suficiente força de vontade para ser capaz de sofrer toda classe de tormentos sem renunciar a suas crenças, dispôs-se a esconder-se. Era prudente.  Mas um seu cunhado que desejava ficar com seus bens, foi e o denunciou ante as autoridades. Então Paulo fugiu para o deserto. Lá encontrou umas cavernas onde vários séculos atrás os escravos da rainha Cleópatra fabricavam moedas. Escolheu por vivenda uma dessas covas, perto da qual havia uma fonte de água e uma palmeira. As folhas da palmeira lhe proporcionavam vestes. Seus frutos lhe serviam de alimento. E a fonte de água lhe acalmava a sede. Ao princípio o pensamento de Paulo era ficar por ali unicamente o tempo que durasse a perseguição, mas logo se deu conta de que na solidão do deserto podia falar tranquilamente a Deus e escutá-lo tão claramente as mensagens que Ele lhe enviava desde o céu, que decidiu ficar ali para sempre e não voltar jamais à cidade onde tantos perigos havia de ofender a Nosso Senhor. Se propôs ajudar ao mundo não com negócios e palavras, mas com penitências e oração pela conversão dos pecadores. Disse São Jerónimo que quando a palmeira não tinha fruto, cada dia vinha um corvo e lhe trazia meio pão, e com isso vivia nosso santo ermitão. (A Igreja chama ermitão ao que para sua vida numa "ermida", ou seja numa habitação solitária e retirada do mundo e de outras habitações).


Depois de passar ali no deserto orando, jejuando, meditando, por mais de setenta anos seguidos, já acreditava que morreria sem voltar a ver rosto humano algum, e sem ser conhecido por ninguém, quando Deus dispôs cumprir aquela palavra que disse Cristo: "Todo o que se humilha será engrandecido" e sucedeu que naquele deserto havia outro ermitão fazendo penitência. Era Santo António Abade. E uma vez a este santo lhe veio a tentação de crer que ele era o ermitão mais antigo que havia no mundo, e uma noite ouviu em sonhos que lhe diziam: "Há outro penitente mais antigo que tu. Empreende a viagem e o lograrás encontrar".

António madrugou para partir de viagem e depois de caminhar horas e horas chegou à porta da cova onde vivia Paulo. Este ao ouvir ruído lá fora acreditou que era uma fera que se acercava, e tapou a entrada com uma pedra. António chamou por muito longo tempo suplicando-lhe que movesse a pedra para poder saudá-lo.  No fim Paulo saiu e os dois santos, sem se haver visto nunca antes, se saudaram cada um por seu respectivo nome. Logo se ajoelharam e deram graças a Deus. E nesse momento chegou o corvo trazendo um pão inteiro. Então Paulo exclamou: "Vê como Deus é bom. Cada dia me manda meio pão, mas como hoje vieste tu, o Senhor me envia um pão inteiro." Se puseram a discutir quem devia partir o pão, porque esta honra correspondia ao mais digno. E cada um se cria mais indigno que o outro. Por fim decidiram que o partiriam tirando cada um de um extremo do pão. Depois desceram à fonte e beberam água cristalina. Era todo o alimento que tomavam em 24 horas. Meio pão e um pouco de água. E depois de conversarem de coisas espirituais, passaram toda a noite em oração.  Na manhã seguinte Paulo anunciou a António que sentia que ia a morrer e lhe disse: "Vai ao teu mosteiro e me traz o manto que Santo Atanásio, o grande bispo, te deu. Quero que me amortalhem com esse manto".

Santo António se admirou de que Paulo soubesse que Santo Atanásio lhe havia dado esse manto, e foi buscá-lo. Mas temia que ao voltar o pudesse encontrar já morto. Quando já vinha de volta, contemplou numa visão que a alma de Paulo subia ao céu rodeado de apóstolos e de anjos. E exclamou: "Paulo, Paulo, ¿porque te foste sem me dizer adeus?". (Depois António dirá a seus monges: "Eu sou um pobre pecador, mas no deserto conheci a um que era tão santo como um João Baptista: era Paulo o ermitão"). Quando chegou à cova encontrou o cadáver do santo, ajoelhado, com os olhos mirando o céu e os braços em cruz. Parecia que estivesse rezando, mas ao não ouvi-lo nem sequer respirar, se acercou e viu que estava morto.

Morreu na ocupação à qual havia dedicado a maior parte das horas de sua vida: orar ao Senhor. António se perguntava como faria para cavar uma sepultura ali, se não tinha ferramentas. Mas de pronto ouviu que se acercavam dois leões, como com mostras de tristeza e respeito, e eles, com suas garras cavaram um túmulo entre a areia e foram embora. E ali depositou Santo António o cadáver de seu amigo Paulo. São Paulo morreu no ano 342 quando tinha 113 anos de idade e quando levava 90 anos orando e fazendo penitência no deserto pela salvação do mundo. Se lhe chama o primeiro ermitão, por haver sido o primeiro que foi para um deserto a viver totalmente retirado do mundo, dedicado à oração e à meditação.

Santo António conservou sempre com enorme respeito a vestidura de São Paulo feita de folhas de palmeira, e ele mesmo se revestia com ela nas grandes festividades. São Jerónimo dizia: "Se o Senhor me pusesse a escolher, eu preferiria a pobre túnica de folhas de palmeira com a qual se cobria Paulo o ermitão, porque ele era um santo, e não o luxuoso manto com o qual se vestem os reis tão cheios de orgulho". São Paulo o ermitão com sua vida de silêncio, oração e meditação no meio do deserto,há movido a muitos a afastar-se do mundo e a dedicar-se com mais seriedade na solidão a buscar a satisfação e a eterna salvação.
 

   

*
É possível que, ao enviar este post por e-mail, o botão de doação acima não funcione. Nesse caso, envie um e-mail para edicoes.cristo.rei@gmail.com, ou diretamente para o Rev. Pe. Cardozo: runaejcv@gmail.com.

*
*
*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA