Pesquisar este blog

Novidades!!!

terça-feira, 7 de maio de 2013

A Importância do Rosário em Família

A Importância do Rosário em Família


Foi a reza do rosário em família e em comunidade que manteve viva
a Fé no Japão por mais de dois séculos.

Quadro japonês de um cristão escondido fiel nas perseguições.
No centro, Nossa Senhora e o Menino Jesus, S. Matias, Sto Inácio,
S.Francisco Xavier e Sta Luzia. Em volta, os mistérios do rosário.

clique para ampliar a imagem
Caros Amigos e Benfeitores,

Para o mês de Maria, e para o dia de Santa Mônica, em particular, vou deixar que uma mãe (e avó) escreva esta carta para vocês. É um artigo intitulado "Reflexões sobre o Rosário em Família". Aqueles de vocês que já a leram na edição de outubro-novembro do ano passado na Catholic Mothers Exchange, certamente não se importarão de que seja levada a um público mais amplo:

"O Rosário será uma arma poderosa contra o inferno, destruirá o vício, diminuirá o pecado, e derrubará as heresias." Essa é uma das 15 promessas feitas a São Domingos e ao Beato Alan pela Mãe de Deus, Nossa Senhora do Rosário.

Por quase 20 anos nós temos rezado o rosário em família com filhos e, agora, netos. Essa prática maravilhosa não faz parte da minha herança (eu me converti aos 30). Portanto, era uma prática realizada sem convicções promovidas pela experiência frutífera ou observação, mas apenas por obediência ao pedido de Nossa Senhora de Fátima para que as famílias orassem juntas diariamente o Santo Rosário.

Durante esses 20 anos, a observável imagem de 15 minutos da família em oração tem sido quase sempre muito diferente do tradicional, lindo e calmo retrato da família reunida para o rosário. Você sabe de qual imagem estou falando: o pai de terno e gravata, ajoelhando-se em pé em frente à estátua de Nossa Senhora, a imagem do Sagrado Coração de Jesus na prateleira sobre a lareira, toda a família se juntando a ele com reverência, cada um igualmente bem-vestido e de pé - exceto a avó ou a mãe, que é retratada na cadeira de balanço com o bebê calmamente sentado em seu colo.


O contraste entre o nosso momento para o rosário em família e esta imagem serena usada me faz pensar: "O que eu fiz de errado? Onde eu falhei?" Nosso momento de oração do rosário ao longo dos anos foi mais ou menos assim:

A mãe chama: "hora do Rosário. Hora do rosário." O de oito anos de idade rapidamente corre para a porta ao lado. Ele diz que logo vai estar de volta. A família se reúne e impaciente espera.

O adolescente diz: "Eu sempre rezo o rosário. Hoje eu não posso porque eu tenho que sair."

A mãe, com um exercício monumental de autocontrole, diz, "A saída deve esperar! Nossa Mãe do Céu nos pediu para rezar o nosso rosário em conjunto." O de oito anos de idade retorna e começa o rosário.

Então, em diferentes graus em cada dia, as interrupções seguintes sem exceção ocorrem:

A campainha toca. O visitante é convidado a se juntar a nós ou é rapidamente despachado. O bebê cospe, ou pior, e tem de ser cuidado. O de dois anos de idade tem um acesso de raiva e tem que levar umas palmadas. O telefone toca. É ligação de longa distância. Os de oito e dez anos de idade discutem sobre seu posicionamento na sala e empurram um ao outro para frente e para trás, cada qual reivindicando que o outro usurpou seu lugar, até que eles são separados. O de 15 anos de idade, que está morrendo de vontade de jogar beisebol, seguido de um rápido jogo de basquete, é vencido por uma fraqueza inexplicável que exige que ele se espreguice no sofá ou fique deitado. Isto exige que eu o cutuque e o ameace silenciosamente até que ele supere essa doença misteriosa.

Eu me lembro até mesmo de uma festa de família, quando todos os 60 (ou quase) convidados corajosamente se reuniram (tem que se ter uma certa dose de coragem para chamar o adolescente no jogo para rezar) na quente sala da frente para rezar o rosário: as janelas estavam abertas, os bebês estavam quietos, e assim o diabo enviou o cão no quintal para sentar do lado de fora da janela e uivar de vez em quando pelos 20 minutos seguintes!

Oh, ajude-nos, Mãe querida. Isso é rezar o santo rosário, meditando sobre os mistérios da vida de Nosso Senhor, como a senhora pediu? Parece que isso é o melhor que podemos fazer. Sinto muito.

Essa tem sido a imagem diária do momento do rosário. No entanto, agora eu posso ver a imagem com uma visão cumulativa de longo prazo. Os filhos crescendo, se casando, e tendo sua própria família. Eles mantiveram a Fé verdadeira, tradicional, através deste tempo tumultuado de erros na igreja. Um deles escolheu a vida religiosa. Os bebês são agora adolescentes e eles ainda estão rezando o rosário. Seus rostos ainda brilham com a beleza da pureza e inocência, mesmo com um jeito um pouco rebelde, às vezes.

Deo gratias! Obrigada, Senhor, pela graça da Fé. 'Obrigada, Mãe querida, pelo Santo Rosário. Um dia de cada vez, e os frutos não são observáveis. Devemos simplesmente seguir em frente e perseverar através de todas as distrações e interrupções da vida.' Do ponto de vista desta avó, eu vejo muitas famílias que estão sendo bem sucedidas na prática da verdadeira Fé. Quase sem exceção, eu acho que elas rezam o rosário. E o inverso é verdadeiro. Pode se observar que uma família após a outra, ao longo dos anos e gerações, foram escorregando para mais longe dos ensinamentos tradicionais da igreja, e abandonaram ou nunca rezaram o rosário em família.

Famílias jovens, não se preocupem com o caos familiar normal no momento da oração. Assim é a vida, e é inevitável. Apenas façam o melhor que puderem e, ao passo que as crianças crescem, continuem a tê-las com vocês na hora do rosário. Não afrouxem. Afinal, o pedido para rezar o rosário em família não vem da gente. Ele vem da nossa Mãe do Céu, e Deus abençoa a nossa intenção. O rosário em família é a necessidade da família. O vicio, o pecado e as heresias desenfreadas no mundo não podem ser combatidos em um nível intelectual somente. Precisamos da ajuda sobrenatural, e temos a promessa de que iremos recebê-la pela recitação diária do rosário. Esta é a defesa que precisamos na batalha contra os nossos adversários, os principados e potestades, e é prometido a nós através da simples recitação do rosário de Nossa Senhora. Apesar das campainhas, dissensões, cães, e distrações, vamos nos unir e permanecer unidos sob a proteção de Nossa Senhora como um exército de famílias rezando o Santo Rosário. Nossa Senhora do Rosário, rogai por nós!"

Final do artigo. Ele, explicitamente, advoga de modo eloquente pelo rosário em casa, mas implicitamente também nos lembra de uma grande verdade: a santidade deve ser trabalhada diariamente, ao ponto, pode-se dizer, que se a santidade não for trabalhada diariamente, não é de verdade.

Em outras palavras, uma vida agradável a Deus é plantada, é regada, e cresce nas ocorrências cotidianas ordinárias dessa vida, e não nas ocorrências extraordinárias. Eu quero pensar que essas orações extras, que a devoção extra, que a sensação pretensiosa extra em meu peito me faz um santo, mas isso não é verdade – como seria simples se fosse! Ao contrário, o Senhor Deus certamente registra o cumprimento do mandamento que eu empregar para proveito Dele por uma hora ou então cada manhã de domingo, mas Ele também está registrando sexta à noite ou segunda de manhã, quando eu acho que Ele não está tão preocupado, e de fato a minha pontuação em seus livros é a média ao longo das 168 horas de minha semana, ou sobre as 8.760 horas do meu ano. Por isso, a santidade de apenas algumas dessas horas é uma santidade de pontuação baixa.

Mas nossas vidas comuns compõem o grande número de horas de nossa vida. Por isso é melhor que a santidade esteja nas horas normais de nossas vidas, ou não vai ser de verdade. Tentações resistidas, dia após dia, paciência praticada, hora a hora, preferir os interesses de Deus, semana após semana, Deus amado, minuto a minuto – é aí onde a santidade está.

É lógico. Como Deus poderia ter nos dado tão pouco tempo na terra para merecer o nosso lugar no Céu (70 anos passam rápido, jovens, acreditem em mim), se o Céu não fosse merecido pelas atividades corriqueiras em que passamos grande parte do tempo? Tenhamos o cuidado de dar a Deus os momentos extraordinários não mais que os momentos comuns, mas em lugar de momentos comuns como um domingo passado em forma extra piedosa para compensar, em vez de corrigir, nosso desprezo a Deus de segunda a sábado. Ou como o impecável cômodo onde guardamos toda a nossa melhor mobília, mas onde quase nunca ficamos - a vida real se passa na cozinha -, a santidade não é a perfeição sob uma camada leve de pó. A santidade é na cozinha, por assim dizer, ou é nada.

Com essa sábia percepção de que a santidade está nas coisas comuns, em geral, o artigo também sabiamente sugere que a vontade de Deus vem através da rotina diária da mãe em particular. Se uma garota recebe uma educação moderna, é muito provável que ela venha a ser instruída a desprezar os trabalhos materiais domésticos - "vegetal na pia da cozinha" -, e ela vai aprender que, em vez de dar a seus filhos o tempo necessário, ela pode dar-lhes "tempo de qualidade". Mas as mães precisam encorajar exatamente aqui onde elas são atacadas: na monotonia, nas tarefas repetitivas, nos deveres materiais diários.

"Matéria" e "material" são palavras derivadas do latim "mater", que significa "mãe". "Material" é apenas uma letra diferente de "maternal". Pegue o que é "material" fora de "maternal" e sobra muito pouco - uma única letra! Por desígnio de Deus, a maternidade humana não se estende por apenas nove meses, mas por nove ou dezenove anos, e consiste em atender diariamente as necessidades das crianças durante esse tempo, com base em suas necessidades materiais. Que nenhuma mãe transforme em escória o material, e que ninguém despreze as mães por serem materiais. Seu amor pode ser o seu maior dom, mas seu cuidado material contínuo é o ganhador e a expressão desse amor, sem o qual pode murchar.

E que ninguém despreze a repetitividade dos deveres de casa. Por que as mães foram tão veneradas? Devido ao seu desprendimento genuíno. Como isso foi provado? Como um verdadeiro amor de Deus, pela sua ordinariedade e firmeza durante muitos anos. Na medida em que ano após ano ela deu seu amor e cuidado, não "tempo de qualidade", mas todo o tempo necessário, ela é amada como ninguém é amado na vida de uma pessoa.

É por isso que o lar que ela produziu é a verdadeira resposta para todos os tipos de males sociais para as quais não há resposta substituta. Considere esta citação do pecador arrependido, A. S., que fez uma mártir de 12 anos de idade, Maria Goretti, quando ela se recusou a pecar com ele:

"O difícil problema da pureza é em grande parte um problema de assistência, proteção, e compreensão. A santidade do amor materno purifica e preenche um vazio no coração jovem, e satisfaz um anseio de nossa natureza que, se não cumprido, se transforma facilmente em luxúria... Pureza em ambientes como o que eu vivia não é fácil para um menino. Eu contraí maus hábitos. Isso começou a me levar para baixo. Se apenas eu tivesse a minha mãe...".

Padres, sociólogos, reformadores, políticos, psicólogos, todos eles tentaram construir substitutos nos tempos modernos para o lar destruído e a família desintegrada, mas nenhuma dessas substituições é totalmente satisfatória. Mãe das mães, rogai por nós. Nossa Senhora do Santo Rosário, reconstrua nossos lares.

Com todos os bons votos e bênçãos,

Atenciosamente em Nosso Senhor,

Mons. Richard Williamson


Traduzido por Andrea Patrícia

Visto em: http://www.rosamulher.com/2013/04/a-importancia-do-rosario-em-familia.html 


EDITADO: Há uns textos de Williamson que não são tocados pela insanidade que o acomete desde algum tempo, ousando corrigir ao próprio Cristo ou recomendando ler para crianças (todas as noites e quando acabar recomeçar a leitura) livros heréticos e eróticos da falsa mística Maria Valtorta. 

Vamos manter no blog, os textos bons. 

*

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA