Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Os graus da humildade e os da soberba

OS DOZE GRAUS DA HUMILDADE:

I — Abster-se, por temor a Deus, a todo o momento, de qualquer pecado. 
II — Não amar a própria vontade. 
III — Submeter-se aos superiores com toda a obediência. 
IV — Abraçar, por obediência e pacientemente, as coisas ásperas e duras. 
V — Confessar os seus pecados. 
VI — Julgar-se indigno e inútil para tudo. 
VII — Reconhecer-se como o mais humilde de todos. 
VIII — Não sair da norma comum do mosteiro (*). 
IX — Esperar ser questionado para falar. 
X — Não ser de riso fácil. 
XI — Expressar-se com parcimônia e judiciosamente, sem erguer a voz. 
XII — Mostrar sempre humildade no coração e no corpo, com os olhos no chão.  



OS DOZE GRAUS DA SOBERBA: 


I — A curiosidade que lança os olhos e demais sentidos a coisas que não lhe interessam. 
II — A ligeireza de espírito que se manifesta na indiscrição de palavras, ora tristes, ora alegres. 
III — A alegria tonta que estala em riso ligeiro. 
IV — A jactância (**) que se torna patente ao muito falar. 
V — A singularidade que tudo procura para a sua própria glória. 
VI — A arrogância pelo que um se crê mais santo que os outros. 
VII — A presunção de quem se intromete em tudo. 
VIII — A desculpa para os pecados. 
IX — A confissão fingida, que se descobre quando um lhe manda fazer coisas ásperas e duras. 
X — A rebelião contra o Mestre e os Irmãos do Mosteiro (***). 
XI — A liberdade de pecar. 
XII — O costume de pecar.

A HUMILDADE É A VIRTUDE QUE INCITA O HOMEM A MENOSPREZAR-SE ANTE A LUZ DO SEU PRÓPRIO CONHECIMENTO... 

De São Bernardo de Claraval, “Sobre os doze graus da humildade e da soberba, segundo a regra de São Bento”.


(*) Para quem vive no mundo, pode ser o “mosteiro interior”.
(**) Atitude de alguém que se manifesta com arrogância e tem alta opinião de si mesmo; vaidade, orgulho, arrogância.
(***) aqui também se aplica ao “mosteiro interior”; sendo o “Mestre” o “diretor espiritual” (já tem um? Não?... Procure um!), e os “Irmãos”, o “próximo”. 

2 comentários:

  1. Giulia, você tocou no assunto mosteiro. Uma pessoa pode ser eremita na cidade e fazer da sua casa um mosteiro ou algo parecido, vivendo sempre sozinho em oração, trabalho de subsistência e penitência?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado sr. José Antônio, como vai? Há quanto tempo... rs

      Então, canonicamente, penso que não pode, mas como devoção particular, penso que sim. Mas em casos assim é sempre bom consultar o diretor espiritual antes, para que ele autorize ou não, e, autorizando, lhe dê as diretrizes.

      Qdo "nos" mandamos não conseguimos atingir os objetivos na plenitude, pq o segundo grau, como pode ver acima, é o da renúncia de si mesmo. Precisamos de um Mestre, e o diretor espiritual é este mestre visível.

      Nos Cartuxos (nos escritos deles) poderá encontrar a espiritualidade que parece buscar: a construção da "cartuxa interior", mesmo vivendo no mundo. É um bom projeto de vida.

      Me escreva em particular que lhe encaminho o que eu tenho em arquivo. Salve Maria Santíssima!

      Giulia

      Excluir

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui