Pesquisar este blog

Novidades!!!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Sermão de Mortalitate, São Cipriano.

Sermão "de Mortalitate"


de São Cipriano

"Viver é Cristo, e o morrer é lucro". Assinalamos a impressionante firmeza com que o santo bispo exorta seus fiéis a terem uma atitude sobrenatural, movida pela fé e pelas demais virtudes infusas, diante dos acontecimentos da vida. Que seja lição para nós, mais do que nunca apegados a um mundo cheio de atrativos e prazeres.

A divisão em capítulos segue o publicado na Patrologia de Migne.

"DE MORTALITATE"
São Cipriano (200-258)

I. — Bem sei, irmãos diletíssimos, que muitos de vocês conservam o espírito calmo, a fé firme e o ânimo devotado, e assim, longe de serem abalados pela extensão da mortandade atual, qual rochedo forte e estável, quebram os assaltos impetuosos do mundo e as violentas vagas do século, sendo por elas provados mas não vencidos. Noto, porém, que alguns dos fiéis sustentam o combate com menor vigor, e — seja por fraqueza de caráter, seja por falta de fé, seja pelos encantos da vida no século ou pela fraqueza do sexo, seja ainda, o que é mais grave, por um erro de doutrina — não fazem valer a força divina e invencível que trazem dentro de si.


Não se trata pois de alguma coisa que se possa deixar passar em silêncio ou disfarçar, mas ao contrário, na medida das minhas forças, com a maior energia e com palavras hauridas dos livros divinos, devo reprimir a covardia de um ânimo efeminado a fim de que seja realmente digno de Deus e do Cristo quem já se tornou servo de Deus e do Cristo.

II. — Quem é soldado de Deus, irmãos caríssimos, e é colocado no acampamento celestial, à espera da vida divina, deve medir bem a sua situação, de maneira que nenhuma hesitação, nenhuma perturbação venha a acometê-lo frente às procelas e turbilhões do mundo.

O próprio Senhor predisse que essas coisas haveriam de vir. Ele preveniu e ensinou os membros da Igreja, preparando-os e animando-os com palavras de previdente exortação para que, quando viessem os sofrimentos futuros — fome, guerras, terremotos e pestes que previamente anunciava e profetizava — pudessem suportá-los com perfeita constância. E para que um medo de inesperadas e desconhecidas calamidades não nos fizesse tremer, preveniu que nos últimos tempos mais e mais se intensificariam as adversidades.

Eis que acontece o que foi predito. E, se vemos as coisas anunciadas se realizarem, podemos estar certos de que virá em seguida o que foi prometido. Pois o próprio Senhor no-lo promete, dizendo: "Quando virdes que essas coisas sucedem, sabei que está próximo o reino de Deus". (Lc. XVII, 31). Aproxima-se portanto, irmãos caríssimos, o reino de Deus. Eis que acabando o mundo, chega-nos o prêmio de nossa vida, a alegria da salvação eterna e a posse do paraíso que perdêramos. Já as coisas do céu sucedem às da terra, as grandes substituem as pequenas, as eternas tomam o lugar das temporárias.

Que motivo há pois para ansiedade e desassossego? Quem fica inquieto e triste nesta situação, senão quem não tem esperança e fé? Só deve temer a morte quem não quer ir para o Cristo. E só não quer ir para o Cristo quem não crê que vai começar a reinar com Ele.

III. — Está escrito que o justo vive da fé. (Rm. I, 17). Se és justo e vives da fé, se verdadeiramente crês no Cristo, porque recusas ser chamado para junto dEle, porque não te rejubilas de ficar livre do diabo, uma vez que estás seguro, pela promessa do Senhor, de que ficarás com o Cristo? Assim, se deu com o justo Simeão, que foi verdadeiramente um justo e observou com fé inteira os preceitos de Deus. Fora-lhe prometido, por revelação divina, que não morreria sem ver o Cristo. Por isso, quando o Cristo, recém-nascido, veio ao templo com sua mãe, conheceu no Espírito que havia nascido Aquele de quem tivera revelação. E assim que o viu, soube que estava prestes a morrer. Alegrando-se, então, pela morte próxima e certo do chamado iminente, tomou nas mãos o Menino e, bendizendo o Senhor, exclamou: "Despede agora, Senhor, o teu servo, em paz, segundo a tua palavra; pois os meus olhos já viram a tua salvação". (Lc. II, 29).

Reconheceu assim e testemunhou que só haverá paz e repouso livre e tranqüilo para os servos de Deus quando, retirados os reboliços deste mundo, caminharmos para o porto seguro da eterna morada e quando, vencida esta morte, chegarmos à imortalidade. Esta é, com efeito, a paz verdadeira, a tranqüilidade em que se pode confiar; esta é a segurança estável, sólida e perpétua.

IV. — Aliás, o que há no mundo senão combate quotidiano com o demônio e pelejas assíduas contra seus dardos e flechas? A nossa luta é com a avareza, com o despudor, com a ira e com a ambição; a nossa batalha contínua e penosa é contra os vícios da carne e as seduções do século. O espírito do homem, cercado e oprimido de todos os lados pela perseguição, a custo consegue atender a cada um desses golpes. Pois se a avareza é abatida, levanta-se a concupiscência; se esta é dominada, surge a ambição; se é desprezada a ambição, a ira exaspera, a soberba infla, a embriaguez arrasta, a inveja rompe a concórdia, o ciúme destrói a amizade. És levado a maldizer e isto proíbe-nos a lei divina. És obrigado a jurar e isso não é lícito.

V. — Tantas perseguições sofre quotidianamente o espírito do homem, tantos perigos oprimem o seu peito; e agrada-lhe, contudo, permanecer mais tempo entre os golpes do demônio, apesar de ser mais desejável e preferível apressar os passos, por uma morte mais próxima, ao encontro do Cristo, como Ele próprio nos ensina dizendo: "Em verdade vos digo, havereis de chorar enquanto o século se alegra; mas a vossa tristeza se converterá em alegria". (Jo. XVI, 20).

Quem não prefere não ter tristeza, quem não se apressa à alegria? E o Senhor nos anuncia, mais adiante, o momento em que a nossa tristeza se converterá em alegria: "Hei de ver-vos novamente, e o vosso coração se encherá de alegria e ninguém poderá retirá-la de vós". (Jo. XVI, 22). Se portanto alegrar-se é ver o Cristo, se não pode haver outra alegria que não a de ver o Cristo, que cegueira, que loucura é amar as angústias, as penas e as lágrimas do mundo, em vez de correr ao encontro da alegria que nunca nos será tirada.

VI. — Isso se dá, irmãos diletíssimos, porque falta a fé, porque ninguém crê nas promessas de Deus. Ele porém é veraz e os verdadeiros crentes sabem que suas palavras são eternas e inabaláveis. Se um homem respeitável e bem reputado te promete alguma coisa, terás certamente confiança nele e não acreditarás ser enganado ou iludido por alguém que sabes constante nas palavras e nas ações. Agora é Deus que te fala e tu hesitas, desconfiado e sem fé. Deus te promete uma vida imortal e eterna, ao partires deste mundo e tu duvidas! Isso é desconhecer a Deus por completo, isso é ofender o Cristo, Senhor e Mestre dos crentes, com o pecado da incredulidade; isso é estar na Igreja e não ter fé dentro da própria morada da fé.

VII. — O próprio Cristo, mestre da nossa salvação e do nosso bem, mostra o quanto convém sair do século. Pois quando os discípulos se entristeceram por anunciar-lhes que tinha de partir, falou-lhes assim: "Se me amasseis, ficaríeis certamente alegres, porque vou para o Pai". (Jo. XIV, 28). E dessa maneira ensinou e mostrou que a partida dos entes amados deste mundo é antes ocasião de alegria que de tristeza. Lembrado disso é que o bem-aventurado apóstolo Paulo declara na sua epístola: "Para mim, viver é o Cristo e morrer é lucro". (Fp. I, 21).

Estima pois o Apóstolo como a maior das vantagens já não estarmos presos pelos laços deste século, nem sujeitos aos pecados e vícios da carne; estarmos portanto isentos das torturas e angústias e livres dos venenosos hálitos do diabo, quando partirmos para a alegria eterna, a chamado do próprio Cristo.

VIII. — Mas ao contrário, alguns estranham que o contágio deste mal atinja igualmente os nossos e os gentios, como se acreditassem que se é cristão para gozar sossegado deste mundo e deste século, imunes do contato dos males e não para reservar-se às futuras alegrias, depois de sofrer aqui todas as adversidades. Lastimam esses que compartilhemos com todos da mesma mortandade. Que coisa porém não havermos de ter em comum com os demais homens, enquanto esta carne comum permanece sob a lei do primeiro nascimento?

Enquanto estamos neste mundo, somos ligados ao gênero humano pela igualdade da carne, e separados pelo Espírito. Por isso, até que este (corpo) corruptível se revista da incorrupção, o mortal recebe a imortalidade, e o Cristo nos conduza a Deus Pai, tudo o que há de incômodo na carne nos será comum com o gênero humano.

Assim, quando a terra estéril não produz frutos, a fome é a mesma para todos; quando a cidade é dominada pela invasão do inimigo, o cativeiro pesa sem distinção sobre os habitantes; quando o céu sereno retém a chuva, a seca é igual para todos; quando um escolho fende o navio, o naufrágio é comum aos navegantes, sem exceção. Do mesmo modo a dor dos olhos, o ataque das febres, as enfermidades de todos os membros são iguais para nós e os outros, enquanto carregamos neste século a mesma carne.

IX. — Ainda mais, se o cristão acreditar que há uma lei e uma condição para ele, saiba que lhe competirá labutar mais que os outros neste século, pois será maior para ele a agressão do diabo. A Escritura Divina assim adverte e ensina: "Filho, entrando no serviço de Deus, permanece na justiça e temor e prepara o teu espírito para a tentação". (Ecle. 2-1). De novo: "Nas dores sê firme, nas humilhações tem paciência, porque o ouro e a prata são provados pelo fogo mas o homem por meio das humilhações". (Ec. 2-4).

X. — Assim Jó, ao perder os bens, ao ver a morte dos filhos e ao ser afligido gravemente por chagas e vermes não foi vencido, mas provado; e nas suas dores e aflições disse, mostrando a paciência de sua alma religiosa: "Nú saí do ventre de minha mãe, nú irei para a terra. O Senhor deu, o Senhor tirou. Como quis o Senhor, assim se fez. Bendito seja o nome do Senhor". (Jó. I, 21).

E como a própria esposa o quisesse impelir a pronunciar, impaciente pela intensidade da dor, uma queixa ou uma palavra de revolta contra Deus, respondeu dizendo: "Falaste como uma mulher insensata. Se recebemos os bens da mão de Deus, porque não havemos de suportar os males?" Em todas estas coisas que lhe aconteceram, não pecou Jó por seus lábios diante de Deus. (Jó 11,10). Por isso o Senhor Deus dá testemunho em seu favor: "Reparaste o meu servo Jó? Não há na terra ninguém igual a ele, é um homem irrepreensível, que presta culto verdadeiro a Deus". (Jó. II, 3).

E Tobias depois de obras magníficas, depois de muitos e gloriosos louvores da sua misericórdia, tendo padecido a cegueira, temeu e louvou a Deus na adversidade, subindo ao louvor pela própria desgraça corporal. Também a ele a esposa tentou perverter, dizendo: "Onde está a tua justiça? Eis que sofres". (Tb. II). Mas ele, constante e firme no temor de Deus, armado pela fé para suportar todos os sofrimentos, não se deixou levar pela tentação da esposa, fraca na dor, mas por uma paciência ainda maior mereceu mais diante de Deus. Por isso, mais tarde, louva-o o anjo Rafael, dizendo: "É honroso revelar e confessar as obras de Deus. Pois quando tu oravas com tua nora Sara, eu fiz menção de tua oração diante da glória divina. Quando sepultavas com simplicidade os teus mortos, quando não hesitavas em levantar e abandonar a tua refeição para sair e velar um morto, fui enviado para provar-te. Agora de novo me mandou Deus para curar a ti e a tua nora Sara. Eu sou Rafael, um dos sete anjos santos que assistem e habitam diante da glória divina". (Tb. 12-7).

XI. — Os justos sempre possuíram esta paciência; os apóstolos receberam do Senhor o ensinamento de não murmurar na adversidade, mas de aceitar com paciência tudo que acontece neste século. E o povo judeu sempre pecou porque murmurava freqüentemente contra Deus, conforme atesta o Senhor Deus no livro dos Números, dizendo: "Cesse a murmuração deles contra mim e não morrerão". (Nm. 20).

Não se deve portanto, irmãos diletíssimos, murmurar na adversidade, mas suportar com paciência e coragem tudo que acontecer, pois está escrito: "Sacrifício a Deus é um espírito atribulado; Deus não despreza o coração contrito e humilhado". (Sl 50)

Mais uma vez no Deuterônimo aconselha o Espírito Santo: "O Senhor teu Deus te afligirá, mandar-te-á fome e verá se o teu coração guarda ou não os seus preceitos". (Dt. 3). E novamente: "O Senhor Deus vos tenta para saber se amais o vosso Deus de todo coração e de toda alma". (Gn 22).

XII. — Assim Abraão agradou a Deus, pois para isso não hesitou em perder o filho, nem recusou cometer homicídio. E tu, que não podes perder um filho pela lei desta circunstância de mortandade, que farias se recebesses ordem de matá-lo? Pelo temor de Deus e pela fé, deves estar preparado para tudo. Seja o perder da fortuna, seja o contínuo tormento dos membros atingidos pela doença, seja o triste e fúnebre arrancar da esposa, dos filhos e dos demais entes queridos; nada disso seja para ti ocasião de tropeços, mas de luta; nada disso quebre ou enfraqueça a fé do cristão, mas antes dê ensejo para que se manifeste o seu vigor no combate, pois a agressão dos males presentes deve ser deprezada em vista dos bens futuros.

Na verdade, não pode haver vitória sem que tenha havido combate. Mas, se houver vitória, então será dada a coroa aos vencedores. É na procela que se conhece o piloto, é no combate que se prova o soldado. Quando não há perigo, é fraca a agitação da luta. O combate nas adversidades é uma provação para a verdade. A árvore que tem raízes profundas não é abatida pelos ventos; a nau bem construída é agitada pelas ondas mas não é perfurada. E quando na eira se debulha a colheita, o grão forte e robusto zomba do vento enquanto que as palhas sem força são levadas pela aragem.

XIII. — Assim o Apóstolo Paulo, depois de naufrágios e flagelos, depois de muitas e graves tormentas da carne e do corpo, disse não ser afligido mas corrigido pela adversidade, de forma que quanto mais fosse atormentado, mais verdadeiramente seria provado. "Foi-me dado", disse ele, "um estímulo da carne, um enviado de satanás que me esbofeteie, para que me não venha a ensoberbecer. Por isso três vezes pedi ao Senhor que ele fosse afastado de mim, e o Senhor me disse: — basta-te a minha graça. Pois a força se aperfeiçoa na fraqueza". (II Cor. XII, 7).

Quando portanto irromper uma calamidade, uma fraqueza ou enfermidade, então nossa força se aperfeiçoará, então a fé, que perseverou na tentação, será coroada, conforme está escrito: "O vaso se prova na fornalha, e os justos no sofrimento da tribulação". (Ecl. 27-5).

Afinal, é isto justamente que nos diferencia dos demais homens, daqueles que não conhecem a Deus, pois enquanto estes se queixam e murmuram da adversidade, nós na desventura não nos afastamos da virtude e da fé, mas até nos fortalecemos na dor.

XIV. — É proveitoso para o progresso da nossa fé que neste momento as vísceras dissolvidas em fluxo esgotem a força do corpo, que a febre interior queime a face ulcerada, que o estômago seja dilacerado por vômitos repetidos, que os olhos ardam pela afluência do sangue, que os pés e outros membros sejam amputados pelo contágio da podridão, que a doença se espalhe pelas juntas, tornando-as defeituosas e paralisadas, ou pelo corpo todo tornando obstruído o ouvido e cegos os olhos.

Diante de tantos ímpetos de devastação e morte, quão grande é para o pecador lutar com as energias de um ânimo inquebrantável, quão sublime é permanecer de pé entre as ruínas do gênero humano e não jazer prostrado como aqueles que não têm esperança em Deus.

Devemos, pois, rejubilar-nos antes e aproveitar o favor do tempo, porque enquanto provamos a fortaleza da nossa fé, caminhamos para Cristo, suportando as penas pela sua estrada estreita e recebemos de suas próprias mãos o prêmio da vida e da fé.

Tema morrer, sim, mas aquele que não tendo renascido na água e no Espírito, é propriedade do fogo da geena. Tema morrer quem não participa da cruz e da paixão do Cristo. Tema morrer quem passa desta morte a uma segunda morte. Tema morrer o que deixando o século será atormentado pela chama inextinguível das penas eternas. Tema morrer quem encontra na terra uma protelação dos sofrimentos e gemidos.

XV. — Muitos dos nossos morrem nesta mortandade, mas isto quer dizer apenas que muitos dos nossos irmãos são libertados do século. Pois se essa epidemia é, de fato, uma peste para judeus, gentios e demais inimigos do Cristo, é, contudo, para os servos de Deus a viagem da salvação. Nem se pense que a ruína seja igual para bons e maus, por verificar que morrem indistintamente os justos e os injustos. Pois os justos são chamados para a paz, ao passo que os injustos são arrebatados para o suplício. O que acontece é que aqueles recebem mais depressa a herança e estes, a pena.

Assim, irmãos diletíssimos, somos imprudentes e ingratos em relação aos benefícios divinos, pois nem reconhecemos o que nos é dado. Eis que partem em paz, seguras de sua glória, as virgens prudentes, não temendo mais as ameaças da corrupção e do lupanar do anticristo, que está prestes a vir; eis que os meninos fogem ao perigo da idade incerta e alcançam sem risco o prêmio da castidade e inocência; eis que a jovem esposa já não teme a tormenta e evita, pela morte prematura, o temor da perseguição e das mãos dos algozes cruéis.

Ainda mais, pelo medo da mortandade animam-se os tímidos, levantam-se os abatidos, exercitam-se os covardes, os desertores são compelidos a voltar, os gentios coagidos a crer e a velha fileira dos veteranos é chamada ao descanso, pois um novo e numeroso exército de ânimo mais forte, recrutado no tempo da mortandade, vai ocupar a linha de frente, pronto a lutar sem temor da morte, quando vier o combate.

XVI. — Afinal, irmãos caríssimos, que pode haver de mais proveitoso e necessário? Com efeito, esta epidemia que parece tão horrível e funesta, põe à prova a justiça de cada um e experimenta o espírito dos homens verificando se os sãos servem aos enfermos, se os parentes se amam sinceramente, se os senhores têm piedade dos servos enfermos, se os médicos não abandonam os doentes que imploram, se o violento reprime a violência, se o avarento, ao menos por meio da morte, abandona o ardor sempre insaciável da sua desvairada cobiça, se os soberbos quebram o orgulho, se os desonestos refreiam a audácia, se, ao menos por terem morrido os que amam, os ricos, vendo-se sem herdeiros à beira da morte, distribuem alguma coisa aos pobres.

Se, porém, nada mais nos proporcionasse esta mortandade, ainda valeria muito para nós cristãos por este resultado que produziu: pois, ensinando-nos a não temer a morte faz com que comecemos a desejar de boa vontade o martírio.

Estamos, pois, em face não do enterro mas do adestramento. A mortandade é um exercício que dá ao espírito a glória da fortaleza e nos prepara para a coroa, pelo desprezo da morte.

XVII. — Mas, talvez, alguém se oponha dizendo: "O que me contrista nesta mortandade é que me havia preparado para a confissão1 e havia feito de todo o coração o voto de suportar o tormento. Como, porém, a morte me toma a dianteira, sou privado do martírio".

Antes de tudo, o martírio não está em teu poder, mas na benemerência de Deus. Não podes, portanto, dizer que perdeste o que nem sabes se merecerás receber.

Além disso, Deus que penetra o coração e as entranhas, vê e conhece as coisas ocultas. Ele contempla e louva, prova e examina atentamente a virtude que em ti estava preparada e dar-te-á recompensa. Acaso Caim quando ofereceu a Deus o sacrifício já matara o irmão? E todavia Deus que previa o fratricídio já concebido no pensamento, condenou-o antecipadamente. Do mesmo modo que aquela cogitação má, aquela idéia criminosa fora manifesta a Deus, assim também quando os seus servos desejam a confissão e concebem no espírito o martírio, essa disposição será coroada pelo próprio Deus.

Uma coisa é faltar disposição para o martírio, outra é ter faltado o martírio quando havia disposição.

Tal como o Senhor te encontrar ao chamar-te, assim te julgará, pois Ele mesmo o estabeleceu, dizendo: — "Saibam todas as igrejas que eu sou aquele que sonda os rins e o coração". (Ap. 2-23). Com efeito, não deseja o nosso sangue, mas procura a nossa fé. Pois nem Abraão, nem Isaac, nem Jacó foram mortos e contudo foram julgados dignos, pelos méritos da fé e da justiça de serem honrados como os primeiros entre os patriarcas; e todo aquele que for encontrado fiel, justo e digno de louvor será reunido ao seu convívio.

XVIII. — Devemos estar lembrados que cumpre fazer não a nossa vontade mas a de Deus, conforme o Senhor nos mandou rezar diariamente. Verdadeiramente estranho e contraditório é pedirmos que seja feita a vontade de Deus e não obedecermos imediatamente quando vem chamar-nos e retirar-nos deste mundo. Resistimos e relutamos como servos rebeldes e somos levados à face de Deus com tristeza e temor, saindo do século acorrentados a irresistível lei da natureza e não pela complacente entrega da vontade livre.

E ainda queremos o prêmio celeste das mãos d'Aquele a Quem só chegamos constrangidos.

Porque, pois, oramos e pedimos que venha a nós o reino dos Céus se nos agrada o cativeiro da terra? Porque rogamos insistentemente, em preces repetidas, que se apressem os dias do reino, se os nossos maiores desejos e votos são, antes, servir nesta terra ao diabo que reinar com Cristo?

XIX. — Por último para se tornarem mais evidentes os sinais da Divina Providência, pelos quais o Senhor, presciente do futuro, dirige os seus à verdadeira salvação aconteceu o seguinte fato: um nosso companheiro de sacerdócio, estando esgotado pela doença e preocupado com a morte que se avizinhava, implorou para si uma prolongação de vida. Surgiu, então, ao suplicante, já quase moribundo, um jovem de venerável majestade e beleza, de estatura elevada e nobre aspecto. E apesar de postar-se ao lado do moribundo, este a custo o teria visto com os seus olhos carnais, se não estivesse no limiar da morte e, por isso, em condições de contemplar uma tal figura. Disse-lhe o jovem, sem esconder certa indignação no ânimo e na voz: Temeis sofrer, não quereis morrer, que farei por vós?

A palavra é de quem censura e também de quem admoesta. É a palavra de quem cuida dos desejos futuros em vez de permitir aos que estão preocupados com a perseguição e seguros da morte, os desejos do século. O nosso irmão e companheiro, na hora da morte, ouviu o que era dito para os outros. Pois aquele que ouviu, estando prestes a morrer, só ouviu para que transmitisse. Não ouviu para si, mas para nós. Que poderia apreender para si, estando já para morrer? Aprendeu, antes, para os que ficamos, para que saibamos, pelo conhecimento da censura feita ao sacerdote que pedia prolongação da vida, aquilo que convém a todos nós.

XX. — E a nós também, mínimo e último, quantas vezes foi revelado, com que freqüência e clareza Deus se dignou ensinar-nos, afim de que o afirmássemos e pregássemos pública e assiduamente, que não devem ser chorados os irmãos libertados do século pelo chamado divino.

Sabemos que não os perdemos, mas que eles nos precedem, que retirando-se avançam na nossa frente, à semelhança dos que viajam ou navegam. Saibamos, pois, que devemos lembrar-nos deles, mas não chorá-los, nem usar, aqui, vestes pretas, quando eles, lá, já vestiram a veste branca. Não devemos, pois, dar ocasião aos gentios para que nos repreendam, com razão e direito, dizendo que choramos como extintos e perdidos aqueles que afirmamos viverem junto de Deus e que não provamos com o coração a fé que manifestamos com palavras. Traímos assim a nossa fé e a nossa esperança; e parece ser falso, fingido e simulado o que dizemos. De nada adianta alardear virtudes por palavras e revelar o contrário por fatos.

XXI. — Já o apóstolo Paulo, censura e incrimina os que se entristecem pelo falecimento dos seus2. Diz ele: "Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância a respeito dos que dormem, para que não vos entristeçais, como os que não possuem a esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, creiamos também que Deus conduzirá com Jesus os que nEle dormiram". (I Th. IV, 13). É próprio dos que não tem esperança, diz ele, contristar-se com a morte dos entes queridos. Nós, porém, que vivemos na esperança, cremos em Deus e estamos seguros de que o Cristo sofreu e ressuscitou por nós, nós que permanecemos no Cristo e somos nEle e por Ele ressuscitados, porque não queremos deixar este século, porque choramos e lamentamos, como perdidos, os nossos mortos? O próprio Cristo, nosso Deus e Senhor, nos adverte, dizendo: "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim viverá ainda que morra e todo aquele que vive e crê em mim não morrerá eternamente" (Jo. XI, 25). Se cremos no Cristo, se temos fé nas suas palavras e promessas, também não morramos eternamente; caminhemos, pois, com alegria e tranqüilidade em direção do Cristo, com Quem havemos de vencer e reinar para sempre.

XXII. — Porque, ao mesmo tempo que morremos, somos pela morte conduzidos à imortalidade; nem é possível que venha a vida eterna sem que tenhamos saído do mundo. Isto, portanto, não significa mais um fim, mas a passagem e a emigração para o eterno, depois de percorrido o caminho do tempo. Quem não se apressará em chegar ao melhor? Se o apóstolo Paulo prega, dizendo: "A nossa pátria (conversatio) está no céu, donde esperamos o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo miserável, configurando-o com o seu corpo glorioso". (Fp. III, 20), quem não deseja com ardor ser mudado e transformado na figura do Cristo e chegar mais depressa à majestade da glória celeste? Que seremos assim, o Cristo igualmente promete, quando ora ao Pai para que estejamos ao seu lado, habitemos com Ele nas moradas eternas e alegremo-nos nos domínios celestes: "Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde eu estarei e que eles vejam a glória que tu me deste antes que o mundo fosse feito". (Jo XVII, 24). Quem está para partir para a morada do Cristo, para a glória do reino celeste, não deve chorar, nem se lamentar; antes, conforme a promessa do Senhor e a fé do seu Verbo verídico, deve rejubilar-se por esta partida e migração.

XXIII. — Lemos, ainda, ter sido assim transportado Enoch, que agradou a Deus, conforme o testemunho do Genesis "Enoch agradou a Deus e não foi mais visto porque Deus o transportou" (Gn. V, 24). Por ter sido agradável ao olhar de Deus mereceu ter sido afastado do contágio deste século. Igualmente, por meio de Salomão, ensina o Espírito Santo serem arrebatados precocemente e mais cedo libertados os que agradam a Deus, a fim de que não venham a ser manchados pelo contato do mundo, por uma permanência mais demorada. "Foi arrebatado para que a malícia não alterasse a sua inteligência. Pois sua alma era agradável a Deus; por isso (o Senhor) apressou-se em tirá-lo do meio da iniqüidade" (Sb. IV, 11; Sb. IV, 14). Também nos salmos a alma que se dedicou a Deus apressa-se para o Senhor na fé espiritual: "Quanto são amáveis as tuas moradas, Deus dos exércitos. A minha alma deseja e procura as tuas mansões. (Sl. LXXXIII, 1).

XXIV. — É próprio daquele a quem o mundo deleita, a quem o século convida, acariciando e enganando como os engodos do prazer terreno querer demorar-se nele por muito tempo. Ainda mais, se o mundo odeia o cristão, porque amas o que te odeia e não preferes seguir ao Cristo, que te redimiu e amou? S. João clama na sua epístola e exorta-nos a não amarmos o mundo, seguindo os desejos da Carne. Diz ele: — "Não ameis o mundo, nem o que é do mundo. Se alguém ama o mundo, não está com ele a caridade do Pai; porque tudo que está no mundo é concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e ambição do século e não vem do Pai mas da concupiscência do próprio mundo. E o mundo passará, e com ele a sua concupiscência. Aquele, porém, que fizer a vontade de Deus, permanece eternamente, como Deus permanece eternamente". (I Jo. 11-15 ss). Estejamos, pois, irmãos diletíssimos prontos para a vontade de Deus, com a mente íntegra, a fé firme e a virtude sólida, de modo que se afaste de nós o temor da morte e pensemos unicamente na imortalidade que a seguirá. Mostremos que somos de fato o que acreditamos ser, de modo que nem lamentemos a morte dos caros, nem hesitemos quando chegar o dia do nosso chamado mas aceitemos de bom grado o convite do Senhor.

XXV. — Posto que essa deva ser a atitude constante dos servos de Deus, agora, mais do que nunca deve ser assim, pois o mundo já se está desmoronando, assolado pelos turbilhões que o assaltam; assim, nós que percebemos já terem começado as coisas duras e sabemos estarem iminentes outras ainda mais pesadas, estimemos, como grande lucro, deixar mais depressa este lugar. Se em tua casa as paredes envelhecidas trepidassem, o teto se abalasse, e a própria casa corroída pelo tempo, já frouxa e sem firmeza, ameaçasse ruir, não te mudarias com todas presteza? Se em viagem uma violenta e tormentosa procela, levantando as vagas mais impetuosas, prenunciasse o naufrágio, porventura não procurarias imediatamente um porto? Eis que o mundo vacila e desmorona, e a sua ruína não é apenas o envelhecimento mas o próprio fim; tu, porém, não dás graças a Deus, nem te rejubilas por te livrares, pela morte prematura, da ruína do naufrágio e das desgraças iminentes?

XXVI. — Devemos considerar e refletir, irmãos diletíssimos, que renunciamos aos mundo e que nele habitamos provisoriamente como hóspedes e peregrinos. Amemos, pois, o dia que coloca cada um de nós na verdadeira pátria, que, libertando-nos dos laços seculares, nos restitui ao paraíso e ao reino. Quem, estando em terra estranha, não abreviaria o regresso à pátria? Navegando com pressa, para o convívio dos seus, quem não desejaria ardentemente um vento propício, que mais cedo permitisse abraçar os entes queridos? Para nós, a pátria é o Paraíso. Os patriarcas já começaram a ser os nossos pais. Porque, então, não nos apressamos e corremos para ver a nossa pátria e abraças a nossos pais? Aí nos espera um grande número de entes queridos, aí nos aguarda com ansiedade uma multidão de irmãos, pais e filhos, já segura de sua glória e preocupada com a nossa salvação. Que alegria não há de ser para nós e para eles quando chegarmos à sua presença e ao seu abraço? Qual não será, então, o prazer, quão grande a felicidade de possuir, sem temor da morte, a vida eterna e os reinos celestes? Aí estará o glorioso coro dos apóstolos, aí, a falange jubilosa dos profetas, a multidão inumerável dos mártires coroados pela vitória nas lutas e sofrimentos; aí estarão ainda as virgens triunfantes que dominaram, pela virtude da continência, a concupiscência da carne e do corpo, aí, estarão, finalmente, os misericordiosos, na posse da sua recompensa, isto é, os que fizeram obra de justiça distribuindo aos pobres bens e alimentos e cumpriram os preceitos do Senhor dando o seu patrimônio terrestre em troca dos tesouros celestes. Caminhemos, pois, irmãos diletíssimos, com ansiedade para eles, desejemos que não demore a nossa ida para junto do Cristo, para que também mais cedo estejamos com eles. Que Deus veja este nosso pensamento, que o Cristo Senhor considere este propósito do espírito e da fé, para que dê mais abundantemente o prêmio de sua glória àqueles por quem sabe ser mais desejado.


Fonte:(publicado em A Ordem, Novembro de 1941)
1. Confessor e mártir são termos sinônimos. Ambos designam o que deu testemunho e, no nosso caso, o que deu testemunho do Cristo. A Igreja, posteriormente, reservou o nome de mártir para os que deram o testemunho até ao sangue, ficando o de confessor para os demais santos. Para Cipriano as palavras aparecem freqüentemente como sinônimos. Outras vezes o nome de confessor é atribuído, particularmente, aos que deram o testemunho público do Cristo, em face do governo, mas não sofreram a morte, seja porque ainda a esperam na prisão, seja porque tenham sido libertados a despeito de permanecerem no testemunho.
2.  Não há mal em prantear os mortos, como nos mostram as lágrimas de Nosso Senhor por Lázaro. O que o apóstolo condena é aquele choro descontrolado, aquela tristeza sombria, que se fecha para a virtude mesma da Esperança.
 

Fonte: http://missatridentinaemlondrina.blogspot.com/2013/03/sermao-de-mortalitate-sao-cipriano.html


*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA