Pesquisar este blog

Novidades!!!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Igreja Católica: o problema não é a FSSPX

Traduzi este artigo publicado ontem em Corrispondenza Romana bastante elucidativo e de origem no mínimo supreendente, que mostra que há pessoas que compreendem de forma tão clara que eu ainda não compreendo por que os 'plena comunhão' ainda não compreenderam. Talvez tenham compreendido, sim; talvez, a questão seja outra: orgulho, vaidade, inveja...

GdA

Igreja Católica: o problema não é a FSSPX

Transcrevemos um comento do escritor francês Jean Madiran, publicado no “Présent” de 21 de Dezembro de 2011.

«Com uma humildade que vai longe, ou, mais ainda, que vai no fundo das coisas, Mons. Fellay, no dia 08 de Dezembro, por ocasião da festa da Imaculada Conceição, afirmou precisamente: “Há um problema na Igreja, mas não é a Fraternidade; nós somos um problema apenas porque dizemos que há um problema”. Tal problema existiria, seria o mesmo se a FSSPX não existisse. Se a Fraternidade não existisse, quem falou sobre o problema conciliar antes da FSSPX e quem falou disso fora da FSSPX arriscar-se-ia a ser pouco compreendido, ou nada compreendido.

O problema na Igreja, o problema do Concílio, consiste em uma situação muito diferente da “nova Pentecostes” e da “nova primavera da Igreja” anunciadas há quarenta e cinco anos como os frutos certos do Vaticano II.

Viu-se e vê-se, ao contrário, um queda vertical das vocações sacerdotais que comporta uma galopante diminuição do clero; assiste-se a uma assustadora diminuição dos matrimônios, dos batismos, das catequeses e das celebrações dos domingos.

É este o problema exposto por Mons. Gherardini em suas duas últimas obras e em sua comovente Súplica ao Santo Padre de dois anos atrás. O essencial foi retomado no dia 24 de setembro passado, por cerca de cinquenta personalidades católicas italianas na Súplica ao papa Bento XVI para um exame aprofundado do Concílio ecumênico Vaticano II. Todo este vasto enunciado do problema conciliar na Igreja existiria mesmo que a Fraternidade São Pio X não existisse. Naturalmente, há também um problema da Fraternidade, mas é um problema privado: não se trata, de fato, de “reconduzi-la” à Igreja; ela já está na Igreja, e visivelmente, pois a excomunhão foi retirada.

O problema privado da FSSPX é, como sublinha Bento XVI, de regularização da situação canônica dos seus quatro bispos e da própria Instituição. Eles têm o mesmo Credo do Papa e reconhecem a estrutura hierárquica da Igreja: o mesmo não se poderia dizer de uma grande parte (o que resta) do clero atual. Um exemplo apenas, suficientemente catastrófico: Bento XVI sabe perfeitamente, e o disse publicamente no dia 04 de Outubro de 2008, que a corrente principal da exegese nega que o Senhor tenha instituído a Santa Eucaristia e declara que o corpo de Jesus teria permanecido no sepulcro. Para muitos sacerdotes católicos, vítimas dessa exegese, a Presença real não é mais uma certeza de Fé, mas uma incerteza discutida.

De fato, a sorte da Missa tradicional é regulada somente em teoria. Naturalmente, é o essencial: o seu primado de honra e a sua perfeita liberdade. Uma grande parte do episcopado, porém, arrasta o pé ou, até mesmo, resiste: é um drama inacreditável esta recusa episcopal que exercita uma pressão ameaçadora sobre o próprio Papa. Ao mesmo tempo, a Igreja é desprovida, há cinquenta anos, de catecismos breve para crianças.

Quanto às Sagradas Escrituras, os tradutores-comentadores da Bíblia em idioma francês acreditam que todas as palavras de Jesus nos Evangelhos tenham sido inventadas algum tempo depois de sua morte: a marca episcopal da Bíblia Bayard, pelo que se sabe, ainda não foi retirada. Nem todos os fieis compreendem a teologia (necessária) de um Gherardini, mas podem muito bem compreender que estas coisas são gravemente anormais».

Fonte: Corrispondenza Romana 
Tradução: Giulia d'Amore di Ugento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA