Convite

 
Feminismo: o maior inimigo da mulher
Grupo do Facebook • 157 membros
Participar do grupo
Grupo criado com o propósito de desmascarar o feminismo.
 

Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Mulher: seja submissa!

Um livro que acaba de ser lançado na Itália é já causa polêmica, pois a autora, decidindo sair do tema da moda (atacar a Igreja), adentra um tema que as feministas achavam resolvido, morto e enterrado: o papel da mulher no casamento: como, colocando-se ao serviço da família, a mulher acaba sendo a peça chave no sucesso (ou fracasso) do matrimônio. Interessante. 
Quiça, alguma de nossas mães-católicas-que-trabalham brasileiras se entusiasme com a ideias e possa nos brindar com um livro sobre a família e seus valores, baseado nos princípios cristãos.
Deixem de lado, por gentileza, o último parágrafo, onde a sra. Giulia Tanel, do site Libertà e Persona (Liberdade e Pessoa), ao comentar o livro, deixa-se levar pela filosofia da busca da felicidade como ideal último do ser humano. Não me parece que a escritora tenha seguido por este caminho, visto que fala em sacrificar-se pela família, dentre outras coisas. 

Este o blog da autora: SPOSATI E SII SOTTOMESSA 
Enjoy yourself!






Por Giulia Tanel - 26/07/2011

"Não há nada mais transgressivo e excitante que a ortodoxia", escrevia Chesterton há algumas décadas... E Constanza Miriano tomou essa afirmação (quase) ao pé da letra.
Com o seu Sposati e sii sottomessa – Pratica estrema per donne senza paura[1], a autora escreveu um livro que se tornou um desconfortável evento editorial. Desconfortável, porque o que ela diz vai contracorrente. É verdade que - palavras dela- "(...) falar mal da Igreja é como o pretinho básico: é bom para qualquer ocasião e nunca sai da moda”[2], mas ela optou mudar de assunto e dizer como é ter quatro filhos, um marido que lhe/se ama, ser uma jornalista do TG3[3], ir à missa todos os dias e correr também alguma maratona, se possível, visto que a faz feliz.

A autora não é uma mulher incomum, dotada de poderes extraordinários. É simplesmente uma mãe-que-trabalha que, com algumas regras fixas (poucas, segundo ela, mas bem claras), é capaz levar adiante, brilhantemente,  a troupe toda, e também conseguir um espaço para si.

Qual é o segredo? Quais são as "regrinhas mágicas" de Miriano?

Lendo Sposati e sii sottomessa, o conceito mais salientado pela autora é o de que a mulher tem sua própria identidade e seu gênio, que é necessariamente diferente daquele masculino: dizer que os dois sexos são iguais é uma abominação. O sexo frágil é feito para acolher e tem ínsita em si a vocação para a maternidade; os homens têm outras peculiaridades e, sobretudo, atribuições diferentes. Cada um na sua.

Miriano escreve a este respeito: "O feminismo foi, a seu modo, um florescer. Foi uma explosão da exigência [das mulheres] de sentir-se amadas, compreendidas, valorizadas. Só que tomou o caminho errado, o da autoafirmação. (...) A emancipação - que partiu de uma exigência de justiça – levou a uma ideia distorcida da paridade. A paridade não é igualdade. É dar igual dignidade para duas identidades que não poderiam ser mais diferentes"[4].

"A mulher se perde quando esquece quem ela é. A mulher é, principalmente, esposa e mãe. Deve oferecer espaço e proteção. Não apenas nos limites estreitos da família (...)"[5].

Algumas mulheres "modernas", lendo estas afirmações, provavelmente ficarão horrorizadas. Mas é isso: a mulher tem a atribuição de acolher o seu homem e seus filhos, de antecipar-lhes os desejos, de "sacrificar-se" pelo bem da sociedade. Justamente, seja submissa: porque é a partir da base que se constrói o resto! Aos homens, ao invés, deve-se deixar a tarefa de encarnar a auctoritas[6], incumbência que é muitas vezes esquecida hoje em dia, com consequências devastadoras: "(...) isso principalmente deve ser o pai. É uma tarefa importante e também árdua, porque quase sempre é mais fácil dizer sim que não às exigências dos filhos"[7].

Para fazer funcionar o casamento é necessário não se deixar levar pelas emoções do momento, aceitar os defeitos do outro (e os próprios!, talvez até rindo deles) e doar-se. Assim, com um pouco de boa vontade, o tanto ridicularizado "até que a morte nos separe" não será mais uma utopia distante, mas uma meta alcançável. O casamento não é uma empresa que abre ou fecha dependendo das necessidades do mercado: é para sempre.

Claro, hoje tudo é mais difícil. As pessoas não estão acostumadas a trabalhar duro e a sacrificar-se pelos outros: não se é capaz de renunciar a nada; muitos não são capazes de escolher um amor para a vida toda; todos querem dominar, e ninguém aceita obedecer; a gravidez e a maternidade são vistos como uma doença; às mulheres é exigido que sejam sempre perfeitas, em qualquer área... e assim por diante.

Eis, então, que se faz necessário colocar alguns pontos. Poucos, mas claros.

Quando uma mulher se casa deve estar disponível a acolher seu marido e os filhos que virão. Ao mesmo tempo, deve ser capaz de falar a linguagem do marido (que "(...) se lhe diz que não pensa em nada, confie: não pensa em nada") e deve confiar nele, delegar, confiar na sua maneira de fazer as coisas. E, assim, ser capaz de encontrar tempo para si mesma.

Por último, fato muitas vezes escondido, é preciso confiar em Deus. Ser perfeita é humanamente impossível, e às mulheres hoje é exigido muito, demais. É necessário baixar as armas, ser mais humildes e começar a viver sem medir tudo por si, porque só assim é possível ser feliz.



Tradução: O Blog





[1] “Case-se e seja submissa - Prática extrema para mulheres destemidas” (Vallecchi, Milão, 2011).
[2] (op. cit, p. 10.).
[3] Il TG3 è il telegiornale di Rai 3, terceiro canal da rede televisiva estatal italiana.
[4] (op. cit., P. 59).
[5] (op. cit., P. 65).
[6] Auctoritas: a autoridade (latim).
[7] (op. cit., P. 203).

Um comentário:

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

Subscrive here! Siga este blog, receba as novidades por e-mail!

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

Se vc é das Missões Cristo Rei, cadastre-se aqui

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA