Pesquisar este blog

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

MODÉSTIA: Praia e esportes para a mulher.

"MODA PRAIA E ESPORTE"

por Giulia d'Amore di Ugento


foto meramente ilustrativa:
"nostalgismo" não é necessariamente uma virtude!
Ir à praia é uma atividade salutar, uma vez que o ar marinho nos ajuda a respirar melhor. Sei bem disso porque, quando descemos para Bertioga, no litoral paulista, sentimos o delicioso ar marinho quando ainda estamos descendo a Serra, e o mar é ainda uma tênue linha no horizonte! Não que em Campo Grande (MS) se tenha tamanha poluição, mas para irmos a Bertioga passamos uns dias em São Paulo (Guarulhos), e (já imaginou né?) na primeira semana costumeiramente nossas narinas "trancam"; já precisamos, uma ou duas vezes, ir ao hospital para fazermos inalações.



clique para ampliar
Assim, e como "navegar é preciso", é necessário tomar alguns cuidados, além de simplesmente passar protetor solar. Em primeiro lugar, seria prudente encontrar uma localidade mais afastada, para evitar um dos maiores males da modernidade para a família: a pornografia institucionalizada. E, depois, encontrar vestes adequadas para os banhos.

Eu costumo usar um maiô de hidroginástica (aquele tipo "macacão" – Sras./Srtas. montfortianas, não se trata de um maiô darwiniano, não se preocupem!) por baixo de um vestido midi de algodão, que não tiro. Uso o maiô como roupa íntima mesmo, como era antes da revolução indumentária. O vestido "midi" é por razões práticas, pois um vestido longo seria completamente inadequado, uma vez que, por causa do peso que a água lhe adiciona, posso tropeçar e cair, podendo vir a dar um "show" involuntário e inadequado. Bom senso sempre!

Bom senso também é necessário para as atividades esportivas, a ginástica e as caminhadas, e para todo tipo de atividade na qual a calça parece ser mais útil e prática. Algumas senhoras/senhoritas têm me dito que usam a “calça comprida” porque a saia atrapalha as atividades; algumas se sentem “esquisitas”, atraindo a atenção de todos; outras dizem que a saia “não combina” com o tênis etc. Eu costumo fazer as minhas caminhadas – minha única atividade esportiva atualmente – de saia e tênis mesmo, sem atrapalhações nem preocupações com respeitos humanos, uma vez que não tenho vergonha de ser modesta. A coisa é simples: calça só em casos extremos! Li em algum lugar, agora me falha a memória de onde teria sido, que Nossa Senhora teria dito exatamente isso, em Fátima, sobre o uso de calças por parte da mulher: apenas para as atividades típicas do campo, como a "lida" com o gado nos currais. Como disse, bom senso sempre!

Navegando pela net, vi, certa vez, um traje de banho que as muçulmanas e as judias tradicionalistas costumam usar e que foi aceito entusiasticamente pelas mulheres norte-americanas mais conservadoras, como as mórmons ou as Amish. Compunha-se de uma blusa/túnica longa – sempre abaixo dos quadris, mas pode ser mais cumprida ainda – e uma calça que podia ir até a “batata” da perna ou o tornozelo. Feito de material similar aos das roupas esportivas, sem ser justo demais, cobre modestamente, mas sem “atrapalhar”, como aconteceria se fosse de algodão.


clique para ampliar
Penso que esse traje seria adequado até para fazer ginástica ou as tão necessárias caminhadas, tendo em vista que resolveria ao mesmo tempo o problema prático e o estético (ou emocional), tão importante “ainda” para algumas pessoas.
Um aparte: 
Não pensem que eu esteja criticando acidamente essa preocupação com a estética tão saliente em algumas senhoras/senhoritas! De forma alguma! Se a menciono é porque o problema existe, e falando a respeito penso que ajudaria na reflexão particular de cada uma: trata-se da correção fraterna, tão ovacionada e, ao mesmo tempo, tão rejeitada!!!

E a razão de existir dessa preocupação estética é porque, particularmente no Brasil, a Tradição é uma coisa nova, por incrível que deveria aparecer! Pouquíssimas são as pessoas já maiores de idade que nasceram em berço tradicionalista. Ou minto? A maioria tomou conhecimento disso que é um verdadeiro estilo de vida, pois não se restringe ao banco-da-missa-de-domingo, há pouco tempo, talvez não mais do que dez anos, e, portanto, ainda não assimilou por inteiro o que é “ser” católico. É compreensível que ainda não tenha abandonado por completo o “homem velho”, com seus hábitos, suas particularidades, suas angústias, seus conceitos (pré ou pós, que sejam). Até porque conversão não é mágica! E, assim, até mesmo as coisas mais simples se tornam um problema gigantesco.

Normalmente, isso acontece logo que se conhece a Tradição: a conversão traz – para o homem que acaba de conhecer a Verdade, mas ainda revestido de toda uma vida errada – uma certa dose de escrupulosidade, que um bom (e absolutamente necessário) diretor espiritual ajudará a dissipar. Claro que um padre, por ser homem, não vai ser seu "personal stylist", não vai lhe dizer que tipo de roupa ou que cores e tecidos você deve usar. Ele vai ajudá-la a compreender o que é modéstia interior; com o tempo, gradualmente, essa excelsa virtude brotará serenamente de seu interior, e você mesma fará suas escolhas, sem pesar - o que acontece muito hoje em dia - o que os outros irão pensar, o que seu esposo acha, ou o que "fica bem" em você e, a pior de todas as situações: o que as outras mulheres irão dizer!!! A mulher se veste para ser invisível, para passar despercebida. Ao olhá-la, as pessoas devem ver Maria.
Mas essa insegurança/equívoco perduraria ainda dez anos depois? Em alguns casos sim, porque a conversão não é imediata nem definitiva. É um exercício diário e exaustivo. A cada amanhecer, recomeça o combate. Se não houver firmeza e persistência, a derrota é certa!

Uma boa leitura a respeito seria o texto “Garotas na Universidade” de Mons. Williamson, onde, além de esclarecer que a universidade NÃO É um lugar adequado para a mulher, pelos potenciais riscos que esse ambiente pode proporcionar, deixa bem clara a situação dos ambientes católicos tradicionalistas atualmente. Lembro-me que um dos primeiros “Comentários Eleison” que li falava exatamente sobre isso! Por mais boa vontade e desejo sincero de abandonar o mundo... parece que o mundo não nos abandona tão facilmente assim! 

Ainda sobre a modéstia, nem precisa lembrar que não são necessários cuidados escrupulosos, como sugerem certas pessoas que gostariam que as mulheres usassem algo similar à burca, como forma de expressar a modéstia. Não passam de nostálgicos (com alguma dose maior ou menor de farisaísmo) que pararam no tempo: exatamente por volta dos anos '40, chegando até a usar roupas tiradas de velhas revistas garimpadas em sebos. Se fosse assim, o certo seria retroagir a dois mil anos atrás e imitar a "bendita entre as mulheres", a mais perfeita de todas: Maria Santíssima!!! E não é o caso, porque a vestimenta, ao contrário das Verdades Reveladas, pode mudar e se adequar ao tempo e às circunstâncias, sempre respeitando obviamente a decência e o bom senso.

E nunca é demais repetir que a modéstia é algo interior! O cumprimento da saia e das mangas e o tamanho do decote são a exteriorização necessária da modéstia interior, não são sua causa e fim. De nada vale arrastar a saia no chão se por dentro é um... pão bolorento. Em outro post volto ao assunto.
E, voltando ao assunto em tela, em minhas navegações no cyber-oceano, descobri alguns sites (estrangeiros) em que se podem adquirir roupas modestas, entre as quais roupas esportivas e de banho, para ambos os sexos, adultos ou crianças. Aqui vai a lista de alguns desses sites:
JenMagazine - indicação de site de roupas modestas;
Modest Clothing  - indicações de sites que vendem roupas modestas.
ModestKini - nos EUA, o maiô modesto é chamado modestkini.
Bom, não precisam necessariamente comprá-las, se preferirem não favorecer de alguma forma os "inimigos da Fé", mas servem de inspiração para fazer (ou mandar fazer) um traje esportivo e/ou de banho parecido. 

Em tempo, as fotos dos burquínis são meramente ilustrativas. 

Em tudo e sempre: BOM SENSO.




_

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA