Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

COMPORTAMENTO: Meninas e bonecas falando palavrões

Que boneca você daria para sua filha?



que boneca, você daria a sua filha?

A onda de imoralidade e pornografia que grassa no mundo moderno é muito pior do que a disseminação do vírus ebola. Pode parecer chocante, mas é a pura realidade.

Primeiramente, porque aquilo que atinge a alma e pode produzir a sua danação eterna é pior do que aquilo que atinge o corpo e tem apenas o poder de adiantar a hora da morte, que chega inexoravelmente para todos os filhos de Eva.

Mas há uma segunda razão para se afirmar que essa onda de imoralidade e pornografia é pior do que a pior das doenças. É que, enquanto contra o vírus ebola e outras epidemias do gênero se movem todos os poderes constituídos, as organizações científicas, a mídia, e tudo mais que se queira, no que diz respeito à depravação moral, ela é antes promovida do que combatida, e a escravidão ao vício da impureza é apresentada como uma “libertação social”.


E o mais trágico dessa onda é que ela procura perverter as mentes infantis, normalmente receptáculo de pureza e de inocência.


*       *       * 


O jornal “O Globo” (24-10-14) e o site da UOL (23-11-14) noticiam a disseminação de um vídeo que apresenta meninas com idades entre 6 e 13 anos, vestidas como princesas, proferindo os piores palavrões.

O clipe é uma campanha de um site ativista de Ohio, nos Estados Unidos, que pretende usar o linguajar chulo das meninas para chamar atenção para a causa feminista.

Ele traz, ainda, um menino de 12 anos com vestido cor de rosa e manifestando-se contra o “sexismo”: “Quando você diz a meninos para não agirem como meninas, é porque você acha que ser uma menina é algo ruim”, prega o menino.

Muitos internautas se sentiram ultrajados com a linguagem utilizada pelas crianças nas referidas cenas, tendo alguns acusado seus pais de “abuso infantil”.

Ainda nos Estados Unidos, uma rede de lojas especializada em brinquedos pôs à venda, a poucas semanas do Natal, bonecas que falam palavrões quando apertadas. Apesar das reclamações, a rede não quer retirar essas bonecas de circulação. 




*       *       *



Uma “espécie em extinção”:
a boneca tradicional
para as meninas…
Tudo isso parece servir a um objetivo. Se a criança, ao abrir os olhos para este mundo, recebe uma formação reta e inocente, por mais tênue que esta seja, isto se refletirá depois durante toda a sua vida. Ainda que, mais tarde, por uma perversão, ela venha a entregar-se a todas as infâmias morais, aquela primeira luz de inocência que ela conheceu permanece na alma sob a forma de um remorso, de uma consciência pesada, ou mesmo de uma saudade, que podem impedi-la de dar os últimos passos em direção ao precipício moral, ou ainda – e há casos nessa direção – de produzir em certo momento uma conversão salvadora, como a do filho pródigo do Evangelho.

Por isso, a onda de imoralidade e pornografia tem o maior empenho em atingir as crianças logo nos seus primeiros balbucios, a fim de poluir as águas puras da inocência com sua baba fétida e imunda, e evitar assim qualquer veleidade futura de perseverança no bem, ou de conversão, ou mesmo da prática de um mal menos radical do que aquele desejado e promovido por Satanás.

Filmetes como esse a que aludimos, ou bonecas que falam palavrões, atuam decididamente nessa direção, e ofendem gravemente o Coração Imaculado de Maria, já tão ofendido.


Fonte: Revista Catolicismo, Nº 768 (Dezembro/2014) 

Visto em: http://www.abim.inf.br/meninas-e-bonecas-falando-palavroes.

  
Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA