Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de março de 2014

Meditaçõe do Pe. Bernardes sobre as Dores da Virgem Maria ao pé da Cruz - III

Da cruel espada de angústia que transpassou o coração da Virgem ao pé da Cruz e em sua solidão



MAGNA EST VELUT MARE CONTRITIO TUA.
(Lm 2, 13)

A espaçosa e profunda vastidão do mar Oceano, quem a pode medir ou avaliar, ainda que em partes o navegasse ou visse superficialmente? Assim também a grandeza e acerbidade das penas e angústias que atormentaram o piedosíssimo coração da Virgem Santíssima na Sagrada Paixão e Morte de seu Bendito Filho e nosso Salvador JESUS Cristo, são maiores que toda a explicação e conceito que deste objeto podem formar pessoas ainda muito espirituais e ilustradas. Não deve todavia ser isto causa para deixarmos de meditar e ponderar estas penas, desse curto e diminuto modo que alcançamos: assim porque a dignidade da matéria merece ao menos este ínfimo grão do nosso agradecimento, como pelo muito que a Deus e à Virgem é agradável, e a nós proveitosa esta devota memória. E porque o saber qualquer fiel sentir alguma parte destas penas é especial graça de Deus: implorando esta primeiro com humildes e fervorosos desejos, podemos ir discorrendo pelos seguintes princípios.

Meditação III




Considera a prodigiosa e invencível magnanimidade da Senhora no meio de tanto padecer. Em alguns lugares das Revelações de S. Brígida, se acha que a Virgem, nesta ocasião, desmaiou e perdeu os sentidos. Porém, o Expurgatório Romano os mandou riscar, como introduzidos sub-repticiamente ou mal-entendidos. E Cartagena escreve que algumas pinturas que representavam o desmaio da Senhora ao pé da Cruz se mandaram em Roma recolher. E Bartolomeu de Medina diz que em Espanha alguns Pregadores, por mandado da Santa Inquisição, se desdisseram desta opinião no púlpito. E com razão; porque ainda que a pena da Virgem foi tal que, como diz S. Anselmo, em sua comparação, foi nada a de todos os Mártires, e se a Senhora não fora confortada superiormente, desfalecera — e por isto é verdadeira Rainha de todos os Mártires. Contudo, não desfaleceu, e assim explicam os SS. Padres o que disse o Evangelista S. João: Stabat juxta Crucem JESU Mater ejus: Estava e permanecia em pé junto da Cruz de JESUS, MARIA sua Mãe. Stabat (disse S. Antonino) verecunda modestia, lachrymis plena, doloribus immensa, ita tamen Divinae voluntari conformis, quod, ut Anselmus ait, si oportuisset ad implendum sedundum rationem, voluntatem Dei, ipsa filium in Cruce posuisset, atque obtulisset; neque enim minoris fuit obedientiae quam Abraham. Estava a Senhora em pé junto a Cruz com modéstia vergonhosa, toda cheia de lágrimas, e submergida em dores; porém, tão conforme a vontade Divina, que se, como diz S. Anselmo, importasse ao beneplácito de Deus que ela mesma O pusesse e oferecesse na Cruz, o faria assim; pois não tinha menor obediência que a de Abraão. E S. Boaventura, acomodando os quatro dotes do corpo glorioso ao espírito da Senhora, diz que foi claríssima pela santidade, sutilíssima pela humildade, agilíssima pela piedade e impassível pela paciência. De sorte que podemos entender que a mesma fornalha de tribulação que padecia, recozeu e fortificou sua alma, de modo que o mesmo padecer a tornou como impassível; não porque o seu humano barro deixasse de sentir a atividade da pena que o penetrava; senão porque o mesmo sentir puxava pelos cabedais da fortaleza que dentro a sustentava.

E se especulamos mais a razão porque a Virgem não desvaneceu nem as águas vivas deste Oceano de penas arrombaram os diques de sua paciência, foi porque teve perfeito domínio sobre todos seus atos e afetos; e assim, de tal sorte regia todos os movimentos da sua porção inferior, que não pode haver nela coisa alguma indecorosa ou dissonante da Maternidade Divina e da uniformidade ao Verbo humanado, cujo exemplar sempre leu interiormente revelado e o estava lendo exteriormente aberto nas tábuas da Cruz.

E não só não desmaiou a Senhora com a força da dor, senão que com ela soube unir por admirável modo uma incrível glória e estimação de que seu bendito Filho remisse o mundo com o preço de seu sangue e vida oferecido voluntariamente. Donde se vê quanto obrigou ao gênero humano, fazendo voluntárias as suas próprias penas (as quais pudera impor moderação) e cooperando na oblação do sacrifício da Cruz com Cristo, que era o principal oferente, e o seu verdadeiro Isaac, com quem fazia uma só pessoa, assim moral como misticamente; pois era sua verdadeira Mãe, e nele estava transformada por amor puríssimo. Omnia creatura in morte Filii dolente (disse S. Matilde) ipsa sola cum Divinitate immobilis et gaudens Filium suum pro mundi salute immolari voluit. E tão espontânea foi esta oblação, que S. Antonino compara nela a vontade da Mãe temporal com a do Pai Eterno, dizendo que de uma e outra se pode dizer com o Apóstolo (Rm 8, 32): Proprio filio suo non pepercit, sed pro nobis omnibus tradit illum. Aprende aqui, alma minha, a saber adorar e estimar o imenso cúmulo dos merecimentos desta Mãe admirável; e a saber oferecer ao eterno Padre os infinitos da Paixão de Cristo; e assistir com grande freqüência, e com devoção ouvir, ou celebrar Missa, onde se renova o mesmo sacrifício da Cruz incruentamente; e a não repugnar à pequena parte dos trabalhos que o Senhor te enviar, antes agradecê-la sumamente, pois com os trabalhos dos justos bem levados se acabam de encher e perfazer os que Deus vê que faltam ainda ao corpo místico de Cristo (que é a Igreja) para se conformar com o seu corpo verdadeiro; e no reino de Deus terá depois aquele com este as semelhanças na glória que teve antes nas penas. E falando com a Senhora, dize: Ó generosa filha do grande Patriarca Abraão, e seu antítipo completo no sacrifício do figurado Isaac. Ó espiritual Sacerdotisa do Altíssimo, que lhe oferecestes na Cruz, sem detrimento da vossa inocência, o mesmo Cordeiro que gerastes no ventre, sem detrimento da vossa Virgindade. Ó mulher verdadeiramente forte, cuja fortaleza se achou, e se experimentou na maior prova que podia ter a paciência humana (Pr 31, 10): Mulierem fortem quis inveniet? Certamente o vosso valor veio de muito longe, e dos fins últimos: Procul, et de ultimis finibus pretium ejus. Veio lá das alturas, veio do peito do Pai Onipotente, quando ao vosso enviou a sua virtude para dominar no meio de seus inimigos; e quando fez força em seu braço para destruir os soberbos de coração. Alcançai-me deste Senhor alguma participação desta fortaleza: alcançai-me daquela largueza de vosso coração como as arcas do mar, onde as bravas ondas da Paixão de vosso Filho quebravam sem ficar quebrado; rugiam, e se espraiavam, mas ele não murmurava, nem perdia os seus espaços. Ó se eu fora quieto no padecer! Como estivera já lavrado da mão de Deus. Ó se fosse magnânimo nas tribulações! Como se dignaria de me encher de si; pois a sua largueza em dar não se entornaria com o meu encolhimento em receber. Ó quem pudera sentir e dizer com o vosso amantíssimo S. Inácio Mártir (que teve a dita de vos ver quando ainda éreis mortal) quem pudera, digo, sentir e dizer o que ele posto no martírio sentiu, e disse animosamente: Nunc incipio Christi esse discipulus, nihil de his quae videntur desiderans, ut JESUM Christum inveniam. Ignis, crux, bestiae, confractio ossium, membrorum divisio et totius corporis contritio et tota tormenta diaboli in me veniant, tantum ut Christo fruar: Agora é que começo a ser discípulo de Cristo, não desejando coisa alguma invisível, para assim achar a JESUS Cristo. Venham sobre mim o fogo, a cruz, as feras, quebrem-se os ossos, desconjuntem-se os membros e todo o corpo se desfaça com tormentos, ainda com os mais horrendos que o demônio inventar, com tanto que chegue eu a gozar de Cristo..

Pe. Manuel Bernardes


CONTINUA...

Meditação I - dia 05/03/2014
Meditação II - dia 12/03/2014
Meditação III - dia 19/03/2014
Meditação IV - dia 26/03/2014
Exemplos - dia  02/04/2014

Fonte: http://www.permanencia.org.br/drupal/node/1286

Obras do Pe. Bernardes no Estante Virtual: aqui e aqui. Clique na tag Pe. Manuel Bernardes, depois do texto, e veja o que mais o Pale Ideas publicou deste piedoso Sacerdote.

Padre Manuel Bernardes (1644-1710) professou em 1674 na Congregação do Oratório de S. Filipe de Néri. Escreveu diversos tratados de espiritualidade e vários guias morais, como Exercícios Espirituais (1686), Luz e Calor (1696) e Pão Partido em Pequeninos (1696); dois volumes de Sermões e Práticas (1711) e a Nova Floresta ou Silva de Vários Apotegmas em cinco volumes publicados entre 1706 e 1728. Esta última obra é uma coleção de «ditos bons e sentenciosos de varões ilustres» que apresenta por ordem alfabética o comentário a um pecado ou virtude. O autor não chegou a ir além da letra J e da virtude «Justiça», pois falecera entretanto.

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA