Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Não me perguntem!

E quem, em sã consciência não gritou esse grito de dor? Eu ainda não vou falar a respeito, mas publico este manifesto porque é o que eu penso. E assino embaixo. 

Um profundo grito de dor...

Não me perguntem!


Não me perguntem o que eu acho deste ou daquele pronunciamento, desta ou daquela conversa, do discurso diante de seminaristas, de encíclicas, de canonizações estilo fast-food ou de imagens pornográficas nos jardins vaticanos. Não me perguntem o que penso desta ênfase em se mostrar humilde, destes gestos, desta ânsia em querer simplificar tudo, em mudar tudo, reformar tudo, como se a reforma visasse apenas a estrutura burocrática, humana. Não, ela não visa somente isso, e por isso mesmo ela soa como uma blasfêmia aos meus pobres ouvidos de pecador.


Para ser franco, não me perguntem e nem me falem de mais nada do que ocorre hoje, pois este pobre pecador se encontra incapaz de suportar mais um pronunciamento, mais um gesto, mais uma escultura, mais uma canonização, mais um discurso ou uma missa sobre um altar de marinheiros. E por isso mesmo, debilitado, ovelha perdida, que recorro em silêncio ao Pastor celestial, que tanto tem para me dizer, para me confortar, para me acolher em sua Verdade, sem delongas, sem passar a mão sobre a minha cabeça, sem querer me desviar de suas próprias leis. Sim, é Nele que encontro o manancial de águas límpidas, as águas da fé que não se misturam em templos de candomblé, que não se esvaem pelo esgoto fétido das heresias protestantes. É Nele, por Ele e para Ele que ainda creio, mas creio por meio da Igreja, e não nesta igreja. 

Sim, a igreja que saiu do Concílio das mil maravilhas morreu, esta igreja com i minúsculo, da qual restou apenas este edifício carcomido que a cada dia derrama suas insanidades sobre os espíritos tão confusos, tão perdidos, não é a Igreja militante de sempre. 

Entretanto, mesmo confrontado com esta verdade tão límpida, tão clara como a luz do sol, que muitos, por não serem águias, preferem ignorar, mantenho-me firme, pois acredito que a Igreja triunfará, intacta, pois seu edifício resplandecente não pode ser atingido por estes homens, por você, por mim. Sim, a Igreja de sempre ainda está aqui, diante de nós, para nos mostrar o caminho seguro, a vereda que nos levará ao Céu.

Por isso, se querem me perguntar alguma coisa, perguntem-me sobre as grandes encíclicas de São Pio X, de Pio XII, de Leão XIII; perguntem-me sobre  São Pio V, São Gregório, São Leão Magno, sobre São Bernardo, Santa Joana d'Arc, São Luís, São Francisco – o verdadeiro -, sobre santos que, mesmo exalando o odor da santidade, passaram pelo crivo da Igreja, como se deve, sem atalhos, sem os "jeitinhos" da vida. Perguntem-me da Idade Média, de seus reis trabalhando com a Igreja por uma sociedade justa, fraterna; perguntem-me das histórias, das lendas, dos contos das Cruzadas, até mesmo da grandiosa Inquisição. Perguntem-me da Missa católica, aquela odiada por Lutero, vilipendiada em nossos dias pelos padres que deveriam amá-la e defendê-la com todas as suas forças; perguntem-me dos cânticos, dos grandes teólogos, dos grandes escritores; perguntem-me de Bossuet, de São Tomás, de Fénelon, de Delassus, de Salvany, de Suarez, de Alberto, de Alcuíno. Mas, acima de tudo, perguntem-me Daquela cujo coração imaculado triunfará no fim de tudo isso, Daquela cujo esplendor e santidade ofuscam a todos nós, pecadores. Perguntem-me da Santíssima Virgem, a quem, neste momento de dor e de confusão, de quase desistência, confio meus últimos suspiros.
Com adaptações e imagem de: http://auxiliodoscristaos.blogspot.com.br/2013/07/um-profundo-grito-de-dor.html

+
Inscreva-se para receber as publicações do Pale Ideas: Delivered by FeedBurner.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA