Pesquisar este blog

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Como, desprezando o mundo, é doce servir a Deus

Como, desprezando o mundo, é doce servir a Deus


1. A alma: De novo, Senhor, Vos falarei, e não me calarei; direi aos ouvidos de meu Deus, meu Senhor e meu Rei, que está nas alturas: Quão grande, Senhor, é a abundância da doçura que reservastes aos que Vos temem! (Sl 30,20). Mas que será para os que Vos amam e de todo o coração Vos servem? É verdadeiramente inefável a doçura da contemplação que concedeis aos que Vos amam. Nisto, particularmente, me manifestastes a doçura de Vosso amor: quando não era, Vós me criastes e quando andava longe de Vós, perdido no erro, me reconduzistes a Vos servir e me destes o preceito de Vos amar.

2. Ó fonte perene de amor, que direi de Vós? Como poderia eu esquecer-me que Vos dignastes lembrar-Vos de mim, ainda depois de depravado e perdido? Além de toda esperança, usastes de misericórdia para com Vosso servo, e acima de todo mérito me prodigalizastes Vossa graça e amizade. Com que poderei agradecer-Vos tal mercê? Porque nem a todos é dado deixar tudo, renunciar ao mundo e abraçar a vida religiosa. Será porventura mérito que eu Vos sirva, quando toda criatura tem obrigação de Vos servir? Não me deve parecer grande coisa que eu Vos sirva; antes devo considerar grande e digno de admiração que Vos digneis receber-me, pobre e indigno como sou, em Vosso serviço e associar-me aos Vossos servos prediletos.


3. Vede, é vosso, Senhor, tudo que possuo e com que Vos sirvo; entretanto, mais me servis Vós a mim do que eu a Vós. Aí estão o céu e a terra, que criastes para uso do homem, e estão atentos a Vosso aceno, a fazer cada dia o que lhes mandais. Mais ainda: os próprios anjos destinastes ao serviço do homem. Mas, acima de tudo isso, Vós mesmos Vos dignais servir ao homem, e prometestes ser a sua recompensa.

4. Que Vos darei eu por esses benefícios sem conta, Oh! se pudera servir-Vos todos os dias da minha vida! Se pudera, ainda que um só dia, prestar-Vos condigno serviço! Na verdade, sois digno de todo serviço, de toda honra e glória eterna. Vós sois verdadeiramente meu Senhor, eu vosso pobre servidor, obrigado a servir-Vos com todas as minhas forças, sem me cansar jamais de Vos dar louvores. Assim o quero, assim o desejo: dignai-Vos, Senhor, suprir o que me falta.

5. Grande honra e glória é servir-Vos e desprezar tudo por Vosso amor. Porque copiosa graça alcançarão os que livremente se sujeitam ao Vosso santíssimo serviço. Encontrarão suavíssima consolação do Espírito Santo os que por Vós desprezam todos os deleites carnais. Conseguirão grande liberdade da alma os que por Vosso nome entram na vereda estreita e se apartam de todos os cuidados mundanos.

6. Ó doce e amável servidão de Deus, que torna o homem verdadeiramente livre e santo! Ó sagrada servidão do estado religioso, que faz o homem igual aos anjos, agradável a Deus, terrível aos demônios e recomendável a todos os fiéis! Ó ditoso e nunca assaz desejado serviço, que nos mereceu o Bem soberano e adquire o gozo que há de durar para sempre!
 

Imitação de Cristo, Livro III, Capítulo 10. 

  
Ajude o apostolado do Rev. Pe. Cardozo, adquirindo alguns dos itens do Edições Cristo Rei, encomendando Missas (consulte a espórtula diretamente com o rev. Padre), ou fazendo uma doação aqui:

+
Informe aqui o seu e-mail para receber as publicações do PALE IDEAS: Delivered by FeedBurner

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é CATÓLICO. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se reservam o direito de publicar ou não.

COMENTE aqui. Para outros assuntos, use o formulário no menu lateral. Gratos.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA