Pesquisar este blog

Retiro

domingo, 31 de março de 2013

Semana Santa 2013


http://farfalline.blogspot.com.br/p/missas-no-brasil.html


  Para ver os locais de Missas no Brasil
clique aqui.

*
*
*

Páscoa: A Glorificação de Nosso Senhor Jesus Cristo

clique para ampliar e imprimir


A Glorificação de Nosso Senhor Jesus Cristo


JESUS SAI DO TÚMULO
Na aurora do terceiro dia, Jesus ressuscitou dentre os mortos e saiu glorioso do túmulo.
De repente, sentiu-se um grande tremor de terra. Do céu desceu um anjo que rolou a pedra do túmulo para o lado e se sentou em cima dela. O seu rosto brilhava como um relâmpago e os seus vestidos eram brancos como a neve. À vista do anjo, os guardas foram tomados pelo medo e caíram como mortos.

JESUS APARECE ÀS SANTAS MULHERES
Ao raiar do sol, algumas mulheres piedosas foram ao sepulcro para embalsamar o corpo de Jesus. Quando lá chegaram, viram a pedra que o fechava afastada para o lado. O anjo disse-lhes: "Procurais a Jesus de Nazaré que foi crucificado? Ressuscitou! Não está mais aqui! Ide dizer aos discípulos".
Quando regressavam, apareceu-lhes Jesus e disse: "Eu vos saúdo!". Cheias de alegria, prostraram-se para o adorar.

JESUS APARECE AOS DISCÍPULOS DE EMAÚS
Nesse mesmo dia, dois discípulos seguiam para uma aldeia chamada Emaús e iam falando sobre os acontecimentos dos três últimos dias. Jesus aproximou-se deles, mas não o reconheceram. Perguntou Jesus: "Que conversas são essas e por que estais tão tristes?". E eles contaram-lhe. Então Jesus começou a instruí-los nestas palavras: "Não era preciso que o Cristo sofresse tais coisas para entrar na sua glória?". E explicou-lhes o que dele havia sido dito em todas as Escrituras.
Quando chegaram a Emaús, pareceu-lhes que Jesus ia para mais longe. Por isso disseram-lhe: "Ficai conosco porque já é tarde e o dia se encerra". Jesus entrou com eles na hospedaria e, estando com eles à mesa, tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu. Então seus olhos se abriram e puderam reconhecê-lo. Mas Jesus desapareceu imediatamente.

JESUS APARECE AOS APÓSTOLOS NO CENÁCULO
Estando os apóstolos e os discípulos reunidos em Jerusalém, numa sala à portas fechadas, Jesus entrou de repente e disse-lhes: "A paz esteja convosco! Assim como o Pai me enviou também eu vos envio". Depois destas palavras, soprou sobre eles, dizendo: "Recebam o Espírito Santo! Àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhe-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhe-ão retidos".

JESUS DESIGNA PEDRO PARA CHEFE DA IGREJA
Um dia, Jesus manifestou-se a sete discípulos junto do lago de Genesaré. E disse a Pedro: "Simão, filho de Jonas, tu me amas mais do que estes?". Pedro respondeu: "Sim, Senhor, vós sabeis que eu vos amo". Jesus disse-lhe: "Apascenta os meus cordeiros".
Jesus perguntou pela segunda vez: "Simão, filho de Jonas, tu me amas?". Pedro respondeu: "Sim, Senhor, vós sabeis que eu vos amo". Jesus disse-lhe: "Apascenta os meus cordeiros". Perguntou ainda pela terceira vez: "Simão, filho de Jonas, tu me amas?". Pedro ficou triste porque Jesus perguntara-lhe pela terceira vez: "Tu me amas?". E respondeu: "Senhor, vós sabeis tudo, bem sabes que eu te amo". Disse-lhe Jesus: "Apascenta as minhas ovelhas".

A ASCENÇÃO DE JESUS
Quarenta dias depois da ressurreição, Jesus apareceu mais uma vez aos apóstolos no Cenáculo, em Jerusalém. E disse-lhes: "Ide pelo mundo inteiro e ensinai todas as nações. Batizai-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Depois levou-os ao monte das Oliveiras e, erguendo as mãos, abençoou-os. Enquanto os abençoava, subiu ao céu. Os apóstolos estavam a vê-lo subir quando dois anjos vestidos de branco apareceram e lhes disseram: "Este Jesus tornará a descer do céu da mesma forma como o vistes subir". Os apóstolos voltaram para Jerusalém repletos de alegria.

O ESPÍRITO SANTO DESCE SOBRE OS DISCÍPULOS
Reunidos no Cenáculo, em Jerusalém, os discípulos de Jesus passaram nove dias inteiros em oração. O décimo dia era o Pentecostes dos judeus.
De repente, ouviu-se do céu um ruído semelhante ao de uma tempestade, que encheu toda a casa. Ao mesmo tempo, apareceram umas línguas de fogo que pousaram sobre cada um deles. E todos começaram a falar em línguas estrangeiras.
Ouvindo o ruído, muita gente acorreu até aquela casa. Pedro começou a falar: "Homens de Israel, ouvi! Este Jesus de Nazaré, que vós crucificastes, ressuscitou dos mortos. E eis que nos enviou o Espírito Santo".
Muitos dos judeus pediram então o batismo. Eram quase três mil.

A IGREJA ESPALHA-SE POR TODO O MUNDO
Depois do Pentecostes, os apóstolos pregaram o Evangelho, primeiro aos judeus, depois aos pagãos. Muitos acolheram a doutrina de Jesus e passaram a se chamar cristãos.
[A Igreja de Jesus Cristo foi se espalhando diariamente pelo mundo. É assim que a Igreja Católica existe há vinte séculos. Aumentará cada vez mais e não terminará nunca. Esta foi a promessa feita por Jesus Cristo, seu divino fundador, aos apóstolos: "Eu estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos!".]


Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/conhecendo-a-biblia-sagrada/35/#ixzz2OtKaADDs
*

FSSPX-RESISTÊNCIA: SEXTA-FEIRA SANTA COM DOM WILLIAMSON NO BRASIL

SEXTA-FEIRA SANTA NO MOSTEIRO DA SANTA CRUZ, BRASIL 

Semana Santa 2013

Católicos que resisten. El pueblo cristiano junto a sus Pastores fieles a Cristo, Pastores que no abandonan a sus ovejas y ovejas que saben escuchar la voz del buen pastor.

Los resistentes congregados en el Monasterio de la Santa Cruz, Nova Friburgo, Brasil, con la presencia de S.E.R. Monseñor Richard Williamson y los RRPP Jean-Michel Faure, Dom Tomás de Aquino, Ernesto Cardozo y René Trincado.
































 













Feliz Páscoa 2013!


FELIZ PÁSCOA A TODOS!

*

sábado, 30 de março de 2013

Sábado do Sacerdote

"Se eu encontrasse um anjo e um sacerdote, primeiro saudaria o sacerdote e depois ao anjo...”. S. Francisco de Assis

O Padroeiro de todos os Sacerdotes do mundo, O Santo Cura d’Ars, exemplo de sacerdote e de serviço à Santa Madre Igreja, repetia a seu Bispo: “Se quererdes converter vossa  diocese, será preciso tornar santos todos os vossos párocos”. 

E, ainda, nos deixou um conselho monumental: “A mais bela profissão do homem é amar e rezar”.

O Papa São Pio X dizia: “Um padre santo faz o povo santo; e um padre que não é santo podemos chamá-lo não de inútil, mas até de perigoso para o próximo”. 

E o Papa Pio XI afirmou: “Que imenso benefício é para o povo um sacerdote santo! Queríamos dizer que o próprio Deus não pode conceder benefício maior do que dar ao povo um sacerdote santo, um sacerdote segundo o coração de Deus...”. 

Os Santos Padres os Papas Pio XI e Pio XII, abençoaram e recomendaram à piedade de todos os fiéis a feliz ideia do zeloso sacerdote salvatoriano, sendo secundados por numerosos Cardeais, Arcebispos e Bispos de todo o orbe católico.


Na Quinta-Feira Santa, ganha-se indulgência plenária para cada  "Sábado do Sacerdote" rezado na intenção do Santo Padre, depois de confessar e comungar.



SÁBADO DO SACERDOTE

clique no link para rezar esta devoção preciosa

 
Lembre-se de rezar pelo sacerdote que o batizou, pelos que acompanharam seu crescimento moral e espiritual, pelo seu confessor, pelo seu diretor espiritual, e até por aqueles que o escandalizaram ou decepcionaram de alguma forma. Todos eles precisam de orações!
***

SÁBATO SANTO: VIGILIA PASCAL

VIGÍLIA PASCAL


A Vigília Pascal é o cume do ano litúrgico. Sua celebração se realiza de noite; mas de maneira a não começar antes do início da noite e a terminar antes da aurora do Domingo.

Frutos da Ressurreição de Jesus Cristo

“Vós, que haveis sido instruídos na escola de Jesus, deveis ter aprendido a despojar-vos do homem velho e revestir-vos do homem novo, criado segundo Deus em justiça e santidade” (Ef 4, 21-24). O velho homem, de que fala o apóstolo, é esse composto de orgulho, amor próprio, egoísmo, sensualidade, más inclinações, instintos depravados, o qual vive em nós desde a queda original e que tende a submeter-nos a Satanás e ao pecado. Jesus Cristo morreu para dele nos libertar, e insiste conosco a que trabalhemos com Ele para a destruição deste mal.

O homem novo, de que fala ainda o apóstolo, é a nossa alma espiritual, regenerada em Jesus Cristo pela graça, ornada de virtudes e dons sobrenaturais, no afã de seguir as pegadas do divino Mestre pela vida de justiça e de santidade. Esse homem novo, que está dentro de nós, encontra em Jesus ressuscitado o seu apoio e o seu modelo; o seu apoio, contanto que procuremos em Jesus, pela oração, os princípios da vida sobrenatural que alimentam a nossa alma; o seu modelo, porque a ressurreição corporal do Redentor é o ideal, a causa exemplar da nossa ressurreição espiritual:“Portanto pelo batismo nós fomos sepultados com ele na morte para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também nós vivamos vida nova. Porque se nos tornarmos uma coisa só com ele por uma morte semelhante à sua, seremos uma coisa só com ele também por uma ressurreição semelhante à sua” (Rm 6, 4-5).
Se, pois, morrermos a nós mesmos e ressuscitarmos assim com Jesus todos os dias do nosso exílio, teremos parte em seu triunfo e em sua beatitude. Como o patriarca José saiu outrora da prisão para reinar sobre o Egito, fazendo seus irmãos participantes da sua sorte, assim o Salvador ressuscitou glorioso do sepulcro para entrar pouco depois na sua glória e lá esperar os que, conformando-se com sua vida, merecerem ser chamados seus irmãos.
Desejamos esse belo título e os esplendores que o coroarão um dia? Neste caso, tomemos a resolução generosa: 1.° De sacudir o jugo das nossas paixões e de combater em nós a vaidade, o amor das comodidades e dos prazeres; 2.° De praticar de preferência as virtudes difíceis, as que exigem o sacrifício dos nossos defeitos ordinários, sobretudo da nossa paixão dominante.

“É Páscoa, a Páscoa do Senhor... Não figura, não história, não sombra, mas a verdadeira Páscoa do Senhor... Verdadeiramente, ó Jesus, livrastes-nos da grande ruína e nos estendestes as paternas mãos. Sob vossas paternas asas nos ocultastes. Vosso sangue divino derramastes na terra, para cumprir vossa aliança cruenta e cheia de amor pelos homens. Afastastes de nós as ameaças da ira do Altíssimo e nos restituístes a primitiva paz com Deus... Ó vós, que sois verdadeiramente só entre os sós e todo em todos! Acolham os céus o vosso espírito... mas o vosso sangue, possua-o a terra...
Ó Páscoa divina, que desces do céu à terra e da terra sobes, de novo, ao céu!... De todos és alegria, honra, alimento, delícia. Por ti foram dissipadas as trevas da morte, a todos estendeu-se a vida, abriram-se as portas do céu. Mostrou-se Deus como homem e o homem foi feito Deus...
Ó Páscoa divina, o Deus do céu, na sua generosidade, agora se une a nós no Espírito: por meio dele encheu-se a grande sala das bodas, e trazem todos a veste nupcial... Já não se apagarão as lâmpadas da alma. De modo divino e espiritual, em todos brilha, no corpo e na alma, a luz da graça, alimentada pelo óleo: Cristo.
Suplicamos-vos, ó Senhor Deus, Cristo, Rei eterno dos espíritos, estendei  as  divinas mãos  sobre  vossa  Igreja,  povo  santo,  sempre vosso! Defendei-o, guardai-o, conservai-o, e a todos os inimigos combatei, derrotai, submetei... Concedei-nos cantar com Moisés o cântico da vitória, porque vossa é a glória e o poder nos séculos!” (Santo Hipólito de Roma, Das orações dos primeiros cristãos, 44).

http://associacaosantoatanasio.blogspot.com.br/2013/03/vigilia-pascal.html

  • CRÍTICAS, SUGESTÕES E DEMAIS MANIFESTAÇÕES: AQUI.
  • PARA RECEBER AS POSTAGENS DO PALE IDEAS NO E-MAIL: AQUI.
  • LEIA TAMBÉM:
_

sexta-feira, 29 de março de 2013

SEXTA-FEIRA SANTA: ... inclinou a cabeça e expirou.

Após provar o vinagre, Jesus disse: "Tudo está consumado!". Em seguida, exclamou em alta voz:
"Pai! Nas vossas mãos entrego o meu espírito". Depois destas palavras, inclinou a cabeça e expirou.
S. João 19,30


A Paixão de Jesus


JUDAS VENDE O SENHOR
O apóstolo Judas foi encontrar-se com os príncipes dos judeus e disse-lhes: "O que me dais se vos entregar Jesus". Ofereceram-lhe trinta moedas e ele aceitou.

JESUS NO JARDIM DAS OLIVEIRAS
Saindo do Cenáculo, Jesus atravessou a torrente do Cedron e dirigiu-se, com seus discípulos, para o monte das Oliveiras.
Chegando a um lugar chamado Getsêmani, onde havia um jardim, entrou nele com os discípulos e disse-lhes: "Sentai-vos aqui enquanto eu vou orar".
Levou consigo Pedro, Tiago e João e disse-lhes: "A minha alma está triste até à morte. Ficai aqui e vigiai comigo". Depois, andou um pouco, pôs-se de joelhos e orou, dizendo: "Pai, se for possível, afasta de mim este cálice! Mas seja feita a vossa vontade e não a minha".
Depois de orar assim por três vezes, apareceu-lhe um anjo do céu para o consolar. Jesus, prolongando a sua oração, caiu em agonia e começou a suar sangue que escorria até o chão.
Depois voltou para junto dos três apóstolos, que estavam dormindo. Jesus disse-lhes: "Vamos, levantai-vos! Já está perto aquele que me traiu".

A PRISÃO DE JESUS
Jesus ainda estava falando quando chegou Judas com um grupo de soldados e servos. Todos traziam lanternas e archotes, espadas e varapaus. O traidor tinha-lhes dito: "Será aquele que eu beijar. Prendei-o".
Judas aproximou-se logo de Jesus e disse: "Mestre, eu vos saúdo". E deu-lhe um beijo na face. Jesus disse-lhe: "Meu amigo, que vieste fazer? Judas, é com um beijo que entregas o Filho do Homem?".
Então Jesus disse aos que acompanhavam Judas: "A quem procurais?". Eles responderam: "A Jesus de Nazaré". Jesus disse-lhes: "Sou eu". E logo caíram por terra. Jesus perguntou-lhe outra vez: "A quem procurais?". Eles repetiram: "A Jesus de Nazaré". Jesus respondeu: "Já vos disse que sou eu. Se é a mim que buscais, deixai que estes se vão". Então puseram as mãos em Jesus e o prenderam.

JESUS PROÍBE A RESISTÊNCIA
Vendo isto, os discípulos perguntaram: "Senhor, e se os feríssimos à espada?". Sem esperar a resposta, Simão puxou a espada, feriu Malco, servo do sumo-sacerdote, e cortou-lhe a orelha direita. Jesus disse: "Basta!". E, dirigindo-se a Pedro, disse: "Coloca a espada na bainha porque quem com o ferro mata, com o ferro será morto. Julgas que eu não poderia pedir a meu Pai e ele não me enviaria mais de doze legiões de anjos? Mas como se cumpririam as Escrituras, que anunciam que assim deve acontecer? Não hei de beber o cálice que o Pai me deu?". E, tocando a orelha de Malco, a curou.
Depois Jesus disse aos príncipes dos sacerdotes, aos magistrados do templo e aos anciãos: "Viestes armados de espadas e varapaus para me prender, como se faz a um ladrão. Todos os dias eu estava sentado entre vós, ensinando no templo e não me prendestes. Mas é esta a vossa hora, a hora do poder das trevas. Tudo isto aconteceu para que se cumprissem as palavras dos profetas".
Então os discípulos o abandonaram e fugiram. Só Pedro e João o seguiram de longe.

O SINÉDRIO CONDENA JESUS À MORTE
Os soldados levaram Jesus preso ao palácio do sumo-sacerdote Caifás, onde estava reunido o Sinédrio.
Os príncipes dos sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam algum falso testemunho contra Jesus, para o entregarem à morte, mas nada encontravam, embora se apresentassem muitas falsas testemunhas. Por fim, apareceram duas que declararam: "Ouvimos ele dizer: 'Posso destruir o templo de Deus e reedificá-lo em três dias. Destruirei este templo, feito pela mão do homem e em três dias edificarei outro que não será feito pela mão do homem". Mas as testemunhas não eram concordes.
Então o sumo-sacerdote levantou-se e, em pé, no meio do Sinédrio, disse a Jesus: "Nada respondes aos que depõem contra ti?". Mas Jesus permaneceu em silêncio e nada respondeu. Então o sumo-sacerdote disse: "Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se és o Cristo, o Filho do Deus Altíssimo". Jesus respondeu: "Sou eu". Então o sumo-sacerdote rasgou as vestes, dizendo: "Blasfemou! Que necessidade temos de mais testemunhas? Acabais de ouvir a blasfêmia! Que vos parece?". Responderam: "É réu de morte!".

PEDRO NEGA O SENHOR TRÊS VEZES
Simão Pedro, que tinha seguido Jesus de longe, entrou no átrio do palácio e sentou-se com outros perto de uma fogueira, a aquecer-se. Então a criada que abriu-lhe a porta aproximou-se dele e disse: "Tu também andavas com Jesus da Galiléia". Pedro negou diante de todos, dizendo: "Não era eu, mulher. Eu não o conheço, nem sei do que falas". No mesmo instante o galo cantou.
Pouco depois, enquanto se dirigia para a porta, outra criada reparou ele e disse aos que o cercavam: "Este também estava com Jesus de Nazaré". Pedro protestou pela segunda vez, jurando: "Não! Eu não conheço esse homem!".
Passada quase uma hora, outro veio confirmar as suspeitas, afirmando: "Certamente este estava com ele pois é galileu!". Os assistentes se aproximaram e disseram-lhe: "Não há dúvidas! Também pertenceis a eles! Até se percebe pela fala!".
Um dos servos do sumo-sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha, disse-lhe: "Então eu não te vi com ele no jardim?". Ainda desta vez Pedro negou, protestou e jurou: "Não conheço esse homem de quem falais".
Ele ainda falava quando o galo cantou pela segunda vez. Nesse instante, Jesus virou-se e bateu o olhar em Pedro. Então o apóstolo lembrou-se da palavra que o Mestre lhe dissera: "Antes que o galo cante duas vezes, tu me negarás três vezes!". Pedro saiu do palácio e chorou amargamente.

JESUS É RIDICULARIZADO E MALTRATADO
Os criados que estavam guardando Jesus começaram a ridicularizá-lo e a maltratá-lo. Uns cuspiam-lhe no rosto e o feriam a punhaladas; outros vendavam-lhe os olhos e davam-lhe bofetadas, dizendo: "Profetiza agora, Cristo: quem te bateu?". E acrescentavam muitos outros ultrajes.
Logo ao raiar do dia, os anciãos do povo, os príncipes dos sacerdotes e os doutores da Lei se reuniram e decidiram entregar Jesus à morte.
Então Judas sentiu o remorso de o haver traído e foi devolver as trinta moedas de prata ao Sinédrio, dizendo: "Pequei ao entregar sangue inocente". Eles responderam: "E o que isso nos importa?. Judas arremessou o dinheiro no templo e, retirando-se, enforcou-se numa árvore.

JESUS NA PRESENÇA DE PILATOS
Os judeus levaram Jesus da casa de Caifás ao Pretório para o entregarem a Pôncio Pilatos, governador romano da Judéia.
Pilatos saiu do Pretório e perguntou aos judeus: "Que acusação apresentais contra este homem?". Eles responderam: "Estava sublevando a nossa nação, proibindo de pagar o tributo a César e dizendo que ele é o Cristo Rei".
Pilatos tornou a entrar no Pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: "És tu o rei dos judeus?". Jesus respondeu: "Dizes isto por ti mesmo ou foram os outros que te falaram sobre mim?". Pilatos respondeu: "Acaso eu sou judeu? A tua nação e os príncipes dos sacerdotes é que te entregaram nas minhas mãos. O que fizeste?". Jesus respondeu: "O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, certamente os meus soldados se esforçariam para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui". Então Pilato disse-lhe: "Logo, tu és rei". Respondeu Jesus: "Tu o dizes: eu sou rei". Então Pilatos foi ter com os judeus e disse-lhes: "Não encontro nele crime algum". Os príncipes dos sacerdotes e os anciãos apresentavam toda espécie de acusações contra ele, mas Jesus não repondeu nada.

PILATOS QUER LIBERTAR JESUS
Tendo chamado os príncipes dos sacerdotes, os magistrados e o povo, Pilatos disse-lhes: "Apresentaste-me este homem como perturbador. Interroguei-o na vossa presença e não encontrei nenhuma das culpa de que o acusais. Vou soltá-lo depois de o castigar".
Havia um preso famoso chamado Barrabás. Era um ladrão e assassino, preso por ter cometido homicídio num motim. Quando a multidão se juntou, Pilatos perguntou: "A quem quereis que eu solte: Barrabás ou Jesus chamado o Cristo".
Os príncipes dos sacerdotes incitaram o povo a pedir a libertação de Barrabás e pedir a morte de Jesus. O governador, falando outra vez, disse: "Qual dos dois quereis que eu solte?". O povo gritou: "Queremos Barrabás". Pilatos, que desejava libertar Jesus, disse: "O que farei com Jesus, chamado o Cristo?". Gritaram: "Crucifica-o! Crucifica-o!".
Pilatos disse-lhes ainda: "Mas que mal ele fez? Não encontro nele causa alguma de morte". Mas os judeus gritavam cada vez mais: "Crucifica-o! Crucifica-o!".

JESUS É FLAGELADO E COROADO DE ESPINHOS
Pilatos, vendo que nada conseguia, mandou vir água e lavou as mãos diante da multidão, dizendo: "Estou inocente do sangue deste justo! A vós pertence toda a responsabilidade!". O povo gritou: "Que caia o seu sangue sobre nós e nossos filhos". Cedendo às exigências, Pilatos soltou Barrabás e mandou flagelar Jesus.
Em seguida, os soldados levaram Jesus para o Pretório, despojaram-no de suas vestes e puseram-lhe sobre os ombros um manto escarlate; teceram uma coroa de espinhos e enterraram-na em sua cabeça; colocaram-lhe uma cana na mão direita e, dobrando o joelho, ridicularizavam-no, dizendo: "Salve, ó rei dos judeus". Cuspiam-lhe na face e, tirando-lhe a cana da mão, batiam-lhe com ela na cabeça. Depois, davam-lhe bofetadas.

JESUS É CONDENADO À MORTE
Então Pilatos mandou levar Jesus à presença do povo, com a coroa de espinhos e o manto púrpura. E disse aos judeus: "Eis aqui o homem". Mas logo que o viram, os judeus gritaram: "Crucifica-o! Crucifica-o". Disse-lhes Pilatos: "Tomai-o vós e crucifiquem-no porque eu não encontro nele crime algum". Responderam-lhe os judeus: "Se o soltas, não és amigo de César".
Aterrado, Pilatos pronunciou a sentença de morte e entregou Jesus aos judeus, para que o crucificassem.

JESUS É CRUCIFICADO
Depois de tornarem a vesti-lo com suas vestes, os soldados levaram Jesus para ser crucificado. Carregando a sua cruz, Jesus saiu da cidade a caminho do monte Calvário, também chamado Gólgota.
Com ele seguiam outros dois condenados, dois malfeitores, destinados ao suplício.
Pelo caminho, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, que voltava do campo e o obrigaram a levar a cruz atrás de Jesus.
No Calvário, Jesus foi crucificado, entre os dois ladrões, um à sua direita e o outro à sua esquerda. E Jesus orava: "Pai, perdoai-os pois não sabem o que fazem".
Os soldados dividiram entre si as vestes de Jesus, tirando a sorte. Como a túnica era uma peça única, lançaram a sorte para ver a quem cabia.
Junto à cruz do Senhor estava Maria, sua Mãe, e o apóstolo João. Jesus disse à Mãe: "Mulher, eis aí o teu filho". Depois disse ao discípulo: "Eis aí a tua Mãe". E a partir daquele momento o discípulo tomou Maria consigo.

JESUS MORRE NA CRUZ
Depois Jesus disse: "Tenho sede!". Um dos soldados molhou a esponja em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara e chegou-a aos lábios de Jesus. Após provar o vinagre, Jesus disse: "Tudo está consumado!".
Em seguida, exclamou em alta voz: "Pai! Nas vossas mãos entrego o meu espírito". Depois destas palavras, inclinou a cabeça e expirou.
Imediatamente a terra tremeu, os rochedos racharam, os túmulos se abriram e muitos mortos ressuscitaram.
O centurião e os soldados que estavam de guarda disseram: "Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus!".

JESUS É SEPULTADO
Ao anoitecer, um dos soldados traspassou com a lança o lado de Jesus. E logo saiu sangue e água.
Pouco depois, dois homens piedosos e estimados, José de Arimatéia e Nicodemos, desprenderam da cruz o corpo do Senhor. Envolveram-no em um lençol de linho fino e o colocaram em um sepulcro novo, aberto no rochedo. Rolaram uma grande pedra sobre a entrada do sepulcro.
Os judeus selaram a pedra e puseram soldados a guardar o sepulcro.


Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/conhecendo-a-biblia-sagrada/34/#ixzz2OtHD7rSA

SEXTA-FEIRA: VIA SACRA

clique para ampliar e imprimir

Via Crucis

VIA CRUCIS

SANTO AFONSO MARIA LIGÓRIO


O CAMINHO DA CRUZ

Ajoelha-te ante o altar, fazei um Ato de Contrição, e faz a intenção de ganhar as indulgências para vosso bem, ou para as almas no purgatório. Depois dizei: 

Senhor meu Jesus Cristo, Vós percorrestes com tão grande amor este caminho para morrer por mim, e eu vos tenho ofendido tantas vezes apartando me de Vós pelo pecado; 

Mas agora vos amo com todo meu coração, e porque vos amo, me arrependo sinceramente de todas as ofensas que vos tenho feito. 

Perdoai-me, Senhor, e permitais-me que vos acompanhe nesta viagem.

Vais morrer por meu amor, pois eu também quero viver e morrer pelo vosso, amado Redentor meu. 

Sim, Jesus meu, quero viver sempre e morrer unido a Vós. 




1ª ESTAÇÃO: JESUS É CONDENADO À MORTE.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, depois de haver sido açoitado e coroado de espinhos, foi injustamente sentenciado por Pilatos a morrer crucificado.

(Aqui se faz uma pequena pausa para considerar brevemente o mistério, e o mesmo nas demais estações.)

Adorado Jesus meu: meus pecados foram maiores dos que de Pilatos, dos que vos sentenciaram a morte.

Pelos méritos deste doloroso passo, vos suplico me assistais no caminho que vai recorrendo minha alma para a eternidade.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.

2ª ESTAÇÃO: JESUS LEVANDO A CRUZ ÀS COSTAS.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, andando neste caminho com a cruz a costas, ia pensando em Vós e oferecendo a seu Pai por vossa salvação a morte que ia padecer.

PAUSA

Amabilíssimo Jesus meu: abraço todas as tribulações que me tens destinadas até a morte, e vos rogo, pelos méritos da pena que sofrestes levando vossa Cruz, me deis força para levar a minha com perfeita paciência e resignação .

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



3ª ESTAÇÃO: JESUS CAI PELA PRIMEIRA VEZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera esta primeira queda de Jesus debaixo da Cruz.

PAUSA
Suas carnes estavam despedaçadas pelos açoites; sua cabeça coroada de espinhos, e havia já derramado muito sangue, pelo qual estava tão frágil, que apenas podia caminhar;

Levava ao mesmo tempo aquele enorme peso sobre seus ombros e os soldados lhe empurravam; de modo que muitas vezes desfaleceu e caiu neste caminho.

Amado Jesus meu: mais que o peso da Cruz, são meus pecados os que Vos fazem sofrer tantas penas.

Pelos méritos desta primeira queda, livrai-me de cair em pecado mortal.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.


4ª ESTAÇÃO: ENCONTRO DE JESUS COM SUA MÃE SANTÍSSIMA.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera o encontro do Filho com sua Mãe neste caminho.

PAUSA

Se olharam mutuamente Jesus e Maria, e seus olhares foram outras tantas flechas que traspassaram seus amantes corações.

Amantíssimo Jesus meu: pela pena que experimentasteis neste encontro, concedei-me a graça de ser verdadeiro devoto de vossa Santíssima Mãe.

E Vós, minha aflita Rainha, que fostes abrumada de dor, alcançai-me com vossa intercessão uma continua e amorosa memoria da Paixão de vosso Filho.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.


5ª ESTAÇÃO: JESUS AJUDADO POR SIMÃO CIRINEU A LEVAR A CRUZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como os judeus, ao ver que Jesus ia desfalecendo cada vez mais, temeram que Ele morresse no caminho e, como desejavam ve-Lo morrer da morte infame de Cruz, obrigaram a Simão o Cirineo a que lhe ajudasse a levar aquele pesado madero.

PAUSA

Dulcíssimo Jesus meu: não quero recusar a Cruz, como o fez o Cirineo, antes bem a aceito e a abraço; aceito em particular a morte que tenhais destinada para mim, com todas as penas que a tem de acompanhar, a uno a vossa, e Vos a ofereço.

Vós haveis querido morrer por meu amor, eu quero morrer pelo vosso; ajudai-me com vossa graça.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



6ª ESTAÇÃO: A PIEDOSA VERÔNICA ENXUGA O ROSTO DE JESUS.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como a devota mulher Verônica, ao ver a Jesus tão fatigado e com o rosto banhado em suor e sangue, lhe ofereceu um lenço.

PAUSA


E limpando-se com ele nosso Senhor, deixou impresso neste sua santa imagem.

Amado Jesus meu: em outro tempo vosso rosto era lindíssimo; mas nesta dolorosa viagem, as feridas e o sangue tem mudado sua beleza.

Ah! Senhor meu, também minha alma ficou linda a vossos olhos quando recebi a graça do batismo, mas eu a tenho desfigurado depois com meus pecados.

Vós apenas, Oh! Redentor meu!, podeis restituir-lhe minha beleza passada: fazendo-o pelos méritos de vossa Paixão.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



7ª ESTAÇÃO: JESUS CAI PELA SEGUNDA VEZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera a segunda queda de Jesus debaixo da Cruz, na qual se lhe renova a dor das feridas de sua cabeça e de todo seu corpo ao aflito Senhor.

PAUSA

Oh! pacientíssimo Jesus meu: Vos tantas vezes me haveis perdoado, e eu tenho voltado a cair e a ofender-vos.

Ajudai-me, pelos méritos desta nova queda, a perseverar em vossa graça até a morte.

Fazei que em todas as tentações que me assaltem, sempre e prontamente me encomende a Vós.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



8ª ESTAÇÃO: JESUS CONSOLANDO AS FILHAS DE JERUSALÉM.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como algumas piedosas mulheres, vendo a Jesus em tão lastimoso estado, que ia derramando sangue pelo caminho, choravam de compaixão; mas Jesus lhes disse: não choreis por mim, mas sim por vós mesmas e por vossas filhos.

PAUSA

Aflito Jesus meu: choro as ofensas que Vos tenho feito, pelos castigos que tenho merecido, mas muito mais pelo desgosto que tenho dado a Vós, que tão ardentemente me haveis amado.

Não é tanto o Inferno, o que me faz chorar meus pecados, mas ter ofendido o vosso amor imenso.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.


9ª ESTAÇÃO: JESUS CAI PELA TERCEIRA VEZ DEBAIXO DA CRUZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera a terceira queda de Jesus Cristo.

PAUSA

Extremada era sua fraqueza e excessiva a crueldade dos soldados, que queriam fazer-lhe apressar o passo, quando apenas lhe restava forças para mover-se lentamente.

Atormentado Jesus meu: pelos méritos da debilidade que quisesteis padecer em vosso caminho ao Calvario, dai-me a fortaleza necessaria para vencer os respeitos humanos e todos os meus desordenados e perversos apetites, que me tem feito desprezar vossa amizade.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



10ª ESTAÇÃO: JESUS NO ATO DE O DESPIREM E DE LHE DAREM O FEL A BEBER.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como ao ser despojado Jesus de suas vestes pelos soldados, estando a túnica interior pregada as carnes descoladas pelos açoites, lhe arrancaram também com ela a pele de seu sagrado corpo.

PAUSA


Compadece-se a vosso Senhor e diga-lhe:

Inocente Jesus meu: Pelos méritos da dor que sofrestes, ajudai-me a desnudar-me de todos os afetos às coisas terrenas, para, que possa eu pôr todo meu amor em Vós, que tão digno sois de ser amado.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



11ª ESTAÇÃO: JESUS PREGADO NA CRUZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, extendido sobre a Cruz, abre seus pés e mãos e oferece ao Eterno Pai o sacrificio de sua vida por nossa salvação; lhe cravam aqueles bárbaros soldados e depois levantam a Cruz ao alto, deixando-lhe morrer de dor, sobre aquele patíbulo infame.

PAUSA


Oh! desprezado Jesus meu: Cravai meu coração a vossos pés para que permaneça sempre ali amando-vos e não vos deixe mais.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



12ª ESTAÇÃO: JESUS MORRE NA CRUZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, depois de três horas de agonia, consumido de dores e exausto de forças seu corpo, inclina a cabeça e expia na Cruz.

PAUSA

Oh! morto Jesus meu: Beijo enternecido essa Cruz em que por mim haveis morrido.

Eu, por meus pecados, teria merecido um má morte, mas a vossa é minha esperança.

Eis, pois Senhor, pelos méritos de vossa Santíssima morte, concedei-me a graça de morrer abraçado a vossos pés e consumido por vosso amor.

Em vossas mãos encomendo minha alma.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



13ª ESTAÇÃO: JESUS É DESCIDO DA CRUZ.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como, havendo expirado o Senhor, lhe baixaram da Cruz dois de seus discípulos.

PAUSA

José e Nicodemo, e lhe depositaram nos braços de sua dolorosíssima Mãe, Maria, que lhe recebeu com ternura e lhe apertou contra seu peito traspassado de dor.

Oh! Mãe dolorosíssima: Pelo amor deste Filho, admiti-me por vosso servo e rogai-lhe por mim.

E Vós, Redentor meu, já que haveis querido morrer por mim, recebei-me no número dos que vos amam mais, pois eu não quero amar nada fora de Vós.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.



14ª ESTAÇÃO: JESUS É COLOCADO NO SEPULCRO.


Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como os discípulos levaram a enterrar Jesus, acompanhando-lhe também sua Santíssima Mãe, que lhe depositou no sepulcro com suas próprias mãos.

PAUSA

Depois cerraram a porta do sepulcro e se retiraram.

Oh! Jesus meu sepultado : Beijo essa pedra que vos encerra.

Vos ressucitasteis depois de três dias; por vossa ressurreição vos peço e vos suplico me façais ressucitar glorioso no dia do juízo final para estar eternamente convosco na glória, amando-vos e bendizendo-vos.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,
Por mim vais a morte,
Quero seguir vossa sorte,
Morrendo por vosso amor;
Perdão e graça imploro,
Neste caminho de dor.


ATO DE CONTRIÇÃO

Senhor Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós Quem sois sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas, e porque Vos amo e estimo, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração, de Vos ter ofendido; pesa-me também por perdido o céu e merecido o inferno, e proponho firmemente, ajudado com o auxílio da vossa divina graça, emendar-me e nunca mais vos tornar a ofender, e espero alcançar o perdão das minhas culpas, pela vossa infinita misericórdia. Ámen.

ABORTO - O GRITO SILENCIOSO

CONHEÇA O NOVO SITE DA EDITORA